Posts tagged ‘Advento’

Reflexão de Advento: “Cristo é o centro do meu tempo?”

Cúria romana reunida na Capela Redemptoris Mater

O pregador oficial da Casa Pontfícia, Frei Raniero Cantalamessa, intitulou a reflexão “Cristo é o mesmo, ontem, hoje e sempre”, iniciando-a com ‘a onipresença de Cristo no tempo’.

Cristiane Murray – Cidade do Vaticano

Nesta sexta-feira (22/12), o Pregador capuchino Frei Raniero Cantalamessa propôs ao Papa Francisco e a seus colaboradores a sua segunda e última meditação do tempo de Advento.

Na capela Redemptoris Mater, no Vaticano, Frei Cantalamessa intitulou a reflexão “Cristo é o mesmo, ontem, hoje e sempre”, iniciando-a com ‘a onipresença de Cristo no tempo’.

Cristo e o tempo

“Cristo, afirmou o pregador, está no mundo, mas não é do mundo; está na história e no tempo, mas transcende a história e o tempo. Não é uma presença abstrata e uniforme, pois atua de modo diferenciado nas diversas fases da história da salvação”.

Cristo: figura, evento e sacramento

“Ele está presente no Antigo Testamento como figura, está presente no Novo Testamento como evento e está presente no tempo da Igreja como sacramento. A figura anuncia, antecipa e prepara o evento, enquanto o sacramento o celebra, o torna presente, o atualiza e, em certo sentido, o prolonga”.

A constatação de que Cristo é reconhecido como o pivô e o eixo do tempo não deve ser para um cristão um motivo de orgulho e triunfalismo, mas uma oportunidade para um exame de consciência. Frei Cantalamessa sugeriu as seguintes questões:

“Cristo também é o centro da minha vida, da minha pequena história pessoal? Do meutempo? Ele ocupa um lugar central apenas na teoria, ou também de fato?”

“Cristo não é apenas o centro, ou o baricentro, da história humana, aquele que, com a sua vinda, cria um antes e um depois no passar do tempo: Ele também é aquele que preenche todos os momentos deste tempo; é “a plenitude”, também no sentido ativo que enche de si a história da salvação: primeiro como figura, depois como evento e, finalmente, como sacramento.

O encontro que muda a vida

Conduzindo a reflexão ao plano pessoal, o capuchinho afirmou que isso significa que Cristo também deve preencher nosso tempo: “Preencher de Jesus mais instantes possíveis da própria vida não é um programa impossível, não é uma questão de passar todo o tempo pensando em Jesus, mas de “perceber” sua presença, abandonando-se à sua vontade”.

E mencionou um exemplo prático e vivido recentemente por ele mesmo, quando em uma viagem, ficou algum tempo sem conexão à internet até consegui-la, finalmente. “E o que é essa conexão em comparação com aquela que se realiza quando alguém se “conecta” pela fé com Jesus Ressuscitado e vivo? No primeiro caso, a pessoa se abre para um pobre e trágico mundo dos homens; aqui, a pessoa se abre ao mundo de Deus, porque Cristo é a porta, é o caminho que conduz à Trindade e ao infinito”.

Chegando à conclusão, o Frei afirmou:

“ Diante de Deus, o melhor momento da vida não é o mais cheio de possibilidades e atividades, mas o tempo mais repleto de Cristo porque esse já se insere na eternidade ”

Pensando já no que vem, quando os jovens estarão no centro da atenção da Igreja com o sínodo sobre “Os jovens e a fé”, propôs que os ajudemos “a preencher de Cristo a sua juventude, oferecendo-lhes o dom mais bonito”.

Anúncios

23 de dezembro de 2017 at 5:43 Deixe um comentário

«Eu sou a voz que clama no deserto» – Comentário de Santo Agostinho

Imagem relacionada

João era a voz, mas «no princípio era o Verbo» (Jo 1,1). João era uma voz para um tempo; Cristo é a Palavra desde o princípio, a Palavra eterna. Sem a Palavra, o que é a voz? Onde não há nada para compreender, há um ruído vazio. A voz sem a palavra entra no ouvido, mas não chega ao coração. Descubramos, pois, como as coisas se encadeiam no nosso coração, que tem de ser edificado. Se eu penso naquilo que devo dizer, a palavra está já no meu coração; mas, quando quero falar-te, procuro a maneira de passar para o teu coração o que já existe no meu. Se procuro como pode a palavra que já existe no meu coração encontrar-te e ficar no teu coração, sirvo-me da voz, e é com esta voz que te falo: o som da voz conduz até ti a ideia contida na palavra. Então, é verdade que o som se esvai; mas a palavra que o som conduziu até ti está doravante no teu coração, sem ter abandonado o meu.

Logo que a palavra passa para ti, não é verdade que o som parece dizer, como João Batista, «Ele deve crescer e eu diminuir» (Jo 3,30)? O som da voz ressoou para realizar a sua função, e desaparece como se dissesse: «Essa é a minha alegria, que agora é completa» (29). Guardemos pois a Palavra; não deixemos partir a Palavra, concebida no mais fundo do nosso coração.

Fonte: Evangelho Quotidiano

15 de dezembro de 2017 at 5:40 Deixe um comentário

Ele batizar-vos-á no Espírito Santo e no fogo – Comentário de São Cirilo de Alexandria

Resultado de imagem para imagem do Espírito santo

«Aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu; Ele batizar-vos-á no Espírito Santo e no fogo» (Mt 3,11) O poder de batizar no Espírito Santo e no fogo será obra duma humanidade semelhante à nossa? Como poderia ser isso? Falando de um homem que ainda não Se tinha apresentado, João declara que Ele batizará «no Espírito Santo e no fogo». Não como o faria um qualquer subalterno, insuflando nos  batizados um Espírito que não é o seu, mas como alguém que é Deus por natureza, que dá com um poder soberano o que vem dele e Lhe pertence como propriedade. E é graças a isso que se imprime em nós o selo divino.

Efetivamente, em Cristo Jesus somos transformados à imagem divina; não que o nosso corpo seja modelado de novo, mas porque, ao possuirmos o próprio Cristo, recebemos o Espírito Santo, a ponto de podermos, daí em diante, exultar de alegria: «A minha alma exulta no Senhor, porque Ele me revestiu de salvação e de alegria» (1Sam 2,1) Com  efeito, o apóstolo Paulo diz: «Todos vós, que fostes batizados em Cristo, fostes revestidos de Cristo» (Gál 3,27).

Foi então num homem que fomos baptizados? Silêncio. Tu, que não passas de ser um homem, queres deitar por terra a nossa esperança? Nós fomos batizados num Deus feito homem, que liberta das penas e das faltas todos os que nele acreditam. «Arrependei-vos e que cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo. Então recebereis o dom do Espírito Santo» (At 2,38). Ele liberta os que a Ele se  unem;  Ele faz surgir em nós a sua própria natureza. O Espírito  Santo pertence por natureza ao Filho, que Se tornou homem semelhante a nós, porque Ele mesmo é a vida de tudo o que existe.

Fonte: Evangelho Quotidiano

8 de dezembro de 2017 at 5:26 Deixe um comentário

«Vigiai, porque não sabeis em que dia virá o vosso Senhor.» – Homilia de São Macário

Resultado de imagem para imagem do primeiro domingo do advento

Deus é o bem supremo; congrega nele os pensamentos do teu espírito e não penses senão em aguardar a sua vinda. Que a alma congregue os seus pensamentos dispersos pelo pecado, como se reunisse um bando de crianças que brincam, e os reconduza à mansão do seu corpo, esperando o Senhor em jejum e com amor, até que Ele venha e verdadeiramente a acolha.

Se o nosso coração não se orgulhar, se não enviarmos os nossos pensamentos a pastar nos prados das ervas loucas do pecado, mas se, pelo contrário, elevarmos o espírito e conduzirmos os nossos pensamentos à presença do Senhor com um desejo fervoroso, então, no seu bem-querer, o Senhor virá seguramente a nós e unir-nos-á verdadeiramente a Si.

Apressa-te, pois, a agradar ao Senhor, espera-O incessantemente no teu coração, procura-O nos teus pensamentos, incita a tua vontade e os teus sentimentos a orientarem-se constantemente para Ele. Verás então que Ele virá a ti e fará de ti a sua morada.

Fonte: Evangelho Quotidiano

1 de dezembro de 2017 at 5:57 Deixe um comentário

III pregação de Advento com o Papa: A sóbria embriaguez do Espírito

2016-12-16 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco participou na manhã de sexta-feira (16/12) da terceira pregação de Advento, na capela Redemptoris Mater, no Vaticano.

O Pontífice e seus colaboradores da Cúria Romana ouviram o Pregador Fr. Raniero Cantalamessa desenvolver o tema “A sóbria embriaguez do Espírito”. Nesta terceira pregação, o frade capuchinho falou de modo especial da renovação carismática.

Para Fr. Cantalamessa, como outras análogas realidades novas da Igreja de hoje, a renovação carismática apresenta por vezes lados problemáticos, excessos, divisões, pecados. “Isso foi, também para mim, no começo pedra de escândalo. Mas isso acontece com todos os dons de Deus assim que caem nas mãos dos homens. No entanto, ninguém sonha com eliminar esse carisma na vida da Igreja. Não foram isentos de desordens e defeitos nem mesmo as primeiras comunidades carismáticas cristãs, como aquela de Corinto. O Espírito não faz todos e de uma vez santos. Age em diferentes graus e de acordo com a correspondência que encontra.”

O frade capuchino acrescenta que não se trata de aderir a um ou outro movimento na Igreja. Para ele, não se trata nem mesmo de um movimento, mas de uma “corrente de graça” aberta a todos. “São João XXIII falou de um “novo Pentecostes”, o Beato Paulo VI foi ainda mais longe falando de um “perene Pentecostes”.

E concluiu com um verso ambrosiano – uma estrofe do hino das Laudes da Quarta Semana do saltério: “Seja Cristo o nosso alimento, seja Cristo a água viva: nele provamos sóbrios a embriaguez do Espírito”.

23 de dezembro de 2016 at 5:18 Deixe um comentário

2ª Pregação do Advento: “O Espírito Santo e o discernimento”

2016-12-09 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa iniciou suas atividades, na manhã desta sexta-feira (09/12), participando, na Capela Redemptoris Mater, no Vaticano, da segunda pregação do Advento do Frei Raniero Cantalamessa, que continuou suas reflexões sobre o tema: “Bebamos, sóbrios, a embriaguez do Espírito”. Em sua segunda meditação, em preparação ao Santo Natal, o Pregador oficial da Casa Pontifícia refletiu sobre “O Espírito Santo e o carisma do discernimento”, em continuação do tema da obra do Espírito Santo na vida do cristão: “discernimento dos espíritos”.

Originalmente, este termo tem um significado muito específico: indica o dom que permite distinguir, entre as palavras inspiradas ou proféticas, pronunciadas durante uma assembleia, as que vêm do Espírito de Cristo das que vêm de outros espíritos, ou seja, do espírito do homem, do espírito demoníaco ou do espírito do mundo.

Desta maneira, o Frei Capuchinho aprofundou esta temática, dividindo-a em três partes: “O discernimento na vida eclesial, o discernimento na vida pessoal e deixar-se guiar pelo Espírito Santo”.

Devemos ter confiança na capacidade do Espírito, disse Cantalamessa, recordando que “todas as vezes que os pastores das Igrejas cristãs, em nível local ou universal, se reúnem para fazer discernimento ou tomar decisões importantes, deveriam ter no coração a confiante certeza da presença do Espírito Santo”.

O “discernimento na vida pessoal” ou das próprias inspirações. Por meio do dom ou do conselho, o Espírito Santo ajuda a avaliar as situações e orientar as escolhas, não apenas com base em critérios de sabedoria e prudência humanas, mas também à luz dos princípios sobrenaturais da fé.

O perigo de algumas formas modernas de entender e praticar o discernimento é enfatizar os aspectos psicológicos, esquecendo que o agente principal de todo discernimento é o Espírito Santo. O discernimento não é uma arte ou uma técnica, mas um carisma, um dom do Espírito!

Além da escuta da Palavra, a prática mais comum para exercer o discernimento em nível pessoal é o exame de consciência, que não deveria ser limitado somente à preparação da confissão, mas tornar-se uma capacidade constante de colocar-se sob a luz de Deus e deixar-se “perscrutar” no íntimo por ele.

Enfim, “deixar-se guiar pelo Espírito Santo” deve ser uma decisão renovada de confiarmos na orientação interior do Espírito Santo, como por uma espécie de “direção espiritual”. O próprio Jesus nunca fez nada sem o Espírito Santo: ao retornar do deserto, mediante o poder do Espírito Santo, começou a sua pregação, escolheu os seus apóstolos e se ofereceu ao Pai.

Padre Raniero Cantalamessa concluiu sua reflexão pedindo ao Paráclito para dirigir a nossa mente e toda a nossa vida! (MT)

19 de dezembro de 2016 at 5:23 Deixe um comentário

Advento – reflexão de São Bernardo

Imagem relacionada

Desde hoje, celebramos de todo o coração o advento do Senhor Jesus Cristo, e não fazemos mais que o nosso dever, porque Ele veio, não só a nós, mas por nós. O Senhor não tem qualquer necessidade dos nossos bens; a grandeza da graça que Ele nos fez mostra bem a dimensão que tinha a nossa indigência. Julga-se a gravidade de uma doença pelo que ela custa a curar. […]

Tínhamos pois necessidade da vinda de um Salvador; o estado em que se encontravam os homens tornava a sua presença indispensável. Que o Salvador venha então rapidamente! Que Ele venha habitar no meio de nós pela fé, em toda a riqueza da sua graça. Que Ele venha arrancar-nos da nossa cegueira, que nos liberte das nossas enfermidades, que tome conta da nossa fraqueza! Se Ele está em nós, quem poderá extraviar-nos? Se Ele está no meio de nós, o que não poderemos fazer naquele que é a nossa força! (Fil 4,13) «Se Ele está a nosso favor, quem poderá estar contra nós?» (Rom 8,31) Jesus Cristo é um conselheiro absolutamente seguro, que não pode, nem enganar-Se, nem enganar-nos; Ele é uma poderosa ajuda, cuja força nunca se extingue. […] Ele é a própria sabedoria de Deus, a própria força de Deus (1Cor 1,24). […] Recorramos todos, pois, a tal Mestre: em todos os nossos empreendimentos, invoquemos esta ajuda; no coração dos nossos combates, confiemo-nos a Defensor tão seguro. Se Ele já veio ao mundo, é para habitar no meio de nós, connosco e por nós.

Fonte> Evangelho Quotidiano

11 de dezembro de 2016 at 5:29 1 comentário

Posts antigos


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 251 outros seguidores

Categorias