Archive for junho, 2019

Papa: amor a Jesus se traduz em proximidade aos mais necessitados

1561888992121.JPG

No Angelus, o Santo Padre disse que o seguir Jesus exclui arrependimentos e olhar para trás, mas requer a virtude de decisão. Comentando o Evangelho deste XIII Domingo do Tempo Comum, Francisco destacou que o ser discípulo de Cristo deve ser uma escolha livre e consciente, feita por amor, para retribuir a graça inestimável de Deus, e não um modo para promover a si próprio

Raimundo de Lima – Cidade do Vaticano

“Jesus nos quer apaixonados por Ele e pelo Evangelho. Uma paixão do coração que se traduz em gestos concretos de proximidade, de proximidade aos irmãos mais necessitados de acolhimento e de atenção. Exatamente como Ele mesmo viveu.”

Foi o que disse o Papa Francisco no Angelus ao meio-dia deste domingo (30/06), em que a Igreja no Brasil celebra a solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e também o Dia do Papa.

Na alocução que precedeu a oração mariana, dirigindo-se aos milhares de fiéis, peregrinos e turistas presentes na Praça São Pedro, o Pontífice explicou a página do Evangelho deste XIII Domingo do Tempo Comum (Lc 9,51-62), em que o Evangelista São Lucas dá início à narração da última viagem de Jesus rumo a Jerusalém, que se concluirá no capítulo 19.

Decisão de seguir Jesus deve ser também ela total e radical

Francisco observou tratar-se de uma longa marcha não somente geográfica e espacial, mas espiritual e teológica rumo ao cumprimento da missão do Messias, acrescentando que “a decisão de Jesus é radical e total, e aqueles que o seguem são chamados a defrontar-se com ela.

O Santo Padre ateve-se aos três personagens que São Lucas apresenta no Evangelho do dia, “três casos de vocação, podemos dizer, que evidenciam o que é exigido a quem quer seguir Jesus até o fim, totalmente”, ressaltou.

O primeiro personagem promete a Jesus: “Eu te seguirei para onde quer que vás”. Generoso! Mas Jesus responde que o Filho do homem, diferentemente das raposas que têm as tocas e as aves do céu, ninhos, “não tem onde reclinar a cabeça. A pobreza absoluta de Jesus”.

O cristão é um itinerante

“Efetivamente, Jesus deixou a casa paterna e renunciou a toda e qualquer segurança para anunciar o Reino de Deus às ovelhas perdidas de seu povo. Desse modo, Jesus indicou a nós, seus discípulos, que a nossa missão no mundo não pode ser estática, mas itinerante, o cristão é um itinerante”, explicou o Papa.

“Por sua natureza, a Igreja está em movimento, não fica sedentária e tranquila em seu recinto. É aberta aos mais vastos horizontes, enviada – a Igreja é enviada – a levar o Evangelho pelas estradas e a alcançar as periferias humanas e existenciais. Este é o primeiro personagem.”

Primado do seguimento e do anúncio do Reino

O segundo personagem que Jesus encontra, continuou Francisco, recebe o chamado diretamente d’Ele, porém responde: “Senhor, permite-me primeiro ir enterrar meu pai”. O Pontífice observou tratar-se de um pedido legítimo, fundado no mandamento de honrar pai e mãe. Todavia, Jesus replicou: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos”.

“Com essas palavras, propositadamente provocatórias, Ele quer afirmar o primado do seguimento e do anúncio do Reino de Deus, mesmo sobre as realidades mais importantes, como a família. A urgência de comunicar o Evangelho, que rompe a cadeia da morte e inaugura a vida eterna, não admite atrasos, mas requer prontidão e total disponibilidade. Ou seja, a Igreja é itinerante, aí a Igreja é decidida, tem pressa, no momento, sem esperar.”

Seguir Jesus exclui indecisões e repensamentos

O terceiro personagem apresentado pelo Evangelista quer também ele seguir Jesus, mas, com a condição de antes despedir-se dos parentes, e ele ouve o Mestre dizer-lhe: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não é apto para o Reino de Deus”. Francisco destacou que o seguir Jesus exclui arrependimentos e olhar para trás, mas requer a virtude de decisão.

O valor destas condições colocadas por Jesus – itinerante, prontidão e decisão – não está numa série de “não” ditos a coisas boas e importantes da vida, explicou o Papa.

Não se segue Jesus por conveniência. Ai dos carreiristas!

“O acento deve ser colocado no objetivo principal: tornar-se discípulo de Cristo! Uma escolha livre e consciente, feita por amor, para retribuir a graça inestimável de Deus, e não feita como um modo para promover a si próprio. Isso é triste! Ai daqueles que pensam seguir Jesus para promover-se, isto é, para fazer carreira para sentir-se importantes ou adquirir um lugar de prestígio.”

“Que a Virgem Maria, ícone da Igreja em caminho, nos ajude a seguir o Senhor com alegria e a anunciar aos irmãos, com renovado amor, a Boa Nova da salvação”, disse Francisco voltando seu pensamento a Nossa Senhora.

Atenção à península coreana

Após a oração mariana, o Pontífice comentou o aperto de mão este domingo, na Coreia, entre o presidente estadunidense Donald Trump e seu homólogo norte-coreano Kim Jong-un:

“Nas últimas horas assistimos na Coreia um bom exemplo de cultura do encontro. Saúdo os protagonistas, com a oração a fim de que tal gesto significativo constitua um passo ulterior no caminho da paz, não somente naquela península, mas em favor do mundo inteiro.”

30 de junho de 2019 at 11:01 Deixe um comentário

São Pedro e São Paulo, rogai por nós!

Resultado de imagem para imagem de são pedro e são paulo

«Dar-te-ei as chaves do Reino dos Céus»

O Senhor reconheceu em Pedro o intendente fiel, a quem confiou as chaves do Reino, e em Paulo um mestre qualificado, que encarregou de ensinar na Igreja. Para prometer aos que foram formados por Paulo que encontrariam a salvação, era preciso que Pedro os acolhesse para lhes dar repouso. Quando Paulo tiver aberto os corações com a sua pregação, Pedro abrirá às almas o Reino dos Céus. Assim, pois, também Paulo recebeu de Cristo uma espécie de chave, a chave da ciência, que permite abrir em profundidade os corações endurecidos para a fé, para em seguida trazer à superfície, por uma revelação espiritual, aquilo que se encontrava escondido no interior. Trata-se de uma chave que deixa escapar da consciência a confissão do pecado e que nela encerra para sempre a graça do mistério do Salvador. Ambos receberam, pois, chaves das mãos do Senhor; um deles recebeu a chave da ciência, o outro a chave do poder; este dispensa as riquezas da imortalidade, aquele distribui os tesouros da sabedoria. Porque há tesouros do conhecimento, como está escrito: «O mistério de Deus, isto é, Cristo, no Qual estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência» (Col 2,2-3).

Texto de São Máximo de Turim

30 de junho de 2019 at 5:55 Deixe um comentário

Reflexão litúrgica para a Solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo

Santos Apóstolos Pedro e Paulo, colunas da Igreja

Santos Apóstolos Pedro e Paulo, colunas da Igreja

“Pedro”, que quer dizer pedra, indicando sua missão nova e definitiva: “confirmar seus irmãos na fé”. “Pedro nos confirma na fé e Paulo evangeliza”

Pe. Cesar Augusto dos Santos S.J. – Cidade do Vaticano

A Igreja no Brasil celebra, neste domingo, a Solenidade de São Pedro e São Paulo.

Quando queremos refletir com calma, sem influência de pessoas ou situações, nos retiramos para um local afastado e silencioso. Queremos estar a sós na natureza e na presença de Deus. Foi o que Jesus fez com seus discípulos, quando escolheu quem iria governar seu rebanho.

Com eles, o Senhor se dirigiu a Cesareia de Filipe, um lugar afastado do mundo judeu e significativo pela natureza, próximo ao monte Hermom e a uma das fontes do Jordão. Lá, na solidão e apenas na presença do Pai, perscrutou o coração de Simão, que o reconheceu como Messias, e o fez seu Vigário na terra.

Por outro lado, Jesus confirmou seu nascimento na fé, dando-lhe outro nome, “Pedro”, que quer dizer pedra, indicando seu cargo novo e definitivo: “confirmar seus irmãos na fé”.

Além das graças, para viver plenamente a sua missão, Pedro recebeu também a de dar glória a Deus por meio da sua morte na cruz, como o Mestre, mas de cabeça para baixo.

Como chefe da Igreja, Pedro recebeu o poder de ligar e desligar, isto é, declarar o que está de acordo ou em desacordo com o projeto de Jesus. Por isso, ele foi sempre o homem renascido para a missão.

Mas, hoje, celebramos também o Apóstolo Paulo, outro pilar da Igreja. Pedro nos confirma na fé e Paulo evangeliza.

Paulo, que antes da sua conversão se chamava Saulo, deu testemunho da sua fé em Jesus Cristo com o martírio.

Paulo teve a consciência de cumprir fielmente a sua missão de anunciar o Evangelho ao mundo e de ter guardado a fé.

Celebrar os Santos é praticar seus ensinamentos e seguir seus testemunhos de fé.

Que a Solenidade destas duas colunas da Igreja seja uma ocasião de graças para o crescimento do Reino de Deus em nossa vida cristã!

29 de junho de 2019 at 10:45 Deixe um comentário

«Sua mãe guardava todas estas coisas no seu coração»

Naquele tempo, Jesus vivia em Maria e, em certo sentido, fazia parte dela; o Seu coração estava junto ao de Maria. Naquele tempo, Maria vivia em Jesus porque Ele era o seu todo; o coração de Maria estava junto do coração de Jesus e dava-lhe vida. Naquele tempo, Jesus e Maria mais não eram do que um só, vivendo na terra. O coração de um vivia e respirava apenas em função do outro.

Estes dois corações, tão próximos e divinos, vivendo juntos com ânimo tão elevado, o que não serão um ao outro, o que não farão eles um com o outro? Só o amor o pode calcular, o amor divino e celeste, o próprio amor de Jesus. […] Ó coração de Jesus vivendo em Maria e por Maria! Ó coração de Maria vivendo em Jesus e por Jesus! Ó excelente união dos dois corações!

O coração da Virgem foi o primeiro altar sobre o qual Jesus ofereceu em Hóstia de louvor perpétuo o Seu coração, o Seu corpo e o Seu espírito, sobre o qual Jesus ofereceu o Seu primeiro sacrifício e fez a primeira oblação perpétua de Si próprio.

Texto do Cardeal Pierre de Bérulle (1575-1629)

29 de junho de 2019 at 5:38 Deixe um comentário

Reze pelos sacerdotes e pelo Papa Francisco

28 de junho de 2019 at 15:09 Deixe um comentário

«É nisto que está o amor: não fomos nós que amamos a Deus, foi Ele que nos amou e enviou o seu Filho» (1Jo 4,10)

O Coração do nosso Salvador é uma fornalha ardente de amor por nós: um amor purificador, um amor iluminador, um amor santificador, um amor transformador e um amor divinizante. Um amor purificador, em que os corações são purificados mais perfeitamente do que o ouro no fogo. Um amor iluminador, que dissipa as trevas do inferno que cobrem a Terra, para nos fazer entrar nas luzes admiráveis do Céu: «Chamou-nos das trevas para a sua luz admirável» (1Ped 2,9). Um amor santificador, que destruiu o pecado na nossa alma, para nela estabelecer o reino da graça. Um amor transformador, que muda as serpentes em pombas, os lobos em cordeiros, as alimárias em anjos, os filhos do diabo em filhos da graça e da bênção. Um amor divinizante, que faz dos homens deuses, tornando-os participantes da santidade de Deus, da sua misericórdia, da sua paciência, da sua bondade, do seu amor, da sua caridade e das outras perfeições divinas: «participantes da natureza divina» (2Ped 1,4). O Coração de Jesus é um fogo que derrama as suas chamas no Céu, na Terra e em todo o Universo. Fogo e chamas que abrasam os corações dos serafins, e que abrasariam todos os corações da Terra, se o gelo do pecado não se lhe opusesse. Ele tem um amor extraordinário pelos homens, tanto pelos bons e seus amigos, como pelos maus e seus inimigos, pelos quais nutre uma caridade tão ardente que nem todas as torrentes das águas dos seus pecados são capazes de a extinguir!

Texto de São João Eudes

28 de junho de 2019 at 5:50 Deixe um comentário

Levar os jovens a Deus, motivação e força de nossa vida religiosa, diz Papa

1560595987362.JPG

“Felicidade, amor, sucesso, realização pessoal”, fazem parte do mundo das aspirações de nossos jovens, “que precisam ser ordenadas, como o Criador fez no princípio dos tempos, passando do caos à ordem do cosmo”, e é justamente aqui que vocês “podem e devem entrar (…), para ajudar os jovens a harmonizarem suas aspirações e colocá-las em ordem”, disse Francisco aos membros da Santíssima Trindade e dos Escravos Trinitários.

Jackson Erpen – Cidade do Vaticano

“Esta é a motivação, a força de toda a nossa vida religiosa, e também de nossa ação com os jovens: levá-lo a Deus”.

Ao receber na manhã deste sábado, 15, na Sala Clementina os cerca de 70 participantes do Capítulo Geral da Ordem da Santíssima Trindade e dos Escravos Trinitários, o Papa falou sobre os desafios da pastoral juvenil e vocacional, “um tema vital para a Igreja (…) e certamente também de grande importância para a vossa Ordem”.

Francisco começou seu discurso agradecendo ao novo Superior Geral, padre Luigi Buccarello, e às tantas obras de misericórdia desenvolvidas pela Ordem nas escolas, paróquias, prisões, institutos de reabilitação, chamando a atenção, de que o trabalho vocacional, qualquer que seja, “não é proselitismo.”

No Instrumentum Laboris do Capítulo é reconhecida “a dificuldade de linguagem e de método para comunicar com o mundo juvenil” e mesmo a “necessidade de uma formação específica para a pastoral de acompanhamento e de discernimento”.

Somado a isso, diante de  “uma cultura de grande vazio provocada por um pensamento frágil e pelo relativismo (…), da cultura do fragmento onde os grandes temas perderam o significado”, poder-se-ia pensar que “não há espaço para uma proposta vocacional de fé às novas gerações. Mas tirar esta conclusão, seria um grave erro”, adverte Francisco.

Ajudar a ordenar as aspirações

Também hoje – recorda o Papa – “há jovens que ardentemente buscam o pleno significado de suas vidas; jovens que são capazes de dedicação incondicional às grandes causas; jovens que apaixonadamente amam Jesus e demonstram grande compaixão pela humanidade”.

“Felicidade, amor, sucesso, realização pessoal”, fazem parte do mundo das aspirações de nossos jovens, “que precisam ser ordenadas, como o Criador fez no princípio dos tempos, passando do caos à ordem do cosmo”, e é justamente aqui  que vocês “podem e devem entrar (…), para ajudar os jovens a harmonizarem suas aspirações e colocá-las em ordem”, sem esquecer que os jovens pedem que seja dado a eles um certo protagonismo. Eles “devem ser protagonistas, esta é a chave, e protagonistas em movimentos, não quietos”, reiterou o Papa.

E para chegar a eles, é preciso uma criatividade “que parta da conversão pastoral a que nós somos chamados, para poder chegar a eles e fazer uma proposta evangélica que os ajude a discernir a vocação para a qual são chamados na Igreja”.

Proximidade e acompanhamento

O Papa então, indica alguns desafios apresentados pela pastoral juvenil e vocacional, a começar pela “proximidade e acompanhamento”.

Os jovens nos querem próximos, enfatiza Francisco. A pastoral juvenil e vocacional exige acompanhamento, o que comporta proximidade, estar presente na vida dos jovens. “Os jovens vos querem como companheiros de caminho”:

“A proximidade é a única coisa que pode garantir uma relação fecunda – evangelicamente falando – com os jovens. Abram as vossas casas e comunidades aos jovens, para que possam compartilhar a vossa oração e a vossa fraternidade, mas sobretudo abram os vossos corações a eles. Que eles se sintam amados pelo que são, por como são. Seja para os jovens irmãos mais velhos com quem eles possam conversar, em quem eles podem confiar. Escutem-nos, conversem com eles, façam discernimento juntos. Isso cansa! E esse é o preço: o vosso cansaço.”

Em saída

O segundo ponto indicado por Francisco é “em saída”, isto é, “há necessidade de ir de encontro aos jovens e não somente aos próximos”, mas “ir de encontro àqueles que estão distantes. Acolhê-los como são. Nunca desprezar seus limites. Apoiá-los e ajuda-los até onde isto for possível”:

Encorajo-vos a caminhar com eles, saindo de esquemas pré-fabricados – por favor, pastorais pré-fabricados não! -, sem esquecer que, especialmente com os jovens, é preciso ser perseverantes, semear e esperar pacientemente que a semente cresça e um dia, quando o Senhor quiser, dê frutos. Vosso trabalho é semear, Deus fará  crescer e talvez outros colherão os frutos. Que vossa pastoral juvenil seja dinâmica, participativa, alegre, cheia de esperança, capaz de correr riscos, confiante. E sempre cheio de Deus, que é o que os jovens mais precisam para preencher seu anseio por plenitude. Uma pastoral cheia de Jesus, que é o único caminho que os leva ao Pai, a única verdade que sacia sua sede, a única Via pela qual vale a pena deixar tudo.”

Para que sejam santos

 

E toda esta dedicação, “para que sejam santos”, o terceiro ponto.

“Esta é a motivação de toda nossa vida religiosa, e também de nossa ação com os jovens, levá-los a Deus”. Diante da tentação de resignação, vos é pedida a “audácia evangélica para lançar as redes, mesmo que possa parecer não ser o tempo e o momento mais oportuno”:

“Diante de uma vida sonolenta, adormentada e cansada, vos é solicitado para ficarem despertos, para poder despertar; vos é pedido para serem profetas da esperança e da novidade, profetas da alegria com a vossa própria vida, sabendo que a melhor pastoral juvenil e vocacional é viver a alegria da sua própria vocação.”

“Deus chama em todos os lugares, Deus não faz preferência de pessoas, chama a todos. Sejam corajosos! (…) Vençamos nossos medos! Levantemo-nos! Os jovens, próximos e distantes, nos esperam”, disse o Papa ao concluir, pedindo para não esquecerem de rezar por ele.

28 de junho de 2019 at 5:37 Deixe um comentário

«Sou o menor dos apóstolos, nem sou digno de ser chamado Apóstolo» (1Cor 15,9)

Pietro-Paolo-A

É com razão, irmãos, que a Igreja aplica aos santos apóstolos Pedro e Paulo estas palavras do Sábio: «Foram homens de misericórdia, cujas obras de piedade não foram esquecidas. Na sua descendência permanecem os seus bens, e a sua herança passa à sua posteridade» (Sir 44,10-11). Sim, podemos, com propriedade, chamar-lhes homens de misericórdia; porque eles obtiveram misericórdia para si próprios, porque estão cheios de misericórdia, e porque foi na sua misericórdia que Deus no-los deu. Vede, com efeito, que misericórdia obtiveram. Se interrogardes o apóstolo S. Paulo sobre este assunto […], ele dir-vos-á: «Antes fora blasfemo, perseguidor e violento. Mas alcancei misericórdia, porque agi por ignorância, sem ter fé ainda» (1Tim 1,13). De facto, pensemos no mal que ele fez aos cristãos de Jerusalém […] e aos de toda a Judeia! […] Quanto ao bem-aventurado Pedro, tenho outra coisa a dizer-vos, e coisa tão sublime quanto única. Com efeito, se Paulo pecou, fê-lo sem o saber, porque não tinha fé; Pedro, pelo contrário, tinha os olhos bem abertos no momento da queda (Mt 26,69s). Mas «onde abundou o pecado, superabundou a graça» (Rom 5,20). […] Se S. Pedro pôde elevar-se a um tal grau de santidade depois de uma queda tão pesada, quem poderá desesperar a partir de então, por pouco que queira sair de seus pecados? Atentai no que diz o Evangelho: «saindo para fora, chorou amargamente» (v. 75) […]. Ouvistes que misericórdia obtiveram os apóstolos; de então em diante, nenhum de vós será esmagado pelas faltas passadas […]. Se pecaste, não pecou Paulo ainda mais? Se caíste, não caiu Pedro de maneira bem mais grave do que tu? Ora, um e outro, pela penitência, não só obtiveram a salvação, como se tornaram grandes santos, e mesmo ministros da salvação, mestres da santidade. Faz portanto o mesmo, irmão, pois é por ti que a Escritura lhes chama «homens de misericórdia».

Comentário de São Bernardo

27 de junho de 2019 at 5:45 Deixe um comentário

Em Nápoles, Papa defende um “Pentecostes teológico”

1561108704147.jpg

“Sem comunhão e sem compaixão, constantemente alimentadas pela oração, a teologia não só perde a alma, mas perde a inteligência”, disse o Papa ao concluir o Congresso sobre a Constituição apostólica “Veritatis gaudium”.

Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano

“Sonho Faculdades teológicas onde se viva a convivialidade das diferenças, onde se pratique uma teologia do diálogo e do acolhimento”: este sonho do Papa Francisco foi expresso em Nápoles, no encontro promovido pela Pontifícia Faculdade Teológica da Itália Meridional.

Foram dois dias de Congresso, que reuniu cerca de mil participantes, sobre o tema “A teologia depois da Veritatis gaudium no contexto do Mediterrâneo”.

O Papa foi o convidado de honra e proferiu o seu discurso no final da manhã desta sexta-feira, no qual agradeceu também ao “querido irmão” Patriarca Bartolomeu, que contribuiu para a reflexão teológica do encontro enviando uma mensagem.

Já o Pontífice deu destaque a duas palavras: acolhimento e diálogo. “As escolas de teologia se renovam com a prática do discernimento e com um modo de proceder dialógico”, defendeu ele.

Dois são os movimentos necessários e complementares: o primeiro do baixo em direção ao alto, que pode dialogar com toda instância humana e histórica, levando em consideração toda a grandeza do humano; e o segundo, do alto em direção ao baixo, onde por “alto” se entende Jesus elevado na cruz.

No horizonte, Francisco entrevê a não-violência, para qual a teologia deve olhar como próprio elemento constitutivo.

Mestiçagem

Diálogo não é uma forma mágica, adverte o Papa, mas pode auxiliar a teologia quando é considerada seriamente, quando é encorajada e favorecida entre docentes e estudantes. De modo especial, o Pontífice considera importante que os estudantes sejam educados ao diálogo com o Hebraísmo e o Islamismo.

“O Mediterrâneo é propriamente o mar da mestiçagem, um mar geograficamente fechado em relação aos oceanos, mas culturalmente sempre aberto ao encontro, ao diálogo e à recíproca inculturação. Com o diálogo sempre se ganha. Todos perdemos com o monólogo.”

O Papa defendeu ainda a prática da teologia de forma interdisciplinar, que os teólogos saibam trabalhar em conjunto, superando o individualismo no trabalho intelectual. E fez uma das declarações mais tocantes do seu discurso:

“ Neste caminho contínuo de saída de si e de encontro com o outro, é importante que os teólogos sejam homens e mulheres de compaixão, tocados pela vida oprimida de muitos, das escravidões de hoje, das chagas sociais, das violências, das guerras e das enormes injustiças sofridas por muitos povos que vivem nas margens deste ‘mar comum’. Sem comunhão e sem compaixão, constantemente alimentadas pela oração, a teologia não só perde a alma, mas perde a inteligência e a capacidade de interpretar de maneira cristã a realidade. Só é possível fazer teologia de joelhos. ”

Pentecostes teológico

Falando especificamente sobre o tema do Congresso, a Veritatis gaudim, o Pontífice recordou que a Constituição apostólica (publicada pelo Papa Francisco em dezembro de 2017) propõe uma teologia em rede e, no contexto do Mediterrâneo, em solidariedade com todos os “náufragos” da história.

O papel da teologia no Mediterrâneo depois deste documento é sintonizar-se com o Espírito de Jesus Ressuscitado, “com a sua liberdade de ir pelo mundo e alcançar as periferias, inclusive as de pensamento”.

“ Pode-se e deve-se trabalhar na direção de um ‘Pentecostes teológico’, que permita às mulheres e aos homens do nosso tempo ouvir ‘na própria língua’ uma reflexão cristã que responda à sua busca de sentido e de vida plena. ”

Para isso, apontou Francisco, é preciso partir do Evangelho da misericórdia. A teologia, recordou, nasceu em meio aos seres humanos concretos e, portanto, “fazer teologia é um ato de misericórdia” e os bons teólogos também têm o cheiro das ovelhas.

“A misericórdia não é somente uma atitude pastoral, mas é a própria substância do Evangelho de Jesus.”

Por fim, o Papa encorajou a “liberdade teológica”. “Sem a possibilidade de experimentar novas estradas, não se cria nada de novo e não se deixa espaço à novidade do Espírito do Ressuscitado.”

Francisco então concluiu: “Sonho Faculdades teológicas onde se viva a convivialidade das diferenças, onde se pratique uma teologia do diálogo e do acolhimento”.

27 de junho de 2019 at 5:41 Deixe um comentário

Polêmica antes do jogo: time feminino de futebol do Vaticano se retira

Futebol: time feminino do Vaticano

Futebol: time feminino do Vaticano

O amistoso em Viena seria a estreia internacional da recém-formada seleção feminina de futebol do Vaticano, mas se transformou num protesto contra a Igreja.

Cidade do Vaticano

Surpreendidas pelas provocações das adversárias, as jogadoras do time feminino de futebol do Vaticano deixaram o campo em Viena antes do início do jogo com as austríacas do Mariahilf.

O amistoso seria a estreia internacional da recém-formada seleção feminina de futebol do Vaticano, mas se transformou num protesto contra a Igreja. Durante o hino do Vaticano, algumas meninas austríacas levantaram suas camisetas expondo frases a favor do aborto e proclamando mensagens pró-LGBT, em controvérsia com as posições da Igreja. Das arquibancadas surgiram também faixas polêmicas.

Time acaba de ser criado

O protesto surpreendeu as jogadoras do Vaticano e toda a equipe técnica, que estavam prontas para uma simples festa. Em conjunto com o diretor esportivo, tomaram a dolorosa decisão de não jogar a partida para não continuar a instrumentalização de um evento para o qual haviam se preparado com alegria.

O time de futebol feminino do Vaticano jogou no último dia 26 de maio seu primeiro jogo contra as meninas da ‘Primavera de Roma’: apesar de perderem de 10 a zero, o evento foi uma bela manifestação de amizade e esporte.

26 de junho de 2019 at 5:56 Deixe um comentário

Posts antigos


Arquivos

ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se aos outros seguidores de 341

Categorias