Archive for setembro, 2010

OS SANTOS ARCANJOS

 

 O Catecismo ensina: “A existência dos seres espirituais, não-corporais, que a Sagrada Escritura chama habitualmente de anjos é uma verdade de fé. O testemunho da Escritura é tão claro quanto a unanimidade da tradição”. (328)

Em toda a Sagrada Escritura há inúmeras passagens relacionadas aos Anjos. Pode-se concluir então que eles são:

criados por Deus ( Cl 1,16)

– adoradores de Deus ( Ap 7,11-12)

-dotados de inteligência e vontade ( Mt 24,31)

Contemplam a face de Deus ( Mt 18,10 )

imortais ( Lc 20,36)

Mensageiros de Deus ( Lc 1, 11-20)

Obedientes a Deus e O servem (Sl 102,20 )

-Ministros da Liturgia Celeste ( Ap 8,2-5)

Próximos de nós ( At 8,26)

-Os que assistem os profetas, autoridades eclesiais e civis ( 1 Rs 19,5-6)

-Salvam os que estão em perigo ( Gn 21, 17-18 )  

-Intercessores, pois levam nossas orações a Deus ( Ap 8,3)

Nossos protetores e defensores  ( Sl 90,11 )

Inspiradores de nosso proceder ( At 11,13)

Acompanhantes da vida da Igreja ( Lc 2,13-14)

-Executores da Ira de Deus ( At 12, 23)

Os que vão a frente de nós, abrindo as portas ( Gn 24,7) 

Os que nos trazem de volta para o caminho da salvação ( Hb 1,14 )

-Os guardiões  da  Palavra de Deus e seus Mandamentos ( Hb 2,2)

– Os que nos Conduzem a Deus  no fim da vida terrena ( Lc 16, 22)

-Portadores da luz de Deus ( Ap 10, 1)

– Vencedores sobre todo o mal ( Ap 20, 1-2)

-Os que nos libertam das prisões ( At 12,7-8)

– Os que trazem a cura de Deus ( Jo 5, 4 )

-A revelação dos desígnios de Deus em sonhos ( Mt 2, 19-20)

-Os que virão com Jesus nos finais dos tempos( Mt 25, 31)

Há nove coros de anjos: os serafins, querubins, tronos, dominações, potestades, virtudes, principados, arcanjos e anjos, distribuídos em três hierarquias. (Ef 1, 21)

Os anjos sempre acompanharam a vida de Jesus. Os santos anjos” rodeiam Cristo e acompanham-no cumprimento de sua missão salvífica em relação aos homens.” ( Felipe Aquino) Tudo foi criado por Jesus e para Jesus, assim também os Anjos: “ Nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as criaturas visíveis e as invisíveis. Tronos, dominações, principados, potestades: tudo foi criado por Ele e para Ele.” (Cl 1,16) Os anjos estão à serviço do Senhor Jesus em sua missão messiânica como Salvador da humanidade, por isso as Sagradas Escrituras narram sobre a presença dos anjos em vários momentos da vida de Jesus:

1-    O anjo Gabriel anuncia a Maria Santíssima o seu nascimento ( Lc 1, 11-26)

2-    Os anjos glorificam-no após o nascimento (Lc 2,14)

3-    Protegem sua infância (Lc 2,13-19)

4-    Servem Jesus no deserto (Mc 1,13)

5-    Reconfortam-no na agonia (Lc 22,43)

6-    Poderia ter sido salvo por eles (Mt 26,53)

7-    Mensageiros do nascimento de Jesus aos pastores (Lc 2, 10)

8-    Mensageiros da ressurreição do Senhor (Mc 16,5-6)

9-    Na Ascensão anunciam a segunda vinda de Jesus (At 1,11)

10- Na sua segunda vinda para juntar os escolhidos e castigar os injustos (Mt 13, 41-42)

Os Santos Arcanjos, são celebrados pela Igreja no dia 29 de setembro, tem seus nomes terminados com “EL”, que significa Deus, pois a verdadeira natureza dos arcanjos é a existência por causa de Deus e para Ele. Os Arcanjos são mensageiros de Deus, pois trazem Deus para nós. Unem o céu e a terra. Conhecem-nos mais que a nós mesmos. São nossos amigos, pois nos afastam do caminho do mal e nos faz retornar a Deus. São nosso conforto e apoio nos momentos de dificuldades e provações. São três os Santos Arcanjos: Miguel, Gabriel e Rafael.

São Miguel- São Miguel nos defende do dragão e de suas maldades.    Satanás nos acusa dia e noite diante de Deus ( Ap 12, 10 ) Quer nos afastar do Senhor, fazendo-nos pecar. Ao pecar perdemos o esplendor de Deus em nós e nossa dignidade de filhos amados de Deus. E o seu objetivo é esse: impedir a nossa salvação para que não vejamos a face de Deus por toda a eternidade. Na Palavra de Deus aparece o Arcanjo São Miguel vencendo a batalha contra os anjos maus (Ap 12, 7 ) e, protegendo o povo eleito contra Satanás e seus enviados ( Dn 10,13). Seu nome significa: “ Quem é como Deus.”

São Gabriel– Revela os planos salvíficos de Deus. Faz revelações a Daniel sobre o Reino ( Dn 8, 15-16), anuncia a Zacarias o nascimento de João Batista ( Lc 1, 11-13) e, anuncia à Virgem Maria a sua divina maternidade (Lc 1, 26). É o mensageiro da boa-nova da salvação. O Papa Bento XVI diz que o Senhor bate à porta de Maria para receber o sim na proposta de se tornar a Mãe do Redentor e lembra que por diversas vezes o Senhor bate também à porta do coração humano ( Ap 3,20 ), esperando o nosso sim. A encarnação de Deus, o fazer-se carne, deve continuar até o fim dos tempos em nosso coração. O Arcanjo Gabriel é chamado de “ Fortaleza de Deus”.

São Rafael– Aparecem em dois momentos importantes na Palavra de Deus:No matrimônio de Tobias (Tb 6,11-13). São Rafael faz a comunhão entre o homem e a mulher no matrimônio. São Rafael aparece como o anjo a quem devemos recorrer quando estamos com dificuldades no matrimônio, quando este é ameaçado pelo pecado, pelo afastamento dos cônjuges. Cura seus corações pelo sangue de Jesus crucificado e restaura o relacionamento.

Na cura da cegueira do pai de Tobias (Tb 11, 7-8 ). O anjo Rafael foi companheiro de viagem de Tobias e ensinou-lhe como deveria curar a cegueira do pai. Hoje somos cegos para a luz de Deus, por causa dos apegos às coisas materiais. O Papa Bento XVI diz que o serviço de São Rafael é curar nossas feridas e, que a verdadeira ferida da alma e o motivo de todas as outras feridas é o pecado (Tb 12, 9-10). Procuremos a confissão onde somos curados e remidos. São Rafael também é chamado de “Remédio de Deus”.

O que os santos da Igreja dizem sobre os anjos?

São Basílio:” Cada fiel tem ao seu lado um anjo como tutor e pastor, para o levar à vida.”

Santo Agostinho: “É preciso honrar os anjos testemunhando-lhes amor e respeito, mas não adoração, a qual somente a Deus é devido.”

São Tomás de Aquino: “O intelecto angélico é um verdadeiro quadro pintado ou melhor ainda, um espelho vivo que o anjo precisa apenas contemplar para conhecer as coisas naturais deste mundo.”

O Testemunho

Quando tinha seis anos de idade, estava sentada em cima da carroceria de um caminhão com meus parentes. Voltávamos de uma cidade próxima, quando caí no asfalto. Meus pais que estavam no interior do veículo só perceberam minha ausência algum tempo depois. O carro ia numa velocidade média e eles foram avisados por outras pessoas.Todos concluíram que foi um grande milagre de Deus, que enviou seus anjos para me livrar do perigo. E nada aconteceu comigo, embora o acidente tenha sido grave. Minha mãe sempre me ensinou a rezar todas as noites a oração do santo anjo. E agradeço a Deus por isso: Santo Anjo do Senhor\ meu zeloso guardador\ se a ti me confiou\ a piedade divina\ sempre rege-me\ guarda-me\ governa-me\ ilumina-me. Amém.

 Podemos concluir com a fala do Papa Bento XVI:”…nós, seres humanos, deveríamos tornar-nos sempre de novo anjos uns para os outros anjos que nos afastam dos caminhos errados e nos orientam sempre de novo para Deus.”

” Maria é mais santa que os Anjos, mais bela que os Arcanjos, mais venerável que os Tronos, mais poderosa que as Dominações, mais pura que os Poderes, mais radiosa que os Querubins, mais digna de respeito que os Serafins.” ( Homilia in Jaudem Deisparae)- do livro ” Os Anjos” de Felipe Aquino.

Ó Nossa Senhora, intercedas junto a  Jesus, para que envie  seus  anjos para  nos defender de todo o mal e nos guiar no caminho da salvação. Rainha dos Anjos, rogai por nós!

Oremos com os Arcanjos: “São Gabriel com Maria\ São Rafael com Tobias\ São Miguel com todas as hierarquias\ abri para nós esta via.

São Miguel, rogai por nós! São Rafael, rogai por nós! São Gabriel, rogai por nós!

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

28 de setembro de 2010 at 23:20 Deixe um comentário

ZAQUEU

” Zaqueu, desce depressa, porque é preciso que eu fique hoje em tua casa.”

Pela conversão de Zaqueu ( Lc 19, 1-10 ) , podemos refletir sobre a nossa própria conversão. São Gregório de Nissa disse: “Aquele que vê a Deus obteve todos os bens que podemos imaginar.” E foi assim com Zaqueu também. Era um homem com um cargo elevado na sociedade (chefe dos cobradores de impostos), que possuía muitos bens materiais (Lc 19, 20), mas mesmo com toda essa riqueza, só encontrou a felicidade verdadeira quando viu Jesus. Por ser de baixa estatura, Zaqueu subiu na árvore (sicômoro) para ver Jesus quando Ele passasse por ali. Ao passar embaixo da árvore, Jesus “levantando os olhos, viu-o e disse-lhe: “Zaqueu, desce depressa, porque é preciso que eu fique hoje em tua casa”. O que precisamos fazer para ver Jesus e ser visto por Ele, como aconteceu com Zaqueu?( Lc 19,4-5 )  O Papa João Paulo II, falou assim aos jovens na XIX Jornada Mundial da Juventude, em Roma: “O desejo de ver Deus reside no coração de cada homem e de cada mulher”. E ainda: “Aquele que se aproxima de Jesus com o coração livre de preconceitos pode chegar muito facilmente à fé, porque é o próprio Jesus que já o viu e amou primeiro. O aspecto mais sublime da dignidade do homem encontra-se exatamente na sua vocação de comunicar-se com Deus, neste profundo intercâmbio de olhares que transforma a vida. Para ver Jesus, é preciso em primeiro lugar deixar-se olhar por Ele!”

Buscar a Deus e se deixar achar por Ele. Quantas vezes trocamos a ida à Igreja aos domingos; os encontros de formação e retiros pelo: futebol, ida ao shopping, pelas festas, pelo churrasco. Tudo isso possivelmente faça parte do lazer da família no domingo, mas não se deve fazê-lo como substituição pela ida à Igreja. Deus lá está sempre a nos esperar, não passivamente, mas através dos seus ministros ordenados, os padres, que ministram os Sacramentos que são sinais da presença de Jesus Ressuscitado em nosso meio. O Senhor nos chama e quer nos atrair para si para sermos curados, libertos e salvos: ”Prestai-me atenção, e vinde a mim; escutai, e vossa alma viverá: quero concluir convosco uma eterna aliança, outorgando-vos os favores prometidos a Davi.( Is 55, 3)

Desapegar-nos dos bens materiais que nos impedem de aceitar a salvação em Jesus Cristo, que é fonte da verdadeira felicidade. O catecismo da Igreja diz: “O desejo da felicidade verdadeira liberta o homem do apego imoderado aos bens deste mundo.” Ao encontrar-se com Jesus, Zaqueu renunciou àquilo que estava impedindo-o de ter um encontro profundo com Ele: os seus bens materiais. Zaqueu disse para Jesus: “Senhor, vou dar a metade dos meus bens aos pobres e, se tiver defraudado alguém, restituirei o quádruplo.”(Lc 19, 8) A conversão passa pela caridade e ajuda aos irmãos necessitados. Mas Jesus continua a nos ensinar sobre a riqueza e o Reino de Deus: “ Ajuntai para vós tesouros no céu, onde não os consomem nem as traças nem a ferrugem, e os ladrões não furtam nem roubam. ( Mt 6, 20 ) E concluindo, Jesus disse ainda no Evangelho de São Mateus: “ Em verdade vos declaro: é difícil para um rico entrar no Reino Dos Céus!”( 19, 23) Mas mesmo sendo rico, Zaqueu deu mais valor e amou mais a Jesus Cristo, do que a seus bens e, por isso, encontrou a salvação que buscava, pois “a Deus tudo é possível”.( Mt  19, 26)

Arrepender-nos dos pecados cometidos, confessá-los e fazer o propósito de não mais cair em pecado, receber o perdão de Deus e, assim poder começar uma vida nova na graça do Senhor. ( 2 Cor 5, 17 ) Zaqueu confessou seus pecados e arrependido obteve de Jesus o perdão: “ Hoje entrou a salvação nesta casa, porquanto também este é filho de Abraão. Pois o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido.” ( Lc 19, 9-10)  Pelo Espírito Santo somos santificados no batismo mas, a fragilidade,a fraqueza da natureza humana e a inclinação ao pecado nos faz travar um combate diário em busca da santidade e da vida eterna ”para a qual somos incessantemente chamados pelo Senhor”.( Cic 1426) Santa Joana d’Arc questionada pelos seus algozes se estava na graça de Deus. Ela respondeu: “Se não estou, que Deus me queira colocar nela; se estou, que Deus nela me conserve.”

Nós devemos usar nossa liberdade em vista do destino eterno. O catecismo ensina: “Ninguém deve ser forçado contra a sua vontade a abraçar a fé. Pois o ato de fé é por sua natureza, voluntário”. (160 ) Mas Deus aguarda ansiosamente que o procuremos, pois a salvação da nossa alma está n’Ele.  A fé em Jesus Cristo  nos tornam pessoas felizes, que buscam ver Jesus e o encontram verdadeiramente. E principalmente somos felizes, porque o Senhor nos ama, toma a iniciativa e nos vê primeiro e, por isso, antecipa esse encontro de amor: ” O meu amado é todo meu e eu sou dele.”( Ct 2,16)

Ó Maria Santíssima, ensina-nos a ver Jesus, a ter um encontro profundo com Ele. Interceda junto ao seu Filho pelos nossos pecados e nossas faquezas, para que possamos ser lavados pelo seu Sangue Redentor e sermos inteiramente transformados por Ele.

Jane Amábile- Com. Divino Espírito Santo

24 de setembro de 2010 at 11:40 Deixe um comentário

AS BEM-AVENTURANÇAS

 

” Vendo aquelas multidões, Jesus subiu à montanha. Sentou-se e seus discípulos aproximaram-se dele. Então, abriu a boca e lhes ensinava, dizendo:”

 As bem-aventuranças são sinônimos de felicidade. É uma recompensa de Deus para os que buscam em primeiro lugar o seu reino e a sua justiça. No Sermão da Montanha ( Mt 5, 3-12 ), Jesus ensina o caminho pra se chegar às bem-aventuranças: são graças que alcançamos, algumas vezes pelo sofrimento. Mas nosso Senhor vem confortar o coração dos que sofrem com a promessa das bem-aventuranças. As bem-aventuranças elevam nossa esperança ao céu, onde Deus definitivamente “ enxugará toda a lágrima de seus olhos e já não haverá morte, nem luto, nem grito, nem dor, porque passou a primeira condição.”

Nós temos o desejo natural de felicidade, que o próprio Deus colocou em nosso coração, para que pudéssemos buscá-lo, já que essa felicidade plena só conseguiremos encontrar  N’Ele. Embora fôssemos chamados à felicidade, fomos feridos pelo pecado e necessitamos totalmente de Deus, que é o nosso Salvador. Mesmo que tenhamos riqueza, poder, beleza, fama, saúde, esses não são bens suficientes para preecher o vazio que está em nosso coração, que o pecado provocou e que só Deus pode preencher.

Jesus subiu ao Monte e ensinou sobre as bem-aventuranças:

Bem aventurados os que têm um coração de pobre, porque deles é o Reino dos Céus!”( Mt 5, 3 )  Santo Agostinho explicou assim esse versículo:” O orgulhoso procura o poder terreno, ao passo que o pobre em espírito busca o Reino dos Céus”. O coração pobre não é soberbo,orgulhoso, arrogante, rancoroso, mas é humilde e se dispõe a perdoar e amar sempre.

Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados!” ( Mt 5, 4) Uma grande multidão sempre acompanhava Jesus e havia muitos doentes entre eles. Jesus se compadecia de todos: curava, libertava e consolava-os de suas aflições. Jesus promete a todos nós que nossas lágrimas se converterão em consolo no Reino dos Céus, mas já aqui nesse mundo podemos sentir essa consolação de Deus, quando pessoas ao nosso lado,  nos ajudam a suportar os momentos difíceis.

“Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra!”(Mt 5,5)  Jesus diz: “ porque eu “sou manso e humilde de coração”. Jesus nos dá o exemplo de mansidão em tudo; em suas ações, em seu olhar,em sua  palavra… São Paulo diz: seja “ condescendente com todos, capaz de ensinar, paciente em suportar os males.”( 2 Tm 2,24 ) Agir com mansidão nos abre um largo caminho junto às pessoas e, aos bens materiais e espirituais.

“ Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados!”( Mt 5, 6 ) Jesus conviveu com seu pai terreno- São José, que a Palavra de Deus descreve como um homem justo, de bem ( Mt 1, 19 ). Ser justo ajuda na convivência e fortalece as relações familiares e, também com as outras pessoas. Ser justo é andar na verdade, é  tratar a todos com igual dignidade, pois todas as pessoas têm a mesma origem e a mesma natureza e, todos são resgatados pelo sacrifício na cruz.

“ Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia!”( Mt 5, 7 )  Maria Santíssima exaltou Deus no Magnificat porque “sua misericórdia se estende de geração em geração”( Lc 1, 50 ) Deus tem misericórdia de todos nós, de nossos antepassados e de todos o que virão depois de nós. Jesus pede que a exemplo do Pai sejamos misericordiosos com todos: “ Sede misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso.”( Lc 6, 36 )  A misericórdia procede do amor e nos faz compreender que precisamos não só dar o perdão a todos que nos ofenderam, mas também receber o perdão de Deus e de nossos irmãos.

“ Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus!” ( Mt 5, 8 ) Os de coração puro são aqueles que tem um coração de criança, isto é, sem malícia, que conseguem ver bondade nas pessoas. Jesus disse: “…quem não receber o reino de Deus como uma criancinha nele não entrará.” ( Lc 18, 17 ) Deus quis se revelar em Jesus Cristo. Quem tem o coração puro vê Jesus, ouve Jesus, ama Jesus. São Pedro reconheceu a divindade de Jesus, pois ele tinha o coração puro e simples. São Pedro viu Deus na bondade de Jesus, na misericórdia de Jesus, no poder de Jesus, no amor de Jesus: “ Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo!”( Mt 16, 16 )

“ Bem-aventurados os pacíficos, porque serão chamados filhos de Deus!”( Mt 5, 9 ) Os promotores da paz, os que unem, os que congregam, os que não tomam partido,os que não discriminam são chamados pacíficos. O Pai é reconhecido no filho por se parecer com ele. O livro de Isaías, capítulo 9, versículo 5 fala: Deus “ … se chama: Conselheiro admirável, Deus forte, Pai eterno, Príncipe da paz.”  Deus é paz: ser pacífico é ser filho de Deus.

“ Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus!”( Mt 5, 10 ) Deus é justo em tudo o que faz. ( Dt 32,4 ) Se buscamos viver com retidão, incomodamos aqueles que vivem na falsidade.Os mártires da Igreja  Católica sofreram perseguição, por causa da proclamação da verdade e da justiça de Deus. São Paulo é firme em seu ensinamento: “ Acaso não sabeis que os injustos não hão de posssuir o Reino dos Céus?” ( 1 Cor 6, 9 ) Ser justo, portanto, abre-nos as portas do Reino dos Céus.

“ Bem-aventurados sereis quando vos caluniarem, quando vos peseguirem e disserem falsamente todo o mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus, pois assim perseguiram os profetas que vieram antes de vós.”( Mt 5, 11-12 ) Sofrer pelo nome de Jesus deve ser uma honra e uma alegria para os cristãos. As calúnias de que somos vítimas por causa da pregação do Evangelho, deve nos dar força e não nos fazer desanimar; pois o caminho, como discípulo de Jesus é o mesmo do Mestre, que foi perseguido, humilhado e caluniado.( Mt 10, 24 ) Mas que foi exaltado e glorificado por Deus com a Ressurreição.

O Papa João Paulo II resumiu assim as verdades  das bem-aventuranças: “Jesus não só proclama as Bem-aventuranças. Ele vive as Bem-aventuranças. Ele é as Bem-aventuranças. Olhando para Ele, descobrireis o que significa ser pobre em espírito, manso e misericordioso, aflito, ter fome e sede de justiça, ser puro de coração, promover a paz, ser perseguido. Eis por que Ele tem o direito de dizer:  “Vinde, segui-me!”. Ele não diz simplesmente:  “Fazei o que vos digo!”, mas sim:  “Vinde, segui-me!”.

Nossa Senhora é modelo das bem-aventuranças para todos os cristãos. Que ela nos ensine a buscar sempre mais e mais o Reino de Deus e sua justiça.

 

O Testemunho

No ano de 1997, numa peregrinação à Jerusalém, pude sentir na montanha onde Jesus proclamou as bem-aventuranças, a força da Palavra de Deus. O lugar que Jesus escolheu para fazer esse sermão é repleto de paz, serenidade e presença de Deus. Estar nesses lugares onde Jesus passou, é viver um pouco do céu aqui na terra: é sentir a alegria das bem-aventuranças.

Senhor Jesus, fortaleça e nos dê coragem, para que possamos ser cristãos cumpridores da sua Palavra que é vida e verdade e, o caminho pra se chegar ao Reino dos Céus.

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

19 de setembro de 2010 at 7:01 Deixe um comentário

A FAMÍLIA

 

” E Jesus crescia em estatura, em sabedoria e graça, diante de Deus e dos homens.”( Lc 2, 52 ) 

A família, planejada por Deus, com seus bons exemplos, moral cristã e a prática das virtudes, sustenta toda uma sociedade na paz e na harmonia.  A Palavra de Deus diz assim sobre a constituição familiar: Deus “criou o homem e a mulher. Deus os abençoou: Frutificai-disse ele- e multiplicai-vos,…” (Gn 1, 27-28)

 O Catecismo ensina: “O casamento e a família estão ordenados para o bem dos cônjuges, a procriação e a educação dos filhos. “(2249) E também:” A união do homem e da mulher no casamento é uma maneira de imitar na carne a generosidade e a fecundidade do Criador”.” Desta união procede todas as gerações humanas “ (2335 ). Chamados a dar a vida, os esposos participam do poder criador e da paternidade de Deus. A vocação fundamental da família é gerar e preservar a vida desde à sua concepção até o final da vida terrena de cada um de seus membros. A família cristã é uma comunidade de fé, de esperança e de caridade.

 O poder civil deve reconhecer e proteger os direitos básicos da família, assisti-la em suas necessidades e proporcionar-lhe a liberdade necessária para professar a fé (religião) que escolheu para si.

Deus tem um projeto de amor para as famílias. E qual é esse projeto?

Para os Esposos:

  Que haja uma comunhão tal entre os membros da família, que transpareçam a ”imagem da comunhão do Pai, do Filho e do Espírito Santo.” ( Cic 2205) Essa comunhão acontece quando buscamos através da Confissão, da oração,da Eucaristia e do perdão mútuo, nos libertar dos conflitos gerados pelo ciúme, inveja,  briga e discussões dentro de casa. Cabe ao marido e a mulher, como autoridades do lar, empenhar-se em manter a unidade familiar, junto com seus filhos e com os demais membros da família (avós, tios, sobrinhos, primos, etc…)

 Que a mulher e o marido se amemcomo Cristo amou a Igreja e se entregou por ela.” ( Ef 5,25) Os esposos são chamados a partilhar a educação  dos filhos, o seu amor, sua história, o dom da fidelidade, a generosidade; a oração e o sacrifício de Cristo, juntos, “numa só carne.” (Gn 2, 24)

Ao criar o homem e a mulher, Deus dá a dignidade pessoal de modo igual ao homem e à mulher, pois ambos são criados à imagem de Deus. Deus ”criou o homem à imagem de Deus, criou o homem e a mulher.”( Gn 1, 27 ) A unidade familiar passa também pelo respeito e valorização dos dons e missão de cada um dentro do casamento.  

       
Para os Pais:

 Que os pais assumam a criação integral dos seus filhos, “na educação e doutrina do Senhor.” ( Ef  6, 4 ). Os pais não devem relaxar e nem desanimar. Mesmo que precisem  semear entre lágrimas. Mas continuem semeando, pois a Palavra de Deus tem uma promessa para os pais: ”Os que semeiam entre lágrimas, recolherão com alegria. “ ( Sl 125,5 )  A boa orientação dos pais para os filhos não tem data pra terminar. É para sempre. Hoje infelizmente há muitos filhos órfãos de pais vivos. E toda a sociedade tem sofrido, com as consequências das feridas desses filhos abandonados.

Que os pais corrijam seus filhos, dê-lhes disciplina e limites, para que eles não sejam excluídos de seus grupos de convivência por causa de seu mau proceder. Mas tudo isso precisa ser feito com amor. A base de toda a educação precisa ser de amor e compaixão como Deus educa a nós, seus filhos: “Cheio de compaixão, Deus ensina os homens, e os repreende como um pastor faz com seu rebanho.”( Eclo 18, 13 ) Os pais nunca devem fazer o uso de violência, nem de agressividade para com seus filhos, pois isso os faz desanimar , traz mágoas e feridas aos seus corações. A Palavra de Deus é clara sobre isso: “Pais, não exaspereis vossos filhos. Pelo contrário, criai-os na educação e doutrina do Senhor.” ( Ef 6, 4 ) 

Os pais devem respeitar e favorecer a vocação de seus filhos. ( Cic 2253 ) Os pais cristãos precisam ensinar que a primeira vocação é seguir Jesus. São Paulo em sua carta a Timóteo fala sobre a educação religiosa que recebeu de seus pais: “Dou graças a Deus, a quem sirvo com pureza de consciência, tal como aprendi de meus pais…” (2Tm 1, 3 ) Alguns pais, para serem vistos como ” pais modernos” diante de seus filhos e de outros pais, não se esforçam em orientar os filhos para a obediência aos Mandamentos de Deus e, até acolhe situações de pecado dentro da sua própria casa. Os pais não podem esquecer-se que o lar é a “Igreja Doméstica”, onde os filhos devem receber deles a orientação religiosa, ter bons exemplos, vida diária de oração e sacrifício a Deus. As orientações dos pais aos filhos devem estar em consonância com as Leis de Deus, visando a salvação do filho e sua própria salvação.

Dar uma educação integral aos filhos é tarefa de todos os pais. Uma educação que abranja o corpo, a mente e o espírito. Para o corpo suprir as necessidades materiais e, também incentivar e promover a vocação do filho e seu futuro profissional.Para a mente cuidar para não causar feridas emocionais nos filhos, preservá-los e protegê-los, o quanto possível, de situações conflituosas. E para o espírito educar os filhos na fé e na religião; ensiná-los a frequentar a Igreja para receber os sacramentos e serem instruídos pela Palavra e, assim salvar suas almas. O Senhor fala na sua Palavra: “Aquele que dá ensinamentos a seu filho será louvado por causa dele. “( Eclo 30, 9 ) Diante das pessoas o filho será a alegria de seus pais, pela boa educação que recebeu deles.

 Os pais precisam esforçar-se em amadurecer na sua vocação de pais para não causar danos que podem ser irreparáveis na vida de seus filhos. É comum hoje, vermos pais relacionando-se com seus filhos, como se fossem amigos ou irmãos. Todos os filhos esperam ver em seus pais, ações e palavras coerentes e firmes no trato com eles. Os pais devem separar momentos de camaradagem e brincadeiras com seus filhos, da autoridade que precisam exercer sobre eles.

Que a educação dos filhos não seja negligenciada pelos pais, na convivência em casa com eles, e também de longe.  Os pais devem fazê-los crescer como pessoas e respeitá-los como filhos de Deus que são.  O Senhor fala no Evangelho de São Lucas, capítulo 2, versículo 40, sobre a boa educação que Jesus recebia de seus pais: ”O menino ia crescendo e se fortificava: estava cheio de sabedoria, e a graça de Deus repousava nele.“ Como a Virgem Maria e São José eram zelosos na educação de Jesus!

Um pedido do filho não pode ser uma ordem para os pais. Nem tudo o que ele venha a pedir deve ser dado: há coisas que lhe trarão o mal, não o bem. Os filhos ( crianças, adolescentes, jovens), na maioria das vezes, ainda não têm amadurecimento suficiente para saber o que é melhor pra si.Fazer todas as vontades do filho pode tazer consequências graves para sua vida; sofrimento e aborrecimento para seus pais. A Palavra diz: ” Adula o teu filho e ele te causará medo.” ( Eclo 30, 9 ) Os pais devem buscar agir sempre com justiça e compaixão, em qualquer atitude que tiverem com o filho, para que ele possa compreender que é por amor e para sua própria felicidade.

Para os Filhos:

 Os filhos precisam respeitar a autoridade que Deus deu aos pais, para que esses tenham a oportunidade de educá-los e orientá-los, para que sejam pessoas íntegras e que produzam bons frutos: “Uma árvore boa não dá frutos maus…” ( Lc 6, 43 ) E a Palavra de Deus continua ensinando: “ O justo caminha na integridade; ditosos os filhos que o seguirem.”( Pr 20, 7 )E ainda em Provérbios, capítulo 1, versículo 8; “  Ouve, meu filho, a instrução de teu pai; não desprezes o ensinamento de tua mãe. “  Santa Teresinha do Menino Jesus reconheceu sempre a importância dos seus pais em sua vida: “ O bom Deus me deu um pai e uma mãe mais dignos do céu do que da terra. “

 Se os filhos querem receber muitas bênçãos de Deus, devem obedecer ao quarto mandamento da lei de Deus: ”Honra teu pai e tua mãe, para que teus dias se prolonguem sobre a terra que te dá o Senhor teu Deus.”( Ex 20, 12 )  Ensina o Catecismo que “ a não observância desse mandamento acarreta grandes danos para as comunidades e para as pessoas humanas”.( 2200)O Papa João Paulo II disse assim sobre os Mandamentos de Deus:” Todos os mandamentos encontram sua realização no amor.” Respeitar os mandamentos é amar. “A paternidade divina é a fonte da paternidade humana; é o fundamento da honra devida aos pais”. (Cic 2216 )

 Os filhos em sua vivência familiarcontribuem com os pais para seu crescimento na santidade”. É importante toda a família ter suas ações e palavras pautadas na caridade, no bem recíproco, no perdão, na ternura, no respeito, na docilidade, na justiça e na paz. O Espírito Santo é o grande provedor da família com os dons do amor e da unidade, para que a família seja unida e feliz.

Ser submissos aos pais.  São José e Maria Santíssima ficaram aflitos pelo desaparecimento de Jesus. Encontraram-no ensinando aos doutores da Lei, no Templo. Ao ser encontrado pelos pais, Jesus Cristo submeteu-se à autoridade deles, foi obediente e acompanhou-os de volta a casa, em Nazaré: “Em seguida desceu com eles a Nazaré e lhes era submisso.” ( Lc 2, 51) A obediência e o respeito aos pais terrenos eleva os filhos à dignidade de filhos de Deus, que é Pai.  Jesus sempre obedeceu a seus pais na terra: São José e Maria Santíssima, como vimos anteriormente; e ao Pai do Céu: ” Eu sei que o seu mandamento é vida eterna. Portanto, o que digo, digo-o segundo me falou o Pai.” ( Jo 12, 50 ) Jesus nos deu exemplo de total obediência ao Pai, entregando-se na cruz pelos nossos pecados: tornou-se ” obediente até a morte, e morte de cruz. ” ( Fl 2, 8 )

Os filhos precisam cuidar de seus pais idosos e ampará-los, se precisarem. A Palavra do Senhor diz: “Filho cuida de teu pai na velhice, não o desgostes em vida. Mesmo se sua inteligência faltar, sê indulgente com ele, não o menosprezes, tu que estás em pleno vigor…” ( Eclo 3, 12-16 ) O Catecismo diz que os filhos adultos devem dar aos pais “ ajuda material e moral, nos anos da velhice, e durante o tempo de doença, de solidão ou de angústia” ( Cic 2218 )

Para os demais membros da Família: Irmãos, avós, sobrinhos, netos, primos, tios, etc…

Os demais membros da família devem ser respeitados e respeitar a cada um em seus papéis dentro da família, sem discriminação, preconceito ou qualquer outra postura injusta. Para o bem da família é importante que todos sejam valorizados e queridos. E todos devem acatar os bons ensinamentos de sabedoria e a experiência dos mais velhos. A Palavra de Deus fala dos avós, que nos transmitem sabedoria de vida. Em muitas de nossas famílias, a fé que professamos ( religião ), veio por herança familiar. Por isso, também nossos avós são muito importantes para nós, pois por causa deles somos cristãos e pudemos receber a salvação em Jesus Cristo. São Paulo fala assim da família de Timóteo: “Conservo a lembrança daquela tua fé tão sincera, que foi primeiro a de tua avó Lóide e de tua mãe Eunice e que, não tenho a menor dúvida, habita em ti também’’ (2 Tm 1, 5 ). O Senhor em sua Palavra, fala da herança de fé que recebemos de Abraão: “Ouvi-me, vós que seguis a jus­­­tiça,e que buscais o Senhor! Considerai a rocha de que fostes talhados e a pedreira de onde fostes tirados.Olhai para Abraão, vosso pai, e para Sara, que vos deu à luz. Ele era um só, quando o chamei, mas abençoei-o e multipliquei-o”.( Is 51,1-2) A convivência entre diferentes membros da família deve ser regada pela bondade e paciência. É o que nos diz a Palavra de Deus:”… sede bondosos e compassivos, uns para com os outros, perdoando-vos mutuamente, como Deus vos perdoou em Cristo”( Ef 4, 32 ). O Livro dos Provérbios fala também da importância dos netos para seus avós: “Os filhos dos filhos são a coroa dos anciãos.”( 17,6 )

O Testemunho

Há uns dois anos atrás, dois dos meus três filhos, saíram de casa e foram morar em outro Estado e disseram estar tomando uma decisão definitiva. Mesmo com o coração partido- lembrei da Palavra do Senhor, que dizia: “uma espada transpassará a tua alma”( Lc 2, 35 )-  e sem força suficiente para orar, pedi a Deus que os demovesse da idéia de romper com a família. Implorei ao Senhor que colocasse amor no meu coração de tal forma, que não ficasse parada nos fatos do tempo presente, mas à promessa d’Ele de trazer de volta os meus filhos pródigos ( Lc 15,11-32). Depois de ficarem quase dois anos por lá, eis que o Senhor cumpriu o que havia prometido: os meus dois filhos retornaram à casa e hoje são pessoas totalmente voltadas para Deus e para as coisas do Reino. Faço um apelo a todos os pais: Não desistam de seus filhos! Ame-os! Orem a Deus!Peçam por eles!  Abençoem sempre! Deus sempre ouve a oração dos pais aflitos!

E para concluir essa reflexão, o Senhor diz no livro de Malaquias, capítulo 3, versículo 24: Deus “converterá o coração dos pais para os filhos, e o coração dos filhos para os pais.” É preciso buscar através da oração, da vivência  diária do perdão e do amor,a realização dessa promessa que Deus tem para nossa família e para as demais famílias.

Peçamos à Família de Nazaré que nos ensine a ser família, tal como Deus a imaginou, quando criou o homem e a mulher e lhes deu poder e autoridade, e os multiplicou sobre a face da terra.

Ó Pai, criador de todas as coisas, abençoa nossa família, provê nossas necessidades e conduza-nos à fonte das águas, que é o seu Espírito Santo, para que possamos ser lavados e purificados de todo o mal; e que em Jesus Cristo, seu Filho, Redentor do mundo, a reconciliação aconteça entre os membros de nossa família e a paz volte a reinar em nossas casas. Amém.

 O Papa João Paulo II orou assim pelas famílias:

“Por esta oração, a Virgem Mãe convida a unirmo-nos aos sentimentos do Filho, que ama cada uma das famílias. Este amor foi por Ele expresso ao início da sua missão de Redentor, precisamente com a sua presença santificadora em Caná da Galileia, presença que ainda agora continua“.

 

Jane Amábile- Com. Divino Espírito Santo

10 de setembro de 2010 at 22:42 Deixe um comentário

“Tive fome e me destes de comer ” ( Mt 25, 35 )


A humanidade tem sofrido com a fome. Tem sido escrava desse mal há muitos séculos.  Não por causa da escassez de alimento, porque o mundo tem possibilidades de suprir a fome de todos, com terra e água suficientes para a produção agrícola. Mas, infelizmente, não tem acontecido dessa forma por causa da ganância e acúmulo de bens materiais de alguns, corrupção das pessoas que deveriam ser responsáveis pelo bem- estar de todos e pela falta de uma cultura de partilha com os que necessitam de ajuda material.

A Igreja desde seu início em Pentecostes, orienta seus fiéis para que exerçam a partilha de seus bens, sejam materiais ou espirituais, com as pessoas mais necessitadas.” A caridade da Igreja sempre foi tão grande que impressionou até os seus inimigos. O escritor pagão Lúcio (130 a 200 dc), escrevia impressionado com a urgência com que os cristãos se ajudavam mutuamente”. (Felipe Aquino ) Em Atos dos Apóstolos, capítulo 4, versículo 35, vemos isso claro sobre a partilha dos bens, entre os discípulos de Jesus na Igreja primitiva. Quando os fiéis vendiam seus bens, partilhavam com aqueles que necessitavam: “Repartiam-se então a cada um deles conforme a sua necessidade.“

Mas a ajuda aos irmãos necessitados, para ser do agrado de Deus, passa principalmente pelo dom da caridade, no seu amor mais genuíno e puro. A caridade não pode ser interesseira, nem esperar retorno, nem reconhecimento ou destaque social. São Paulo resume assim sobre a caridade: “Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres,…se não tiver caridade, de nada valeria.” ( I Cor 13, 3 ) Ao exercer o dom da partilha com os menos favorecidos, devo ser prudente e não faltar com a caridade com aqueles que estão ao meu redor ( próximo ).

Restituir à dignidade de filhos de Deus aos mais necessitados é meta que precisa nortear a vida de todo cristão. Dom Walmor ( Arcebispo) diz: “ …a consideração dos pobres é determinante na definição de prioridades. Basta levar em conta a sua condição social- ferida que revela a desconsideração de sua dignidade, a falta de moradia, trabalho, oportunidades, educação, saúde.”

As injustiças desse mundo, inclusive a fome e a miséria, são frutos do nosso pecado.  Jesus veio nos libertar do pecado, pelo sofrimento na cruz, para que, assim fôssemos libertos da escravidão de toda a injustiça que pudéssemos causar aos outros com nossas atitudes. O Catecismo da Igreja ensina: “Ao libertar certas pessoas dos males terrestres da fome, da injustiça, da doença e da morte, Jesus operou sinais messiânicos; não veio, no entanto, para abolir todos os males da terra, mas para libertar os homens da mais grave das escravidões, a do pecado, que os entrava na sua vocação de filhos de Deus e causa todas as suas escravidões humanas.” ( 549)

 A pobreza no mundo é algo que requer ações conjuntas de todos os governos, para que a solução aconteça: O Papa Bento XVI diz:”A disparidade entre ricos e pobres tornou-se mais evidente, mesmo nas nações economicamente mais desenvolvidas. Trata-se de um problema que se impõe à consciência da humanidade, visto que as condições em que se encontra um grande número de pessoas são tais que ofendem a sua dignidade natural e, consequentemente, comprometem o autêntico e harmônico progresso da comunidade mundial.”

 No Milagre da Multiplicação dos Pães, Jesus compadeceu-se das pessoas que estavam acompanhando-o, pois elas estavam com fome. Jesus disse a Filipe:”Onde compraremos pão para que todos estes tenham o que comer?”É assim Nosso Senhor, sempre preocupado com aqueles que não tem alimento para saciar sua fome.

Jesus sempre compartilhou a vida dos pobres. Desde a Manjedoura até a cruz:

Nasceu no estábulo– Maria “deu à luz seu filho primogênito, e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria. “ ( Lc 2, 7 )

Conheceu a fome– Ao voltar de Betânia para Jerusalém, Jesus ”teve fome. Vendo uma figueira à beira do caminho, aproximou-se dela, mas só achou nela folhas…” ( Mt 21, 18-19 )

Não tinha onde repousar ( dormir)- “Jesus replicou-lhe: As raposas têm covas e as aves do céu, ninhos, mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça. “ ( Lc 9, 58 )

Teve sede– Jesus, pregado na cruz disse aos que estavam ali: “Tenho sede”. Os soldados deram-lhe uma esponja umedecida em vinagre. ( Jo 19,28 -29)

O Senhor responde à súplica dos pobres. Ele defende a causa dos oprimidos: “Por causa da aflição dos humildes e dos gemidos dos pobres, irei levantar-me para lhes dar a salvação que desejam.” ( Sl 11, 6 ) E no Salmo 71, versículo 13: ” Ele se apiedará do pobre e do indigente, e salvará a vida dos necessitados.”

Porque as viúvas e os órfãos ficam em desvantagem perante os demais, Deus está sempre a proteger as viúvas e os órfãos também, na sua indigência e pobreza: “O Senhor protege os peregrinos, ampara o órfão e a viúva;…” ( Sl 145, 9 ). Jesus valorizou a oferta da viúva no templo, pois ela depositou duas pequenas moedas e ofereceu a Deus tudo o que tinha: “…porque todos deitaram do que tinham em abundância; esta, porém, pôs, de sua indigência, tudo o que tinha para o seu sustento. “ ( Mc 12, 44 )

Peçamos sempre ao Espírito Santo que derrame sobre nós o dom da caridade, para que possamos ajudar nossos irmãos empobrecidos, mediante a partilha de nossos próprios bens, se o tivermos, e a comunhão em suas dores e sofrimentos e, principalmente,  levá-los a ter uma experiência de amor com Jesus Ressuscitado, o qual disse de si próprio:” O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu; e enviou-me para anunciar a boa-nova aos pobres…” ( Lc 4, 18 ).

Quando matamos a fome de um dos nossos irmãos pequeninos é a Jesus que estamos alimentando, pois Ele mesmo diz na sua Palavra: “porque tive fome e me deste de comer” ( Mt 26, 5 ), e por isso, seremos convidados por nosso Senhor, no Juízo Final, a tomar posse do lugar que Ele nos preparou no Reino dos Céus: “ Vinde , benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo. “( Mt 25, 34 ) E nas bem-aventuranças, o Senhor diz:” Bem-aventurados os que têm um coração de pobre, porque deles é o Reino dos Céus”.( Mt 5, 3 ) E para finalizar: na parábola do rico e do Lázaro ( Lc 16, 19-31 ),  Jesus, nos exorta sobre a necessidade de desapegar-nos das riquezas desse mundo, para adquirir a riqueza maior que possamos almejar: a salvação eterna.

São Basílio disse assim: “Pertence aquele que tem fome o pão que tu guardas; àquele que está nu a capa que tu conservas nos teus guarda-vestidos; àquele que está descalço, os sapatos que apodrecem em tua casa; ao pobre o dinheiro que tu tens guardado. Assim tu cometes tantas injustiças quantas as pessoas às quais poderias dar.”

 Hoje, a fome física não é a única que precisa ser combatida. A Beata Madre Teresa de Calcutá, que tanta assistência deu aos pobres, disse: ” Não ser desejado, não ser amado, não ser cuidado, ser esquecido por todos, isso acredito ser fome muito maior, uma pobreza muito maior do que a de uma pessoa que não tenha nada para comer.”

‘Tive fome e me destes de comer”: Na verdade a maior e mais grave fome não é a da falta de alimento material e sim, a falta do alimento espiritual: a fome e a sede de Deus. Muitos irmãos nossos que se encontram nesse tipo de pobreza, a pobreza espiritual, precisam com urgência, acolher a mensagem da salvação de Jesus Cristo em suas vidas para assim receberem  a provisão de alimento celeste que a Igreja tem a seu dispor para matar sua fome e sua sede de Deus, como:  a Eucaristia, a Palavra de Deus, a oração…

Testemunho

Para incrementar ações de solidariedade, penso que não é tão complicado assim: Junto com meus filhos e alguns de seus amigos, no ano de 2006, montei uma peça de teatro, desde a criação do texto, passando pela cenografia, sonoplastia, produção e finalizando com a direção. Valorizamos os diálogos numa linguagem mais cristã, para que todos os membros das famílias pudessem assistir. Era uma história que falava do cotidiano de três jovens estudantes numa república. Percorremos algumas cidades apresentando-a, e, em cada lugar que a peça era encenada, ajudávamos uma Instituição Filantrópica local. Desta forma, pudemos unir nossos esforços aos daqueles que trabalham pela causa do voluntariado e da inclusão social.

 

Oração

Obrigado, Espírito Santo, por nos encher dos seus dons, para assim, cooperar com a obra de Salvação de Jesus Cristo.Liberta-nos do egoísmo e do apego aos bens materiais, Senhor! Capacita-nos mais e mais ao amor para que possamos auxiliar, através da partilha e da doação, aos que tem passado necessidades materiais. Restaura a dignidade de todos os seus filhos, seja em sua indigência material ou espiritual, Senhor.

Jane Amábile- Com. Divino Espírito Santo

4 de setembro de 2010 at 21:42 Deixe um comentário


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 202 outros seguidores

Categorias