Archive for abril, 2015

Oração

30 de abril de 2015 at 9:36 1 comentário

Papa Francisco no Twitter

30/04/2015
No meio de tantos problemas, mesmo graves, não percamos a nossa esperança na misericórdia infinita de Deus.
28/04/2015
Cada comunidade cristã deve ser uma casa acolhedora para quem busca Deus e também para aquela pessoa que procura um irmão que a escute.
25/04/2015
Nós, cristãos, somos chamados a sair dos nossos «recintos», para levar a todos a misericórdia e a ternura de Deus.

30 de abril de 2015 at 9:19 Deixe um comentário

Papa Francisco sobre a identidade do cristão: história e serviço

2015-04-30 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa celebrou na manhã desta quinta-feira (30/04), a Santa Missa na capela da Casa Santa Marta. “A história e o serviço”: na homilia, Francisco se deteve sobre esses “dois aspectos da identidade do cristão”.

Antes de tudo, a história, disse Francisco. São Paulo, São Pedro e os primeiros discípulos “não anunciavam um Jesus sem história: eles anunciavam Jesus na história do povo, um povo que Deus fez caminhar por séculos para chegar” à maturidade, “à plenitude dos tempos”. Deus entra na história e caminha com seu povo:

“O cristão é homem e mulher de história, porque não pertence a si mesmo, faz parte de um povo, um povo que caminha. Não se pode pensar em um egoísmo cristão, não.., isso é errado. O cristão não é um homem, uma mulher espiritual de laboratório, é um homem, é uma mulher espiritual que faz parte de um povo, que tem uma história longa e continua caminhando até o retorno do Senhor”.

É uma “história de graça, mas também história de pecado”:

“Quantos pecadores, quantos crimes. Também hoje Paulo menciona o Rei Davi, santo, mas antes de se tornar santo foi um grande pecador. Um grande pecador. Na nossa história devemos reconhecer que somos santos e pecadores. E a minha história pessoal, de cada um, deve reconhecer o pecado, o próprio pecado e a graça do Senhor, que está conosco, acompanhando-nos no pecado para perdoar, e acompanhando-nos na graça. Não há identidade cristã sem história”.

O segundo aspecto da identidade cristã é o serviço: “Jesus lava os pés dos discípulos convidando a fazer o mesmo: servir:

“A identidade cristã é o serviço, não o egoísmo. “Mas padre, todos nós somos egoístas”. Ah sim? É um pecado, é um hábito do qual devemos nos distanciar. Pedir perdão, que o Senhor nos converta. Somos chamados para servir. Ser cristão não é uma aparência ou uma conduta social, não é maquiar a alma, para que seja um pouco mais bonita. Ser cristão é fazer o que Jesus fez: servir”.

O Papa nos exorta a fazer esta pergunta: “No meu coração o que eu faço mais? Faço-me servir pelos outros, uso os outros, uso a comunidade, a paróquia, a minha família, os meus amigos, ou sirvo, e estou servindo?”. (SP)

30 de abril de 2015 at 9:17 Deixe um comentário

Brasil tem novo Santuário Nacional

2015-04-29 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) – O Santuário de São José de Anchieta, no Espírito Santo, passa a ser, ao lado de Aparecida, o segundo Santuário Nacional do país regido por um patrono da Igreja brasileira. O reconhecimento da CNBB veio um ano após o Papa ter canonizado o santo jesuíta. O pedido foi feito pelo vice-postulador da causa de canonização do “Apóstolo do Brasil”, Padre Cesar Augusto dos Santos, atualmente reitor do Santuário Nacional de São José de Anchieta.

O reitor afirmou ainda que a CNBB também conferiu ao santo o título de Padroeiro do Brasil ao lado de Nossa Senhora Aparecida. “O Brasil vai olhar para nosso Santuário com outros olhos porque ele é uma referência nacional. E ele se tornando padroeiro valoriza ainda mais o título que Anchieta tem de Apóstolo do Brasil”, declarou Padre Cesar à rádio CBN de Vitória (ES).

O reitor declarou que, com os reconhecimentos, a devoção ao santo poderá alcançar proporções internacionais. “O Santuário de Aparecida é conhecido internacionalmente e, agora, Anchieta se destaca como referência e ícone da evangelização, principalmente para a América Latina”, disse.

O Santuário Nacional vai celebrar o primeiro ano da canonização de São José de Anchieta com uma missa especial no domingo (03/05). (RB)

Sobre os Santuários

No interior da grande peregrinação que Cristo, a Igreja e a humanidade realizaram e devem continuar a realizar na história, todo o cristão é chamado a inserir-se e participar. O santuário para o qual ele se dirige deve tornar-se por excelência “a tenda do encontro”, como a Bíblia chama ao tabernáculo da aliança”. Estas palavras unem diretamente a reflexão sobre a peregrinação àquela sobre o santuário, que é normalmente a meta visível do itinerário dos peregrinos: “Sob o nome de santuário, entende-se a igreja ou outro lugar sagrado, aonde os fiéis em grande número, por algum motivo especial de piedade, fazem peregrinações, com a aprovação do Ordinário local”. No santuário, o encontro com o Deus vivo é proposto através da experiência vivificante do Mistério proclamado, celebrado e vivido: “Nos santuários, oferecem-se aos fiéis meios de salvação mais abundantes, anunciando com diligência a palavra de Deus, incentivando adequadamente a vida litúrgica, principalmente com a Eucaristia e a celebração da penitência, e cultivando as formas aprovadas de piedade popular” (4). Assim, “os santuários são como pedras miliares que orientam o caminho dos filhos de Deus sobre a terra” (5), promovendo a experiência de convocação, encontro e construção da comunidade eclesial”.

Fonte: Documento da Santa Sé

29 de abril de 2015 at 18:08 Deixe um comentário

Santa Catarina de Sena,VIRGEM, E DOUTORA DA IGREJA – 29 de abril

Nasceu em Sena(Itália), em 1347. Ainda adolescente, movida pelo desejo de perfeição, entrou na Ordem Terceira de São Domingos. Cheia de amor por Deus e pelo próximo, trabalhou incansavelmente pela paz e concórdia entre as cidades; defendeu com ardor os direitos e a liberdade do Romano Pontífice e promoveu a renovação da vida religiosa. Escreveu importantes obras de espiritualidade, cheias de boa doutrina e de inspiração celeste. Morreu em 1380.

Hino

Virgem prudente entre as outras,

espera o esposo Jesus;

acende auréolas na noite

da sua lâmpada a luz.

Anel de fúlgidas pedras

põe-lhe no dedo o Senhor:

“Ó minha amada, eu te entrego

dos esponsais o penhor!”

Por tal ardor, Catarina

já desfalece de amor,

vendo em seus membros as chagas,

joias de infindo valor.

Feliz a esposa que o Esposo

acolhe nos braços seus:

dá-lhe na terra o antegozo

da plena glória dos céus.

Possa nos céus o Deus Trino

nosso louvor acolher,

ele, que a terra governa

com seu divino poder.

Salmodia

Ant. 1 Virgem sábia e vigilante, já brilhais na eterna glória  com Jesus, o eterno Verbo, vosso Esposo imaculado.

Fonte: Liturgia das Horas

29 de abril de 2015 at 9:09 Deixe um comentário

Audiência: convidai Jesus para o vosso matrimônio

2015-04-29 Rádio Vaticana

Quarta-feira, 29 de abril: o sol de Roma acolheu as dezenas de milhares de fiéis que saudaram o Papa Francisco para a audiência geral na Praça de S. Pedro. O Santo Padre propôs mais uma catequese sobre o matrimónio, partindo, desta vez, do episódio narrado por S. João: As bodas de Caná.

“Jesus não só participou naquele matrimónio, mas ‘salvou a festa’ com o milagre do vinho!”

O Papa recordou a catequese da semana anterior na na qual se referiu à obra-prima de Deus: o homem e a mulher, criados à imagem e semelhança de Deus. O Santo Padre reforçou, assim, a ideia de que a obra-prima da sociedade é a família.

No entanto, desde o tempo das Bodas de Caná, para as quais foi convidado Jesus, muita coisa mudou – considerou o Papa. Devemos interrogar-nos seriamente sobre as razões que levam tantos jovens a optar por não se casarem e preferem a convivência – afirmou o Santo Padre.

Porque não se casam? – perguntou o Papa.

Segundo o Papa Francisco, as dificuldades não são apenas de caráter económico, nem se ficam a dever – como querem alguns – à emancipação da mulher. Na realidade, quase todos os homens e mulheres sonham com uma segurança afetiva estável, um matrimónio sólido e uma família feliz. A família aparece mesmo no topo das preferências dos jovens – recordou o Santo Padre – mas, com medo de falir, muitos descartam-na; “e este medo de falir é talvez o maior obstáculo para aceitarem a palavra de Cristo, que promete a sua graça à união conjugal e à família.”

Em Caná, Jesus não só participou nas Bodas, mas salvou a festa com o milagre do vinho – salientou o Santo Padre que exortou os cristãos a não terem medo de convidar Jesus para as suas bodas e a testemunharem a alegria e a vida conjugal abençoada por Deus no matrimónio:

“O testemunho mais persuasivo da bênção do matrimónio cristão é a vida boa dos esposos cristãos e da família. Não há modo melhor para manifestar a beleza deste sacramento!”

O Papa Francisco referiu ainda que a semente cristã da radical igualdade entre os cônjuges deve hoje dar novos frutos. Por exemplo, os cristãos devem ser mais exigentes com a igualdade de retribuição para igual trabalho, entre homem e mulher. Ao mesmo tempo, deve ser reconhecida como uma riqueza a maternidade e a paternidade – acrescentou o Santo Padre que concluiu a sua catequese dizendo aos fiéis para não terem medo de convidar Jesus para as suas núpcias.

No final da catequese o Papa Francisco saudou também os peregrinos de língua portuguesa:

“Caros peregrinos de língua portuguesa, em particular os sacerdotes de Aracajú e os diversos grupos paroquiais do Brasil e de Portugal, sede bem-vindos! De coração vos saúdo a todos, confiando ao bom Deus a vossa vida e a dos vossos familiares. Rezai também vós por mim! Que as vossas famílias se reúnam diariamente para a reza do terço sob o olhar da Virgem Mãe, para que nelas não se esgote jamais o ‘vinho bom’ de Jesus!”

O Papa Francisco a todos deu a sua bênção! (RS)

29 de abril de 2015 at 8:54 Deixe um comentário

Quinto Domingo da Páscoa – Eu sou a videira e vós os ramos – São João 15, 1-8 – Dia 03 de Maio


1. Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que não der fruto em mim, ele o cortará;
2. e podará todo o que der fruto, para que produza mais fruto.
3. Vós já estais puros pela palavra que vos tenho anunciado.
4. Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. O ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Assim também vós: não podeis tampouco dar fruto, se não permanecerdes em mim.
5. Eu sou a videira; vós, os ramos. Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.
6. Se alguém não permanecer em mim será lançado fora, como o ramo. Ele secará e hão de ajuntá-lo e lançá-lo ao fogo, e queimar-se-á.
7. Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis tudo o que quiserdes e vos será feito.
8. Nisto é glorificado meu Pai, para que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos.

“Cantemos as maravilhas de Deus unidos a Cristo, a videira da qual recebemos  a seiva que nutre a nossa existência. Vivendo a fé no seu nome, participamos da vida divina e nos tornamos ramos vivos e férteis que produzem frutos abundantes de amor e bondade”. (Liturgia Diária)

Eu Sou a Videira
O Catecismo (§755) ensina: “A Igreja é a lavoura ou campo de Deus (1 Cor 3,9). Ela foi plantada pelo celeste viticultor como vinha eleita. Cristo é a verdadeira vide, que dá vida e fecundidade aos ramos, que dizer, a nós, que pela Igreja permanecemos nele, sem o qual nada podermos fazer”.
Vós, os Ramos
Santo Agostinho ensinou: “Ao ramo toca uma coisa ou outra: Ou a videira ou o fogo; se [o ramo] não estiver na videira, estará no fogo; por conseguinte, para que não esteja no fogo, fique na videira”.
E Podará todo o que der Fruto, para que produza mais Fruto
O Papa Emérito Bento XVI disse que “o vinhateiro toma a tesoura, corta os ramos secos e poda aqueles que produzem fruto para que dêem mais fruto…Deus quer tirar do nosso peito o coração morto, de pedra, e dar-nos um coração vivo, de carne (Ez 36, 26)”.
Se Permanecerdes em Mim
O Papa Francisco disse: “Se estivermos unidos a ele (Jesus), podemos dar fruto, e esta é a familiaridade com Cristo. É permanecer em Jesus! Permanecer ligados a Ele, dentro d’Ele, com Ele, falando com Ele”. (Setembro de 2013)
O Papa Emérito Bento XVI disse: “Permanecer em Cristo significa, permanecer na igreja. A comunidade inteira dos crentes está firmemente unida em Cristo, a videira. Em Cristo, todos nós estamos conjuntamente unidos. Nesta comunidade, ele sustenta-nos e, ao mesmo tempo, todos os membros se sustentam uns aos outros”. (Setembro de 2011)
E as Minhas Palavras Permanecerem em Vós
“Só podemos dizer que as suas palavras permanecem em nós, quando fazemos o que Ele nos mandou e amamos o que prometeu. Mas quando as suas palavras permanecem na memória e não se encontram no modo de viver, o ramo não está inserido na videira, porque não recebe a vida da raiz”. (Santo Agostinho)
O Papa Francisco disse: “A vocação cristã é isto: Permanecer no amor de Deus, ou seja, respirar, viver daquele oxigênio, viver daquele ar. Permanecer no amor de Deus. Mas como é o amor de Jesus? É um amor que vem do Pai. A relação de amor entre Ele e o Pai é também uma relação de amor entre ele e nós”.
Pedireis Tudo o que Quiserdes e Vos Será Feito
“Assim como a raiz faz chegar aos ramos a sua seiva natural, também o Unigênito de Deus concede aos homens, sobretudo aos que lhe estão unidos pela fé,o seu Espírito. Ele os conduz à santidade perfeita, comunica-lhes a afinidade e parentesco com sua natureza e a do Pai, alimenta-os na piedade e dá-lhes a sabedoria de toda virtude e bondade”. (São Cirilo de Alexandria)
“Entremos em amizade profunda com Jesus! Assim poderemos segui-lo de perto e viver com Ele e para Ele”. (Papa Francisco – Maio de 2014)

Nisto é Glorificado Meu Pai, para que deis muito Fruto
O Catecismo (§2074) ensina: “O fruto indicado nesta palavra é a santidade de uma vida fecundada pela união a Cristo. Quando cremos em Jesus Cristo, comungamos de seus mistérios e guardamos seus Mandamentos”.
“Nele (em Cristo) e por ele fomos regenerados no Espírito santo, para produzirmos frutos de vida, não da vida antiga e envelhecida, mas daquela vida nova que procede do amor para com Ele. Esta vida nova, porém, só poderemos conservá-la se nos mantivermos perfeitamente inseridos em Cristo, se aderirmos fielmente aos Santos Mandamentos”. (São Cirilo de Alexandria)
Conclusão
“Jesus é fonte; n’Ele tem início a vida divina no homem. É preciso apenas aproximar-se d’Ele, permanecer n’Ele, para ter esta vida. E o que é esta vida a não ser o início da santidade do homem? Da santidade que está em Deus e que o homem pode alcançar com a ajuda da graça? Todos desejamos beber do Coração Divino, que é fonte de vida e de santidade”.São João Paulo II– Junho de 1999)
Oração
Quero estar junto de Ti Jesus! Quero sempre dar frutos de conversão. Quero receber a Eucaristia para sermos um só: Tu e eu. Quero que a Tua Palavra esteja gravada no meu coração de tal modo que ela comande minhas ações. Que eu possa. Senhor, dar testemunho de Ti aos meus irmãos. Senhor, que eu possa permanecer em Ti sempre. Amém.
Reflexão extraída do livro “A Cruz de Cristo é a nossa vitória” de Jane Amábile

28 de abril de 2015 at 11:42 Deixe um comentário

Posts antigos


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 198 outros seguidores

Categorias