Archive for março, 2013

Programação da Festa da Penha 2013 – nº 1

11[1]

DOMINGO – 31 DE MARÇO Romaria dos cavaleiros Saída de Cobilândia às 8h30 Chegada à Prainha com bênção (feita do carro de som)

Oitavário e missa às 14h30 no Campinho (Área Pastoral Vila Velha)

SEGUNDA FEIRA – 1º DE ABRIL Oitavário e missa às 14h30 no Campinho (Área Pastoral Serrana)

TERÇA FEIRA – 2 DE ABRIL Oitavário e missa às 14h30 no Campinho (Área Pastoral Cariacica/Viana)

QUARTA FEIRA – 3 DE ABRIL Oitavário e missa às 14h30 no Campinho (Área Pastoral Benevente)

QUINTA FEIRA – 4 DE ABRIL Oitavário e missa às 14h30 no Campinho (Área Pastoral Serra)

SEXTA FEIRA, 5 DE ABRIL Oitavário e missa às 14h30 no Campinho (Área Pastoral Vitória) Romaria dos militares – saída do portão do Convento às 14h

SÁBADO – 6 DE ABRIL Romaria de São Mateus – Missa no Campinho às 8h

Romaria das Pessoas com deficiência – saída da Praça Duque de Caxias às 8h – missa na chegada à Prainha

Romaria de Cachoeiro de Itapemirim – saída do portão do Convento às 14h

Oitavário e missa às 14h30 no Campinho

Romaria dos Homens – saída da Catedral às 19h Missa às 23h30 na Prainha

DOMINGO, 7 DE ABRIL Romaria de Colatina – saída do portão do Convento às 8h e missa às 9h no Campinho

Romaria Marítima – saída de São Pedro (Ilha das Caieiras) às 8h chegada no píer da Marinha na Prainha 11h

Romaria dos Motociclistas – saída da Av. Jerônimo Monteiro em Vitória às 10h

Romaria das Mulheres – Saída da Av. Jerônimo Monteiro em Vila Velha às 14:30

SEGUNDA FEIRA, 8 DE ABRIL Missa da CRB e Seminário às 7h no Campinho

Romaria dos Ciclistas – saída de Cobilândia e do Ibes às 8h30 – chegada à Prainha 11h

Bandas de Congo – apresentação das Bandas de Congo e homenagens no Campinho às 9h

Missa das Pastorais às 10h no Campinho

Missa de Encerramento às 16h na Prainha

Show com Cantores de Deus após a missa.

ATENDIMENTO DE CONFISSÃO:  De 01 a 08 de abril de 8h às 11h e de 14h às 16h30 na Capela da Penitência.

HORÁRIOS DAS MISSAS NA CAPELA DO CONVENTO:  Dia 31 de março – 5h, 7h, 9h e 11h De 01 a 05 de abril – 6h, 7h, 8h e 9h30 Dia 05 de abril – Missa das 9h30 com a participação dos advogados Dia 06 de abril – 6h, 7h30 e 11h Dia 07 de abril – 5h, 7h, 11h e 14h Dia 08 de abril – 0h, 2h, 6h, 9h e 12h.

Fonte: Site do Convento da Penha

Anúncios

31 de março de 2013 at 12:29 Deixe um comentário

Mensagem Pascal e Benção “Urbi et Orbi” – do Papa Francisco – Domingo, 31 de março de 2013

Mensagem de Páscoa do Papa Francisco – 31/03/2013

Íntegra

                                                        domingo, 31 de março de 2013, 9h49

Mensagem Pascal e Benção “Urbi et Orbi” Balcão Central da Basílica Vaticana Domingo, 31 de março de 2013

Boletim da Santa Sé

Amados irmãos e irmãs de Roma e do mundo inteiro, boa Páscoa! Boa Páscoa!

Que grande alegria é para mim poder dar-vos este anúncio: Cristo ressuscitou! Queria que chegasse a cada casa, a cada família e, especialmente onde há mais sofrimento, aos hospitais, às prisões…

Sobretudo queria que chegasse a todos os corações, porque é lá que Deus quer semear esta Boa Nova: Jesus ressuscitou, há uma esperança que despertou para ti, já não estás sob o domínio do pecado, do mal! Venceu o amor, venceu a misericórdia! A misericórdia sempre vence!

Também nós, como as mulheres discípulas de Jesus que foram ao sepulcro e o encontraram vazio, nos podemos interrogar que sentido tenha este acontecimento (cf. Lc 24, 4). Que significa o fato de Jesus ter ressuscitado? Significa que o amor de Deus é mais forte que o mal e a própria morte; significa que o amor de Deus pode transformar a nossa vida, fazer florir aquelas parcelas de deserto que ainda existem no nosso coração. E isto é algo que o amor de Deus pode fazer.

Este mesmo amor pelo qual o Filho de Deus Se fez homem e prosseguiu até ao extremo no caminho da humildade e do dom de Si mesmo, até a morada dos mortos, ao abismo da separação de Deus, este mesmo amor misericordioso inundou de luz o corpo morto de Jesus e transfigurou-o, o fez passar à vida eterna. Jesus não voltou à vida que tinha antes, à vida terrena, mas entrou na vida gloriosa de Deus e o fez com a nossa humanidade, abrindo-nos um futuro de esperança.

Eis o que é a Páscoa: é o êxodo, a passagem do homem da escravidão do pecado, do mal, à liberdade do amor, do bem. Porque Deus é vida, somente vida, e a sua glória somos nós: o homem vivo (cf. Ireneu, Adversus haereses, 4, 20, 5-7).

Amados irmãos e irmãs, Cristo morreu e ressuscitou de uma vez para sempre e para todos, mas a força da Ressurreição, esta passagem da escravidão do mal à liberdade do bem, deve realizar-se em todos os tempos, nos espaços concretos da nossa existência, na nossa vida de cada dia. Quantos desertos tem o ser humano de atravessar ainda hoje! Sobretudo o deserto que existe dentro dele, quando falta o amor de Deus e ao próximo, quando falta a consciência de ser guardião de tudo o que o Criador nos deu e continua a dar. Mas a misericórdia de Deus pode fazer florir mesmo a terra mais árida, pode devolver a vida aos ossos ressequidos (cf. Ez 37, 1-14).

Eis, portanto, o convite que dirijo a todos: acolhamos a graça da Ressurreição de Cristo! Deixemo-nos renovar pela misericórdia de Deus, deixemo-nos amar por Jesus, deixemos que a força do seu amor transforme também a nossa vida, tornando-nos instrumentos desta misericórdia, canais através dos quais Deus possa irrigar a terra, guardar a criação inteira e fazer florir a justiça e a paz.

E assim, a Jesus ressuscitado que transforma a morte em vida, peçamos para mudar o ódio em amor, a vingança em perdão, a guerra em paz. Sim, Cristo é a nossa paz e, por seu intermédio, imploramos a paz para o mundo inteiro.

Paz para o Oriente Médio, especialmente entre israelitas e palestinos, que sentem dificuldade em encontrar a estrada da concórdia, a fim de que retomem, com coragem e disponibilidade, as negociações para pôr termo a um conflito que já dura há demasiado tempo. Paz no Iraque, para que cesse definitivamente toda a violência, e sobretudo para a amada Síria, para a sua população vítima do conflito e para os numerosos refugiados, que esperam ajuda e conforto. Já foi derramado tanto sangue… Quantos sofrimentos deverão ainda atravessar antes de se conseguir encontrar uma solução política para a crise?

Paz para a África, cenário ainda de sangrentos conflitos: no Mali, para que reencontre unidade e estabilidade; e na Nigéria, onde infelizmente não cessam os atentados, que ameaçam gravemente a vida de tantos inocentes, e onde não poucas pessoas, incluindo crianças, são mantidas como reféns por grupos terroristas. Paz no leste da República Democrática do Congo e na República Centro-Africana, onde muitos se vêem forçados a deixar as suas casas e vivem ainda no medo.

Paz para a Ásia, sobretudo na península coreana, para que sejam superadas as divergências e amadureça um renovado espírito de reconciliação.

Paz para o mundo inteiro, ainda tão dividido pela ganância de quem procura lucros fáceis, ferido pelo egoísmo que ameaça a vida humana e a família – um egoísmo que faz continuar o tráfico de pessoas, a escravatura mais extensa neste século vinte e um. O tráfico de pessoas é realmente a escravatura mais extensa neste século vinte e um! Paz para todo o mundo dilacerado pela violência ligada ao narcotráfico e por uma iníqua exploração dos recursos naturais. Paz para esta nossa Terra! Jesus ressuscitado leve conforto a quem é vítima das calamidades naturais e nos torne guardiões responsáveis da criação.

Amados irmãos e irmãs, originários de Roma ou de qualquer parte do mundo, a todos vós que me ouvis, dirijo este convite do Salmo 117: «Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom, porque é eterno o seu amor. Diga a casa de Israel: É eterno o seu amor» (vv. 1-2).

Saudação

Queridos irmãos e irmãs, a vós aqui reunidos de todos os cantos do mundo nesta Praça, coração da cristandade, e a todos vós que estais conectados através dos meios de comunicação, renovo o meu voto: Feliz Páscoa!

Levai às vossas famílias e aos vossos Países a mensagem de alegria, de esperança e de paz, que a cada ano, neste dia, se renova com vigor.

O Senhor ressuscitado, vencedor do pecado e da morte, seja o amparo para todos, especialmente para os mais frágeis e necessitados. Obrigado pela vossa presença e pelo testemunho da vossa fé. Uma lembrança e um agradecimento especial pelo dom das belíssimas flores, que provêm dos Países Baixos. A todos repito com afeto: Que Cristo ressuscitado guie a todos vós e à humanidade inteira pelos caminhos de justiça, de amor e de paz.

31 de março de 2013 at 11:13 Deixe um comentário

Mensagem de Páscoa

Oi amigos, Feliz Páscoa a todos vocês e suas famílias! Cristo Ressuscitou! Que alegria! É tempo de esperança e vida nova!

                                                                                       Jane Amábile

31 de março de 2013 at 7:06 Deixe um comentário

Vigília Pascal – com Papa Francisco – sábado, 30 de março de 2013, 18h45

Com a Basílica São Pedro lotada, Papa Francisco celebra a Vigília Pascal, no Vaticano.

André Alves Da redação (Canção Nova)

Papa Francisco celebra Vigilia Pascal

Papa Francisco durante a procissão da Luz que marcou o início da Vigília Pascal. (Foto: CTV)

O Papa Francisco, presidiu neste Sábado Santo, 30, a celebração da Vigília Pascal, na Basílica de São Pedro, em Roma. Como prevê a liturgia, o Santo Padre iniciou a cerimônia com a Benção do Fogo Novo. Em seguida, adentrou à Basílica, em procissão, com o Círio Pascal, símbolo do Cristo Ressuscitado.

Após percorrer o corredor central, o Papa chegou ao presbitério e beijou o Altar. Ouviu-se então a proclamação da Páscoa e o canto do “Exultat”.

Um momento marcante na celebração foi a entoação do Hino do Glória – Gloria in excelsis deo – que quer dizer, “Glória a Deus nas alturas”. Nesta hora, se acenderam as luzes da Basílica e ressoaram os sinos no interior e fora do templo.

Após o anúncio e o canto do “Aleluia”, ouviu-se a proclamação do Evangelho. Em seguida, o Santo Padre proferiu breves palavras em sua homilia.

O Papa Francisco recordou a narração do texto de São Lucas, ouvido durante a celebração, e enfatizando a figura das mulheres que foram surpreendidas com a ausência do corpo de Jesus no túmulo (cf.Lc 24, 1-12).

Segundo o Papa, há uma dificuldade por parte do homem em lidar com as surpresas de Deus. No entanto, o convite do Pontífice foi que os católicos não temam as novidades do Senhor. “Temos medo das surpresas de Deus! Irmãos e irmãs, não nos fechemos às surpresas de Deus. Não nos fechemos em nós mesmos, não percamos a confiança”, convidou o Papa.

Mencionando as palavras do Anjo que apareceu às mulheres – “Por que estais procurando entre os mortos aquele que está vivo?” – o Papa questionou: “Quantas vezes precisamos que o Amor nos diga: porque buscar os viventes no meio dos mortos”? Para o Pontífice, os problemas e as situações do dia a dia tendem a entristecer e tirar-nos a paz. Logo, afirmou o Papa, aí está a morte.

De acordo com o Santo Padre, quem acolhe Jesus Ressuscitado não fica desiludo ou entristecido. “Podes estar seguro porque Ele está perto de ti e lhe dará força para viver como Ele quer.”

Um último elemento destacado pelo Papa Francisco na homilia, foi o sentimento de medo que tomou as mulheres que visitavam o túmulo de Cristo. Segundo o Santo Padre, a novidade de Deus causou-lhes medo a princípio, mas quando ouviram o anúncio da Ressurreição, acolheram e confiaram.

A confiança, explicou o Papa, veio após o convite do anjo que lhes chamou a recordar as palavras de Jesus antes de morrer. “Fazer memória do acontecimento de Jesus, é isso que faz as mulheres anunciar a todos. Fazer memória daquilo que Deus fez, do caminho percorrido. Isso abre o coração para a espera, para o futuro”, disse o Papa.

Por fim, o Santo Padre pediu a Deus, por intercessão de Maria, que o coração dos fiéis estejam abertos para fazerem memória daquilo que Deus fez a eles; que os torne capazes de perceber Cristo como vivente e que os ensine a não procurar entre os mortos Aquele que está vivo.

30 de março de 2013 at 19:13 Deixe um comentário

ÁGUAS PROFUNDAS – TONY ALLYSSON

 

 

 

Se você não conseguir assistir o vídeo, favor clicar do lado direito para ver no Youtube.

30 de março de 2013 at 11:36 Deixe um comentário

SANTA MISSA NA CEIA DO SENHOR – Quinta-feira Santa, 28 de março de 2013

HOMILIA  DO SANTO PADRE FRANCISCO

Cárcere para Menores “Casal  del Marmo” em Roma Quinta-feira Santa, 28 de março de 2013

Isto é comovente: Jesus lava os pés dos seus discípulos. Pedro  não compreendia nada, rejeitava. Mas Jesus lhe explicou. Jesus – Deus – agiu  deste modo! O próprio Jesus explica aos discípulos: «Compreendeis o que acabo de  fazer? Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, pois eu o sou. Portanto, se  eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos  outros. Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz» (Jo 13,  12-15). É o exemplo do Senhor: Ele é o mais importante e lava os pés, porque  entre nós aquele que está mais elevado deve estar ao serviço dos outros. E isto  é um símbolo, um sinal, não é verdade? Lavar os pés significa: “eu estou ao teu  serviço”. E também nós, entre nós, não é que isto signifique de devamos lavar os  pés todos os dias uns dos outros, mas qual é o seu significado? Significa que  devemos nos ajudar, uns aos outros. Às vezes, fico com raiva de alguém, de um,  de uma… mas deixa para lá, deixa para lá, e se essa pessoa te pede um favor,  fá-lo. Ajudar-nos uns aos outros: é isto que Jesus nos ensina e é isto que eu  faço, e o faço de coração, porque é o meu dever. Como sacerdote e como Bispo,  devo estar ao vosso serviço. Mas é um dever que me vem do coração: amo-o. Amo-o  e amo fazê-lo porque o Senhor assim me ensinou. Mas vós também, ajudai-nos:  ajudai-nos sempre. Um ao outro. E assim, ajudando-nos, faremos o bem para nós  mesmo. Agora realizaremos esta cerimônia de lavar-nos os pés e pensamos, cada um  de nós pensa: “Eu realmente estou disposta, estou disposto a servir, a ajudar o  outro?” Pensemos apenas nisto. E pensemos que este sinal é uma carícia de Jesus,  que Jesus o faz, pois Jesus veio justamente por isso: para servir, para nos  ajudar.

29 de março de 2013 at 16:51 Deixe um comentário

Frases sobre a Ressurreição de Cristo

1-      Papa Paulo VI: “Toda a história evangélica, porventura não tem por centro a Ressurreição? Sem ela, que seria dos próprios evangelhos que anunciam «a Boa Nova de Jesus»? Não encontramos nós, ali, a origem de toda a pregação cristã, desde o primeiro «kerigma», que é precisamente o testemunho da Ressurreição?”

 

2-      São Gregório Magno: “Diante deste mistério (Ressurreição de Cristo), ficamos tão profundamente admirados e maravilhados, como diante dos mistérios da Encarnação e do nascimento virginal de Cristo”.

 

3-      O Papa Emérito Bento XVI: “Começa portanto com a ressurreição o anúncio do Evangelho de Cristo a todos os povos começa o Reino de Cristo, este novo Reino que não conhece outro poder a não ser o da verdade e do amor”.

 

4-      Santo Agostinho:  “Aos cristãos não é poupado o sofrimento, aliás, a eles cabe um pouco mais, porque viver a fé expressa a coragem de enfrentar a vida e a história mais em profundidade. Contudo só assim, experimentando o sofrimento, conhecemos a vida na sua profundidade, na sua beleza, na grande esperança suscitada por Cristo crucificado e ressuscitado”.

 

5-      O Beato João Paulo II:  “A ressurreição deu a expressão definitiva e mais completa do poder messiânico, que estava em Jesus Cristo. Verdadeiramente Ele é o Enviado por Deus. É o Filho de Deus. E a palavra que provém dos seus lábios é divina”.

 

6-      São Jerônimo :  “O domingo é o dia da ressurreição, é o dia dos cristãos, é o nosso dia”.

 

7-      Papa Inocêncio I: “Nós celebramos o domingo, devido à venerável ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo, não só na Páscoa, mas inclusive em cada ciclo semanal”.

 

8-      A palavra de Deus:  “Ora, se se prega que Jesus ressuscitou dentre os mortos, como dizem alguns de vós que não há ressurreição de mortos? Se não há ressurreição dos mortos, nem Cristo ressuscitou. Se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé”. (1 Coríntios 15, 12-14)

 

9-      Departamento de Celebrações Litúrgicas do Vaticano: “O mistério pascal, justo porque tem visto passar o Filho da morte para a vida, assim vê passar os filhos de Deus. Por isso chama-se pascal, por essa passagem acontecida graças ao sacrifício do Filho de Deus”.

10-   O Catecismo §638: “A ressurreição de Jesus é a verdade culminante da nossa fé em Cristo, acreditada e vivida como verdade central pela primeira comunidade cristã, transmitida como fundamental pela Tradição, estabelecida pelos documentos do Novo Testamento, pregada como parte essencial do mistério pascal, ao mesmo tempo que a cruz”.

 

11-   O Beato João Paulo II: “Juntamente com Maria, Stella matutina, fomos atingidos pela luz da Ressurreição. Alegramo-nos com Ela porque o sepulcro vazio se tornou o seio da vida eterna, onde Aquele que ressuscitou dos mortos agora está sentado à direita do Pai”.

 

12-   A Palavra de Deus: Se fomos feitos o mesmo ser com ele por uma morte semelhante à sua, sê-lo-emos igualmente por uma comum ressurreição”. (Romanos 6, 5)

13 – Santo Agostinho: “A ressurreição de Cristo é a nossa esperança”.

 

14-  O  Papa Emérito Bento XVI: “A fé em Cristo crucificado e ressuscitado é o âmago de toda a mensagem evangélica, o núcleo do nosso “Credo”.

 

15-   A Palavra de Deus: Ele lhes falou: Não tenhais medo. Buscais Jesus de Nazaré, que foi crucificado. Ele ressuscitou, já não está aqui. Eis o lugar onde o depositaram”. (Marcos 16, 6)

 

16-   O Catecismo  §1169: “ O mistério da Ressurreição, em que Cristo aniquilou a morte, penetra o nosso velho tempo com a sua poderosa energia, até que tudo Lhe seja submetido”.

 

17-   O Papa Bento XVI: “Abramos o espírito a Cristo morto e ressuscitado para que nos renove, para que elimine do nosso coração o veneno do pecado e da morte e nele infunda a seiva vital do Espírito Santo: a vida divina e eterna”.

 

18-   O Beato João Paulo II: “Cristo Ressuscitou ». É este o acontecimento novo e prodigioso, verdadeiro e incontroverso, sobre o qual tudo se funda; é esta, de há muito e para sempre, « a pedra angular, rejeitada pelos contrutores. E, em nenhuma outra, senão nela, existe a salvação ».

 

19-   O Concílio Vaticano II: “Constituído Senhor pela sua ressurreição, Cristo… atua já, pela força do Espírito Santo, nos corações dos homens; não suscita neles apenas o desejo da vida futura, mas, por isso mesmo, anima, purifica e fortalece também aquelas generosas aspirações, que levam a humanidade a tentar tornar a vida mais humana e a submeter para esse fim toda a terra”.

 

20-   Santo Inácio de Antioquia: “É a Ele (Jesus) que eu procuro, a Ele, que morreu por nós; é Ele que eu quero, Ele, que ressuscitou por nós”.

 

21-  A Palavra de Deus: “É também para nós, pois a nossa fé deve ser-nos imputada igualmente, porque cremos naquele que dos mortos ressuscitou Jesus, nosso Senhor, o qual foi entregue por nossos pecados e ressuscitado para a nossa justificação”. (Romanos 4, 24-25)

 

 

 

 

 

 

 

 

29 de março de 2013 at 10:26 Deixe um comentário

Posts antigos


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 225 outros seguidores

Categorias