Archive for maio, 2010

A IGREJA CATÓLICA

Professamos no Creio que a Igreja é Una, Santa, Católica e Apostólica.

E como nasceu a Igreja?

Santo Ambrósio fala em seus escritos que ” a  Igreja nasceu do coração transpassado de Cristo morto na cruz.”( Cic)
A Igreja Católica nasce do poder do sangue de Jesus derramado na cruz, o sangue da nova e eterna aliança, lembrado na Eucaristia a cada celebração.

Mas também a Igreja continua sendo banhada pelo sangue de muitos mártires no decorrer dos 2.000 anos de sua existência.
São Paulo diz: ” O que falta às tribulações de Cristo, completo na minha carne, por seu corpo que é a Igreja.” ( Cl 1, 24 )

A Igreja Católica  não participa somente do sofrimento de Cristo, mas principalmente da   alegria da Ressurreição.

A Páscoa é a maior festividade da nossa Igreja . Por isso todos os fiéis são convidados a participar dessa festa todos os domingos, na Santa Missa.

As  mulheres que foram ao Sepulcro no dia da ressurreição levaram a Boa Nova aos apóstolos: Jesus ” ressurgiu ao terceiro dia, segundo as escrituras; apareceu a Pedro e, em seguida aos doze.” ( I Cor. 15,4-5 )

É a Igreja, nas pessoas de Pedro ( Papa ) e dos Apóstolos ( Bispos ), participando da glória da Ressurreição de Cristo.

A Igreja Católica é Apóstólica, porque é  fiel depositária da fé, das obras e dos  testemunhos dos Apóstolos.
A Igreja guarda também em seu seio, a história de fé dos  mártires, dos santos, do magistério da Igreja, dos presbíteros (padres ) , dos diáconos, dos consagrados e dos leigos.

É fundamentada numa rocha ( Pedro ) : ” Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”.
Sua sede é em Roma  ( Vaticano) onde mora o Papa.
Igreja esta que nunca será destruída pela mal, ou pelo pecado dos seus membros, pois ” as portas do inferno não prevalecerão contra ela.” ( Mt 16,18 )
Não podemos esquecer também que Nossa Senhora é a mãe da Igreja e a guarda sob seu manto protetor.

A Igreja Católica é uma comunidade humana, espelhada na Comunidade Divina: A Santíssima Trindade (  perfeita na unidade e no amor).  E a Eucaristia é o vínculo da unidade entre os fiéis.

Desde os primórdios da Igreja, os cristãos dão muitos exemplos de partilha ( amor ) entre seus fiéis:  “Unidos de coração, frequentavam todos os dias o templo. Partiam o pão nas casas e tomavam a comida com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e cativando a simpatia de todo o povo.( At 2, 46-47 )
A Igreja assiste aos seus membros quando eles necessitam espiritualmente ou materialmente de ajuda; e  a  todas outras pessoas, especialmente os mais pobres.  Somos o corpo de Cristo “… se um membro sofre, todos os membros sofrem com ele; se um membro é honrado, todos os membros se alegram com ele.”( I Cor. 12, 26 ) 

O Espírito Santo em formas de línguas de fogo, desceu em Pentecostes,sobre os Apóstolos e Nossa Senhora, dando impulso à Igreja de Cristo e estará presente nela sempre: nos sacramentos e no anúncio da Boa Nova da Salvação, dotando-a de dons e frutos para a santificação do povo de Deus.
É a fonte que jorra do templo e que faz brotar a vida por onde passa. ( Ez 47,8-9 )

A Igreja Católica é Santa porque Jesus é a Cabeça  e o Espírito Santo a conduz.

 A  identidade do católico é o Batismo, que nos faz ser templos do Espírito Santo e nos insere na comunidade eclesial.
Somos, pois, pedras vivas desse edifício, onde o Papa é o nosso Pastor supremo: autoridade dada por Jesus a Pedro: ” Apascenta as minhas ovelhas” ( Jo 21, 16 ) e depois repassada aos  sucessores de Pedro ( os Papas).
A decisões da Igreja são tomadas em Concílios, Sínodos, Conferências Episcopais, pelo Papa, Cardeais, ou e Bispos ( Magistério da Igreja).
Estes levam para sua Diocese; e  com o Clero colocam em prática as decisões tomadas, através dos conselhos de leigos nas paróquias ( Igreja particular ).

Pela unção do Espírito Santo, o povo de Deus tem a função profética, real ( rei); e vocação sacerdotal como a de Jesus Cristo.

Em toda a história de nossa Igreja temos  a graça de ver sempre jovens buscando consagrar sua vida  inteiramente a Deus, seja numa vida de oração e contemplação ou  então de serviço. Deus tem suscitado no coração de homens a vocação sacerdotal e de mulheres, a vocação religiosa, como também a vivência nas comunidades de vida e aliança.

Este é o Ano Sacerdotal (  de 19\ 6\ 09   a  11\ 06\10), estabelecido pelo papa Bento XVI  para a nossa Igreja, que  teve como objetivo: ” Ajudar a perceber cada vez mais a importância do papel e da missão do sacerdote na Igreja e na sociedade contemporânea”.

 E  D. Geraldo Majella completa ” que o Ano sacerdotal tenha atingido sua meta, isto é,  despertar vocações e transformar os vocacionados em ” outro Cristo “, comunicando aos homens a novidade da salvação” .

A Igreja Católica é universal, pois abrange  a todos aqueles que quiserem ouvir o ensinamento de salvação de  Nosso Senhor Jesus, repassado aos apóstolos, e posteriormente ao Papa, ao Bispo e todo o Clero, e por sua vez aos fiéis e a toda a humanidade.
É a mãe que abraça   a cada um que responde ao chamado de Deus à conversão.
Por isso a missão da Igreja é levar a Boa Nova da Salvação, também  fora dos seus muros, para que ninguém fique sem a opção de escolher a Vida do Reino, que o Senhor prometeu a todos que o seguissem.

 A Igreja  Católica não tem o hábito de interferir na escolha que cada indivíduo tem para viver  sua espiritualidade. Respeita e acolhe a todos que  quiserem fazer uma diferente escolha na sua vida  espiritual, que não é a religião católica. A Igreja tem feito através dos tempos,e especialmente com os Papas João Paulo II e Bento XVI , “o Diálogo inter-religioso” com praticamente todas as religiões do planeta. E tem trabalhado com afinco peloEcumenismo, para que todos os cristãos se reúnam em torno de Nosso senhor Jesus Cristo, que é o mesmo Pastor e Senhor de todos nós.

A Igreja é Una, porque em torno dela, o Bom Pastor ( Jesus Cristo) vai reunir o seu rebanho disperso, para que na sua vinda gloriosa haja  então “… um só rebanho e um só pastor. ” Jo 10, 16
“A unidade e unicidade da Igreja vem da própria unidade da Trindade Santa. O único povo de Deus no Antigo Testamento (Israel), se prolonga no único povo de Deus no Novo Testamento ( a Igreja). Cristo tem um só Corpo e uma só Esposa, daí vem a exigência monogâmica do matrimônio cristão, que é espelho da união de Cristo com a sua única Esposa. ´ Deste mistério, o modelo Supremo e o princípio é a unidade de um só Deus na Trindade de Pessoas, Pai e Filho no Espírito Santo´ (UR ,2)”. ( Felipe Aquino)

Ser Católico é:

Ser católico não é fácil em nossos dias, onde o relativismo dita suas normas.
Por isso comungar Jesus na Eucaristia implica em assumir o lado da valorização da vida. E isso vai contra à cultura de morte, e tolerância à situações  de pecado e desrespeito aos mandamentos no mundo de hoje.
Em Jo 6, 66 depois que Jesus se revelou como o Pão da Vida, alguns discípulos se retiraram e já não andavam mais com Ele.
E São Paulo profetiza: “virá tempo em  que homens já não suportarão a sã doutrina da Salvação”. ( 2 tm 4,3 )

Mas ser católico é ser feliz,  porque temos a graça de:
Tomar a hóstia consagrada pelo menos semanalmente; adorar ao Santíssimo Sacramento; participar dos Sacramentos ( sinais da presença de Deus entre nós ); amar Nossa Senhora como mãe; participar de procissões, romarias, via-sacra; venerar as imagens; homenagear os padroeiros das paróquias; rezar o terço e outras orações ( novenas, tríduos…); participar dos ritos e dos sacramentais; colocar-se a serviço da evangelização nas pastorais e movimentos; preparar-nos no conhecimento da doutrina, através da catequese, cursos e encontros; seguir as orientações da hierarquia da Igreja; praticar as virtudes da  fé, esperança e caridade. E principalmente ler e vivenciar a Palavra de Deus diariamente.

A Igreja Católica é peregrina nesse mundo até a” segunda vinda de Jesus”, quando será consumada na glória do céu como assembléia de todos os resgatados da terra e se apresentará a Cristo ” toda gloriosa, sem mácula, sem ruga, sem qualquer outro defeito semelhante, mas santa e irrepreensível”. ( Ef 5, 27 )

Ó Espírito Santo, derrama sobre a Igreja a tua força e os teus carismas..

Ó Santa Mãe da Igreja, Maria Santíssima, intercedei por todos nós!

Ó Jesus, Bom Pastor , obrigado pelo cuidado que tem cada uma de suas ovelhas e glorificado sejas por trazeres  de volta todas as ovelhas que se dispersaram.

Jane Amábile – Comunidade Divino Esp. Santo

31 de maio de 2010 at 16:15 Deixe um comentário

A SAGRADA ESCRITURA

A Sagrada Escritura ( Palavra de Deus), a Sagrada Tradição( ensinamento deixado pelos apóstolos), e o Magistério da Igreja ( o Papa e os  Bispos) são os três pilares de nossa fé católica e “estão de tal modo entrelaçados e unidos, que um não tem consistência sem os outros, e que juntos, cada qual a seu modo, sob a ação do mesmo Espírito Santo contribuem eficazmente para a salvação das almas. ” ( Cic 95 )

Os livros da Sagrada Escritura foram escritos por homens, inspirados pelo Espírito Santo. É Deus falando ao homem à maneira dos homens.E deve ser lida e interpretada pelo mesmo Espírito em que foi escrita. ( Dei Verbum )

Cabe ao Magistério da Igreja a  interpretação da mensagem das Escrituras.
Às vezes em que alguns membros da Igreja, não seguiram as orientações do Magistério na interpretação da Sagrada Escritura, suscitou no meio da Igreja, as heresias, que trouxeram rupturas, cismas, divisão.
São João é duro quando fala sobre isso em Ap 22, 18-19;  e também São Paulo em sua carta aos Gálatas, capítulo 1, versículo 7: ” De fato não há dois evangelhos; há apenas pessoas que semeiam a confusão entre vós e querem pertubar o Evangelho de Cristo. “

A Sagrada Escritura é composta de 46 livros no Antigo Testamento e 27 no Novo Testamento.

A Palavra de Deus:

revela

quebra as correntes que nos prendem

instrui

é boa nova

exorta

purifica

consola

edifica

corrige

reúne novamente

perdoa

encoraja

sustenta

é misericórdia

anima

dá segurança

dá coragem

é compaixão

alimenta

é amor

restaura

dá dignidade

é luz para meus passos

alerta

é vida

transforma

orienta

reconstrói

une

dá fidelidade

solidifica o que é bom

cura

é Eucaristia

liberta do mal

santifica

salva…

é  Jesus.

Numa visão mais simples, podemos dizer que o Antigo Testamento:
– Narra a criação do mundo ( Gn 1, 1-25 );
– A criação do homem e da mulher ( Gn 1, 27)
– O pecado que entra no mundo pela desobediência de nossos primeiros pais ( Gn 3 );
– Deus se revela aos homens: ” Eu Sou Aquele Que Sou” ( Ex 3, 14 );
– Faz aliança com seu povo ( Gn 17,7 );
– Dá a  Lei ( os Dez mandamentos) e pede obediência a ela ( Ex 20, 1-17 );
– Prepara a vinda do Filho Salvador  Jesus Cristo ( Is 9, 1-6 ).

O Novo Testamento fala:

Do nascimento, vida pública, ensinamentos, paixão, morte e ressurreição do Verbo Encarnado, nosso Salvador, Jesus Cristo.
” E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glõria, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade”. ( Jo 1, 14 )
Jesus é a própria Palavra. É o Verbo de Deus.

Sua missão redentora é início, meio e  fim de toda a  Escritura: ” Eu sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Começo e o Fim.”( Ap 22,13 )

No Novo Testamento podemos finalmente ver a face misericordiosa de Deus,  revelada em Jesus, que nos amou ao extremo, ao ponto de dar a sua própria vida pela remissão dos nossos pecados.

Os quatro Evangelhos são o ponto alto de toda a Escritura, pois nele é o próprio Jesus que fala, revelando o plano de amor de Deus para os seus filhos.
“Todas as coisas me foram dadas por meu Pai; ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho quiser revelá-lo.” ( Mt 11, 27 )

No Novo Testamento tem também os livros escritos pelos apóstolos (Atos dos Apóstolos, Cartas e o Apocalipse), que falam da missão de Jesus  nesse mundo, da formação das comunidades eclesiais, das experiências que tiveram sendo discípulos d’Ele, seus testemunhos e do Reino dos Céus.

O Antigo Testamento deve ser lido à luz de Cristo morto e ressuscitado; e o Novo Testamento deve ser lido à luz do Antigo. O Novo está escondido no Antigo e o Antigo é desvendado no Novo. ( Cic -129 )

A Sagrada Escritura  é para todos os cristãos comprometidos , a verdade absoluta e incontestável: ” Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” ( Jo 14,6 )

A força da Palavra de Deus é tão grande em nossas vidas que tem o poder de mudá-la radicalmente. É só ler e observar  a vida dos santos de nossa igreja e de inúmeros outros  fiéis.Em Hebreus 4, 12, S. Paulo diz: “…a Palavra de Deus é viva, eficaz, mais penetrante do que uma espada de dois gumes e atinge até à divisão da alma e do corpo, das juntas e medulas e discerne os pensamentos e intenções do coração.”

Jane Amábile – Comunidade Divino Esp. Santo

27 de maio de 2010 at 16:12 Deixe um comentário

Maria Santíssima

TERCEIRA PARTE

Maria Santíssima

Em Nazaré, na Galiléia, Jesus cresceu ao lado de Maria e de José, seus pais. Jesus trabalhou na carpintaria com seu pai. Tinha uma vida simples e cheia de amor. Tanto que, mesmo depois do Batismo no Rio Jordão, onde deu início à sua vida pública, o Evangelho narra a sua volta à Nazaré para ficar com a família, revendo Maria e José, seus vizinhos, amigos, e se abastecendo para a missão.

Em duas passagens vemos isso claro: em Lucas 4, 16, depois da tentação no deserto, Jesus volta a Nazaré; e também em Mateus 13, 54, volta para sua casa, depois dos ensinamentos das parábolas do joio, da pérola, etc…

“Que Nazaré nos ensine o que é a família, sua comunhão de amor, sua beleza austera e simples, seu carater sagrado e inviolável.” ( Cic 533 )

Maria Santíssima acompanhou Jesus na sua vida pública, seja de longe, em Nazaré, ou bem próxima a Ele, com sua proteção e cuidados maternos.

Nas Bodas de Caná, Maria estava com Jesus e seus discípulos. Faltou vinho na festa e Maria conhecendo bem o Filho e sabendo que Ele não ia se negar a realizar o pedido dela, disse: ” Eles já não tem vinho.”( Jo 2, 3 )

Mesmo com a resposta do Filho que disse:” Mulher isso compete a nós? Minha hora ainda não chegou.” ( Jo 2, 4 ) Maria crê que Jesus vai realizar o milagre da transformação da água em vinho, e diz para os serventes: ” Fazei o que Ele vos disser. “( Jo 2, 5 )

Jesus mandou encher as talhas de água e as transformou em vinho. No primeiro milagre de Jesus há  a intervenção poderosa da mãe de Deus, pois ” ela não cessou de crer no cumprimento da Palavra de Deus . Por isso a Igreja venera em Maria a realização mais pura da fé.” ( Cic 149 )

E a Palavra fala que depois do milagre das Bodas de Caná,  sua mãe desceu com Jesus e os discípulos para Cafarnaum e ficaram lá alguns dias.( Jo 2, 12 )

No auge da missão de Jesus, Nossa Senhora é citada na Palavra procurando pelo Filho ( Mc 3,31 ), possivelmente preocupada com o rumo que a vida de Jesus estava tomando: uma multidão se aglomerava pra ouvir Jesus falar do Reino de Deus. Jesus já não podia andar sem que tivesse um grande número de pessoas  atrás d’Ele. ( Mc 4, 1 )

Mais adiante, Nossa Senhora aparece no Evangelho, na hora mais dolorosa  de sua vida, quando seu amado Filho pregado na cruz, está prestes a morrer.

Jesus olhou para sua mãe do alto da cruz e para João, seu discípulo. Primeiro disse a Maria: ” Mulher, eis aí teu filho”.( Jo 19, 26 ),  e olhando para João, disse: “Eis aí tua mãe.” ( Jo 19, 27 )

Na pessoa de João, ganhamos a proteção  da mãe de Jesus, e todas as graças que essa maternidade implica, já que temos uma Mãe que é cheia da graça de Deus e a mesma Mãe do nosso Salvador Jesus.

Ó Maria Santíssima, mesmo no último instante da vida de Jesus e já sem forças, seu Filho não se esqueceu de Ti e de cada um de nós.

Ó mãe sofrida e amada de Jesus e também nossa mãe, rogai por todos os seus filhos que padecem nesse vale de lágrimas!

Depois Maria Santíssima aparece com os discípulos de Jesus no cenáculo esperarando em oração, a descida do Espírito Santo ( At 1, 4 ).

Maria é Mãe de Jesus e consequentemente Mãe da Igreja, pois Jesus é a cabeça do corpo místico, que é a Igreja. E  foi em Pentescostes, que se deu início à Igreja de Cristo, por isso Nossa Senhora estava ali.

O Espírito Santo veio como línguas de fogo e pousou sobre cada um ( At 2, 1-4 ), cumprindo a promessa do Filho em quem sempre a Virgem Maria acreditou: por isso Deus fez nela maravilhas.

E a Igreja declara, no dogma da Assunção, que Maria  não morreu, mas foi Assunta ao céu em corpo e alma. E o Catecismo diz que a  Assunção da Virgem Maria é uma participação singular na Ressurreição de seu Filho e uma antecipação da ressurreição dos outros cristãos.

E para finalizar, o Livro do Apocalipse ( 12,1 ), narra Maria como ” Uma mulher revestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas”.

Maria Santíssima é portanto, Rainha do Céu e da Terra.

Ó  Mãe e  Rainha nossa, intercedei sempre e incansavelmente por todos os seus filhos!
Amém !

Jane Amábile – Comunidade Divino Esp. Santo

23 de maio de 2010 at 12:02 Deixe um comentário

MARIA SANTÍSSIMA

Segunda Parte

Nossa Senhora provavelmente não tinha idéia de como sua vida iria mudar extraordinariamente, a partir da primeira  fala do anjo Gabriel: ” Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo”. ( Lc 1, 28 )

Santo Alberto Magno diz: ” É anunciada à Santíssima Virgem tal plenitude de graça, que se tornou por isso a fonte e o canal de transmissão de toda a graça a todo o gênero humano.”


Próximo ao nacimento  de Jesus, Maria e José foram a Belém para o recenseamento decretado por César Augusto.

Não conseguiram hospedagem. Ao nascer Jesus foi colocado numa manjedoura.
Mesmo sendo uma situação difícil de entender, pois o  Filho do Altíssimo ( Lc 1, 32 ), precisou nascer naquele lugar tão pobre e sem conforto, Maria aceitou o fato  e se colocou confiantemente nas mãos de Deus.

Os pastores que estavam nos arredores do presépio, foram avisados pelo anjo sobre o nascimento de Jesus: “Hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor.” ( Lc 2, 11 )
Os pastores foram ao local indicado pelo anjo ” com grande pressa e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura”.  E lá falaram muitas coisas à respeito de Jesus, que ouviram do anjo. ( Lc 2, 16 )

Nossa Senhora  talvez tenha ouvido em silêncio, tudo  o que os pastores falavam a respeito do menino Jesus, porque a palavra diz:

“ Maria conservava todas essas palavras, meditando-as no seu coração”(Lc 2, 19).

Conservar e meditar são palavras  difíceis de colocarmos em prática, hoje. Somos ansiosos, questionadores e cobramos  tantos nossos direitos…

Ah,Maria, ensina-nos a ser assim tão dócil a Deus!

O mundo teria  mais paz  se colocássemos em prática a exortação do seu amado Filho: “Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra! ” ( Mt 5, 5 )

É sempre destacada no Evangelho, a presença protetora de Maria junto a seu filho Jesus.

Seguindo a estrela até Belém, que  despertou a raiva de Herodes, vieram os Magos trazendo ouro, incenso e mirra pra dar  a Jesus:

” E entrando na casa, acharam o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se diante dele o adoraram “. ( Mt 2, 11 )

“…para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse para a glória de Deus pai, que Jesus Cristo é o Senhor”. ( Fl 2, 10-11 )

Assim que os Magos foram embora, Maria, José e o menino Jesus, tiveram que fugir durante à noite para o Egito, pois o anjo avisou em sonhos a José, que Herodes queria matar Jesus.

Ó Senhora, proteja-nos sob seu manto materno contra os inimigos!

Quando Herodes morreu, o anjo disse que eles deveriam voltar do Egito. Vieram para Nazaré e lá ficaram residindo.

Como era costume entre os judeus, José e Maria foram ao templo de Jerusalém apresentar Jesus.

Mais uma vez, Deus confirmou a filiação divina de Jesus, quando Simeão colocou Jesus nos braços e louvou a Deus: …” os meus olhos viram a vossa salvação que preparastes diante de todos os povos, como luz para iluminar as nações, e para a glória de vosso povo de Israel”. ( Lc 2, 30-32 )

“Seu pai e sua mãe estavam admirados das coisas que dele se diziam.”(Lc 2, 33)

A profetiza Ana também se referiu a Jesus como o libertador que todos estavam esperando.

José e Maria , depois de cumprirem os rituais religiosos, voltaram para a Galiléia com Jesus.

Em Lucas 2, 40 fala : Jesus crescia, se fortificava, cheio de sabedoria; e a graça de Deus repousava n’Ele.

Quão bela a maternidade de Maria!

Cheia de sabedoria acompanhava sempre seu Filho Jesus e dava-lhe perfeita educação.

Aos 12 anos, Jesus foi com Maria e José a Jerusalém na festa da Páscoa dos judeus. Na volta eles sentiram a falta de Jesus. Procuraram por Ele na caravana, mas Ele não estava lá.
Então voltaram a Jerusalém para ver se encontravam-no.
Depois de três dias procurando, viram Jesus no templo, ” sentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os”. ( Lc 2, 46 ).

Maria e José ficaram admirados com a cena que viram.

Maria  estava preocupadíssima com a ausência de Jesus, disse-lhe: “Meu filho, que nos fizeste?! Eis que teu pai e eu andávamos à tua procura, cheios de aflição”.

Respondeu-lhes Ele:”Por que me procuráveis? Não sabíeis que devo ocupar-me das coisas de meu Pai ?”( Lc 48-49 )
A Palavra fala que Maria e José não compreenderam o que Jesus queria dizer, mas aceitaram as colocações de Jesus.

O Papa Bento XVI diz: ” De fato, Maria observou primeiro e plenamente a palavra de seu Filho, demonstrando assim  de amá-lo não somente como mãe, mas primeiramente como serva humilde e obediente.”
Jesus então voltou com seus pais para Nazaré.

De novo a palavra diz: ” Sua mãe guardava todas essas coisas no seu coração “.  ( Lc 2, 51 )

Jesus crescia em tamanho, sabedoria e graça diante de Deus e dos homens.

Ó, Maria! Ajuda-nos  a educar  nossos filhos como você educou Jesus:  à luz do Espírito Santo.

Ó  Nossa Senhora Aparecida, roga a teu filho Jesus, por todas as mães que tem seus filhos desaparecidos, para que  consigam encontrá-los, como a senhora  também encontrou seu amado Filho!

Jane Amábile – Comunidade Divino Esp. Santo

20 de maio de 2010 at 13:04 Deixe um comentário

MARIA SANTÍSSIMA

Primeira Parte

Na Bíblia existem poucas passsagens que falam de Nossa Senhora, mas foi o suficiente para entendermos o papel de Maria no plano de salvação de Deus  e  que a  tornou conhecida e amada “de geração em geração…”(Lc 1, 50 )
A própria Palavra de Deus vem atestar isso:  pois o que foi escrito nos Evangelhos,  foi “para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome. ” ( Jo 20, 31 )

Desde toda a eternidade, o Pai das Misericórdias já vem preparando a missão de Maria como cooperadora no seu plano de salvação.
No Antigo Testamento, algumas santas e corajosas mulheres tiveram  também uma participação importante na vida do povo de Deus: Judite, Ester, Rute, Débora, Ana.
Mas é Maria a escolhida do Pai para ser a mãe do seu Filho Jesus Cristo, o Redentor da humanidade.
O Papa Bento XVI disse: ” Maria, a nova Eva, foi escolhida entre todas as mulheres ( Lc 1, 42 ) para criar o caminho para a santidade e a vitória sobre o pecado.
Maria contribuiu para que tivéssemos vida, para contrapor à Eva que contribuiu para que a morte entrasse no mundo.

Eis algumas passagens da Bíblia que falam de Maria Santíssima:

No Antigo Testamento

Deus Pai anuncia que o seu Filho Redentor, nascerá da Virgem :  ” Para isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará ” Deus Conosco”. ( Is 7, 14 )

No Livro dos Cântico dos Cânticos capítulo 6, 10,  já   ” proclamaram – na bem-aventurada…”, como  é confirmado em Lucas 1, 48  no Magnificat.

E  no mesmo livro, Deus também nos instrui  sobre a beleza e o poder de Nossa Senhora no céu e em suas aparições aqui na terra:
” Quem é esta que surge como a aurora, bela como a lua, brilhante como o sol, terrível como um exército em ordem de batalha?” ( Ct 6, 10 )
Nos lugares em que Nossa Senhora apareceu ( Fátima, Lourdes, Guadalupe…),  foi muitas  vezes  descrita  assim pelos videntes.
Os Santuários de Nossa Senhora  são visitados por milhares de pessoas todo ano, e se tornaram centro de cura da alma, do corpo e da mente,  portanto caminho fácil para  chegarmos ao seu amado Filho Jesus.
O Papa Bento XVI diz que Nossa Senhora  vem  “para suscitar em nossos corações a consolação e uma alegria íntima mesmo na dor e no sofrimento”.

No Novo Testamento

O Evangelho de S. Lucas  1, 30-31  fala  da Anunciação do anjo Gabriel a Maria Santíssima: ” Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás a luz um filho, e lhe porás o nome de jesus…”
Maria era desposada com José, homem de bem. Mas Maria sabia da sua condição de virgem.

Maria perguntou ao anjo:  ” Como se fará isso, pois não conheço homem?” ( Lc 1, 34 ).

E o anjo responde à pergunta de Nossa Senhora: ” O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente que nascer de ti será chamado Filho de Deus.” ( Lc 1, 35 )

O Espírito Santo com sua sombra é que tem a missão de gerar Jesus no ventre de Nossa Senhora.
É a Santíssima Trindade presente no ato redentor da humanidade: O Pai envia, O Espírito santo gera e Jesus age.
Jesus recebe a natureza humana de Nossa Senhora e  já tem a natureza divina, porque é Deus. Portanto tem as duas naturezas: a divina e a humana.
São João Crisóstomo ora: ” Ó Filho Único e Verbo de Deus, sendo mortal vos dignastes pela nossa salvação encarnar-vos da Santa Mãe de Deus e sempre Virgem Maria; vós que sem mudança vos tornastes homem e fostes crucificado, ó Cristo Deus, que pela vossa morte esmagastes a morte, sois Um da Santíssima Trindade, glorificado com o Pai e o Espírito Santo, salvai-nos”.

Mas para que tudo isso acontecesse foi preciso  que Maria respondesse ao Pai com “o Sim”, que iria mudar o destino de toda a humanidade. E  ela o faz sem reservas: ” Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra. “( Lc 1, 38 )

Já grávida Maria visita Isabel, sua prima.
Cheia do Espírito Santo, Isabel proclama: ” Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me vens esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?” ( Lc 1, 42-43 )
E Isabel a chama de bem-aventurada, porque creu em Deus. E trouxe alegria para a sua casa. ( Lc 1, 44 )
Quantas vezes somos visitados por Maria, que traz seu Filho que nos alegra com sua presença, principalmente nos momentos mais difíceis de nossas vidas.

E  com o coração  também exultante de  alegria,  Nossa Senhora canta o  Magnificat em agradecimento a Deus,  por todas as maravilhas que Ele realizou em seu favor e em favor de todos nós. ” Minha alma glorifica ao Senhor… “( Lc 1, 46-55 )

Ó Nossa Senhora,  num mundo como o de hoje onde  a depressão e  a tristeza são tão frequentes, vem em nosso auxílio, trazendo a alegria e a paz que necessitamos.

Nossa Senhora das Alegrias, rogai por nós!

Jane Amábile – Comunidade Divino Esp. Santo

17 de maio de 2010 at 0:32 Deixe um comentário

A VITÓRIA DE JESUS SOBRE O MAL

Com Jesus a Vitória é certa!

Alegremo-nos, irmãos, porque o mal não tem poder sobre aqueles que se entregam a Deus. “Se Deus é por nós, quem será contra nós?”(Rm 8,31 )

Mas infelizmente, o demônio está no mundo (Ap 12, 9) para perder as almas ” e atravessa no meio do plano de Deus e de sua obra de salvação realizada em Cristo”. (cic)

O primeiro homem ( Adão ) e a primeira mulher ( Eva ), tentados pela serpente, fizeram entrar no mundo o pecado e, pelo pecado, a morte, e assim a morte passou para todos os homens, porque todos pecaram. ( cic )

O mal incita o homem ao pecado, aproveitando-se de suas fraquezas e feridas  (rejeição, abandono, traumas, perdas…)
Os frutos do pecado são: relações humanas difíceis, as doenças que se proliferam pelo mundo, a extinção  dos animais, a destruição da natureza,  as desigualdades sociais,  os vícios e dependências,  discriminação, inúmeras guerras, desrespeito aos direitos fundamentais  da criança, dos idosos e portadores de necessidades especiais,  tragédias, morte.

Mas isso não nos leva ao desespero, porque o Nosso senhor Jesus Cristo tem total poder e vitória sobre o diabo, porque  Jesus se entregou livremente à morte para nos dar o perdão dos pecados e nos livrar de todo o mal.

E se seguimos  suas orientações (a Palavra) buscando viver uma vida de graça, participaremos do seu Reino de amor na eternidade, onde ” já não haverá morte, nem luto, nem grito, nem dor…” ( Ap 21,4 )

Ao contrário daqueles que teimam em se enveredar pelo caminho do mal  ( pecado) , não terão paz na eternidade, pois para onde irão ” haverá choro e ranger de dentes”. ( Lc 13, 28 )

Uma das missões de Jesus Cristo entre nós foi a de libertar os cativos (Lc 4, 19);  e livrar-nos dos nossos inimigos.  (Lc 1, 71 )
E continuará sempre  nos libertando das prisões de satanás, através das ações do Espírito Santo na sua Igreja.

Jesus libertou vários possessos:

A Palavra de Deus diz em Lc 7, 21: ” Ora, naquele momento Jesus havia curado muitas pessoas de enfermidades, de doenças e de espíritos malignos, e dado a vista a muitos cegos.”
Em Mateus 8, 16: ” Pela tarde, apresentara-lhe muitos possessos de demônios. Com uma palavra expulsou Ele os espíritos e curou todos os enfermos”.

O demônio foi ao deserto onde Jesus estava, para tentá-lo. Mas Jesus é Deus e Deus é criador. O demônio é criatura e jamais pode alcançar a divindade de Deus. Deus nunca vai se envolver com o mal, nem criá-lo, por isso antes de ser expulso de junto de Deus e ser lançado à terra, com seus seguidores ( Ap 12, 7-9 ), ele era um anjo bom, criado por Deus. Mas rebelou-se contra Deus e ficará eternamente fora da presença d’Ele .
Por inveja e maldade,  quer impedir que os filhos de Deus obtenha esse privilégio, enganando, seduzindo, armando ciladas ( Ef 6, 11 ) para fazermos  o que não é agradável a Deus.

Por isso busquemos todos sair  do caminho do pecado ( trevas ) e retornar ao caminho da graça ( luz ), onde está Jesus Cristo, nosso salvador e  redentor que nos lava  no seu sangue e nos fortalece nessa caminhada rumo ao céu.

Peçamos sempre a intercessão de Nossa Senhora que nos proteja,  pisando a cabeça da serpente infernal.
Porque Maria Santíssima é cheia da graça de Deus ( Lc 1, 25 ) e concebida sem pecado ( Imaculada Conceição),  o mal não consegue atingí-la.

Jesus passou aos apóstolos a autoridade de expulsar o mal ( Lc 9, 1 ).
A Igreja tem no bispo essa autoridade, que também concede aos padres que podem ajudá-lo nesse ministério ( exorcismo ).
Há  na  igreja  católica uma grande devoção a São Miguel Arcanjo que lutou contra o inimigo ( Ap 20, 1 ) e também aos santos que exerceram o Ministerio de libertação com força e poder.

Os mais lembrados são: Santo Antônio de Pádua, São Bento e São Pio de Pietrelcina.

Essas são algumas das orações que os fiéis costumam rezar para se livrar do mal.
Além é claro da oração que nos dirigimos diretamente ao Pai e que o próprio jesus nos ensinou, o Pai Nosso: “… não nos deixeis cair em tentação, mas livrai – nos do mal.”

Responsório de Santo Antônio

” Se milagre desejais, recorreis a Santo Antônio, vereis fugir os demônios e as tentações infernais…”

Oração de São Bento
” A cruz sagrada seja minha luz, não seja o dragão meu guia. Retira-te, satanás…”

Oração para  São Pio
” Padre Pio rogai a Deus por mim para que Ele me dê a graça de enfrentar as tentações como você enfrentou, no qual venceste os demônios…”

Jane Amábile – Com.  Divino Esp. Santo

13 de maio de 2010 at 9:23 Deixe um comentário

A SANTA OBEDIÊNCIA

Obediência

“O Senhor Deus tomou o homem e colocou-o no jardim do Éden para cultivá-lo e guardá-lo. Deu-lhe este preceito: “Podes comer do fruto de todas as árvores do jardim; mas não comas do fruto da árvore da ciência do bem e do mal; porque no dia em que dele comeres, morrerás indubitavelmente.”(Gên 2, 15-17)

Deus cria o ser humano e lhe dá apenas uma regra: “não comas do fruto da árvore da ciência do bem e do mal; porque no dia em que dele comeres, morrerás indubitavelmente”.(Gên 2, 17). Esta regra visava preservar a vida plena do ser humano, pois se comessem o fruto eles morreriam. As regras de Deus são sempre para que o ser humano tenha vida em plenitude. Toda a obediência a Deus é o caminho seguro para a vida em santidade. Assim como, o salário do pecado é a morte(Rm 6,23), com igual razão, podemos dizer que, o salário da Obediência a Deus é a Vida Eterna.

Quando Adão e Eva resolvem comer o fruto e desobedecer a Deus, escolheram a morte em vez da vida. Pela desobediência de Adão e Eva a morte entrou no mundo. O ser humano estava livre da morte se mantivesse a obediência a Deus, porém, ao pecar pela desobediência, fica preso ao pecado e tem sobre os ombros o julgo da morte.

Pela Perfeita Obediência de Jesus, que entregou a própria vida, para morrer na cruz, entrou a salvação no mundo, a Ressurreição e a certeza da vida eterna para todo aquele que crê e der testemunho de sua palavra. Pela obediência de Jesus em toda a sua vida e, especialmente, na crucificação, fomos verdadeiramente livres da prisão do pecado e salvos pela entrega do Seu Corpo e do Seu Sangue na Cruz.

O Beato Papa João XXIII na Carta Apóstólica “Inde  a Primis” disse:

“reflitam no valor superabundante, infinito desse Sangue verdadeiramente preciosíssimo, do qual uma só gota pode salvar o mundo todo de toda culpa”.

Assim como, o pecado original ocorre pela desobediência, podemos afirmar com certeza que, a virtude original se dá pela Obediência. A Obediência é uma virtude que antecede qualquer outra virtude, pois todas as demais virtudes só podem ser adquiridas se anterior a elas estiver a Santa Obediência às Leis de Deus. Só pode alcançar a mansidão quem antes obedecer a regra de Jesus que diz: “Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra!”(Mt 5, 5).

A obediência aos ensinamentos de Deus é a primeira virtude de quem quer ser santo. Quando fazemos o propósito de obedecer os mandamentos de Deus todas as demais virtudes serão acrescentadas. Jesus disse: “Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo.”(Mt 6,33).

Todas as vezes que formos obedientes aos mandamentos de Deus estamos no caminho da salvação, da vida em plenitude e nossas ações geram como frutos a bondade, a fidelidade, a esperança, a caridade, a generosidade e, a vida de santidade.

São Paulo disse: O fruto do Espírito é caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança.(Gl 5, 22).

Porém, quando somos desobedientes aos mandamentos de Jesus estamos acumulando frutos de morte para nós e para o próximo.

São Paulo disse: “Ora, as obras da carne são estas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ciúmes, ódio, ambição, discórdias, partidos, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes.”(Gl 5, 19-21).

Todo pecado traz como conseqüência a morte de uma virtude no momento em que é realizado. Por exemplo o pecado da avareza gera a morte naquele momento da virtude da generosidade. O pecado da agressividade gera como conseqüência a perda da mansidão. Porém, se renunciarmos ao pecado e exercitarmos a virtude conseguimos ressuscitar a caridade em nós. Quando somos generosos ressuscita em nós a partilha. Quando somos mansos, mesmo nas tribulações, ressuscitamos em nós a mansidão.

Por isso, para sermos santos devemos obedecer a Deus em todos os Seus mandamentos, adquirindo as virtudes e eliminando os vícios. Temos que, ressuscitar a caridade em nós através da confissão dos pecados com o firme propósito de não os cometer e ressuscitar a caridade no próximo através do bom testemunho e das obras de misericórdia.

Segundo o Catecismo da Igreja Católica as obras de misericórdia são:

As sete obras de misericórdia corporais:

  1. Dar de comer a quem tem fome
  2. Dar de beber a quem tem sede
  3. Vestir os nus
  4. Dar pousada aos peregrinos
  5. Visitar os enfermos
  6. Visitar os presos
  7. Enterrar os mortos.

As sete obras de misericórdia espirituais:

  1. Dar bons conselhos
  2. Ensinar os ignorantes
  3. Corrigir os que erram
  4. Consolar os tristes
  5. Perdoar as injúrias
  6. Suportar com paciência as fraquezas do nosso próximo
  7. Rezar a Deus por vivos e defuntos.

Luciano – Com.  Divino Esp. Santo

11 de maio de 2010 at 21:13 Deixe um comentário

Posts antigos


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 198 outros seguidores

Categorias