Posts tagged ‘Nossa Senhora de Guadalupe’

Papa na Festa de Guadalupe: Maria é mãe e é mestiça

Santa Missa na festa de Nossa Senhora de Guadalupe

Santa Missa na festa de Nossa Senhora de Guadalupe  (Vatican Media)

O Papa Francisco celebrou na tarde desta quinta-feira, na Basílica de São Pedro a Santa Missa por ocasião da festa de Nossa Senhora de Guadalupe. “Trata-se de uma festa muito amada pelo Papa Francisco e particularmente evocativa para os latino-americanos”. Concelebraram com o Santo Padre entre outros, o cardeal Marc Ouellet.

Silvonei José – Cidade do Vaticano

Maria: mulher, mãe e mestiça. O Papa Francisco, celebrando a Santa Missa no final da tarde desta quinta-feira na Basílica Vaticana pela padroeira da América Latina na Festa Litúrgica de Nossa Senhora de Guadalupe fez uma reflexão sobre a figura de Maria.

Maria, disse em sua homilia em espanhol, sem texto, é “mulher”, “mãe” e “mestiça”. Ela se mestiçou para ser uma só com a humanidade, Maria mãe que consegue fazer esta mestiçagem com Deus, verdadeiro Deus e verdadeiro homem.”

Francisco adverte: “Quando nos contam histórias, não devemos nos perder atrás de bobagens, Maria é mãe, mãe do seu Filho e da Santa Mãe Igreja hierárquica, e é mestiça, mulher dos nossos povos que tornou mestiço também Deus”.

Falando sobre a mulher na Igreja disse que ela não é apenas uma questão de função. É preciso ir mais longe, não parar “no meio da estrada” com os títulos.

“Maria é a nossa mãe, a mãe dos nossos povos, a mãe de todos nós. Ela é a mãe da Igreja, e é mãe do nosso coração. Alguns Padres dizem que o que se diz de Maria também se pode dizer da nossa alma porque a Igreja é feminina e a nossa alma tem a capacidade de receber a graça de Deus”.

“Os padres da Igreja – recordou Francisco – viram-na feminina”. Daí a advertência do Papa: “Quando procuramos o papel da mulher na Igreja podemos seguir o caminho da funcionalidade mas isso só nos levaria à metade da estrada. A mulher na Igreja vai além, com este princípio mariano que “maternaliza” a Igreja e a transforma na Santa Mãe Igreja. Maria mulher, Maria mãe, sem outro título essencial”.

15 de dezembro de 2019 at 5:43 Deixe um comentário

Nossa Senhora de Guadalupe, rogai por nós!

nossa_senhora_de_guadalupe_2

A devoção a Nossa Senhora no México é embalada por uma belíssima história de aparição. No início do século XVI, o índio recém-batizado, Juan Diego, quando se dirigia à capela para assistir à missa, passando pela colina de Tepeyac, ouviu uma suave melodia. Olhando para o lado, viu sobre uma nuvem branca uma linda senhora que resplandecia de luz, tendo ao seu redor um brilhante arco-íris. Surpreso, ouviu-a chamá-Io pelo nome e dizer-lhe que era a verdadeira mãe de Deus. Incumbiu o índio de dizer ao bispo do local, Dom Juan de Zumárraga, que construísse naquele local um templo para sua veneração.

Como era de se esperar, o bispo não deu crédito à história. De volta para casa, onde seu tio estava gravemente enfermo, Juan Diego teve nova aparição da Virgem que lhe garantiu a cura de seu tio.

Seguindo instruções da misteriosa senhora, Dieguito foi ao bosque colher flores, embrulhou-as em seu poncho e foi levá-Ias à presença do bispo. Era inverno e qual não foi sua surpresa quando o índio, abrindo seu manto, derrama a seus pés flores frescas e perfumadas. Embaixo das flores, bordada no manto do índio, aparece a figura da Virgem de Guadalupe: tez morena, olhos claros e muito límpidos, vestida como as mulheres da Palestina. Emocionado, Dom Zumárraga cai de joelhos diante daquela aparição e, humildemente, acredita no índio. Do México sua devoção foi levada a vários países da Europa e de toda a América Latina. Hoje Nossa Senhora de Guadalupe é também a padroeira da América Latina.

Muitos estudiosos analisaram a pintura original, hoje entronizada no I maior santuário mariano do mundo, na colina de Tepeyac. O material e a técnica utilizados na confecção do quadro permanecem um mistério. A curiosidade maior são os olhos da Virgem nos quais, após estudos científicos, foi possível revelar-se a imagem de um homem de 50 anos, II Juan Diego, e de um grupo de pessoas em oração. Nossa Senhora de Guadalupe é por isso lembrada para cura de doenças dos olhos.

Fonte: Site do Santuário Nacional de Aparecida

12 de dezembro de 2019 at 5:42 Deixe um comentário

Papa na festa de Guadalupe: Maria nos anima a viver a audácia da fé e da esperança

2018-12-12-s--messa-madonna-di-guadalupe-1544634828651.JPG

Trata-se de uma festa muito amada pelo Papa e particularmente evocativa para os latino-americanos. A missa foi concelebrada na Basílica Vaticana por vários cardeais, bispos e arcebispos, cerca de 550 sacerdotes, colaboradores do Pontífice na Cúria Romana, entre os quais o cardeal brasileiro João Braz de Aviz.

Raimundo Lima e Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano

“Maria, ‘pedagoga do Evangelho’, caminhou e cantou nosso Continente e, assim, a Guadalupana não é somente recordada como indígena, espanhola, hispana ou afro-americana. Simplesmente é latino-americana.”

Assim se expressou o Santo Padre na missa celebrada na Basílica de São Pedro na tarde desta quarta-feira, 12 de dezembro, festa de Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira da América Latina e Imperadora de todo o Continente Americano.

A Basílica Vaticana encontrava-se lotada de fiéis e peregrinos, muitos dos quais latino-americanos, bem como de outras partes do mundo. A Virgem de Guadalupe é também padroeira das Filipinas e sua devoção hoje tem uma grande difusão universal.

Maria, primeira “pedagoga do Evangelho”

Trata-se de uma festa muito amada pelo Papa Francisco e particularmente evocativa, naturalmente, para os latino-americanos. A missa foi concelebrada por vários cardeais, bispos e arcebispos, cerca de 550 sacerdotes, muitos deles, colaboradores do Pontífice na Cúria Romana, entre os quais o cardeal brasileiro João Braz de Aviz.

“Maria nos ensina que, na arte da missão e da esperança, não são necessárias tantas palavras nem programas, seu método é muito simples: caminhou e cantou”, disse o Santo Padre após evocar o Magnificat, através do qual Maria se torna a primeira “pedagoga do Evangelho”, e nos recorda as promessas feitas a nossos pais e “nos convida a cantar a misericórdia do Senhor”.

Caminhar e cantar

Com os dois referidos verbos, caminhar e cantar, o Papa desenvolveu a homilia da celebração evidenciando a figura da Virgem Santa nos Evangelhos e, particularmente, sua presença na vida dos povos latino-americanos.

“Caminhou ao Tepeyac para acompanhar Juan Diego e continua caminhando no Continente quando, por meio de uma imagem ou estampa, de uma vela ou de uma medalha, de um Terço ou Ave-Maria, entra numa casa, na cela de um cárcere, na sala de um hospital, num albergue de anciãos, numa escola, numa clínica de reabilitação… para dizer: ‘Não estou eu aqui, que sou tua mãe?’”

Em Seguida, falou das muitas aprendizagens que podemos obter da “escola de Maria”, na qual “aprendemos a estar em caminho para chegar aonde devemos estar: ao pés e de pé diante das muitas vidas que perderam, ou à quais roubaram, a esperança”, frisou.

Sacralidade da vida e respeito pela criação

“Na escola de Maria aprendemos a caminhar pela cidade e nos alimentamos o coração com a riqueza multicultural que habita o Continente; quando somos capazes de escutar esse coração recôndito que palpita em nossos povos e que custodia – como um pequeno fogo sob aparentes cinzas – o sentido de Deus e de sua transcendência, a sacralidade da vida, o respeito pela criação, os laços da solidariedade, a alegria da arte do bem viver e a capacidade de ser feliz e fazer festa.”

Maria caminha carregando a alegria de quem canta as maravilhas que Deus realizou com a pequenez de sua serva, disse ainda Francisco, acrescentando que “na escola de Maria aprendemos que sua vida está marcada não pelo protagonismo, mas pela capacidade de fazer com que os outros sejam protagonistas. Brinda a coragem, ensina a falar e, sobretudo, anima a viver a audácia da fé e da esperança”.

Protagonismo que não tem medo da ternura e da carícia

“Assim o fez com o indiozinho Juan Diego e com tantos outros que, saindo do anonimato, lhes deu voz, fez conhecer seu rosto e história e os fez protagonistas desta, nossa história de salvação. O Senhor não busca o aplauso egoísta ou a admiração mundana. Sua glória está em fazer seus filhos protagonistas da criação. Com coração de mãe, ela busca levantar e dignificar todos aqueles que, por diferentes razões e circunstâncias, foram imersos no abandono e no esquecimento.”

Na escola de Maria “aprendemos o protagonismo que não precisa humilhar, maltratar, desprestigiar ou zombar dos outros para sentir-se valioso ou importante; que não recorre à violência física ou psicológica para sentir-se seguro ou protegido. É o protagonismo que não tem medo da ternura e da carícia, e que sabe que seu melhor rosto é o serviço”, destacou o Papa.

Dignificar todo aquele que está caído

Em sua escola – acrescentou – “aprendemos autêntico protagonismo, dignificar todo aquele que está caído e fazê-lo com a força onipotente do amor divino, que é a força irresistível de sua promessa de misericórdia”.

“Em Maria, o Senhor desmente a tentação de dar destaque à força da intimidação e do poder, ao grito do mais forte ou do fazer-se valer baseado na mentira e na manipulação. Com Maria, o Senhor protege os crentes para que não se lhes endureça o coração e possam conhecer constantemente a renovada e renovadora força da solidariedade, capaz de escutar a batida de Deus no coração dos homens e mulheres de nossos povos.”

Filho e irmão latino-americano – foi a exortação final do Santo Padre – “sem medo, canta e caminha como fez tua Mãe”.

13 de dezembro de 2018 at 5:37 Deixe um comentário

Nossa Senhora de Guadalupe, rogai por nós!

Resultado de imagem para nossa senhora de guadalupe - dia

12 de dezembro de 2018 at 5:39 Deixe um comentário

Nossa Senhora de Guadalupe, rogai por nós!

Resultado de imagem para imagem de nossa senhora de guadalupe

12 de dezembro de 2017 at 5:37 Deixe um comentário

Novena de Nossa Senhora de Guadalupe – 12 de dezembro

Resultado de imagem para imagem de nossa senhora de guadalupe

Oração para todos os dias

Ó gloriosa Mãe de Deus, Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira das Américas,
Tu és nossa mãe compassiva,
Curai nossas penas,
Nossas misérias e dores,
Acolhei-nos no aconchego do Teu manto,
Escutai mãe as nossas preces.

(Faça o seu pedido)

Amparai os doentes e desempregados,
Abençoai nossas casas e as nossas famílias,
Protegei nossos filhos,
Livrando-os das maldades e dos perigos desse mundo,
Guardai nossos lares,
Escondendo-os dos olhos dos maus,
Que neles o nome de Deus seja sempre invocado com respeito e amor,
Que os seus mandamentos sejam observados com fidelidade,
Que Vosso bendito nome, ó Mãe querida,
Seja sempre lembrado com muita devoção,
Que a palavra de Deus seja sempre meditada,
E seguida todos os dias da nossa vida.
Que a nossa obediência a Teu Filho Jesus,
Exale tal qual rosa um perfume de santidade.
Amém.

Fonte: Padre Reginaldo Manzotti

12 de dezembro de 2016 at 5:23 Deixe um comentário

Reflexão do Papa Francisco para a festa de Nossa Senhora de Guadalupe – 12 de Dezembro

(Audiência Geral, 11 de Dezembro de 2013):

Quando a Virgem apareceu a são Juan Diego, o seu rosto era mestiço e as suas vestes, cheias de símbolos da cultura indígena. Seguindo o exemplo de Jesus, Maria está ao lado dos seus filhos, acompanha o seu caminho como mãe atenciosa, partilha as alegrias e esperanças, os sofrimentos e as angústias do Povo de Deus, do qual todos os povos da terra são chamados a fazer parte.

A aparição da imagem da Virgem na tilma [manto] de Juan Diego foi o sinal profético de um abraço, o abraço de Maria a todos os habitantes das vastas terras americanas, a quantos já estavam ali e aos que teriam chegado depois. Este abraço de Maria indicou a senda que sempre caracterizou a América: é uma terra onde podem conviver povos diversos, uma terra capaz de respeitar a vida humana em todas as suas fases, desde o ventre materno até à velhice, capaz de acolher os emigrantes, os povos, os pobres e os marginalizados de todas as épocas. A América é uma terra generosa.

Esta é a mensagem de Nossa Senhora de Guadalupe, e esta é também a minha mensagem, a mensagem da Igreja. Encorajo todos os habitantes do Continente americano a manter os braços abertos como a Virgem Maria, com amor e ternura.

Caros irmãos e irmãs da América inteira, rezo por todos vós, mas também vós orai por mim! Que a alegria do Evangelho esteja sempre nos vossos corações! O Senhor vos abençoe e a Virgem vos acompanhe!

Fonte: Vaticano

12 de dezembro de 2015 at 5:05 Deixe um comentário

Posts antigos


Arquivos

ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 326 outros seguidores

Categorias