Posts tagged ‘JMJRio2013’

Comemore o primeiro aniversário da JMJ Rio!

2014-07-04 Rádio Vaticana

Rio de Janeiro (RV) – As comemorações de um ano da JMJ no Rio serão realizadas de 15 a 27 de julho. A programação transcorre dentro do projeto Memória e Missão da Arquidiocese do Rio de Janeiro, que visa celebrar o primeiro aniversário da JMJ Rio2013, recordando o encontro do Papa Francisco com os jovens do mundo inteiro e discernir as ações dos católicos diante dos desafios apresentados atualmente.
Serão catequeses, missões, exposição cultural, peregrinação das réplicas dos símbolos da JMJ, a cruz e o ícone de Nossa Senhora. A grande celebração será realizada no dia 26, sábado, na Quinta da Boa Vista, a partir das 13h. A missa presidida por Dom Orani será às 18h. O lançamento do livro de fotos da JMJ acontece no dia 27, domingo, às 17h30, no auditório do Ed. João Paulo II, 2º andar.
Divulgação
Desde o último dia 18 de junho, as redes sociais foram movimentas com a hashtag #1anoJMJRio. Os post no facebook.com/jornadamundialdajuventude motivaram o envio de fotos dos peregrinos e voluntários durante a JMJ.
Toda a cobertura é feita pela Rádio Catedral, com divulgação da programação, incentivo a interagir pelas redes sociais e a usar a #1anoJMJRio. O programa JMIX todas as quartas-feiras às 17h traz entrevistas, músicas, tudo para relembrar o mega evento. A WebTV Redentor também faz a cobertura do maior número possível de eventos dentro do período.
Cultura
Outra ação a ser lançada é a Semana Cultural Memória & Missão. Trata-se de uma exposição itinerante, que se inicia no Largo da Carioca, no dia 15 de julho, e percorre vários locais. A inauguração no dia 15, terça-feira, às 11h30, no Largo da Carioca, terá a presença do arcebispo do Rio, Cardeal Orani João Tempesta, bispos auxiliares, vigários episcopais e padres. Em torno da exposição, as paróquias irão organizar eventos, disponibilizar voluntários para conversar com o público. As paróquias vão fotografar as exposições e postar nas redes sociais usando a hashtag #1anoJMJRio.
Catequeses
O próximo dia 19 de julho, sábado, é dedicado às catequeses, missões e celebrações. Em vários locais do Rio de Janeiro, a programação neste dia começa 9h com a leitura orante de Mt 25,31-46. Às 9h30min, serão realizadas as catequeses com o tema: Ano da Caridade: motivos e modos de bem vivê-lo em nível pessoal e comunitário.
O tema visa orientar os jovens a dar testemunho de sua fé e esperança. “O mundo de nossos dias tem mostrado sinais de violência, de agressões explícitas ou veladas contra a vida, em especial a vida mais fragilizada. Qual deve ser, então, a resposta dos cristãos? Por que é tão importante a prática da caridade? Qual a importância da caridade atualmente? Num tempo em que o egoísmo atinge até mesmo a dimensão religiosa, o desejo de fazer o bem aos outros deve ser uma das maiores prioridades. Não basta sentir-se amado por Deus. É preciso ajudar os outros a igualmente se sentirem amados por Deus e pelos irmãos”. A partir das 13h, os jovens iniciam uma atividade missionária, em local a ser escolhido. Às 18h, a Celebração eucarística finaliza o dia. Neste dia, na Igreja N. S. Conceição, em Santa Cruz, haverá a visita das réplicas dos símbolos
Peregrinação dos símbolos
De 20 a 25 de julho, período de celebrações e missões, os sete vicariatos fazem sua programação, considerando que as réplicas dos símbolos vão seguir a seguinte agenda:
20/07 Suburbano
21/07 Leopoldina 22/07 Jacarepaguá
23/07 Sul 24/07 Norte
25/07 Urbano
Durante este período celebrativo, algumas datas se destacam.
Programe-se:
18/6 – quarta-feira. Início da série de programas JuventudeMIX na Rádio Catedral, sempre às 17h, sobre o primeiro aniversário da Jornada. Lançamento da hashtag #1anoJMJRio no facebook.
15/07 – terça-feira. Inauguração da Semana Cultural (exposição de fotos) às 11h30, no Largo da Carioca
18/07 – sexta-feira. Bênção das réplicas dos símbolos por Dom Orani Tempesta, às 19h, na Praça da Medalha Milagrosa, Tijuca.
19/07 – sábado. Celebrações, catequeses e missões nos Vicariatos, a partir das 9h.
20 a 25/7 – domingo a sábado, Continuação das celebrações, catequeses e missões nos Vicariatos.
26/7 – sábado, Celebração de ação de graças pela Jornada e compromisso missionário, na Quinta da Boa Vista, a partir de 13h. 27/7 – domingo. Lançamento do livro da JMJ, no auditório do 2º andar do Ed. João Paulo II, às 17h30.
A JMJ Rio 2013
A JMJ Rio2013 aconteceu de 23 a 28 de julho de 2013 no Rio de Janeiro. Os atos centrais foram na Praia de Copacabana, sendo a missa de abertura com Dom Orani no dia 23, a acolhida ao Papa Francisco no dia 25, a Via Sacra no dia 26, a Vigília no dia 27, a missa de encerramento no dia 28. Naquela semana, mais de três milhões de peregrinos testemunharam a fé em Jesus Cristo para o mundo todo. A Jornada também realizou catequeses com bispos do mundo inteiro, Festival da Juventude com atrações nacionais e internacionais, Feira Vocacional. Voluntários mostraram a força do evento. Famílias e instituições revelaram a acolhida do povo carioca aos peregrinos. O Papa também visitou o Hospital São Francisco, a comunidade Varginha, abençoou os símbolos Olímpicos no Palácio da Cidade, esteve com a presidente Dilma Rousseff no Palácio Guanabara, encontrou com a sociedade civil no Theatro Municipal, falou para os jovens argentinos na Catedral, rezou o Angelus no Palácio São Joaquim, onde almoçou com 12 jovens, falou para o clero na Catedral e no Sumaré, além de visitar o Santuário de Aparecida.
(JMJ-CM)

4 de julho de 2014 at 11:18 Deixe um comentário

Cardeal Orani fala sobre iniciativa “Doe de Coração”


Clicar abaixo e a direita para assistir no Youtube.

9 de março de 2014 at 10:24 Deixe um comentário

Para não esquecermos como foi bom!

Clicar do lado direito abaixo, no youtube, para assistir.

18 de novembro de 2013 at 20:24 Deixe um comentário

Papa no Angelus: JMJ foi um grande dom para o Brasil, para a América Latina e para o mundo inteiro

 

 

 

 

2013-08-04 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) – “As Jornadas Mundiais da Juventude não são ‘fogos de artifício'”: com essas palavras, o Papa Francisco – na alocução que precedeu a oração do Angelus deste domingo, ao meio-dia, na Praça São Pedro, após seu retorno, domingo passado, do Rio de Janeiro – quis ressaltar o sentido de um caminho dos jovens, que prossegue no tempo, pelos continentes, com a Cruz de Cristo, para vencer “a vaidade do cotidiano”.
Um “grande dom” para o Brasil, para a América Latina e para o mundo inteiro. O Santo Padre pediu a todos que agradecessem ao Senhor pela JMJ celebrada no Rio de Janeiro.
“Jamais devemos nos esquecer que as Jornadas Mundiais da Juventude não são ‘fogos de artifício’, momentos de entusiasmo fim em si mesmo.”
São etapas de um longo caminho iniciado em 1985 por João Paulo II e continuado com Bento XVI. E “também eu pude viver esta maravilhosa etapa no Brasil”, acrescentou o Pontífice, chamando a atenção para uma questão muito importante:
“Recordemos sempre: os jovens não seguem o Papa, seguem Jesus Cristo, carregando a sua Cruz.”
O Papa guia e acompanha os jovens neste caminho de fé e de esperança. Em seguida, Francisco expressou um caloroso ulterior agradecimento aos jovens que participaram da JMJ, “inclusive a custa de sacrifícios”, e a todo o povo brasileiro, “generoso”, “de grande coração”:
“O Senhor recompense todos aqueles que trabalharam por esta grande festa da fé. Quero ressaltar o meu agradecimento: muito obrigado! Muito obrigado aos brasileiros! Brava gente do Brasil, um povo de grande coração. Não esqueço seu caloroso acolhimento, suas saudações, seus olhares, tanta alegria, um povo generoso. Peço ao Senhor que o abençoe muito!”
Em seguida, o Santo Padre expressou uma intenção de oração a fim de que os jovens que se encontraram no Rio de Janeiro possam traduzir esta experiência “nos comportamento de todos os dias”, “em escolhas importantes na vida”, respondendo ao chamado pessoal do Senhor”, rejeitando “o absurdo de basear a própria felicidade no ter”, como nos traz o Evangelho dominical.
“Os jovens são particularmente sensíveis ao vazio de significado e de valores que muitas vezes o circunda. E, infelizmente, pagam a consequência por isso.”
Pelo contrário, o encontro com Jesus vivo, em sua grande família que é a Igreja, enche o coração de alegria, de bem profundo, “que não passa nem se deteriora”:
“Vimos isso nos rostos dos jovens no Rio de Janeiro. Mas essa experiência deve enfrentar a vaidade cotidiana, o veneno do vazio que se insinua em nossas sociedades baseadas no lucro e no ter, que iludem os jovens com o consumismo.”
Após a oração mariana, teve lugar a saudação aos vários grupos de fiéis e peregrinos presentes na Praça São Pedro, milhares, apesar do calor tórrido deste verão europeu.
O Papa agradeceu a todos, dizendo ver tantos jovens na Praça, que parecia ser o Rio de Janeiro – observou em tom descontraído.
Em seguida, recordou que nesta segunda-feira, 5 de agosto, celebra-se em Roma Nossa Senhora sob o título de “Salus Populi Romani” (Proteção do Povo Romano), rezando em seguida uma Ave-Maria com todos os presentes.
Recordou também que na próxima terça-feira, 6 de agosto, celebramos a festa litúrgica da Transfiguração, expressando um pensamento de profunda gratidão ao venerável Papa Paulo VI, que partiu deste mundo em 6 de agosto de 35 anos atrás.
Francisco concluiu desejando um bom domingo, bom mês de agosto e bom almoço a todos.
O Santo Padre concedeu a todos a sua Bênção apostólica. (RL)

4 de agosto de 2013 at 10:57 Deixe um comentário

Homenagem ao Papa Francisco – JMJRio2013

2 de agosto de 2013 at 3:24 Deixe um comentário

Papa Francisco doa quantia para investimentos em Varginha

 

 

 

2013-08-01 Rádio Vaticana

Rio de Janeiro (RV) – A comunidade de Varginha, localizada no Complexo de Manguinhos, Zona Norte do Rio, recebeu uma atenção especial com a Jornada Mundial da Juventude (JMJ Rio2013).
Além de algumas melhorias realizadas pelo governo do estado, o local também recebeu um olhar do Papa Francisco em sua visita, na quinta-feira, 25 de julho. O Sumo Pontífice doou para a comunidade uma quantia de 20 mil euros para ser investida em melhorias na região.
Em entrevista à Rádio Catederal, o coordenador da Pastoral das Favelas na Arquidiocese do Rio, Monsenhor Luiz Antônio Lopes, explicou que será decidido com os moradores da comunidade onde o dinheiro será investido.
“Foi uma doação bem prática. O dinheiro vai chegar até as mãos da Igreja, e, através de reuniões com a comunidade católica do local e com as lideranças, vamos decidir o que será melhor para a comunidade. Pode ser que o melhor seja abrir uma creche ou o melhor seja puxar uma rede de esgoto de mais qualidade, um saneamento básico melhor. Isso irá beneficiar a todos mais do que fazer um monumento”, disse.
Monsenhor Luiz também lembrou que o então Papa João Paulo II, em sua visita à comunidade do Vidigal, também doou um presente. Foi um anel, que, segundo o coordenador da Pastoral das Favelas, seria vendido para se transformar em melhorias para a comunidade, mas que teve um simbolismo tão forte que não foi vendido e ficou exposto no Museu de Arte Sacra. Desta vez, de acordo com o monsenhor, deve ser feito um monumento para recordar o Papa, mas o dinheiro doado vai ser revertido em benefícios para toda a comunidade. (MJ/www.rio2013.com)

2 de agosto de 2013 at 3:14 Deixe um comentário

JMJ Rio2013 superou todas as expectativas

 

 

 

 

2013-07-31 Rádio Vaticana

Rio de Janeiro (RV) – Os resultados alcançados pela Jornada Mundial da Juventude Rio 2013 superaram todas as expectativas, segundo o Arcebispo do Rio de Janeiro e Presidente do Comitê Organizador Local (COL), Dom Orani Tempesta. O público presente à Missa de Envio chegou a 3,7 milhões de pessoas, seis vezes maior que o número presente no primeiro Ato Central – a Missa de Abertura -, estimado em 600 mil participantes. O impacto econômico também foi significativo. Os visitantes desembolsaram R$ 1,8 bilhões, segundo dados do Ministério do Turismo.
Mas a renovação da fé e da esperança é o principal legado que a JMJ Rio2013 deixará no coração dos jovens, de acordo com Dom Orani. “Os jovens levaram consigo uma experiência de fé, de esperança muito grande. Tenho certeza de que jamais esqueceremos. Os jovens já são protagonistas hoje. O meu coração está muito agradecido”, destacou. O Arcebispo disse ainda que está sendo viabilizada a criação de um instituto para a juventude que terá a responsabilidade de guardar as experiências da JMJ Rio2013 e trabalhar pelos jovens.
No total, mais de 3,5 milhões de pessoas participaram dos eventos da JMJ em Copacabana, Quinta da Boa Vista, Rio Centro e em diversas paróquias da cidade. A cerimônia de acolhida do Papa Francisco, na quinta-feira, 25, reuniu 1,2 milhões de pessoas em Copacabana, enquanto a Via-Sacra chegou a 2 milhões na sexta-feira, 26. Na vigília, cerca de 3,5 milhões de jovens estiveram na praia de Copacabana.
As inscrições foram 427 mil, com peregrinos de 175 países. Os inscritos com hospedagens foram cerca de 180 mil, enquanto as vagas disponibilizadas para hospedagem em casas de família e instituições chegaram a 356,4 mil.
O maior número de participantes era de latino-americanos. Os países com o maior número de inscritos foram, respectivamente, Brasil, Argentina, Estados Unidos, Chile, Itália, Venezuela, França, Paraguai, Peru e México. Do total dos inscritos internacionais, 72,7% estiveram no Brasil pela primeira vez e 86,9% nunca haviam participado de uma Jornada. Foram credenciados 6,4 mil jornalistas para cobrir a JMJ Rio2013 em 57 países.
Foram mais de 70 mil downloads no site oficial da JMJ Rio2013 e mais de 200 mil acessos. O facebook recebeu mais de 1,1 milhão de curtidas e o flickr superou 10 mil downloads.
Entre os peregrinos inscritos, 55% são do sexo feminino; 60% do público tem entre 19 e 34 anos. Foram 644 Bispos inscritos, dos quais 28 são Cardeais. Além disso, foram 7814 sacerdotes inscritos e 632 diáconos. Para cobrir a JMJ Rio2013 em 57 países, foram credenciados 6,4 mil jornalistas.
O evento também contou com 264 locais de catequese, em 25 idiomas. Foram 60 mil voluntários, mais de 800 artistas participantes dos Atos Centrais. Um total de 100 confessionários foram expostos na Feira Vocacional e no Largo da Carioca e 4 milhões de hóstias produzidas, 800 mil para Missa de Envio.
A geração de lixo foi inferior a outros eventos que acontecem em Copacabana, como o Réveillon. A Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) removeu 345 toneladas de resíduos orgânicos e 45 toneladas de materiais recicláveis, durante a JMJ Rio2013. O número representa cerca de 10% a menos do registrado na noite do último Ano Novo.

Entre os vários momentos significativos vividos junto ao Santo Padre, o Arcebispo do Rio destacou dois: a relação de carinho com as crianças e a oração ao Cristo Redentor. “Todas as vezes que nos deslocávamos de helicóptero, o Santo Padre olhava para o Cristo e rezava. Eu que estava atrás dele, pude presenciar várias vezes esses momentos de oração.
A proximidade do Papa com as pessoas traz um testemunho para o mundo de que a Igreja está perto das pessoas, como uma mãe de seus filhos, explicou Dom Orani. “A Igreja antes de mais nada anuncia uma boa notícia a todos”, disse. Outro legado deixado pela JMJ Rio2013 foi a atenção do poder público e da mídia para a Região Oeste, onde está Guaratiba.
A cruz da JMJ e o Ícone de Nossa Senhora serão entregues à Cracóvia, próxima cidade-sede, apenas em Roma. A tradição é que sejam enviados para o Pontifício Conselho para os Leigos e no domingo de Ramos do próximo ano, serão entregues aos jovens da Polônia em cerimônia que deverá acontecer em Roma.(.rio2013 – JE)

31 de julho de 2013 at 15:51 Deixe um comentário

Discurso do Papa Francisco na Vigília de Oração em Copacabana – 27/07/13

 

SÁBADO, 27 DE JULHO DE 2013, 22H20

Discurso do Papa aos funcionários da Vila PontifíciaViagem Apostólica ao Brasil 
Discurso do Papa Francisco
Vigília com os jovens na Praia de Copacabana
Sábado, 27 de julho de 2013

Queridos jovens,

Olhando para vocês presentes aqui hoje, me vem a mente a história de São Francisco de Assis. Diante do Crucifixo, ele escuta a voz de Jesus que lhe diz: «Francisco, vai e repara a minha casa». E o jovem Francisco responde, com prontidão e generosidade, a esta chamado do Senhor: repara a minha casa. Mas qual casa? Aos poucos, ele percebe que não se tratava fazer de pedreiro para reparar um edifício feito de pedras, mas de dar a sua contribuição para a vida da Igreja; tratava-se de colocar-se ao serviço da Igreja, amando-a e trabalhando para que transparecesse nela sempre mais a Face de Cristo.

Também hoje o Senhor continua precisando de vocês, jovens, para a sua Igreja. Querido jovens, o Senhor necessita de você. Também hoje ele chama a cada um de vocês para segui-lo na sua Igreja, para serem missionários. Queridos jovens, o Senhor hoje os chama. Não a muitos, mas a você, a você, a você, a você… a cada um. Escutem-no no coração.

Penso que podemos aprender com o que aconteceu nesses dias. Como tivemos que cancelar, devido ao mau tempo, a realização desta vigília no Campus Fidei (Campo da Fé), em Guaratiba, não estaria o Senhor querendo dizer-nos que o verdadeiro Campo da Fé, o verdadeira Campus Fidei, não é um lugar geográfico, mas somos nós?

Sim, é verdade. Cada um de nós, cada um de vocês, eu, vocês, todos, que ser discípulos missionários significa reconhecer que somos Campos da Fé de Deus. Por isso, a partir da imagem do Campo da Fé, pensei em três imagens que podem nos ajudar a entender melhor o que significa ser um discípulo missionário: a primeira, o campo como lugar onde se semeia; a segunda, o campo como lugar de treinamento; e a terceira, o campo como canteiro de obras.

1. O campo como lugar onde se semeia. Todos conhecemos a parábola de Jesus sobre um semeador que saiu pelo campo lançando sementes; algumas caem à beira do caminho, em meio às pedras, no meio de espinhos e não conseguem se desenvolver; mas outras caem em terra boa e dão muito fruto (cf. Mt 13,1-9). Jesus mesmo explica o sentido da parábola: a semente é a Palavra de Deus que é lançada nos nossos corações (cf. Mt 13,18-23). Queridos jovens, isso significa que o verdadeiro Campus Fidei é o coração de cada um de vocês, é a vida de vocês. E é na vida de vocês que Jesus pede para entrar com a sua Palavra, com a sua presença. Por favor, deixem que Cristo e a sua Palavra entrem na vida de vocês, e nela possam germinar e crescer.

Jesus nos diz que as sementes, que caíram à beira do caminho, em meio às pedras e em meio aos espinhos não deram fruto. Qual terreno somos ou queremos ser? Quem sabe se, às vezes, somos como o caminho: escutamos o Senhor, mas na vida não muda nada, pois nos deixamos aturdir por tantos apelos superficiais que escutamos; ou como o terreno pedregoso: acolhemos Jesus com entusiasmo, mas somos inconstantes e diante das dificuldades não temos a coragem de ir contra a corrente; ou somos como o terreno com os espinhos: as coisas, as paixões negativas sufocam em nós as palavras do Senhor (cf. Mt 13, 18-22). Mas, hoje, tenho a certeza que a semente está caindo numa terra boa, sei que vocês querem ser um terreno bom, não querem ser cristãos pela metade, nem “engomadinhos”, nem cristãos de fachada, mas sim autênticos. Tenho a certeza que vocês não querem viver na ilusão de uma liberdade que se deixe arrastar pelas modas e as conveniências do momento. Sei que vocês apostam em algo grande, em escolhas definitivas que deem pleno sentido para a vida. Jesus é capaz de oferecer-lhes isto. Ele é o «caminho, a verdade e a vida» (Jo 14,6)! Confiemos n’Ele. Deixemo-nos guiar por Ele!

2. O campo como lugar de treinamento. Jesus nos pede que o sigamos por toda a vida, pede que sejamos seus discípulos, que “joguemos no seu time”. Acho que a maioria de vocês ama os esportes. E aqui no Brasil, como em outros países, o futebol é uma paixão nacional. Ora bem, o que faz um jogador quando é convocado para jogar em um time? Deve treinar, e muito! Também é assim na nossa vida de discípulos do Senhor. São Paulo nos diz: «Todo atleta se impõe todo tipo de disciplina. Eles assim procedem, para conseguirem uma coroa corruptível. Quanto a nós, buscamos uma coroa incorruptível!» (1Co 9, 25). Jesus nos oferece algo muito superior que a Copa do Mundo! Oferece-nos a possibilidade de uma vida fecunda e feliz e nos oferece também um futuro com Ele que não terá fim: a vida eterna. Jesus, porém, nos pede que treinemos para estar “em forma”, para enfrentar, sem medo, todas as situações da vida, testemunhando a nossa fé. Como? Através do diálogo com Ele: a oração, que é diálogo diário com Deus que sempre nos escuta. através dos sacramentos, que fazem crescer em nós a sua presença e nos conformam com Cristo; através do amor fraterno, do saber escutar, do compreender, do perdoar, do acolher, do ajudar os demais, qualquer pessoa sem excluir nem marginalizar ninguém. Queridos jovens, que vocês sejam verdadeiros “atletas de Cristo”!

3. O campo como canteiro de obras. Quando o nosso coração é uma terra boa que acolhe a Palavra de Deus, quando se “sua a camisa” procurando viver como cristãos, nós experimentamos algo maravilhoso: nunca estamos sozinhos, fazemos parte de uma família de irmãos que percorrem o mesmo caminho; somos parte da Igreja, mais ainda, tornamo-nos construtores da Igreja e protagonistas da história. São Pedro nos diz que somos pedras vivas que formam um edifício espiritual (cf. 1Pe 2,5). E, olhando para este palco, vemos que ele tem a forma de uma igreja, construída com pedras, com tijolos. Na Igreja de Jesus, nós somos as pedras vivas, e Jesus nos pede que construamos a sua Igreja; e não como uma capelinha, onde cabe somente um grupinho de pessoas. Jesus nos pede que a sua Igreja viva seja tão grande que possa acolher toda a humanidade, que seja casa para todos! Ele diz a mim, a você, a cada um: «Ide e fazei discípulos entre todas as nações»! Nesta noite, respondamos-lhe: Sim, também eu quero ser uma pedra viva; juntos queremos edificar a Igreja de Jesus! Digamos juntos: Eu quero ir e ser construtor da Igreja de Cristo!

No coração jovem de vocês, existe o desejo de construir um mundo melhor. Acompanhei atentamente as notícias a respeito de muitos jovens que, em tantas partes do mundo, saíram pelas ruas para expressar o desejo de uma civilização mais justa e fraterna. Mas, fica a pergunta: Por onde começar? Quais são os critérios para a construção de uma sociedade mais justa? Quando perguntaram a Madre Teresa de Calcutá o que devia mudar na Igreja, ela respondeu: você e eu!

Queridos amigos, não se esqueçam: Vocês são o campo da fé! Vocês são os atletas de Cristo! Vocês são os construtores de uma Igreja mais bela e de um mundo melhor. Elevemos o olhar para Nossa Senhora. Ela nos ajuda a seguir Jesus, nos dá o exemplo com o seu “sim” a Deus: «Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua Palavra» (Lc 1,38). Também nós o dizemos a Deus, juntos com Maria: faça-se em mim segundo a Tua palavra. Assim seja!

30 de julho de 2013 at 8:50 Deixe um comentário

Papa Francisco na Missa de conclusão da JMJ Rio 2013: “Ide, sem medo, servir”

 

 

 

2013-07-28 Rádio Vaticana

Rio de Janeiro (RV) –  Mais de 3 milhões de pessoas, segundo estimativas, participaram da Missa de encerramento da Jornada Mundial da Juventude Rio2013 presidida pelo Papa Francisco na manhã deste domingo. Após o ‘maior flash mobe do mundo’, Francisco foi recebido no palco na Praia de Copacabana pouco depois das 10 horas, pelos Cardeais, Bispos e sacerdotes presentes.
Na celebração estavam presentes as Presidentes do Brasil e Argentina, Dilma Roussef e Cristina Kirchner, respectivamente, o Presidente da Bolívia, Evo Morales, o Presidente do Suriname e os Vice-presidentes do uruguai e do Panamá.
Os milhares de participantes da Vigília realizada na noite de sábado, viram-se obrigados a improvisar um local para recuperar as forças para o dia de hoje. Assim, as pequenas barracas, os sacos de dormir ou os pequenos cobertores nas areias de Copacabana e na Av. Atlântica, acabaram formando um grande mosaico de cores e formas.
O Papa chegou de helicóptero no Forte Copacabana, percorrendo a seguir a Av. Atlântica no papamóvel. Francisco subiu ao palco pouco depois das 10 horas para presidir a Missa que encerrou a JMJ. O Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, antes de iniciar a celebração, falou da Jornada no Rio, agradecendo ao Papa Francisco e a todos os presentes.
Alternando entre o português e o espanhol, o Papa Francisco centrou sua homilia no ‘discípulo e na missão’, refletindo sobre três pontos: ‘Ide’, ‘sem medo’ e ‘para servir’.
Na sua reflexão sobre o primeiro ponto, ‘ide’, Francisco observou que “a experiência deste encontro não pode ficar trancafiada na vida de vocês ou no pequeno grupo da paróquia, do movimento, da comunidade de vocês. Seria como cortar o oxigênio a uma chama que arde”. “A fé – disse o Papa – é uma chama que se faz tanto mais viva quanto mais é partilhada, transmitida, para que todos possam conhecer, amar e professar que Jesus Cristo é o Senhor da vida e da história”.
O Papa ressaltou que “partilhar a experiência da fé, testemunhar a fé, anunciar o Evangelho é o mandato que o Senhor confia a toda a Igreja, também a você”:
“É uma ordem sim; mas não nasce da vontade de domínio ou de poder, nasce da força do amor, do fato que Jesus foi quem veio primeiro para junto de nós e nos deu não somente um pouco de Si, mas se deu por inteiro, deu a sua vida para nos salvar e mostrar o amor e a misericórdia de Deus. Jesus não nos trata como escravos, mas como homens livres, amigos, como irmãos; e não somente nos envia, mas nos acompanha, está sempre junto de nós nesta missão de amor”.
“O Evangelho é para todos, não apenas para alguns”, disse Francisco, pois seu anúncio não tem fronteiras nem limites. ”Não tenham medo de ir e levar Cristo para todos os ambientes, até as periferias existenciais, incluindo quem parece mais distante, mais indiferente. O Senhor procura a todos, quer que todos sintam o calor da sua misericórdia e do seu amor”, exortou.
“De forma especial – salientou – queria que este mandato de Cristo –‘Ide’ – ressoasse em vocês, jovens da Igreja na América Latina, comprometidos com a Missão Continental promovida pelos Bispos. O Brasil, a América Latina, o mundo precisa de Cristo! Este continente recebeu o anúncio do Evangelho, que marcou o seu caminho e produziu muito fruto”, a crescentou:
“Agora este anúncio é confiado também a vocês, para que ressoe com uma força renovada. A Igreja precisa de vocês, do entusiasmo, da criatividade e da alegria que lhes caracterizam! Um grande apóstolo do Brasil, o Bem-aventurado José de Anchieta, partiu em missão quando tinha apenas dezenove anos! Sabem qual é o melhor instrumento para evangelizar os jovens? Outro jovem! Este é o caminho a ser percorrido”.
Ao falar do segundo ponto, ‘sem medo’, o Santo Padre explicou que “quando vamos anunciar Cristo, Ele mesmo vai à nossa frente e nos guia. Ao enviar os seus discípulos em missão, Jesus prometeu: «Eu estou com vocês todos os dias» (Mt 28,20). E isto é verdade também para nós! Jesus não nos deixa sozinhos, nunca lhes deixa sozinhos! Sempre acompanha a vocês”!
O Papa enfatizou que os missionários são enviados em grupo, e que os jovens devem sentir “a companhia de toda a Igreja e também a comunhão dos santos nesta missão”:
“Jesus não chamou os Apóstolos para viver isolados, chamou-lhes para que formassem um grupo, uma comunidade. Queria dar uma palavra também a vocês, queridos sacerdotes, que concelebram comigo esta Eucaristia: vocês vieram acompanhando os seus jovens, e é uma coisa bela partilhar esta experiência de fé! Mas esta é uma etapa do caminho. Continuem acompanhando os jovens com generosidade e alegria, ajudem-lhes a se comprometer ativamente na Igreja; que eles nunca se sintam sozinhos”.
Neste ponto, Francisco agradeceu ‘de coração’, “às pastorais da juventude, aos movimentos e novas comunidades que acompanham os jovens. Tão criativos e audazes!”.

Referindo-se à leitura proclamada, o Papa explicou o último ponto de sua reflexão, ‘servir’. “Para anunciar Jesus, Paulo fez-se «escravo de todos»”. “Evangelizar afirmou – significa testemunhar pessoalmente o amor de Deus, significa superar os nossos egoísmos, significa servir, inclinando-nos para lavar os pés dos nossos irmãos, tal como fez Jesus”.
Ao concluir, Francisco disse que seguindo as três palavras, ‘Ide’, ‘sem medo’, ‘para servir’, os jovens experimentarão “que quem evangeliza é evangelizado, quem transmite a alegria da fé, recebe alegria”. E acrescentou, que ao retornarem às suas casas, não devem ter medo “de ser generosos com Cristo, de testemunhar o seu Evangelho”:
“Levar o Evangelho é levar a força de Deus, para extirpar e destruir o mal e a violência; para devastar e derrubar as barreiras do egoísmo, da intolerância e do ódio; para construir um mundo novo. Jesus Cristo conta com vocês! A Igreja conta com vocês! O Papa conta com vocês! Que Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe, lhes acompanhe sempre com a sua ternura: «Ide e fazei discípulos entre todas as nações»”.
No ofertório, foi apresentada uma criança com anencefalia (no colo do seu pai) como sinal de acolhida e oferta a Deus pela vida.
No sábado, de fato, após a saída da Catedral do Rio de Janeiro – onde celebrou com Bispos, sacerdotes, seminaristas e religiosos -, o Papa Francisco encontrou-se com um casal que lhe apresentou a sua pequena filha, nascida anencéfala. Eles não quiseram abortar, mesmo sendo permitido pela legislação.
Na oração dos fiéis, rezou-se pelas vítimas do acidente de trem ocorrido em Santiago de Compostela, na Espanha.
Após a comunhão, o Presidente do Pontifício Conselho dos leigos, Cardeal Stanislaw Rilko, fez seu pronunciamento. Após, cinco jovens representando os cinco continentes, receberam do Papa Francisco a cruz missionária.

29 de julho de 2013 at 10:39 Deixe um comentário

Papa exortou os Voluntários a se rebelar contra a cultura do provisório

 

 

 

2013-07-28 Rádio Vaticana

Rio de Janeiro (RV) –  Na tarde deste domingo, por volta das 17h30min, antes de seguir para o Aeroporto do Galeão, o Papa Francisco encontrou os voluntários da Jornada Mundial da Juventude no Centro de Congressos ‘Rio Centro’. Foram cerca de 15 mil voluntários que trabalharam por dois anos na preparação da JMJ Rio 2013. Um encontro de forte emoção e alegria, em que os jovens gritava: “esta é a juventude do Papa”.
Francisco dirigiu-se aos jovens, dizendo que não podia regressar a Roma “sem antes agradecer, de modo pessoal e afetuoso a cada um, pelo trabalho e dedicação com que acompanharam, ajudaram, serviram aos milhares de jovens peregrinos e pelos inúmeros pequenos detalhes que fizeram desta Jornada Mundial da Juventude uma experiência inesquecível de fé”. O Papa observou que, com os sorrisos de cada um, com a gentileza, com a disponibilidade ao serviço, “vocês provaram que “há maior alegria em dar do que em receber”.
O Papa disse que este trabalho de preparar o caminho para que outros possam encontrar Jesus – como fez João Batista -, “é o serviço mais bonito que se pode realizar como discípulo” e acrescentou: “sejam sempre generosos com Deus e com os demais. Não se perde nada; ao contrário, é grande a riqueza da vida que se recebe”
Após o Papa falou sobre o chamado e a resposta às diferentes vocações. Quando falou sobre aqueles que são chamados a se santificar constituindo uma família através do sacramento do matrimônio:
“Há quem diga que hoje o casamento está “fora de moda”; na cultura do provisório, do relativo, muitos pregam que o importante é “curtir” o momento, que não vale a pena comprometer-se por toda a vida, fazer escolhas definitivas, “para sempre”, uma vez que não se sabe o que reserva o amanhã”.
Então o Papa pediu aos jovens, para que sejam revolucionários, que andem contra a corrente: sim, nisto peço que se rebelem:
“que se rebelem contra esta cultura do provisório que, no fundo, crê que vocês não são capazes de assumir responsabilidades, que não são capazes de amar de verdade. Eu tenho confiança em vocês, jovens, e rezo por vocês. Tenham a coragem de “ir contra a corrente”. Tenham a coragem de ser felizes!”
A seguir o Papa falou sobre a vocação ao sacerdócio, a que alguns são chamados a se doar ao Senhor de modo mais total, “para amar a todos com o coração do Bom Pastor”. “A outros – continuou – chama para servir os demais na vida religiosa: nos mosteiros, dedicando-se à oração pelo bem do mundo, nos vários setores do apostolado, gastando-se por todos, especialmente pelos mais necessitados”.
Nesse ponto, Francisco contou aos jovens que nunca se esquecerá do dia 21 de setembro, quando tinha 17 anos, quando após passar pela igreja de San José de Flores para se confessar, sentiu pela primeira vez que Deus o chamava. “Não tenham medo daquilo que Deus lhes pede – disse o Papa. Vale a pena dizer “sim” a Deus. N’Ele está a alegria”!
Àqueles jovens que talvez ainda não vejam com clareza o que fazer de sua vida, o Santo Padre aconselhou “a pedir isto ao Senhor, que Ele fará entender o caminho”, como fez o jovem Samuel, “que ouviu dentro de si a voz insistente do Senhor que o chamava, e não entendia, não sabia o que dizer, mas, com a ajuda do sacerdote Eli, no final respondeu àquela voz: Senhor, fala eu escuto. Peçam vocês também a Jesus: Senhor, o que quereis que eu faça, que caminho devo seguir?”.
Ao concluir, o Papa agradeceu novamente a todos os voluntários, às pastorais, novas comunidades e movimentos que colocaram seus membros à disposição, exortando-os a não esquecerem “tudo o que fizeram nestes dias, tudo o que viveram aqui”. E acrescentou: “Podem contar sempre com minhas orações, e sei que posso contar com as orações de vocês”.
Ao final, todos rezaram juntos uma Ave Maria. (JE)

29 de julho de 2013 at 10:37 Deixe um comentário

Posts antigos


Arquivos

ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se aos outros seguidores de 341

Categorias