Posts filed under ‘Maria Santíssima’

Nossa Senhora do Carmo, uma das devoções mais antigas e amadas

Madonna del Carmelo - TrastevereFachada da igreja de Santa Ágata em Trastevere
Hoje, 16 de julho, é a festa litúrgica de Nossa Senhora do Carmo. Uma antiga devoção que remonta aos profetas da Bíblia. Grandes comemorações em Roma e em várias cidades da Itália.

Cidade do Vaticano

O culto mariano, caso único entre os cultos dos santos, tem suas raízes nove séculos antes do nascimento de Maria. O primeiro profeta de Israel, Elias, morando no Monte Carmelo teve a visão da vinda da Bem-Aventurada Virgem. Viu que ela se elevava em uma pequena nuvem, trazendo uma chuva providencial que salvaria Israel de uma grande seca. É um dos cultos mais antigos da Roma cristã, assim como a Ordem Carmelita que está ligada ao que foi escrito na Bíblia, quando se conta que Elias recebeu a profecia do Mistério da Virgem e Mãe sobre o nascimento do Filho de Deus. Já no primeiro século, os eremitas que se retiraram no Monte construíram uma capelinha dedicada à Nossa Senhora. “Tradicionalmente os carmelitas estão ligados à Nossa Senhora – explica padre Agostino Farcas, pároco da Igreja de Santa Maria do Carmo no bairro Mostacciano de Roma – mas também a Elias, ou seja à capacidade como a do profeta de ouvir a Deus”.

“ O Senhor disse-lhe: ‘Sai e permanece sobre o monte diante do Senhor’. Então o Senhor passou. Antes do Senhor, porém, veio um vento impetuoso e forte, que desfazia as montanhas e quebrava os rochedos, mas o Senhor não estava no vento. Depois do vento houve um terremoto, mas o Senhor não estava no terremoto. Passado o terremoto, veio um fogo, mas o Senhor não estava no fogo. E depois do fogo ouviu-se o murmúrio de uma leve brisa ”

A iconografia popular

Segundo a iconografia popular, Nossa Senhora do Carmo não leva Jesus no colo, mas estende os braços oferecendo o escapulário. A imagem refere-se à aparição de Nossa Senhora em 16 de julho de 1251 ao carmelita São Simão Stok, entregando-lheu um escapulário e revelando-lhe os privilégios ligados ao culto.

“Não é um amuleto ou um talismã – prossegue padre Agostino – mas um sinal de salvação. Significa estar cobertos pela sua graça, pelos seus dons. Se hoje dizemos ‘quero o escapulário’, acreditamos receber este sinal de salvação que nos leva às virtudes de Maria, nos ajuda a tentar viver como ela”.

As Confrarias intituladas a Nossa Senhora do Carmo

Com o tempo as Confrarias intituladas a Nossa Senhora do Carmo e a favor de alguns papas que lhe concederam privilégios espirituais, fez com que aumentasse a devoção popular.

Em 1623, um decreto da Congregação do Índice, consagrava a “Tradição do Sábado”, ou seja a ajuda que Nossa Senhora do Carmo concede neste dia aos seus devotos mortos na graça de Deus para alcançar a plenitude do amor divino.

Imagem encontrada no Tibre

As origens do culto em Roma remontam a 1535. Naquele ano, alguns marinheiros encontraram na foz do rio Tibre, perto de Fiumicino, a imagem de Nossa Senhora do Carmo que depois foi transportada para a igreja de S. Crisóstomo. Desde então Nossa Senhora do Carmo foi chamada “De Noantri”, ou “Fiumarola”, em recordação do lugar onde foi encontrada. Provavelmente, sem exagerar, a festa no bairro Trastevere é a maior de toda a cidade de Roma.

Nossa Senhora do Carmo no bairro Trastevere

A imagem de Nossa Senhora do Carmo está conservada na igreja de Santa Ágata no bairro Trastevere. Segundo a iconografia clássica, não leva Menino Jesus no colo, mas estende os braços para baixo e está vestida como uma carmelita terciária. Na igreja, algumas vitrinas expõem as preciosas vestes de seda celestes, brancas e amarelas e três mantôs doados pela princesa Bianca Caracciolo di Fiorino. Além das vestes doadas pela princesa, as roupas custodiadas pelas irmãs de São Pascoal são doações de pessoas de todas as condições sociais. Uma das últimas remonta a 1970 e foi doada por um grupo de costureiras que trabalharam por três anos. A coleção é formada por algumas coroas de prata e de metal usadas na procissão e decoradas com pedras preciosas.

João Paulo II e Nossa Senhora do Carmo

Todos conhecem a grande devoção de São João Paulo II pela Virgem Maria. Abaixo apresentamos uma passagem dedicada à Nossa Senhora do Carmo, escrita pelo Pontífice:

“ Reconcilia os irmãos em um abraço fraterno; que desapareçam os ódios e os rancores, que se superem as divisões e as barreiras, que se unam as rupturas e curem as feridas ”

Anúncios

19 de julho de 2018 at 5:35 Deixe um comentário

Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós!

Resultado de imagem para imagem de nossa senhora do carmo

16 de julho de 2018 at 5:35 Deixe um comentário

Nossa Senhora da Escada

Junto à velha ermida de Santa Maria da Escada os pescadores amarravam seus braços ao argolões de ferro chumbados em pelares de cantaria lavrada e, quando desciam o rio Tejo, de mãos erguidas pediam à Virgem que lhes protegesse as redes. Este culto de gente do mar por Nossa Senhora da Escada foi-se ampliando com o passar do tempo e nas procissões ou romarias ao popular santuário inúmeros devotos vinham de longe em batéis ornamentados para cumprirem votos e promessas.

As procissões ao templo da Escada eram as mais concorridas e todas as Vezes que a população se dirigia à Mãe de Deus com a finalidade de agradecer alguma graça ou pedir proteção contra alguma calamidade pública, a pequena ermida de Santa Maria era a mais procurada. A prova disso é que quando D. João I, após a vitória de Aljubarrota, garantiu a soberania do reino lusitano, o povo em massa, homens, mulheres, frades e clérigos, todos descalços, caminhavam cantando para o seu altar em sinal de agradecimento.

A ermida de Nossa Senhora da Escada foi atingida por duas grandes catástrofes: Um maremoto no século XVI e um terremoto em 1755; embora das duas vezes o templo e o convento anexo ficassem inteiramente destruídos, contudo permaneceram ilesos no meio das ruínas a imagem milagrosa e o altar da Virgem Maria. Finalmente, almas piedosas levaram a sagrada efigie para a igrejaa paroquial de Nossa Senhora das Merces, onde até hoje recebe as homenagens sinceras do povo português.

No Brasil conhecemos apenas duas igrejas dedicadas a Santa Maria da Escada e ambas muito antigas, o que demonstra ter sido este culto mais intenso nos primeiros períodos da colonização, desaparecendo posteriormente para dar lugar a outras invocações de maior aceitação no espirito religioso do povo brasileiro. Ambos refletem a predileção dos pescadores, pois uma está localizada na Bahia de Todos os Santos e a outra no Vale do Paraíba.

A igreja da Bahia é do tipo singelo e sóbrio dos primeiros templos coloniais, ornamentada por um amplo alpendre, como era costume nas primitivas capelas brasileiras. O edificio religioso alpendrado é uma tradição arquítetônica ocidental, que data do início do cristianismo, quando os catecúmenos e os penitentes permaneciam no adro. O Brasil continuou esta tradição porque o adro era o lugar onde ficavam os escravos não batizados. Os participantes de certas danças populares, como os congos, não entravam nos templos e a coroação dos reis negros era feita pelos padres no lado de fora das capelas. Outra razão do alpendre talvez tenha sido a necessidade de abrigar maior número de fiéis, que ali se reuniram por ocasião das romarias.

A igreja de Nossa Senhora da Escada no Município de Guararema, próximo a Mogi das Cruzes, beneficiada com obras de restauração pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, remonta aos principios do século XVIII e é uma das mais interessantes do Estado de São Paulo, pelos indícios de mão-de-obra indígena. Aliás a vila de Escada era uma antiga aldeia de índios e devido à sua excepcional situação às margens do rio Paraíba foi, no tempo em que não havia estradas, o porto obrigatório para os viajantes paulistas, que se dirigiam às Minas Gerais ou à província do Rio de Janeiro. Quando o Conde de Assumar, Governador de São Paulo e de Minas Gerais, por ali passou em 1717, esta vila já possuia um administrador público e uma câmara própria. Entretanto, com o passar do tempo a aldeia não se desenvolveu e foi absorvida pelas cidades vizinhas.

Atualmente o culto de Nossa Senhora da Escada permanece vivo no Brasil somente através das igrejas citadas, que são verdadeiras relíquias históricas e artísticas de uma época que se perdeu na voragem dos séculos.

Iconografia:

Semelhante à Senhora da Conceição. Às vezes aparece junto à Virgem uma escada, um dos símbolos da Paixão de Cristo e também de Maria, pois Ela é comparada à escada de Jacó, que punha em comunicação o céu com a terra.

Fonte: Invocações da Virgem Maria no Brasil

30 de junho de 2018 at 6:24 Deixe um comentário

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro – 27/06

Hoje, fazemos memória de Maria, mãe de Jesus, com o nome de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Este título chega entre nós através de um ícone, uma pintura de caráter religioso-místico, que data do período bizantino. Não sabemos quem foi o autor da pintura.

A história do ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro ficou conhecida a partir do século XV, quando esta pintura foi levada da ilha de Creta para Roma e colocada na igreja de São Mateus, onde foi venerada por três séculos. Destruída a igreja de São Mateus, a célebre imagem permaneceu escondida até que, pela providência de Deus, foi descoberta e devolvida ao culto popular.

Em 1866, por ordem do Papa Pio IX, o ícone foi confiado aos cuidados dos Missionários Redentoristas. Atualmente, o ícone missionário de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro se encontra na Igreja de Santo Afonso, em Roma.

O centro da pintura não é Nossa Senhora e sim Jesus. Para se chegar a essa conclusão, basta traçar duas linhas imaginárias, uma ao longo do braço de Maria que forma um ângulo que aponta para o Menino. O mesmo indica os dois dedos de Maria, isto é, apontam para a cabeça do Menino Jesus. Isto mostra que o centro é Jesus Cristo, portanto é um ícone cristocêntrico. Maria é, assim, “aquela que indica o caminho”, ou como é mais conhecida: “a via de Cristo”.

Nota-se também o olhar significante de Maria, isto é, o seu olhar está direcionado a quem olha o quadro e, ao mesmo tempo, a sua cabeça indica seu Filho Jesus. Deve-se observar a sandália do Menino que está desatada e mostra seu pé. Conforme a tradição oriental, mostrar a planta do pé é dizer que se é homem. Assim, esta cena indica que Jesus mostra a planta do seu pé para dizer que ele é verdadeiramente homem.

Outro ponto importante a se observar, se refere às cores das vestes e seus significados. No quadro Maria se veste com túnica vermelha e manto azul. E o Menino se veste de túnica verde com faixa vermelha e manto ocre. Na simbologia oriental, verde e vermelho significam divindade. O azul e o ocre significam humanidade.

Colaboração: Padre Evaldo César de Souza, CSsR

ORAÇÃO Ó Virgem do Perpétuo Socorro, Santa Mãe do Redentor, socorre o teu povo. Concede a todos a alegria de caminhar para o futuro numa consciente e ativa solidariedade com os mais pobres, anunciando de modo novo e corajoso o Evangelho de teu Filho, fundamento e cume de toda a convivência humana que aspira a uma paz justa e duradoura.

Fonte: Santuário Nacional de Aparecida

27 de junho de 2018 at 5:40 Deixe um comentário

Nossa Senhora da Revelação

Nossa Senhora da Revelação

No sábado depois da Páscoa, 12 de abril de 1947, o condutor de bonde Bruno Cornacchiola, de 34 anos, achava-se livre de serviço depois do meio-dia e queria aproveitar aquela linda tarde de primavera para fazer uma excursão a Ostia com seus três filhos; mas, como perderam o trem, resolveram ir até Tre Fontane.

Bruno conhecia muito bem o lugar com seu bosque de eucaliptos, silencioso e tranqüilo, longe do ruído da grande cidade de Roma.

Bruno havia lutado na Espanha, como legionário, a favor dos comunistas e fazia cinco anos que abandonara a religião católica, seguindo primeiro a doutrina dos batistas e depois a dos adventistas.

Era fervoroso propagandista de sua crença. Lia com assiduidade a Bíblia protestante, à procura de textos que pudesse utilizar em ataques contra a Igreja Católica.

Também naquele fim de semana Bruno se entretinha, em Tre Fontane, em formular idéias para uma conferência contra a virgindade da Santíssima Virgem.

Lia, apontando no papel os pensamentos para a conferência que devia ser lida no dia seguinte, enquanto seus filhos continuavam a brincar de futebol com uma bolinha de borracha, à sombra do bosque de eucaliptos.

Súbito o seu trabalho é interrompido: Isola, de 10 anos, e Carlos, de 7. gritam:

“Papai, papai, perdemos a nossa bola! Perdemos a nossa bolinha!”

Bruno sai então à procura da bola em companhia das crianças, depois de ter dito a Gianfranco, de 4 anos, que ficasse ali numa gruta situada na parte mais alta do bosque, olhando as revistas infantis ilustradas.

Os três percorrem então o mato à procura da bola; mas, como o filhinho mais moço não respondesse mais, como antes, à voz do pai, dirigiu-se este, muito preocupado, para a gruta, à entrada da qual encontrou, com grande espanto, o pequeno Gianfranco ajoelhado, as mãos postas, repetindo sempre, a sorrir.

“Bella Signora! Bella Signora”

A atitude “católica” de oração da criança era inteiramente contrária aos costumes da família Cornacchiola. Além disso, o menino nem era batizado.

O pai chamou Isola, que se encontrava acima da gruta, e perguntou a ela e a Carlos, que se achava ao lado: “Vocês estão vendo alguma coisa na gruta?”

“Não, papai!”, responderam.

Mas, no mesmo instante, Isola cai de Joelhos e, de mãos postas como o irmãozinho, repete: “Bella Signora!…” e também Carlos se ajoelha e balbucia como que extasiado: “Bella Signora! Bella Signora!…”

Podemos imaginar o espanto e a aflição do condutor de bondes. Sacode as crianças, porém elas continuam na mesma posição, com os rostos pálidos, mas inteiramente espiritualizados, e os olhos muito abertos, fixos em um mesmo ponto da gruta.

Bruno é, no fundo, de natureza religiosa: crê em Deus, crê em Cristo e também no demônio. Temendo que os filhos estivessem sob o influxo demoníaco, rezou do fundo do coração: “Senhor, salvai-nos!”

Foi como se mãos invisíveis o tivessem sacudido, e que alguém lhe tivesse arrancado a venda que lhe cobria os olhos. (Tudo isso ele mesmo narrou ao sr. Lacatelli, colaborador do Giornale d`Itália).

Súbito, Bruno sente-se leve como uma pena. Da gruta sombria não vê mais nada, a não ser que lhe parece inundada de luz deslumbrante, e naquela claridade excelsa Bruno vê uma encantadora figura de mulher, verdadeira formosura oriental, como se expressou ele, de 1,65 m de altura conforme lhe pareceu.

Os pés nus pousavam sobre um bloco de pedra, atualmente conservado no vizinho convento dos trapistas. O corpo da celestial aparição está envolto numa túnica branca, presa por uma faixa rósea. Da cabeça, desce-lhe um manto verde até os pés. Na mão direita segura um livrinho cinzento. A esquerda aponta para baixo, indicando uma veste negra (batina?) no sola; perto havia uma cruz quebrada.

Bruno Cornacchiola disse ouvir uma voz a nenhuma outra semelhante, pelo tom e pelo modo como lhe falava: “Sou aquela que sou na Trindade Divina. Sou a Virgem da Revelação. Tu me persegues. Agora é bastante. Entra no apriso santo, corte celeste na terra. Às noves sextas-feiras que praticastes antes de te desviares do caminho da verdade, deves a tua salvação… Deve-se rezar o rosário diariamente pela conversão dos pecadores e dos incrédulos e pela união entre os cristãos. Com esta terra de pecados operarei muitos milagres pela conversão dos pecadores. Para mostrar-te que esta visão é divina, e não arte diabólica, como muitos hão de pensar, dou-te este sinal: deves andar pelas ruas e igrejas de Roma, e, ao primeiro sacerdote que encontrares, dirás: Padre, quero falar-lhe. E se ele te replicar: Ave, Maria, filho; que desejas?; dirás o que te vier à boca. Este indicará outro sacerdote, que receberá a tua abjuração e se ocupará de ti. Se prudente … A ciência renegará a Deus. Quando fores levar a mensagem secreta ao Santo Padre, serás acompanhado por outro sacerdote”.

De fato, alguns dias depois, em 28 de abril, verificou-se a predição.

Ao entrar na igreja de Todos os Santos, administrada por um dos filhos espirituais de dom Orione, dirigi-se ao Pe. Albino Frosi:

– Permita, padre, que lhe diga uma palavra…

– Ave, Maria, filho, que desejas? respondeu o Pe. Frosi

– Sou protestante, mas quero tornar-me católico.

– Apresentá-lo-ei a quem melhor o atenda, retorquiu o padre.

Cumpriu-se à risca o sinal dado pela Senhora. O Pe. Frosi apresentou-o ao seu colega Pe. Gilberto Carniel, acostumado a tratar com convertidos.

Desde o dia 12 de abril Bruno tornou-se outro homem, e essa conversão completa de um apóstata foi o primeiro milagre da graça operado em Tre Fontane.

Bruno procurou reparar, segundo suas forças, o escândalo que havia dado e suportou pacientemente toda sorte de agravos. Todas as vezes que podia dirigia-se à gruta para rezar, e nos dias 6, 23 e 30 de maio foi agraciado com novas visões.

Depois de receberem a necessária instrução, Bruno e sua mulher foram novamente admitidos no seio da Igreja Católica, no dia 7 de maio. Em 18 de maio Gianfranco recebia o batismo, e Isola, a crisma e a primeira comunhão.

Na aparição de 30 de maio, Nossa Senhora enviou por meio de Bruno uma mensagem às irmãs filipinas, que naquela região se dedicam à educação da juventude. Que rezassem pela conversão dos incrédulos, principalmente pelos incrédulos do bairro.

A expressão “Virgem da Revelação” que Nossa Senhora usou é, conforme a suposição de Locatelli, uma alusão à “Misteriosa Revelação”, o Apocalipse, e uma indicação de que atualmente vivemos nos tempos apocalípticos, e visto que, como protestante, Bruno lia outra Bíblia, é bem provável que o livro que Nossa Senhora segura na mão direita signifique a Bíblia católica.

Inúmeros são os milagres que se operam por meio da terra da gruta, por intercessão da Santíssima Virgem Maria.

Nossa Senhora da Revelação, rogai por nós que recorremos a Vós!

Fonte: Site do Santuário Nacional de Aparecida

logo Academia marial

23 de junho de 2018 at 5:35 Deixe um comentário

Oração e súplica à Nossa Senhora do Trabalho

n_sra_trabalho

O dia de Nossa Senhora do Trabalho se comemora no dia 1º de maio em alguns lugares, como em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Relembra a devoção de todo trabalhador por Maria, por nossa senhora aquela que sempre abençoa os trabalhos. Esta devoção foi criada pelo Beato Guanella, fundador de duas congregações: Servos da Caridade e Filhas de Santa Maria da Providência.

A sua oração é utilizada por desempregados que precisam arrumar um emprego ou que querem fazer este pedido para alguém.

Oração a Nossa Senhora do Trabalho

nsra_trabalho

Salve Virgem Maria, nossa querida mãe e padroeira!

Como filhos, nos dirigimos a Vós com toda a confiança, implorando a Vossa benção, de modo especial pelos nossos trabalhadores, por todos aqueles que labutam no dia-a-dia para conseguir o sustento da própria família.

Concedei-nos, nós Vos pedimos, que este labor seja dignificante, de modo a favorecer vossos filhos.

Que haja muita consciência da nobreza do trabalho e que nenhum de nossos irmãos seja explorado pela ganância de riquezas.

Abençoai, ó Virgem do trabalho, nossa sociedade, nossas famílias e a cada um de nós.

Que saibamos sempre honrar-vos neste Vosso Santuário como filhos devotos e obedientes. Intercedei, junto ao Vosso Filho Jesus, concedendo-nos autênticas vocações sacerdotais e religiosas e a perseverança final.

Assim seja. Amém!!

Oração do desempregado

Ó mãe amável. Nossa Senhora do Trabalho!

Prostrado aos vossos pés, suplico-vos, humildemente, olhai com bondade para este vosso servo desempregado.

Minha situação é muito difícil.

Não sei mais a quem recorrer.

Por isso, estou em busca de uma luz.

Sei que posso encontrá-la batendo à porta do vosso coração.

Quem recorre à vós não fica de mãos vazias, desprotegido, pois sinto que encontro segurança em vossas mãos sob o vosso olhar de ternura e abrigado por vosso manto protetor.

Aceitai portanto meu apelo concedendo-me a graça de um emprego.

Prometo-vos que o meu coração estará sempre aberto àqueles que precisarem de minha ajuda.

Muito obrigado ó mãe do Divino Trabalhador por ouvirdes minha oração.

Amém.

* Rezar um Pai Nosso e uma Ave Maria.

Oração pelos desempregados do Brasil

Pai Nosso que estais no céu, olhai para todos os desempregados brasileiros, e iluminai todos aqueles que estão dispostos a ajudar com palavras e gestos.

Ó! Deus! Nós queremos que todos aqueles que estão desempregados, não desanimem e nem se desesperem, e não façam nada contra a Vossa vontade, e que tenham forças para lutar por um emprego.

Ó Deus! Nós pedimos que nos proteja neste esforço tão árduo, rumo a um trabalho digno.

Pedimos também a Vossa ajuda para todas as famílias dos desempregados do Brasil, que estão passando faltas por causa do desemprego.

Amém.

Fonte: Fatima.com.br

22 de junho de 2018 at 5:35 Deixe um comentário

Nossa Senhora do Desterro: A Mãe dos imigrantes

O título de Nossa Senhora do Desterro é pontuado na Bíblia, no livro de São Mateus (Mt 2, 13-23), onde na passagem bíblica um anjo aparece em sonho a São José pedindo para que ele e sua família fugissem para o Egito, por conta da perseguição do Rei Herodes que procurava o Menino para matá-Lo. Eles permaneceram cerca de quatro anos fugitivos, desterrados no Egito, até que José é avisado em sonho pelo mesmo anjo que Herodes já havia falecido.

Shutterstock
Shutterstock

No Brasil, Nossa Senhora do Desterro foi muito difundida na época da colonização Portuguesa, pois com essa devoção diminuíam um pouco da saudade da terra que deixaram pra traz e se sentiam confortados, pois até a Sagrada Família se desterrou para o bem comum de seus entes queridos. As primeiras igrejas em devoção a Nossa Senhora do Desterro foram construídas na Bahia e no Rio de Janeiro. A cidade de Florianópolis chamou-se durante mais de dois séculos Vila do Desterro, pelo fato de ter seu surgimento em torno de uma capela construída em 1673 em devoção a Ela.

Também é invocada por muitos brasileiros que deixaram o país em busca de melhores oportunidades de trabalho na Europa, EUA, Japão e outros países desenvolvidos que acolhem estes imigrantes. Ou seja, todos os que tiverem fé na Mãe do Desterro serão prósperos em seus negócios e viagens.

Na Itália é venerada como “Madonna degli Emigrati”, padroeira daqueles que saem de sua terra natal em busca de trabalho ou refúgio em terras estrangeiras, e ao redor do mundo é protetora dos refugiados que deixaram sua pátria por guerras ou desastres naturais.

Shutterstock
Shutterstock

Aqueles que pedem para Nossa Senhora do Desterro, serão protegidos contra a fome, a peste, a guerra e doenças contagiosas. Os seus inimigos não os perturbarão e resistirão firmes às tentações do demônio.

Oração a Nossa Senhora do Desterro 

Ó Bem Aventurada Virgem Maria, Mãe do Nosso Senhor Jesus Cristo, Salvador do Mundo,
Rainha do Céu e da terra, advogada dos pecadores, auxiliadora dos cristãos, protetora dos pobres,
consoladora dos tristes, amparo dos órfãos e viúvas, alívio das almas que penam,
socorro dos aflitos, desterradora das indigências, das calamidades, dos inimigos corporais e espirituais,
da morte cruel, dos tormentos eternos, de todo bicho e animal peçonhento,
dos maus pensamentos, dos sonhos pavorosos, das cenas terríveis e visões espantosas,
do rigor do dia do juízo final, das pragas, dos incêndios, desastres, bruxarias e maldições,
dos malfeitores, ladrões, assaltantes e assassinos.

Minha amada Mãe, eu prostrado agora aos vossos pés,
com piedosíssimas lágrimas, cheio de arrependimento das minhas pesadas culpas,
por vosso intermédio imploro perdão a Deus infinitamente Bom.

Rogai a vosso Divino Filho Jesus, por nossas famílias,
para que ele desterre de nossas vidas todos estes males,
nos dê o perdão de nossos pecados, e nos enriqueça com sua divina graça e misericórdia.

Cobri-nos com vosso Manto maternal, ó divina estrela dos montes.

Desterrai de nós todos aos males e maldições.
Afugentai de nós a peste e os desassossegos.

Possamos, por vosso intermédio, obter de Deus a cura de todas as doenças,
encontrar as portas do Céu abertas, e convosco ser felizes por toda a eternidade.
Amém.

Nossa Senhora do Desterro, rogai por nós que recorremos a Vós.

Fonte: Site do Santuário Nacional de Aparecida

16 de junho de 2018 at 5:42 1 comentário

Posts antigos


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 259 outros seguidores

Categorias