As duas vindas de Cristo

Coroa do Advento

Aquando da sua primeira vinda, Deus veio sem brilho, desconhecido da maioria, prolongando durante longos anos o mistério da sua vida oculta. Quando desceu do monte da Transfiguração, Jesus pediu aos seus discípulos que não dissessem a ninguém que Ele era o Cristo. Vinha como pastor à procura da ovelha perdida e, para recuperar esse animal rebelde, tinha de permanecer oculto. Tal como um médico que tenta não assustar o seu doente na primeira consulta, também o Salvador evitou dar-Se a conhecer logo no início da sua missão, só o fazendo pouco a pouco. O profeta tinha predito esta vinda sem brilho nestes termos: «Descerá como a chuva sobre um velo e como a água que corre gota a gota sobre a terra» (Sl 71,6). Ele não rasgou o firmamento para vir sobre as nuvens, mas veio em silêncio, permanecendo nove meses oculto no seio de uma Virgem. Nasceu num presépio, como filho de um humilde operário. […] Andou dum lado para o outro como um homem normal; as suas vestes eram simples, a sua mesa frugal. Caminhava sem parar, a ponto de ficar cansado. Mas a segunda vinda não será assim. Ele virá com tanto brilho que nem terá de anunciar a sua chegada: «Como o relâmpago que parte do Ocidente e aparece no Oriente, assim será a vinda do Filho do homem» (Mt 24,27). Este será o tempo do julgamento e da sentença, em que o Senhor não aparecerá como médico, mas como juiz. […] David, o rei-profeta, fala de um esplendor, de um brilho e de um fogo irradiando em todas as direções: «Um fogo caminhará diante dele e à sua volta rugirá violenta tempestade» (Sl 49,3). Todas estas comparações pretendem fazer-nos compreender a soberania de Deus, a luz intensa que O rodeia e a sua natureza inacessível.    

Homilia de São João Crisóstomo 

29 de novembro de 2020 at 6:08 Deixe um comentário

Neste sábado o Consistório: números, recordes e curiosidades do “senado” da Igreja

Consistório para a criação de 13 novos cardeais: foto de 2019

O Consistório deste 28 de novembro, o sétimo convocado pelo Papa Francisco, eleva o número de presenças no Colégio Cardinalício para 229 (101 não-eleitores). Notícias e dados de uma instituição que tem 900 anos de vida.

Alessandro De Carolis, Silvonei José – Vatican News

Por alguns séculos tinham sido 30. Depois Sisto V em 1586 elevou-os a 70, mas nada a ver com a amplitude que conhecemos hoje, um grupo de pessoas que representa também geograficamente os evangélicos “extremos confins da terra”. O Colégio dos Cardeais na sua dimensão e composição atuais é uma escolha que amadurece gradualmente no século XX. Foi João XXIII quem primeiro “violou” o limite histórico de Sisto V, tanto que as púrpuras que no final dos últimos Pontificados entre os séculos XIX e XX tinham oscilado numa média de 60 membros, na morte do Papa Roncalli eram 82 e entre eles há traços somáticos inéditos, com os primeiros cardeais filipino, japonês, africano.

Colégio “global”

Passaram-se poucos anos e Paulo VI completou o trabalho. Ele criou 143 cardeais, ampliando ainda mais a “latitude” das suas proveniências (o primeiro neozelandês, o primeiro malgaxe, o primeiro cingalês, etc.), determinou o lugar dos Patriarcas Orientais no Colégio e, sobretudo, estabeleceu o limiar ainda hoje válido de 80 anos para ter direito a voto num eventual Conclave. Na morte do Papa Montini havia 129 cardeais, um número que é um prelúdio a uma nova mudança realizada por João Paulo II. Com o Papa Wojtyla, o Colégio Cardinalício tornou-se uma expressão completa da mundialidade e dos 231 cardeais de cerca de setenta países por ele criados em nove Consistórios (até mesmo 42 no Consistório de 2001, um recorde para a Igreja), existem ainda 16 cardeais eleitores dos 65 presentes no grupo, o mais velho dos quais é Jozef Tomko, de 96 anos, criado em 1985.

Mais idoso, mais jovem

O Pontificado de Bento XVI viu também a entrada no Colégio de 90 cardeais em cinco Consistórios. Entre aqueles que obtiveram o barrete do Papa emérito há atualmente 39 eleitores e 30 não-eleitores, incluindo o mais idoso de todo o grupo, o francês de 96 anos Albert Vanhoye, que foi criado cardeal em 2006. Ao Papa Francisco pertence a criação do mais jovem cardeal vivo, Dieudonné Nzapalainga – com apenas 49 anos de idade em 2016 no momento da publicação – que, nas vestes de Metropolita de Bangui, é também o primeiro cardeal nascido na República Centro-Africana.

Francisco, cardeais e periferias

Com o deste de 28 de novembro, Francisco terá presidido ao seu sétimo Consistório e criado um total de 101 cardeais, 73 dos quais se encontram atualmente entre os que têm direito de voto num eventual Conclave. Para o Papa das “periferias” a convocação deste sábado também mostra o início e o retorno. Ao primeiro caso pertence Brunei e Ruanda – países que fazem a sua entrada histórica no Colégio – ao segundo caso pertence Malta, que por um pouco tempo não estava representada, ou seja, desde a morte do cardeal Prosper Grech ocorrida em dezembro de 2019. Ao Pontificado de Francisco também pertencem outros recordes.

Entre outros, o das sedes cardinalícias em países que nunca a tiveram (além da já citada República Centro-Africana, Brunei e Ruanda, também Haiti, Dominica, Birmânia, Panamá, Cabo Verde, Tonga, Bangladesh, Papua Nova Guiné, Malásia, Lesoto, Mali, Suécia, Laos, El Salvador, Luxemburgo), o primeiro cardeal afro-americano (o metropolita  de Washington Wilton Gregory), o primeiro nascido após o Concílio (Nzapalainga), o primeiro convertido ao catolicismo desde os tempos de Jean-Marie Lustiger (Bispo de Estocolmo Anders Arborelius, luterano de nascimento).

Curiosidade

Alguns nomes estão ligados a algumas curiosidades estatísticas. Por exemplo, o tailandês Michael Michai Kitbunchu, de 91 anos, emérito de Bangcoc, é o que faz parte do Colégio dos Cardeais há mais tempo (37 anos). Um recorde de duração partilhado com o neozelandês Thomas Stafford Williams, 90 anos de idade, ordinário militar emérito do seu país. Ambos receberam o barrete do Papa Wojtyla em 1983.

Outro dado diz respeito à presença de famílias religiosas no atual Colégio: são 26, para um total de 51 cardeais (29 eleitores) que vestem o hábito do seu Instituto sob a púrpura. Os mais representados são os Salesianos (9), seguidos pelos Jesuítas (7). Note-se que com o Padre Mauro Gambetti, guardião do Sacro Convento de Assis, a Ordem dos Franciscanos Conventuais também se torna parte do grupo dos cardeais.

Também a geografia, como foi dito, especialmente pela vontade do Papa Francisco, continua a se redesenhar, expandindo o mapa do Colégio, que atinge agora 90 países representados, da Albânia ao Vietnã, com o grupo dos cardeais italianos (47) o mais numeroso, seguido pelos Estados Unidos (15) e Espanha (14). Do ponto de vista dos continentes, a Europa conta, entre eleitores e não-eleitores, 106 cardeais, África 30, Ásia 27. A América do Norte conta 26, América do Sul 25, América Central 9 e finalmente Oceânia 6. O Brasil tem 9 cardeais, 4 eleitores e 5 não eleitores: AGNELO Geraldo Majella; ASSIS Raymundo DAMASCENO; AVIZ João BRAZ de; da ROCHA Sérgio; FALCÃO FREIRE José; HUMMES Cláudio; SCHEID Eusébio Oscar; SCHERER Odilo Pedro; TEMPESTA Orani João.

Portugal tem 5, três dos quais eleitores.

29 de novembro de 2020 at 5:45 Deixe um comentário

Papa: preparar-se para o Natal também através do Vatican News

vlcsnap-2020-10-16-15h07m07s300.png

O Vatican News acolhe o incentivo do Papa Francisco e convida nossos seguidores a viver o Advento através do nosso conteúdo no Facebook, Twitter e Instagram: todos canais disponíveis em português.

Bianca Fraccalvieri – Vatican News

As redes sociais podem se tornar um aliado na preparação para o Natal. E foi com este intuito que os jovens do Instituto Universitário Salesiano, em parceria com a “Cube Rádio”, de Veneza, lançam a iniciativa “Advento Green Dream” – um percurso inspirado na Palavra de Deus de cada um dos quatro domingos que antecedem o Natal e na Carta Encíclica Laudato si’.

Inscrevendo-se na newsletter, será possível receber via e-mail 26 ícones cotidianos com uma mensagem de 29 de novembro a 24 de dezembro.Ouça e compartilhe

Os idealizadores da iniciativa receberam uma videomensagem do Papa Francisco, que não só se limitou a agradecer, como os incentivou a envolverem outros jovens e os usuários da rede na preparação do Santo Natal, “inclusive através das redes sociais do Vatican News”, difundindo a Palavra de Deus e convidando-os ao cuidado da casa comum”.

“Obrigado. Rezo por vocês e rezem por mim!”, finalizou o Pontífice.

O Vatican News acolhe o incentivo do Papa Francisco e convida nossos seguidores a viver o Advento através do nosso conteúdo no Facebook, Twitter e Instagram: todos canais disponíveis em português.

28 de novembro de 2020 at 10:59 Deixe um comentário

Primeiro Domingo do Advento

Advento
Advento 

O Advento tem duas funções, a de recordar a primeira vinda de Jesus, a do Emanuel, Deus Conosco, e a de nos preparar a sua vinda definitiva, que será nos fins dos tempos, a Parusia!

Padre César Augusto, SJ – Vatican News

A Graça de Deus nos abençoa com uma nova caminhada pelo ano litúrgico, onde poderemos receber graças sobre graças, aprofundando mais ainda nossa caminhada para a instauração do Reino de Deus, Reino de Justiça, de Amor e de Paz. Como se andando sobre uma espiral, passaremos novamente sobre os mesmos mistérios, mas de modo mais profundo que nas outras vezes e vivenciando a ação do Senhor em nosso Tempo.Ouça e compartilhe

Começamos pelo Advento que tem duas funções, a de recordar a primeira vinda de Jesus, a do Emanuel, Deus Conosco, e a de nos preparar a sua vinda definitiva, que será nos fins dos tempos, a Parusia!

A primeira leitura, extraída de Isaías 63,16 – 17.19; 64, 2 – 7, relata uma oração em que o fiel se queixa a Deus de seus próprios erros como sendo consequência da ausência de Sua graça. Se Deus não se tivesse afastado dele, ele continuaria a ter o temor ao Senhor. E ele prossegue dizendo que com a presença do Senhor, as dificuldades se dissipam, a alegria se faz presente e o ser humano não se torna refém da maldade, Finaliza dizendo que somos barro e Ele, nosso oleiro, todos somos obras de suas mãos. Que bela oração para iniciar o Tempo do Avento, em que declaramos que sem a presença do Senhor somos mortos, não fazemos o bem, não temos alegria, pecamos! Será que nos sentimos assim e querermos começar tudo novamente, deixando o Senhor ser nosso Guia, nossa Luz, nosso Pai?  Eis o momento propício para nos levar à santidade, ou seja, à fraternidade, ao reconhecimento que somos filhos do mesmo Pai. O salmo 80 (79) com seu refrão “Faze tua face brilhar, e seremos salvos!” nos apresenta exatamente atitude oposta a Adão e Eva, que após o pecado fugiram da face de Deus (Gen 3, 8-10).

O Evangelho, Mc 13, 33-37, fala em vigiar. Deveremos estar atentos, sempre! O Senhor está aparentemente ausente, mas sabemos que Ele é onipresente, Portanto, sua ausência aparente não nos deve permitir uma atitude de relaxamento, mas nos sugere permanecer sempre em alerta, não tensos, mas em alerta. Sabemos que o Senhor é nosso amigo e quer o nosso bem; não nos aprontará uma surpresa desagradável, mas sua chegada, já anunciada, deve nos levar a constante atitude de atenciosa expectativa, pois nosso salvador, nosso redentor, chegará a qualquer hora e queremos estar despertos para dar as boas-vindas!  Como é bom amar e sentir-se amado!

Quando esperamos um ser amado, embelezamos pessoas e casa; as ruas são enfeitadas, tudo respira a satisfação, tudo manifesta alegria! Nossos indígenas enfeitavam o local onde a visita iria desembarcar e enfeitavam o caminho até a oca onde iria permanecer. Cânticos e danças faziam parte da “etiqueta” de recebimento. Como será nosso Advento deste ano? A pandemia não pode ser desculpa para relaxarmos. Seguindo os protocolos sanitários, que não devem ser esquecidos, poderemos demonstrar nossa alegria em receber o Senhor, que já está presente no pobre, no pequeno, no marginalizado, no sofredor, em todo lugar! Mais, querendo agradar ao Senhor, ajamos mais como Maria do que como Marta, estejamos atentos às suas palavras dirigidas ao nosso coração e, não tanto com coisas práticas, preocupados com enfeites, presentes e ceias, a não ser que seja para saciar as necessidades dos indigentes e carentes. É necessário vigiar! O Senhor chegará durante a escuridão, provocada pela falta de luz, de saúde, de liberdade, de confusão mental, no reinado da mentira, da opressão, durante alguma escravidão, etc.

Quais são os sinais da aurora em minha vida? Em minha família, em meus amigos, em meu trabalho, em minha fé?

A segunda leitura, tirada de I Cor 1,3-9 fala da lucidez e da positividade daquela Comunidade exemplar, mas que a partir do versículo 10, Paulo chamará atenção para não serem partidários, mas unidos. Portanto sempre atentos, sempre alerta, mesmo em momentos onde somos gratos a Deus pela Sua ação em nós, em nossa comunidade.

28 de novembro de 2020 at 8:24 Deixe um comentário

Nossa Senhora das Graças

Este título de Nossa Senhora está relacionada a duas aparições da Virgem a Santa Catarina Labouré, uma noviça das Irmãs da Caridade, em Paris, França, no século XIX. A primeira aparição foi no dia 19 de julho, na noite da festa de São Vicente de Paulo, quando a Madre Superiora de Catarina pregou às noviças sobre as virtudes de seu santo fundador, dando a cada uma um fragmento de sua sobrepeliz. Catarina então orou devotamente ao santo patrono para que ela pudesse ver com seus próprios olhos a Mãe de Deus, e convenceu-se de que seria atendida naquela mesma noite.

Depois de adormecer, foi despertada por uma luz brilhante e uma voz que dizia: “Irmã Labouré, vem à capela; Santa Maria te aguarda”. Mas ela replicou: “Seremos descobertas!”. A voz angélica respondeu: “Não te preocupes, já é tarde, todos dormem… vem, estou à tua espera”. Catarina então levantou-se e dirigiu-se à capela, que estava toda iluminada. Ajoelhou-se junto ao altar e logo viu a Virgem sentada na cadeira da superiora, rodeada por um esplendor de luz. A voz continuou: “A santíssima Maria deseja falar-te”. Catarina ajoelhou-se aos pés da Virgem e Maria lhe disse: “Deus deseja te encarregar de uma missão. Tu encontrarás oposição, mas não temas, terás a graça de poder fazer todo o necessário. Conta tudo a teu confessor. Os tempos estão difíceis para a França e para o mundo. Vai ao pé do altar, graças serão derramadas sobre todos, grandes e pequenos, e especialmente sobre os que as buscarem. Terás a proteção de Deus e de São Vicente, e meus olhos estarão sempre sobre ti. Haverá muitas perseguições, a cruz será tratada com desprezo, será derrubada e o sangue correrá”. Guiada pelo anjo, Catarina voltou para sua cela.

Em 27 de novembro de 1830, no final da tarde, Catarina dirigiu-se à capela com as outras irmãs para rezar. Erguendo os olhos para o altar, viu novamente a Virgem sobre um grande globo, segurando um globo menor onde estava inscrit: “França”. Ela explicou que o globo simbolizava todo o mundo, mas especialmente a França, e os tempos seriam duros para os pobres e para os refugiados das muitas guerras da época. Então, a visão modificou-se e Maria apareceu com os braços estendidos e os dedos ornados com anéis irradiando luz, rodeada por uma frase que dizia: “Oh Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós”. Então, a Virgem Maria lhe deu instruções: “Faz cunhar uma medalha onde apareça minha imagem como a vês agora. Todos os que a usarem receberão grandes graças”. Catarina perguntou por que alguns anéis não irradiavam luz, e soube que era pelas graças que não eram pedidas. Então, Maria voltou-lhe as costas e mostrou como deveria ser o desenho a ser impresso no verso da medalha. Catarina também perguntou como deveria proceder para que a ordem fosse cumprida. A Virgem disse que ela procurasse a ajuda de seu confessor, o padre Jean Marie Aladel.

A Medalha Milagrosa

– A serpente: Maria aparece esmagando a cabeça da serpente. A mulher que esmaga a cabeça da serpente, que é o demônio, já estava predita na Bíblia, no livro do Gênesis: “Porei inimizade entre ti e a mulher… Ela te esmagará a cabeça e tu procurarás, em vão, morder-lhe o calcanhar”. Deus declara iniciada a luta entre o bem e o mal. Essa luta é vencida por Jesus Cristo, o “novo Adão”, juntamente com Maria, a co-redentora, a “nova Eva”. É em Maria que se cumpre essa sentença de Deus: a mulher finalmente esmaga a cabeça da serpente, para que não mais a morte pudesse escravizar os homens.

– Os raios: Simbolizam as graças que Nossa Senhora derrama sobre os seus devotos. A Santa Igreja, por isso, a chama Tesoureira de Deus.

– As 12 estrelas: Correspondem aos doze apóstolos e representam a Igreja. Simbolizam as 12 tribos de Israel. Maria Santíssima também é saudada como “Estrela do Mar” na oração Ave, Stella Maris.

– O coração cercado de espinhos: É o Sagrado Coração de Jesus. Foi Maria quem o formou em seu ventre. Nosso Senhor prometeu a Santa Margarida Maria Alacoque a graça da vida eterna aos devotos do seu Sagrado Coração, que simboliza o seu infinito e ilimitado Amor.

– O coração transpassado por uma espada: É o Imaculado Coração de Maria, inseparável do de Jesus: mesmo nas horas difíceis de Sua Paixão e Morte na Cruz, Ela estava lá, compartilhando da Sua dor, sendo a nossa co-redentora.

– A letra M: Significa Maria. Esse M sustenta o travessão e a Cruz, que representam o calvário. Essa simbologia indica a íntima ligação de Maria e Jesus na história da salvação.

– O travessão e a Cruz: Simbolizam o calvário. Para a doutrina católica, a Santa Missa é a perpetuação do sacrifício do Calvário. Portanto, ressaltam a importância do Sacrifício Eucarístico na vida do cristão.

Ó Imaculada Virgem Mãe de Deus e nossa Mãe, ao contemplar-vos de braços abertos derramando graças sobre os que vo-las pedem, cheios de confiança na vossa poderosa intercessão, inúmeras vezes manifestada pela Medalha Milagrosa, embora reconhecendo a nossa indignidade por causa de nossas inúmeras culpas, acercamo-nos de vossos pés para vos expôr, durante esta oração, as nossas mais prementes necessidades (momento de silêncio e de pedir a graça desejada). Concedei, pois, ó Virgem da Medalha Milagrosa, este favor que confiantes vos solicitamos, para maior Glória de Deus, engrandecimento do vosso nome, e o bem de nossas almas. E para melhor servirmos ao vosso Divino Filho, inspirai-nos profundo ódio ao pecado e dai-nos coragem de nos afirmar sempre como verdadeiros cristãos. Amém.

Fonte: Rede Século 21

27 de novembro de 2020 at 5:53 Deixe um comentário

Dia Mundial da Criança: a ameaça da pandemia no presente e futuro

Crianças
Crianças  (©V.R.Murralinath – stock.adobe.com

O Papa Francisco escreveu em seu tuíter uma importante mensagem para a proteção de todas as crianças. Neste dia, o UNICEF recorda das consequências da pandemia para as crianças com um relatório intitulado “Evitando uma geração perdida por causa da Covid”, publicado para esta ocasião

Vatican News

Na manhã desta sexta-feira (20), Dia Mundial da Criança e do Adolescente convocado pelo UNICEF, a agência da ONU para a Infância, o Papa Francisco, escreveu na sua conta no tuíter:

“Toda criança precisa ser acolhida e defendida, ajudada e protegida desde o ventre materno”

A importância desse apelo é explicada pela situação dos menores e adolescentes em todo o mundo, que piorou com a pandemia. Os dados do Unicef mostram não apenas que as crianças podem adoecer e espalhar a doença, mas também que a propagação da Covid-19 a longo prazo terá um forte impacto na educação, nutrição e bem-estar de crianças e adolescentes e poderá afetar a vida futura de toda uma geração. Enquanto o mundo tenta vencer a batalha contra o vírus, os serviços básicos estão sendo interrompidos e os índices de pobreza estão aumentando, o que está afetando significativamente o desenvolvimento de crianças e adolescentes.Ouça e compartilhe!

Relatório catastrófico

O relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância que este ano tem como título: “Evitando uma geração perdida pela Covid”, aponta que dos 25,7 milhões de casos relatados, 1 em cada 9 é uma criança ou adolescente com menos de 20 anos de idade; 33% dos estudantes matriculados no mundo inteiro foram afetados pelo fechamento de escolas em 30 países. Mas o número mais alarmante segundo estimativa do Unicef é que dentro de um ano o número de crianças mortas poderá aumentar em 2 milhões devido à interrupção dos serviços de saúde e pelo aumento da desnutrição; no entanto, em 2020, outras 6-7 milhões de crianças com menos de 5 anos poderão sofrer de desnutrição aguda, o que poderá aumentar a mortalidade infantil especialmente na África subsaariana e no Sul da Ásia. Além disso, devido à pandemia, aumentou em 15% – ou seja, 150 milhões – o número de crianças na pobreza multidimensional, ou seja, sem acesso à educação, saúde, moradia, nutrição, saneamento ou água.

Agir agora

O Unicef afirma que é preciso agir agora. Para a chefe da agência, Henrietta Fore, os governos têm que priorizar as crianças mais marginalizadas e as famílias com uma expansão rápida de sistemas de proteção social incluindo transferência de dinheiro, benefícios para a criança, oportunidades de ensino a distância, serviços de saúde e merenda escolar. A agência da ONU defende que fazer esses investimentos agora poderá ajudar os países a se preparem para choques no futuro.

Redobrar os esforços

Enquanto que Andrea Iacomini, porta-voz do UNICEF na Itália, sugere: “Em resposta a esta crise pedimos aos governos e parceiros que assegurem que todas as crianças possam buscar garantia e acesso a serviços nutricionais e de saúde. Ou seja, tornar as vacinas acessíveis, apoiar a saúde mental das crianças, proporcionar-lhes educação e procurar superar a divisão digital, aumentar o acesso à água potável, procurar reverter o aumento da pobreza infantil, assegurar uma recuperação inclusiva para todos e redobrar os esforços para apoiar as crianças em áreas de conflito, desastre e deslocamento. Na verdade, pedimos cada vez mais aos governos e parceiros e ao setor privado para que os escutem e priorizem o que as crianças têm a nos dizer. 

27 de novembro de 2020 at 5:46 Deixe um comentário

Papa Francisco no Twitter

24 de nov de 2020: Cuidemos da fragilidade de cada homem, cada mulher, cada criança e cada idoso, com a mesma atitude solidária e solícita, a mesma atitude de proximidade do bom samaritano. #FratelliTutti

23 de nov de 2020: Não fomos feitos para sonhar os feriados ou o fim de semana, mas para realizar os sonhos de Deus neste mundo. Ele tornou-nos capazes de sonhar, para abraçar a beleza da vida. E as obras de misericórdia são as obras mais belas da vida.

22 de nov de 2020·: Hoje, Domingo de #CristoRei, a Cruz e o Ícone de Maria Salus Populi Romani, símbolos das Jornadas Mundiais da Juventude, iniciam uma nova peregrinação que nos conduzirá a Lisboa em 2023. #takeupthecross

22 de nov de 2020: Queridos jovens, não renunciemos aos grandes sonhos. O Senhor não quer que restrinjamos os horizontes, não nos quer estacionados nas margens da vida, mas correndo para metas elevadas, com júbilo e ousadia.

22 de nov de 2020: Antes de nos doar o seu amor na cruz, Jesus transmite-nos suas últimas vontades. Ele nos diz que o bem que fizermos a um dos seus irmãos mais pequeninos – famintos, sedentos, estrangeiros, necessitados, doentes e encarcerados – será feito a Ele (Mt 25,37-40). #EvangelhodeHoje

21 de nov de 2020: Caros jovens, as consequências de nossas ações e decisões afetarão vocês em primeira pessoa. Não permaneçam fora dos lugares onde o presente e o futuro são gerados. Ou vocês se envolvem ou a história passará por cima de vocês. #FrancescoEconomy

21 de nov de 2020: Hoje recordamos a Apresentação de Maria no Templo e celebramos o Dia #ProOrantibus. Obrigado, irmãos e irmãs contemplativos, porque vocês são apoio para os fracos, faróis que sinalizam o porto, tochas que iluminam a noite, sentinelas que anunciam o novo dia.

20 de nov de 2020: Toda criança precisa ser acolhida e defendida, ajudada e protegida desde o ventre materno. #WorldChildrensDay

19 de nov de 2020: A terra e os seus pobres têm urgente necessidade de uma economia saudável e de um desenvolvimento sustentável. Por isso, somos chamados a rever os nossos esquemas mentais e morais, para que estejam em conformidade com os mandamentos de Deus e com as exigências do bem comum.

18 de nov de: «Maria conservava no coração todas estas coisas» (Lc 2,19). Tudo o que acontece ao seu redor termina em seu coração, onde passa pelo crivo da #oração e é por ela transfigurado.

26 de novembro de 2020 at 5:47 Deixe um comentário

O Papa aos padres do Pio Latino-Americano: fraternidade prevaleça sobre toda diferença

O Papa Francisco com a comunidade do Pontifício Colégio Pio Latino-Americano de Roma (Vatican News)

“Quando abrirem o coração a todos sem distinção, pelo amor de Deus, criem um espaço onde Deus e o próximo possam encontrar-se. Jamais deixem de manifestar esta disponibilidade, esta abertura: jamais fechem a porta para aqueles que no fundo de seus corações anseiam por poder entrar e se sentir acolhidos. Pensem que o Senhor os chama sob o manto daquele pobre, para sentar-se todos juntos em seu banquete”, disse o Papa Francisco aos sacerdotes alunos do Pontifício Colégio Pio Latino-Americano de Roma

Raimundo de Lima – Vatican NewsOuça a reportagem com a voz do Papa Francisco

“Lutem contra a cultura do descarte, a segregação social, a desconfiança e o preconceito com base na raça, cultura ou fé, para que o sentimento de fraternidade prevaleça sobre toda diferença.”

Foi a exortação do Papa à comunidade do Pontifício Pio Colégio Latino-Americano de Roma, dirigindo-se aos superiores, bispos e sacerdotes, alunos e ex-alunos (cerca de 50 ao todo), recebidos por Francisco pouco depois do meio-dia desta sexta-feira (20/11), na Sala Clementina, no Vaticano, por ocasião do começo de um novo ano acadêmico há pouco iniciado.

Ao agradecer ao reitor do Colégio, o padre jesuíta Gilberto Freire, pelas palavras de saudação que lhe foram dirigidas, o Santo Padre ressaltou que nelas se ilustra os desafios que este tempo impôs a esta comunidade educacional e a necessidade de manter-se fiéis à própria missão de formar e formar-se como sacerdotes a serviço do santo Povo de Deus que peregrina na América Latina.

Evangelização da América

Por quanto a história tenha separado nossos povos, não destruiu neles a raiz que os unem naquela grande obra que foi a evangelização da América. “Nesta base, o Colégio Pio Latino-Americano nasceu como um compromisso a unir todas as nossas Igrejas particulares e, ao mesmo tempo, as abrir à Igreja universal nesta cidade de Roma”, frisou o Papa.

Referindo-se à evangelização no continente americano, o Papa Bergoglio – também ele latino-americano – evidenciou que “o exemplo de mestiçagem que tornou a América grande, e que se vive na comunidade plural que vocês formam, pode contribuir para curar o mundo”.

“O Evangelho e sua mensagem chegaram a nossa terra por meios humanos, não isentos do pecado, mas a graça venceu nossa fraqueza e sua Palavra se espalhou por todos os cantos do continente. Povos e culturas o acolheram numa rica diversidade de formas que ainda hoje podemos contemplar.”

Atualmente, continuou o Papa em seu discurso, “há latino-americanos espalhados por todo o mundo e muitas comunidades cristãs têm se beneficiado desta realidade. Igrejas do norte e centro da Europa, mesmo no leste, encontraram neles uma nova vitalidade e um renovado impulso.”

Chamados a semear a Palavra

“Muitas cidades – ressaltou –, de Madri a Kobe, celebram com fervor o Cristo dos Milagres e o mesmo pode ser dito de Nossa Senhora de Guadalupe. A rica mestiçagem cultural que tornou possível a evangelização se produz hoje novamente.”

Francisco prosseguiu observando que os povos latinos se encontram entre si e com outros povos graças à mobilidade social e aos instrumentos da comunicação, e deste encontro também eles saem enriquecidos.

Neste campo, frisou, vocês são chamados a semear a Palavra, de modo generoso, sem preconceitos, como Deus semeia. “Sobre isso devem incidir a formação e o ministério de vocês, para abrir a porta de seus corações e dos corações daqueles que os escutam, para ajudar e convidar os outros a fazer o mesmo com vocês para o bem de todos, para curar este mundo do grande mal que o aflige e que a pandemia evidenciou.”

O Papa destacou três pontos concretos de ação que têm dois momentos: pessoal e comunitário, que se completam inevitavelmente.

Abrir a porta do coração e dos corações

Abrir o coração certamente ao Senhor que não cessa de bater à nossa porta, para habitar em nós. Mas abri-lo também ao irmão, porque não se esqueçam que nossa relação com Deus pode ser facilmente avaliada pelo modo como procedemos em relação ao próximo.

“Quando abrirem o coração a todos sem distinção, pelo amor de Deus, criem um espaço onde Deus e o próximo possam encontrar-se. Jamais deixem de manifestar esta disponibilidade, esta abertura: jamais fechem a porta para aqueles que no fundo de seus corações anseiam por poder entrar e se sentir acolhidos. Pensem que o Senhor os chama sob o manto daquele pobre, para sentar-se todos juntos em seu banquete.”

Ajudar e convidar os outros a fazer o mesmo

Deus os chamou à vocação sacerdotal, os enviou a esta cidade de Roma para completar a formação de vocês, porque tem um projeto de amor e de serviço para cada um. “Pastores segundo o seu coração que se dediquem ao cuidado das ovelhas, que as apascentem, as conduzam e busquem sempre o seu bem-estar”, ressaltou Francisco.

“Nosso esforço também deve ser um chamado, deve reunir o rebanho, fazê-lo sentir-se povo, chamado também ele a colocar-se em caminho para antecipar o reino, já aqui nesta terra. Isto implica que se sintam úteis, responsáveis, necessários, que haja um espaço onde eles também possam colaborar.”

Curar o mundo do grande mal que o aflige

A pandemia colocou-nos diante do grande mal que aflige a nossa sociedade. A globalização superou as fronteiras, mas não as mentes e os corações. “O vírus se difunde sem freios – continuou o Pontífice –, não somos capazes de dar uma resposta conjunta.

“O mundo continua fechando as portas, recusando o diálogo e a colaboração, se recusa a abrir-se sinceramente ao compromisso comum por um bem que alcance a todos sem distinção. A cura deste mal deve vir de baixo, dos corações e das almas que um dia lhes serão confiadas, com propostas concretas no âmbito da educação, a catequese, o compromisso social, capazes de mudar mentalidades e abrir espaços, para curar este mal e dar a Deus um povo unido.”

O Papa concluiu confiando-os à Virgem Mãe, Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira da América Latina, convidando-os a serem testemunhas da fraternidade humana onde o Senhor os enviar.

26 de novembro de 2020 at 5:43 Deixe um comentário

Novena da Medalha Milagrosa

Aprenda a rezar a Novena da Medalha Milagrosa
Medalha Milagrosa

Início

Sinal da cruz: Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Ato de Contrição: Senhor meu, Jesus Cristo, Deus e homem verdadeiro, Criador e Redentor meu, por serdes Vós quem sois, sumamente bom e digno de ser amado sobre todas as coisas, e porque Vos amo e estimo, pesa-me, Senhor, de todo o meu coração, de Vos ter ofendido; pesa-me, também, de ter perdido o Céu e merecido o Inferno; e proponho-me firmemente, ajudado com o auxílio da vossa divina graça, emendar-me e nunca mais Vos tornar a ofender. Espero alcançar o perdão de minhas culpas pela vossa infinita misericórdia. Amém.

Jaculatória: Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós! (3 vezes)

Oração do dia

1.º dia – Primeira aparição

Contemplemos a Virgem Imaculada, em sua primeira aparição a Santa Catarina Labouré. A piedosa noviça, guiada pelo seu Anjo da Guarda, é apresentada à Imaculada Senhora. Consideremos sua inefável alegria. Seremos também felizes, como Santa Catarina se trabalharmos com ardor na nossa santificação. Gozaremos as delícias do Paraíso se nos privarmos dos gozos terrenos.

Rezar 3 Ave-Marias, seguida cada uma da invocação: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!”

2.º dia – Lágrimas de Maria

Contemplemos Maria, chorando sobre as calamidades que viriam sobre o mundo, pensando que o Coração de seu filho seria ultrajado, a cruz escarnecida e seus filhos prediletos perseguidos. Confiemos na Virgem compassiva e também participaremos do fruto de suas lágrimas.

Rezar 3 Ave-Marias etc.

3.º dia – Proteção de Maria

Contemplemos nossa Imaculada Mãe, dizendo em suas aparições a Santa Catarina: “Eu mesma estarei convosco: não vos perco de vista e vos concederei abundantes graças.” Sede para mim, Virgem Imaculada, o escudo e a defesa em todas as necessidades.

Rezar 3 Ave-Marias etc.

4.º dia – Segunda aparição

Estando Santa Catarina Labouré em oração, a 27 de novembro de 1830, apareceu-lhe a Virgem Maria, formosíssima, esmagando a cabeça da serpente infernal. Nessa aparição vemos seu desejo imenso de nos proteger sempre contra o inimigo de nossa salvação. Invoquemos a Imaculada Mãe com confiança e amor!

Rezar 3 Ave-Marias etc.

5.º dia – As mãos de Maria

Contemplemos, hoje, Maria, desprendendo de suas mãos raios luminosos. “Estes raios, disse ela, são a figura das graças que derramo sobre todos aqueles que me pedem e aos que trazem com fé minha medalha”. Não desperdicemos tantas graças! Peçamos com fervor, humildade e perseverança, e Maria Imaculada no-las alcançará.

Rezar 3 Ave-Marias etc.

6.º dia – Terceira aparição

Contemplemos Maria aparecendo a Santa Catarina, radiante de luz, cheia de bondade, rodeada de estrelas e mandando cunhar uma medalha, prometendo, a todos que a trouxerem com devoção e amor, muitas graças. Guardemos fervorosamente a Santa Medalha e, como escudo, ela nos protegerá dos perigos.

Rezar 3 Ave-Marias etc.

7.º dia – Súplica

Ó Virgem Milagrosa, Rainha Excelsa, Imaculada Senhora, sede minha advogada, meu refúgio e asilo nesta Terra, minha fortaleza e defesa na vida e na morte, meu consolo e minha glória no Céu.

Rezar 3 Ave-Marias etc.

8.º dia – Súplica

Ó Virgem Imaculada da Medalha Milagrosa, fazei que esses raios luminosos que irradiam de vossas mãos virginais iluminem minha inteligência para melhor conhecer o bem, e abrasem meu coração com vivos sentimentos de fé, esperança e caridade.

Rezar 3 Ave-Marias etc.

9.º dia – Súplica

Ó Mãe Imaculada, fazei que a cruz de vossa medalha brilhe sempre diante de meus olhos, suavize as penas da vida presente e me conduza à vida eterna.

Rezar 3 Ave-Marias etc.

Oração final

Santíssima Virgem, eu reconheço e confesso vossa Santa e Imaculada Conceição, pura e sem mancha. Ó puríssima Virgem Maria, por vossa Conceição Imaculada e gloriosa prerrogativa de Mãe de Deus, alcançai-me de vosso amado Filho a humildade, a caridade, a obediência, a castidade, a santa pureza de coração, de corpo e espírito, a perseverança na prática do bem, uma santa vida e uma boa morte. Amém.

Fonte: Site do Padre Paulo Ricardo

25 de novembro de 2020 at 6:17 Deixe um comentário

Papa: “com alma”, os latino-americanos podem superar a crise provocada pela pandemia

vlcsnap-2020-11-19-13h07m05s725.png

“Por favor, não deixemos roubar a esperança!” é o apelo do Papa Francisco aos participantes de um Seminário virtual organizado pelo Vaticano em parceria com o Celam. O Pontífice analisa as mazelas da América Latina e não deixa de citar a corrupção, inclusive dentro da Igreja, “uma verdadeira lepra que adoece e mata o Evangelho”.

Bianca Fraccalvieri – Vatican News

“América Latina: Igreja, Papa Francisco e os cenários da pandemia”: é o título de um Seminário virtual realizado esta quinta-feira, promovido pela Pontifícia Comissão para a América Latina (CAL), pela Pontifícia Academia das Ciências Sociais e pelo Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM).

Os participantes puderam enriquecer suas reflexões com a contribuição oferecida pelo próprio Papa Francisco, que enviou uma videomensagem analisando os desafios da pandemia no contexto latino-americano.Ouça e compartilhe

Problemas agravados

O Pontífice reiterou alguns conceitos, como por exemplo, de que a emergência não só evidenciou os problemas e as injustiças socioeconômicas já existentes, mas os agravou. 

E isso aparece evidente quando se constata que nem todos dispõem dos recursos necessários para adotar as medidas elementares de proteção contra a Covid-19: um teto para respeitar o distanciamento social, água e produtos sanitários para se higienizar e desinfetar os ambientes, um trabalho seguro. “A pandemia tornou ainda mais visíveis as nossas vulnerabilidades preexistentes”, constatou o Pontífice.

Entre essas vulnerabilidades, o Pontífice citou a degradação do meio ambiente e os incêndios que destruíram vastas regiões, como o Pantanal e a Amazônia.

Responsabilidade, transparência e honestidade

Diante dos efeitos devastadores da pandemia, Francisco pediu propostas criativas para aliviar o peso da crise, sobretudo sobre os mais vulneráveis. Não se trata de esmola, afirma o Papa, mas de uma nova hermenêutica para abordar o problema, partindo das periferias humanas para encontrar caminhos viáveis.

No Reino de Deus, a organização social se baseia em contribuir, compartilhar e distribuir, e não em possuir, excluir e acumular. A saída parte de uma depuração do pensamento, afirmou o Papa, acrescentando que todos somos chamados a trabalhar, individual e coletivamente, com responsabilidade, transparência e honestidade.

“A pandemia nos mostrou o melhor e o pior dos nossos povos e o melhor e o pior de cada pessoa”, disse ainda Francisco. Agora, mais do que nunca, é necessário retomar a consciência da nossa pertença comum. O vírus nos lembra que o melhor modo de cuidar de nós é cuidar de quem está ao nosso lado.

Não deixemos roubar a esperança

Além da pandemia, a América Latina combate outros males sociais, como a falta de trabalho, terra e trabalho – “os três famosos T (techotierratrabajo)” –, aos quais se acrescentam a corrupção.

“Diante deste tenebroso panorama, os povos latino-americanos nos ensinam que são povos com alma que souberam enfrentar com coragem as crises e souberam gerar vozes que, clamando no deserto, abriram caminhos para o Senhor (cfr. Mc 1, 3). Por favor, não deixemos roubar a esperança! O caminho da solidariedade como justiça é a melhor expressão de amor e de proximidade. Destas crises podemos sair melhores, como testemunharam tantos nossos irmãos e irmãs no dom cotidiano de sua vida e nas iniciativas que o Povo de Deus gerou.”

 A este ponto do discurso, o Pontífice se dirigiu diretamente à classe governamental, à qual “me permito convidar, mais uma vez, a reabilitar a política”. Isso significa não utilizar mecanismos que façam desta grave crise um instrumento de caráter eleitoral e social. “A profundidade da crise requer proporcionalmente uma grandeza da classe política-dirigente, capaz de elevar o olhar e guiar e orientar as legítimas diferenças na busca de soluções aplicáveis para os nossos povos.”

A corrupção é uma lepra

Como profundo conhecer da realidade local, Francisco constatou com pesar uma “grandíssima capacidade” dos latino-americanos em descreditar o outro, cujo resultado vai em detrimento da comunidade. Chegou a hora que o bem comum seja colocado a serviço do povo e não dos próprios interesses, alertou o Papa, falando também dos riscos da corrupção inclusive dentro da Igreja, “uma verdadeira lepra que adoece e mata o Evangelho”.

Perante estes desafios, a oração do Papa se voltou para Nossa Senhora de Guadalupe, para que a “nossa terra latino-americana não se ‘desmadre’, ou seja, não perca a memória de sua mãe. “A unidade é superior ao conflito”, concluiu Francisco, fazendo votos de que o manto da Virgem “nos proteja como um único povo”.

25 de novembro de 2020 at 5:57 Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Arquivos

ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se aos outros seguidores de 373

Categorias