Posts filed under ‘Reflexão da Palavra’

Santíssimo Nome de Jesus

“Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o Nome que está acima de todos os nomes, para que ao Nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos” (Fil 2, 9-11).

A Igreja celebra a Festa do Santíssimo Nome de Jesus, no dia 3 de janeiro. Mas às vezes esta festa passa despercebida.

São José teve a honra de ser encarregado por Deus para dar o Nome ao divino Menino. O arcanjo Gabriel disse à Virgem Maria: “Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o Nome de Jesus” (Lc 1, 30-31). E depois o mesmo Arcanjo o confirma em sonho a José: “Ela dará à luz um filho, a quem porás o Nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo de seus pecados” (Mt 1, 20-21; Lc 2, 21).

Assim, o Santíssimo Nome de Jesus foi dado pelo céu; e tem poder. Santa Joana D´Arc morreu na fogueira repetindo o nome de Jesus. O nome Jesus representa a Pessoa divina do Verbo encarnado.

São Gabriel deixou claro a José a razão deste nome: “porque ele salvará o seu povo de seus pecados”. A palavra Jesus em Hebraico quer dizer “Deus Salva” ou Salvador. Então, pronunciar o nome de Jesus com fé, é toma-lo como Divino Salvador.

É no Nome de Jesus que os pecados são perdoados. “O Filho do Homem tem poder de perdoar pecados na terra” (Mc 2, 10). Ele pode dizer ao pecador: “Teus pecados estão perdoados” (Mc 2,5). E ele transmite esse poder aos homens – os Apóstolos – (Jo 20, 21-23) para que o exerçam em seu Nome.

A Ressurreição de Jesus glorifica o nome do Deus Salvador, pois a partir de agora é o Nome de Jesus que manifesta em plenitude o poder supremo do “Nome acima de todo nome”. Os espíritos maus temem Seu Nome, e é em Nome d’Ele que os discípulos de Jesus operam milagres. É no Nome de Jesus que os enfermos são curados, é em seu Nome que os mortos ressuscitam, os coxos andam, os surdos ouvem, os leprosos ficam curados… Esse Nome bendito tem poder!

“Estes milagres acompanharão os que crerem: expulsarão os demônios em meu Nome, falarão novas línguas, manusearão serpentes e, se beberem algum veneno mortal, não lhes fará mal; imporão as mãos aos enfermos e eles ficarão curados” (Mc 16,17-18). Portanto, o Nome Santo de Jesus tem poder e deve ser invocado com respeito, veneração e fé.

“O Nome de Jesus é o único Nome divino que traz a salvação e a partir de agora pode ser invocado por todos, pois se uniu a todos os homens pela Encarnação, de sorte que “não existe debaixo do céu outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos” (At 4,12). (Cat. n.432)

Os fariseus e doutores da lei quiseram impedir os Apóstolos de pregar em Nome de Jesus (At 4, 17-18). Mas eles se negam a deixar de pronunciar este santo Nome. O Nome de Jesus está no cerne da oração cristã. Todas as orações litúrgicas são concluídas pela fórmula “por Nosso Senhor Jesus Cristo…”. A “Ave-Maria” culmina no “bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus”. O nome de Jesus está no centro da oração mariana; o Rosário é centrado no Nome de Jesus, por isso tem poder.

Aquele ceguinho de Jericó clamou com fé o Nome de Jesus e ficou curado: “Jesus, Filho de Davi, tem piedade de mim!”

Fonte: Prof. Felipe Aquino

3 de janeiro de 2020 at 5:38 Deixe um comentário

Solenidade da Epifania do Senhor – São Mateus 2, 1-12 – Dia 5 de Janeiro de 2020

“1.Tendo, pois, Jesus nascido em Belém de Judá, no tempo do rei Herodes, eis que magos vieram do Oriente a Jerusalém.* 2.Perguntaram eles: “Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer? Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo”.* 3.A essa notícia, o rei Herodes ficou perturbado e toda Jerusalém com ele. 4.Convocou os príncipes dos sacerdotes e os escribas do povo e indagou deles onde havia de nascer o Cristo.* 5.Disseram-lhe: “Em Belém, na Judeia, porque assim foi escrito pelo profeta: 6.E tu, Belém, terra de Judá, não és de modo algum a menor entre as cidades de Judá, porque de ti sairá o chefe que governará Israel, meu povo” (Mq 5,1). 7.Herodes, então, chamou secretamente os magos e perguntou-lhes sobre a época exata em que o astro lhes tinha aparecido. 8.E, enviando-os a Belém, disse: “Ide e informai-vos bem a respeito do menino. Quando o tiverdes encontrado, comunicai-me, para que eu também vá adorá-lo”. 9.Tendo eles ouvido as palavras do rei, partiram. E eis que a estrela, que tinham visto no Oriente, os foi precedendo até chegar sobre o lugar onde estava o menino e ali parou. 10.A aparição daquela estrela os encheu de profunda alegria. 11.Entrando na casa, acharam o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se diante dele, o adoraram. Depois, abrindo seus tesouros, ofereceram-lhe como presentes: ouro, incenso e mirra. 12.Avisados em sonhos de não tornarem a Herodes, voltaram para sua terra por outro caminho.”
Fonte  – Bíblia Católica Online

“A exemplo dos magos, viemos acolher e adorar o Salvador da humanidade. A solenidade da Epifania nos faz conhecer a glória de Cristo, a qual se manifesta como luz na vida de homens e mulheres que se abrem aos planos divinos e se põem em busca de unidade, justiça e paz. Celebremos o mistério de Deus, que se revela na Pessoa de Jesus”. (Liturgia Diária)

O Papa Francisco disse: “Epifania: esta palavra indica a manifestação do Senhor, que se revela, como diz São Paulo, na segunda Leitura, aos gentios, hoje representados pelos Magos. Desvenda-se, assim, a verdade sublime que Deus veio para todos: todas as nações, línguas e povos são acolhidos e amados por Ele. Símbolo disso é a luz, que tudo alcança e ilumina”, disse o Pontífice em sua homilia”. (06 janeiro 2019)

“Tendo Jesus nascido em Belém da Judeia, uns magos se puseram a caminho para visitá-lo e prestar-lhe homenagem, oferecendo-lhe os mais preciosos presentes, os quais simbolizam a missão e o destino de Jesus: ouro (representa a realeza de Jesus), incenso (revela a divindade de Jesus) e mirra (simboliza a humanidade de Jesus, homem sofredor). A estrela conduziu os magos até o menino e eles transbordaram de alegria. Por outro lado, o rei Herodes e seus auxiliares mais próximos se perturbaram com a chegada de um concorrente.  Jesus, desde seu nascimento, provoca diferentes reações entre quem o aceita e quem o rejeita”. (Dia a Dia – Ed. Paulus)

O Papa Emérito Bento XVI ensinou que “Eles (os Magos do Oriente) eram também e sobretudo homens que tinham coragem; tinham a coragem e a humildade da fé. Era preciso coragem a fim de acolher o sinal da estrela como uma ordem para partir, para sair rumo ao desconhecido, ao incerto, por caminhos onde havia inúmeros perigos à espreita. Podemos imaginar que a decisão destes homens tenha provocado sarcasmo: o sarcasmo dos ditos realistas que podiam apenas zombar das fantasias destes homens. Quem partia baseado em promessas tão incertas, arriscando tudo, só podia aparecer como ridículo. Mas, para estes homens tocados interiormente por Deus, era mais importante o caminho segundo as indicações divinas do que a opinião alheia”.  (6 de Janeiro de 2013)

“Hoje, solenidade da “Epifania”, que significa “Manifestação”, volta com vigor o tema da luz. Hoje, o Messias, que em Belém se manifestou a humildes pastores da região, continua a revelar-se luz dos povos de todos os tempos e de todos os lugares. Para os magos, vindos do Oriente para o adorar, a luz do “rei dos Judeus que acaba de nascer” (Mt 2, 2) assume a forma de um astro celeste, muito brilhante, a ponto de atrair o seu olhar e os guiar até Jerusalém. Põe-nos, assim, nas pegadas da antigas profecias messiânicas: “uma estrela sai de Jacob e um ceptro flamejante surge do seio de Israel…” (Nm 24, 17). (São João Paulo II)

“Jesus, apenas nascido, quis começar a comunicar-nos as graças da Redenção. Por meio de uma estrela chama os Magos, e na pessoa destes a todos nós, a fim de O venerarem. Os santos Reis põem-se logo a caminho, entram na gruta, adoram o santo Menino e oferecem-Lhe as suas ofertas místicas. Adoremo-Lo nós também, em união com os santos Reis, e ofereçamos-Lhe pelas mãos de Maria os nossos corações arrependidos e amantes”. (Santo Afonso de Ligório)

Conclusão:

“A Epifania significa a manifestação de Deus a todos os povos. O Messias veio para todas as pessoas e todas as nações, mas nem todas o aceitam e o recebem. A exemplo dos magos e guiados pela estrela, coloquemo-nos a caminho e vamos ao encontro daquele que é nosso motivo de alegria. Alegremo-nos com os magos, pois Deus veio a nós e estabeleceu sua morada entre nós”. (Dia a Dia – Ed. Paulus)

Oração: (Padre Helder Salvador)

“No começo de mais um ano é nosso dever e faz bem à nossa alma oferecer o nosso coração e a nossa vida como dom precioso para que Deus a abençoe nos perdoe e nos motive a viver com alegria. A luz do Senhor então, nos cobrirá e nos dirigirá com segurança pelos caminhos que ainda não atravessamos. Assim, nós não teremos medo de enfrentar o desconhecido nem tampouco de desbravar as barreiras que, com certeza, nós precisaremos enfrentar. A bênção do Senhor fará com que a nossa terra dê frutos bons que nos alimentarão durante todo este ano. (Sl 66) Deus abençoe!”

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

2 de janeiro de 2020 at 5:41 Deixe um comentário

Reflexão para a Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus

icon-1607582_1920aem.jpg

Iniciamos o Ano Civil com a solenidade da maternidade divina, quando Maria dá à Humanidade aquele que é a bênção do Pai, a própria paz, Jesus Cristo!

Padre César Augusto dos Santos – Cidade do Vaticano

Hoje, oitava de Natal, é celebrado o nome de Jesus dado ao pequeno recém-nascido, mas sobretudo é a solenidade de Maria, sua Mãe, como Mãe de Deus.

O nome Jesus significa Deus Salva e ele é o Príncipe da Paz. Por isso hoje é também comemorado o Dia Mundial da Paz!

Iniciamos o Ano Civil com a solenidade da maternidade divina, quando Maria dá à Humanidade aquele que é a bênção do Pai, a própria paz, Jesus Cristo!

A imposição do nome Jesus ao Menino, enfoca nessa criança todo o significado, todo o conhecimento das palavras vida e bênção. JESUS significa DEUS SALVA. Portanto esse Menino é a própria salvação, a própria bênção, a perfeita bênção, a paz. Como ele dirá mais tarde sobre si mesmo: EU SOU O CAMINHO, A VERDADE, A VIDA.

A Humanidade que tanto desejava a bênção, a paz, a Vida, agora recebe todos esses dons nesse Menino, em Jesus.

Bênção é um voto de desejo de que a força de Deus venha sobre as pessoas que a recebem, para que saibam enfrentar os desafios que terão no ano que se inicia. E como é pronunciada sobre a pessoa, em nome de Deus, é certo que isso acontecerá pela força da vontade do próprio Deus. A fé em Deus, de saber-se amado por Ele, é importantíssima nesse momento.

Portanto, Jesus é a própria força de Deus, é a resposta ao nosso desejo de sermos amados pelo Pai, que – de fato – nos amou por primeiro.

Por outro lado, como a bênção não é magia, mas desejo do coração de Deus e do Homem, ela supõe compromisso da parte deste. É necessário que o Homem desejoso da bênção da paz, mude seu coração, deixe de lado a inveja, a cobiça, a maledicência. A paz só virá para um coração desprendido e ele será, onde estiver, artífice da paz.

Deus é nosso Pai e isso nos compromete a vivermos como filhos. O Evangelho nos diz que a salvação e a paz são frutos da humildade, da simplicidade de vida.

É importante que se diga que apesar de a bênção ter sido dita sobre nós em nome de Deus, no dia a dia nem tudo ocorrerá como desejamos. Quem espera que a bênção de Deus seja um ato mágico, supersticioso que nos livra de contrariedades, transforma Deus em um xamã, esquecendo-se de que Ele é Pai.

O autêntico cristão, aquele que crê que tudo colabora para o bem dos que são amados por Deus, sabe que o Pai é o Senhor da História, que nada acontece sem seu conhecimento e que tudo está sob seu poder. Seria muito estranho, muito humano se Deus protegesse apenas aqueles que buscam seu socorro.

Deus é Pai de todos, faz chover sobre os bons e os maus. A diferença está em que os humildes, aqueles que se reconhecem criaturas, sabem que tudo está nas mãos de Deus e n’Ele confiam. O modo de enfrentar uma situação difícil distingue quem tem fé e esperança e quem em nada crê.

Mais um tempo dado pelo Senhor para nos aprofundarmos na vivência de Seu amor e no serviço aos irmãos. Feliz Ano Novo!

1 de janeiro de 2020 at 15:21 Deixe um comentário

Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós!

Recebe-me no teu amor, Virgem e Mãe

Pede à Mãe virginal que te alcance a perfeita renovação da tua vida. Que ela, rosa venerável, seja, nesta graça, tua Mãe e tua Madrinha, na mesma medida em que tu fores, nos teus costumes, verdadeiramente sua filha. Que ela, a pérola do pudor, cubra a tua alma com o manto da sua pureza e a conserve, sob a sua dulcíssima proteção, sem mancha para seu Filho, o Senhor Rei. Que ela faça com que o teu nome seja inscrito em Israel, geração eleita, a fim de que a tua herança esteja com aqueles que caminham na inocência do coração e apresentam o Senhor como meta de todos os seus caminhos (cf Sl 15,8). Ave, Maria, Rainha de Clemência, oliveira de misericórdia, por quem nos veio o remédio da vida; Rainha de Clemência, Virgem e Mãe do rebento divino, por quem nos veio o Filho da Luz eterna, o rebento perfumado de Israel. Já que, pelo teu Filho, te tornaste verdadeiramente Mãe de todos os homens, dos quais Ele, o teu único, não desdenhou tornar-Se irmão, recebe-me por seu amor, a despeito da minha indignidade, no teu amor de Mãe; ajuda a minha fé, conserva-a e fortifica-a. Sê para mim a Madrinha da renovação da minha fé, a fim de seres, por toda a eternidade, minha única e amorosa Mãe sempre afetuosa; concede-me os teus cuidados nesta vida e recebe-me na tua plenitude de maternidade à hora da minha morte. Amém.Santa Gertrudes de Helfta

Escritos de Santa Gertrudes de Helfta

1 de janeiro de 2020 at 5:45 Deixe um comentário

Reflexão para o fim de ano

Ano Novo

Ano Novo

Fim de Ano é momento de ação de graças a Deus por todas as nossas realizações!

Padre Cesar Augusto dos Santos – Cidade do Vaticano

Fim de ano! Na mente de muitas pessoas, a virada do ano significa jogar fora, se despedir de tudo aquilo que não foi bom, que causou frustração e sofrimento. Olha-se para o Ano Novo com muita esperança, com fascínio e por vezes até mesmo com um arzinho de presunção, como que dizendo: não importam a coisas que não deram certo, agora começaremos com o pé direito. Muitos até, cheios de crendices e superstições, procurarão realizar certos ritos de passagem de ano, ritos às vezes ridículos e sem sentido, como se o futuro, a felicidade dependesse desses gestos.

O homem atento e prudente jamais despreza o que não deu certo, mas após perguntar o porquê do erro, integra o resultado do que fez de modo errado e aí tira proveito disso. Aprende com o erro. Segundo São Paulo “Tudo colabora para o bem dos que são amados por Deus”! Portanto o final de ano deve ser marcado especialmente pela ação de graças a Deus por TUDO que nos possa ter acontecido. Para o filhos queridos de Deus só existe bom tempo, não no sentido de que tudo correu às mil maravilhas, mas no sentido de que tudo está integrado.

O cristão é, por natureza, otimista. Para ele serve aquele canto da MPB que diz: “Reconhece a queda e não desanima, levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima”!

Por outro lado, o cristão não precisa de nenhum gesto particular para lhe dar sorte durante o ano que se inicia. Ele crê em Deus, crê em seu Amor, crê que Deus o criou por Amor e por amor a ele morreu numa cruz e ressuscitou. Crê que Deus é Todo-Poderoso, e por isso nenhum mal lhe poderá acontecer. Aos que se comportam de modo pagão, que creem em forças da natureza, que desconhecem serem filhos de Deus e terem em Maria a Mãe que vela – Nossa Senhora, como disse ao índio azteca sob o título de Guadalupe: Não sou eu sua mãe, não estou eu aqui com você?” Para que temer? “Se Deus é por nós, quem poderá ser contra nós”, dirá, por sua vez, São Paulo Apóstolo.

O cristão começa bem o ano rezando, celebrando a Eucaristia, programando repetir esses dois gestos durante todo o novo ano, programando ser caridoso, solidário e fraterno, sendo sinal do compromisso de Deus com o homens.

Que você, querida irmã, querido irmão, tenha uma boa passagem de ano, com saúde, na alegria e na paz, ao lado dos entes queridos e dos amigos mais próximos! Feliz Ano novo a todos!

31 de dezembro de 2019 at 9:22 Deixe um comentário

Reflexão para a Festa da Sagrada Família

Tela de Lorenzo Lotto exposta no Museu do Louvre: Sagrada Família, Anjos e Santos

Tela de Lorenzo Lotto exposta no Museu do Louvre: Sagrada Família, Anjos e Santos

A Família de Nazaré nos ensina a cristianizar a família pós moderna, recolocando Deus ao centro para reencontrar a verdadeira felicidade.

Padre César Augusto dos Santos SJ – Cidade do Vaticano

O perdão dos pecados acontece por causa de uma atitude de amor para com os pais, pois o lar, Igreja doméstica, voltou a ser o local do encontro com Deus.

A misericórdia em todos os relacionamentos, mas especialmente para com os pais, está em referência ao próprio Deus que é o Pai por excelência. Portanto, honrar os pais, respeitá-los, é prestar culto a Deus.

Tanto a primeira leitura quanto a segunda, da liturgia de hoje, não escondem as falhas no relacionamento familiar e humano, mas nos dizem que o importante aos olhos de Deus não está em ser sem defeitos, em ter uma família perfeita, mas sim na capacidade de amar sem medidas, apesar dos limites e das falhas pessoais. Claro que Deus deseja que sejamos perfeitos, mas mais importante para Ele é que nos amemos e nos perdoemos como Ele nos amou e nos perdoou, sem limites, sem restrições.

Dentro desse pensamento sobre o relacionamento familiar, será importante refletir sobre a realidade da família deste início de século, onde e como vive. Certamente a maioria mora em grandes centros urbanos e é constituída pelo casal e por um ou dois filhos. Um terceiro já faz considerá-la família numerosa.

Também a mãe trabalha fora e pais e filhos se encontram à noite, cansados, muitas vezes diante da televisão, ou durante o jantar. Se isso acontece já poderão se classificar felizes, pois em outros lares, muitas vezes quando pais saem para o trabalho, os filhos ainda dormem e quando voltam eles já estão deitados. O encontro, nesse caso, só se dá no final de semana.

Rezar juntos, passar para os filhos a vivência de uma oração em família, mesmo que seja apenas à mesa, só excepcionalmente, pois em muitos casos, para que possam descansar, não cozinham em casa e vão comer fora, em um restaurante ou na casa de parentes ou de amigos.

É difícil passar valores, enfim, formar os filhos. A sociedade pós moderna penetra em suas entranhas e é muito custoso prepará-los para o futuro, para que sejam filhos e irmãos como Deus quer. Só com a graça divina e com a disposição dos pais para uma autêntica renúncia e sacrifício.

28 de dezembro de 2019 at 13:51 Deixe um comentário

Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus – São Lucas 2, 16-21 – Dia 01 de janeiro de 2020

“16.Foram com grande pressa e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura. 17.Vendo-o, contaram o que se lhes havia dito a respeito deste menino. 18.Todos os que os ouviam admi­ravam-se das coisas que lhes contavam os pastores. 19.Maria conservava todas essas palavras, meditando-as no seu coração. 20.Voltaram os pastores, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, e que estava de acordo com o que lhes fora dito. 21.Completados que foram os oito dias para ser circuncidado o menino, foi-lhe posto o nome de Jesus, como lhe tinha chamado o anjo, antes de ser concebido no seio materno.”
Fonte – Bíblia Católica Online

“Acolhidos com amor pela mãe de Deus nesta primeira celebração do novo ano civil, peçamos a ela que interceda por nós, para que as bênçãos do Senhor nos acompanhem durante todo este tempo. Com Maria glorifiquemos a Jesus e aprendamos a deter o ciclo da violência e da intolerância, a fim de construirmos uma sociedade justa, pacífica e solidaria”. (Liturgia Diária)

O Padre Paulo Ricardo disse que “no dia em que temos a alegria de começar um novo ano de trabalhos e oração, a Santa Madre Igreja nos convida a celebrar o mais importante título com que a cristandade, desde as suas origens, tem honrado a Virgem Maria e, por meio dela, Aquele que por ela quis vir ao mundo. Referimo-nos à solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus: dia de preceito, dia de mistério, dia de, com os olhos postos em nossa Mãe Dadivosa, renovarmos todo o conjunto de nossa santa fé católica”.

“A mãe de Jesus, Maria, ficou extasiada e sem palavras diante do anúncio dos pastores. Por isso, ela “guardava todas essas coisas, meditando-as em seu coração”. Os pastores voltam glorificando a Deus, e Maria cumpre a prescrição da Lei: no rito da circuncisão, dá ao filho o nome indicado por Deus: Jesus, que significa “Deus salva” (Dia a Dia – Ed. Paulus).

O Papa Francisco disse que “Deus não é um senhor distante que habita solitário nos céus, mas o Amor encarnado, nascido como nós duma mãe para ser irmão de cada um, para estar próximo: o Deus da proximidade. Está nos joelhos de sua mãe, que é também nossa mãe, e de lá derrama uma nova ternura sobre a humanidade”. (01 janeiro 2019)

Conclusão:

“Maria é mãe de Deus, já que é mãe de Jesus, o Filho de Deus, o próprio Deus. A Igreja reconheceu essa verdade desde o começo e, no concílio de Éfeso, em 431, deu a Maria o título de mãe de Deus, proclamando sua excelsa dignidade e declarando o vínculo indissolúvel que a une ao Filho de Deus feiro homem. O Atual calendário romano fixou a Solenidade de Maria Santíssima Mãe de Deus para 1º de janeiro. E o Papa Paulo VI o instituiu como Dia Mundial da Paz” (Dia a Dia – Ed. Paulus).

Oração: (Dom Walmor Oliveira de Azevedo)

Mãe de Deus e nossa, rosto materno da ternura de Deus Pai, tua simplicidade é para nós uma escola, e nela tua disponibilidade à grande lição que queremos aprender para assentar nosso mundo na solidariedade fraterna. Mãe amorosa no silêncio, resistente nas lutas pelo bem, ensina-nos sempre a semear a boa semente da vida e a experimentar duradoura alegria na confiança! Tua presença redobra nosso entusiasmo e, assim, sejamos favorecidos por tua clemência e intercessão, com a ternura que aquece nossos corações e nos cura de decepções e cansaços que nos abatem pelo caminho, presenteados, cada dia, com o dom da saúde e da paz, para nos  convencermos de fazer o bem e ajudar o mundo a abrir-se ao amor de Deus, enquanto caminhamos, juntos e confiantes, para o Reino definitivo. Amém.

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

27 de dezembro de 2019 at 5:45 Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 319 outros seguidores

Categorias