Archive for março, 2018

Páscoa da Ressurreição – Jesus Ressuscitou! – São João 20, 1-9 – Dia 1º de abril de 2018

Resultado de imagem para imagem da ressurreição de jesus - no vaticano

“1.No primeiro dia que se seguia ao sábado, Maria Madalena foi ao sepulcro, de manhã cedo, quando ainda estava escuro. Viu a pedra removida do sepulcro. 2.Correu e foi dizer a Simão Pedro e ao outro discípulo a quem Jesus amava: Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram! 3.Saiu então Pedro com aquele outro discípulo, e foram ao sepulcro. 4.Corriam juntos, mas aquele outro discípulo correu mais depressa do que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro. 5.Inclinou-se e viu ali os panos no chão, mas não entrou. 6.Chegou Simão Pedro que o seguia, entrou no sepulcro e viu os panos postos no chão. 7.Viu também o sudário que estivera sobre a cabeça de Jesus. Não estava, porém, com os panos, mas enrolado num lugar à parte. 8.Então entrou também o discípulo que havia chegado primeiro ao sepulcro. Viu e creu. 9.Em verdade, ainda não haviam entendido a Escritura, segundo a qual Jesus devia ressuscitar dentre os mortos.”
Fonte: Bíblia Ave Maria

“Maria Madalena madruga e vai visitar o túmulo de Jesus. Ao vê-lo aberto (pedra removida), assusta-se e vai contar o ocorrido à comunidade. Dois apóstolos vão constatar o fato: Pedro não consegue ver além do que viu; o discípulo amado tinha diante dos olhos as mesmas coisas, mas, pela iluminação da fé, vê além das aparências e acredita”. (Liturgia Diária)

O Padre Paulo Bazaglia explicou: “Jesus não se manteve preso às faixas que envolviam seu corpo crucificado. Ressuscitou. Venceu o poder da morte, saiu do sepulcro para a vida. As faixas ou lençóis estendidos representam a vida nova, pois fazem pensar num ambiente preparado para a consumação de um casamento: a aliança definitiva entre o esposo Ressuscitado e a nova humanidade”.

O Papa Francisco disse que “hoje a Igreja repete, canta, clama: «Jesus ressuscitou!». Mas como? Pedro, João, as mulheres foram ao Sepulcro e viram-no vazio, Ele já não estava lá. Voltaram com o coração apertado pela tristeza, a tristeza de uma derrota: o Mestre, o seu Mestre, que amavam muito tinha sido executado, morreu. E da morte não se volta. Esta é a derrota, este é o caminho da derrota, a via para o sepulcro. Mas o Anjo disse-lhes: «Não está aqui, ressuscitou». (16 de abril de 2017)

“Os Apóstolos foram os primeiros que acreditaram, não sem fortes resistências, que Cristo tinha ressuscitado simplesmente porque viveram a ressurreição como um acontecimento real de qual puderam convencer-se pessoalmente ao encontrar-se várias vezes com Cristo novamente vivo, ao longo de quarenta dias. As sucessivas gerações cristãs aceitaram aquele testemunho, confiando-se nos Apóstolos e em outros discípulos como testemunhas acreditáveis”. (São João Paulo II)

O Papa Francisco disse também: “Deixemo-nos invadir pelas emoções que ressoam do eco pascal: “Sim, estamos certos: Cristo ressuscitou verdadeiramente”. Esta verdade marcou de forma indelével as vidas dos Apóstolos que, depois da ressurreição, sentiram novamente a necessidade de seguir o seu Mestre e, recebido o Espírito Santo, saíram sem medo para anunciar a todos o que tinham visto com seus próprios olhos e experimentado pessoalmente”. (29 MAR 2016)

Conclusão: 

“Maria madalena esteve ao pé do Crucificado e assistiu à sua morte. Ainda envolvida em pensamentos de morte e sepultura (estava escuro), vai visitar o túmulo de Jesus. Não vê o cadáver. Constata apenas que a pedra foi removida. Corre para avisar Pedro, o chefe da comunidade, e “o discípulo amado”. Estes correm em direção ao túmulo. Pedro entra, vê os lençóis no chão e o sudário dobrado à parte…A visão do sepulcro vazio e das várias ataduras mostra que Jesus libertou-se das amarras da morte, ressuscitou, e doravante será nessa nova condição que irá aparecer a seus discípulos”. (Dia a Dia – 2017 – Ed. Paulus)

Oração:

“Faço votos, para que possam transcorrer com alegria e serenidade esta semana em que se prolonga a alegria da Ressurreição de Cristo. Para viver mais intensamente este período nos fará bem ler a cada dia um trecho do Evangelho nos quais se fala do evento da Ressurreição”. (Papa Francisco)

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

29 de março de 2018 at 5:32 Deixe um comentário

Papa Francisco visita Bento XVI para as felicitações de Páscoa

16-11-2016

Na tarde desta terça-feira, o Papa Francisco visitou Bento XVI no mosteiro Mater Ecclecia, no Vaticano, para os votos de Feliz Páscoa. A notícia foi confirmada pela Sala de Imprensa da Santa Sé. O último encontro entre os dois foi no dia 21 de dezembro de 2017, por ocasião do Natal.

28 de março de 2018 at 10:51 Deixe um comentário

Nota sobre a celebração da Virgem Maria, Mãe da Igreja

Representação da Coroação de Nossa Senhora

Representação da Coroação de Nossa Senhora

Memória obrigatória inserida no Calendário Romano por determinação do Papa Francisco. Todos devem celebrar já este ano, na segunda-feira após Pentecostes, a Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe da Igreja.

Cidade do Vaticano

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicou esta terça-feira (27/03) uma nota após a inscrição no Calendário Romano – por determinação do Papa Francisco (Decreto de 3 de março) – da memoria obrigatória da Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe da Igreja, “que todos devem celebrar já este ano na segunda-feira após Pentecostes”, oferecendo as seguintes indicações.

Memória obrigatória determinada pelo Papa

Nos casos da Missa da segunda e da terça-feira após Pentecostes ou nas Missas votivas do Espírito Santo

A rubrica que se lê no Missal Romano ao término da liturgia da Missa de Pentecostes: “Onde na segunda ou também na terça-feira depois de Pentecostes os fiéis devam ou costumem ir à Missa, pode-se retomar a do domingo de Pentecostes ou a Missa do Espírito Santo (Missal Romano edição portuguesa para o Brasil, pg. 320, ndr), é ainda válida porque não derroga a precedência entre os dias litúrgicos que, enquanto a sua celebração, são regulados unicamente pela Tabela dos dias litúrgicos (Conf. Normas gerais para a organização do Ano litúrgico e do Calendário).

Precedência ordenada pela normativa sobre as Missas votivas

Do mesmo modo, a precedência é ordenada pela normativa sobre as Missas votivas:

“Nos dias em que ocorra uma memória obrigatória ou um dia de semana do Advento até ao dia 16 de dezembro, do Tempo de Natal desde o dia 2 de janeiro, e do Tempo pascal depois da oitava da Páscoa, por si são proibidas as Missas para diversas necessidades e votivas. Se, porém, verdadeira necessidade ou utilidade pastoral o exigir, poderá ser usada na celebração com povo a Missa que corresponda a tal necessidade ou utilidade, a juízo do reitor da igreja ou do próprio sacerdote celebrante” (Instrução Geral sobre o Missal Romano, n. 376).

A nota é assinada pelo prefeito e pelo secretário do referido Dicastério vaticano, respectivamente, o cardeal Robert Sarah e o arcebispo Artur Roche.

 

28 de março de 2018 at 6:33 Deixe um comentário

Vigília Pascal – Dia 31 de março de 2018

Imagem relacionada

“Em comunhão com as comunidades cristãs e com todo o universo, celebramos a Páscoa de Jesus, sua passagem da morte para a vida. Exultantes no Senhor ressuscitado nesta noite gloriosa, recordamos as maravilhas de Deus na história, renovamos nossa esperança e fortalecemos nossa fé. Vivamos em profunda alegria os momentos desta vigília: celebração da luz, liturgia da Palavra, liturgia batismal e liturgia Eucarística”. (Liturgia Diária)

Parte 1: Celebração da Luz

• Fora da Igreja, preparar uma bonita fogueira. Enquanto não se inicia a celebração da luz, podem-se cantar refrões meditativos ou cantos populares. • Bênção do fogo e preparação do círio – Após a preparação e acendimento do círio, acendem-se as velas do povo e todos seguem em procissão até o interior da igreja, fazendo três paradas. O presidente, que vai à frente com o círio pascal, canta em cada parada: “Eis a luz de Cristo!”, e o povo responde junto: “Demos graças a Deus!”. • Ao chegar, todos com velas acesas nas mãos, canta-se a proclamação da Páscoa.
• Terminada a celebração da luz, todos apagam suas velas e se recolhem para escuta da Palavra. • Hino do Glória (acompanhado com repicar dos sinos). • O Círio Pascal ficará e será aceso em todas as celebrações até Pentecostes. Depois deve ser guardado e usado apenas nos momentos previstos.

(Fonte: Arquidiocese de Vitória)

Parte 2: Liturgia da Palavra

“A solene liturgia do sábado santo, a vigília das vigílias, deve nos transformar em alegres mensageiros da Boa-nova do Ressuscitado. A partir da ressurreição, Cristo acompanha as comunidades com o Espírito Santo prometido”. (Liturgia Diária)

Primeira Leitura: Gênesis 1,1.26-31 – mais breve

Leitura do livro do Gênesis – 1No princípio Deus criou o céu e a terra. 26Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem e segundo a nossa semelhança, para que domine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais de toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam sobre a terra”. 27E Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus ele o criou: homem e mulher os criou. 28E Deus os abençoou e lhes disse: “Sede fecundos e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a! Dominai sobre os peixes do mar, sobre os pássaros do céu e sobre todos os animais que se movem sobre a terra”. 29E Deus disse: “Eis que vos entrego todas as plantas que dão semente sobre a terra e todas as árvores que produzem fruto com sua semente, para vos servirem de alimento. 30E a todos os animais da terra, e a todas as aves do céu, e a tudo o que rasteja sobre a terra e que é animado de vida eu dou todos os vegetais para alimento”. E assim se fez. 31E Deus viu tudo quanto havia feito, e eis que tudo era muito bom. Houve uma tarde e uma manhã: sexto dia. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 103(104)

Enviai o vosso Espírito, Senhor, / e da terra toda a face renovai.

  1. Bendize, ó minha alma, ao Senhor! / Ó meu Deus e meu Senhor, como sois grande! / De majestade e esplendor vos revestis / e de luz vos envolveis como num manto. – R.
  2. A terra vós firmastes em suas bases, / ficará firme pelos séculos sem fim; / os mares a cobriam como um manto, / e as águas envolviam as montanhas. – R.
  3. Fazeis brotar em meio aos vales as nascentes / que passam serpeando entre as montanhas; / às suas margens vêm morar os passarinhos, / entre os ramos eles erguem o seu canto. – R.
  4. De vossa casa, as montanhas irrigais, / com vossos frutos saciais a terra inteira; / fazeis crescer os verdes pastos para o gado / e as plantas que são úteis para o homem. – R.
  5. Quão numerosas, ó Senhor, são vossas obras, / e que sabedoria em todas elas! / Encheu-se a terra com as vossas criaturas! / Bendize, ó minha alma, ao Senhor! – R.
Segunda Leitura: Gênesis 22,1-2.9-13.15-18 – mais breve

Leitura do livro do Gênesis – Naqueles dias, 1Deus pôs Abraão à prova. Chamando-o, disse: “Abraão!” E ele respondeu: “Aqui estou”. 2E Deus disse: “Toma teu filho único, Isaac, a quem tanto amas, dirige-te à terra de Moriá e oferece-o ali em holocausto sobre um monte que eu te indicar”. 9Chegados ao lugar indicado por Deus, Abraão ergueu um altar, colocou a lenha em cima, amarrou o filho e o pôs sobre a lenha em cima do altar. 10Depois, estendeu a mão, empunhando a faca para sacrificar o filho. 11E eis que o anjo do Senhor gritou do céu, dizendo: “Abraão! Abraão!” Ele respondeu: “Aqui estou!” 12E o anjo lhe disse: “Não estendas a mão contra teu filho e não lhe faças nenhum mal! Agora sei que temes a Deus, pois não me recusaste teu filho único”. 13Abraão, erguendo os olhos, viu um carneiro preso num espinheiro pelos chifres; foi buscá-lo e ofereceu-o em holocausto no lugar do seu filho. 15O anjo do Senhor chamou Abraão, pela segunda vez, do céu 16e lhe disse: “Juro por mim mesmo – oráculo do Senhor –, uma vez que agiste desse modo e não me recusaste teu filho único, 17eu te abençoarei e tornarei tão numerosa tua descendência como as estrelas do céu e como as areias da praia do mar. Teus descendentes conquistarão as cidades dos inimigos. 18Por tua descendência serão abençoadas todas as nações da terra, porque me obedeceste”. – Palavra do Senhor.

Evangelho: Marcos 16,1-7

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – 1Quando passou o sábado, Maria Madalena e Maria, a mãe de Tiago, e Salomé compraram perfumes para ungir o corpo de Jesus. 2E bem cedo, no primeiro dia da semana, ao nascer do sol, elas foram ao túmulo. 3E diziam entre si: “Quem rolará para nós a pedra da entrada do túmulo?” 4Era uma pedra muito grande. Mas, quando olharam, viram que a pedra já tinha sido retirada. 5Entraram, então, no túmulo e viram um jovem, sentado ao lado direito, vestido de branco. E ficaram muito assustadas. 6Mas o jovem lhes disse: “Não vos assusteis! Vós procurais Jesus de Nazaré, que foi crucificado? Ele ressuscitou. Não está aqui. 7Vede o lugar onde o puseram. Ide, dizei a seus discípulos e a Pedro que ele irá à vossa frente, na Galileia. Lá vós o vereis, como ele mesmo tinha dito”. – Palavra da salvação.

Relação das demais leituras e salmos (em ordem)
  • Salmo responsorial 15(16)
  • III leitura (Êxodo 14,15-15,1)
  • Salmo responsorial (Ex 15)
  • IV leitura (Isaías 54,5-14)
  • Salmo responsorial 29(30)
  • V leitura (Isaías 55,1-11)
  • Salmo responsorial (Is 12)
  • VI leitura (Baruc 3,9-15.32–4,4)
  • Salmo responsorial 18(19)
  • VII leitura (Ezequiel 36,16-28)
  • Salmo responsorial 41(42)
  • Carta (Romanos 6,3-11)
  • Salmo responsorial 117(118)
  • (Fonte: Liturgia Diária – Ed. Paulus)
  • Parte 3: Liturgia Batismal
  • Dir: Invoquemos sobre esta água a bênção de Deus Pai onipotente, para que em Cristo sejam reunidos aqueles que renasceram pelo batismo. Renovemos também as nossas promessas batismais para que morra em nós o pecado e Cristo seja tudo em todos.
  • Oração sobre a água
  • Dir: Senhor nosso Deus, que sempre velas por teu povo nesta noite santa em que celebramos a maravilha da nossa redenção, nós te pedimos: abençoa esta água que será aspergida sobre nós. Foste tu que a criaste para fecundar a terra, para lavar nossos corpos e refazer nossas forças. Também a fizeste instrumento da tua misericórdia: por ela libertaste teu povo do cativeiro e aplacaste no deserto a sua sede; por ela os profetas anunciaram tua aliança; por ela, finalmente, consagrada pelo Cristo no Jordão, renovaste, pelo banho do novo nascimento, a nossa natureza pecadora. Que esta água seja para nós uma recordação do nosso batismo e nos faça participar da alegria dos que foram batizados na Páscoa. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém.
  • Renovação das Promessas do Batismo 
  • Dir: Para viver na liberdade dos filhos de Deus, vocês renunciam ao pecado?
  • Todos: Renuncio!
  • Dir: Para viver como irmãos e irmãs, vocês renunciam a tudo que possa desuni-los, para que o pecado não domine sobre vocês?
  • Todos: Renuncio.
  • Dir: Para seguir Jesus Cristo, vocês renunciam ao demônio, autor e princípio do pecado?
  • Todos: Renuncio.
  • Dir: Vocês creem em Deus, Pai todo-poderoso, criador do céu e da terra?
  • Todos: Creio.
  • Dir: Creem em Jesus Cristo, Filho unigênito de Deus, Nosso Senhor, que nasceu da Virgem Maria, padeceu e foi sepultado, ressuscitou dos mortos e subiu ao céu?
  • Todos: Creio.
  • Dir: Creem no Espírito Santo, na Santa Igreja Católica, na comunhão dos Santos, na ressurreição dos mortos e na vida eterna?
  • Todos: Creio.
  • Dir: Ó Deus todo-poderoso, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos fez renascer pela água e pelo Espírito Santo e nos concedeu o perdão de todo pecado, guarde-nos em sua graça para a vida eterna, no Cristo Jesus, Nosso Senhor. Amém.

Aspersão da água

Ladainha de Todos os Santos 

(Fonte: Arquidiocese de Vitória)

Parte 4: Liturgia Eucarística

O sacerdote dirige-se para o altar e dá início à liturgia eucarística na forma habitual.

Jesus Ressuscitou! Que alegria! Feliz Páscoa a Todos!

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

28 de março de 2018 at 5:57 Deixe um comentário

Sexta-Feira Santa – Paixão do Senhor – Jejum e Abstinência – São João 18, 1- 40. 19, 1- 42 – Dia 30 de março de 2018

Imagem relacionada

São João 18, 1- 40

“1.Depois dessas palavras, Jesus saiu com os seus discípulos para além da torrente de Cedron, onde havia um jardim, no qual entrou com os seus discípulos. 2.Judas, o traidor, conhecia também aquele lugar, porque Jesus ia freqüentemente para lá com os seus discípulos. 3.Tomou então Judas a coorte e os guardas de serviço dos pontífices e dos fariseus, e chegaram ali com lanternas, tochas e armas. 4.Como Jesus soubesse tudo o que havia de lhe acontecer, adiantou-se e perguntou-lhes: A quem buscais? 5.Responderam: A Jesus de Nazaré. Sou eu, disse-lhes. (Também Judas, o traidor, estava com eles.) 6.Quando lhes disse Sou eu, recuaram e caíram por terra. 7.Perguntou-lhes ele, pela segunda vez: A quem buscais? Disseram: A Jesus de Nazaré. 8.Replicou Jesus: Já vos disse que sou eu. Se é, pois, a mim que buscais, deixai ir estes. 9.Assim se cumpriu a palavra que disse: Dos que me deste não perdi nenhum (Jo 17,12). 10.Simão Pedro, que tinha uma espada, puxou dela e feriu o servo do sumo sacerdote, decepando-lhe a orelha direita. (O servo chamava-se Malco.) 11.Mas Jesus disse a Pedro: Enfia a tua espada na bainha! Não hei de beber eu o cálice que o Pai me deu? 12.Então a coorte, o tribuno e os guardas dos judeus prenderam Jesus e o ataram. 13.Conduziram-no primeiro a Anás, por ser sogro de Caifás, que era o sumo sacerdote daquele ano. 14.Caifás fora quem dera aos judeus o conselho: Convém que um só homem morra em lugar do povo. 15.Simão Pedro seguia Jesus, e mais outro discípulo. Este discípulo era conhecido do sumo sacerdote e entrou com Jesus no pátio da casa do sumo sacerdote, 16.porém Pedro ficou de fora, à porta. Mas o outro discípulo (que era conhecido do sumo sacerdote) saiu e falou à porteira, e esta deixou Pedro entrar. 17.A porteira perguntou a Pedro: Não és acaso também tu dos discípulos desse homem? Não o sou, respondeu ele. 18.Os servos e os guardas acenderam um fogo, porque fazia frio, e se aqueciam. Com eles estava também Pedro, de pé, aquecendo-se. 19.O sumo sacerdote indagou de Jesus acerca dos seus discípulos e da sua doutrina. 20.Jesus respondeu-lhe: Falei publicamente ao mundo. Ensinei na sinagoga e no templo, onde se reúnem os judeus, e nada falei às ocultas. 21.Por que me perguntas? Pergunta àqueles que ouviram o que lhes disse. Estes sabem o que ensinei. 22.A estas palavras, um dos guardas presentes deu uma bofetada em Jesus, dizendo: É assim que respondes ao sumo sacerdote? 23.Replicou-lhe Jesus: Se falei mal, prova-o, mas se falei bem, por que me bates? 24.(Anás enviou-o preso ao sumo sacerdote Caifás.) 25.Simão Pedro estava lá se aquecendo. Perguntaram-lhe: Não és porventura, também tu, dos seus discípulos? Negou-o, dizendo: Não! 26.Disse-lhe um dos servos do sumo sacerdote, parente daquele a quem Pedro cortara a orelha: Não te vi eu com ele no horto? 27.Mas Pedro negou-o outra vez, e imediatamente o galo cantou. 28.Da casa de Caifás conduziram Jesus ao pretório. Era de manhã cedo. Mas os judeus não entraram no pretório, para não se contaminarem e poderem comer a Páscoa. 29.Saiu, por isso, Pilatos para ter com eles, e perguntou: Que acusação trazeis contra este homem? 30.Responderam-lhe: Se este não fosse malfeitor, não o teríamos entregue a ti. 31.Disse, então, Pilatos: Tomai-o e julgai-o vós mesmos segundo a vossa lei. Responderam-lhe os judeus: Não nos é permitido matar ninguém. 32.Assim se cumpria a palavra com a qual Jesus indicou de que gênero de morte havia de morrer (Mt 20,19). 33.Pilatos entrou no pretório, chamou Jesus e perguntou-lhe: És tu o rei dos judeus? 34.Jesus respondeu: Dizes isso por ti mesmo, ou foram outros que to disseram de mim? 35.Disse Pilatos: Acaso sou eu judeu? A tua nação e os sumos sacerdotes entregaram-te a mim. Que fizeste? 36.Respondeu Jesus: O meu Reino não é deste mundo. Se o meu Reino fosse deste mundo, os meus súditos certamente teriam pelejado para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu Reino não é deste mundo. 37.Perguntou-lhe então Pilatos: És, portanto, rei? Respondeu Jesus: Sim, eu sou rei. É para dar testemunho da verdade que nasci e vim ao mundo. Todo o que é da verdade ouve a minha voz. 38.Disse-lhe Pilatos: Que é a verdade?… Falando isso, saiu de novo, foi ter com os judeus e disse-lhes: Não acho nele crime algum. 39.Mas é costume entre vós que pela Páscoa vos solte um preso. Quereis, pois, que vos solte o rei dos judeus? 40.Então todos gritaram novamente e disseram: Não! A este não! Mas a Barrabás! (Barrabás era um salteador.)”

São João 19, 1- 42

1.Pilatos mandou então flagelar Jesus. 2.Os soldados teceram de espinhos uma coroa e puseram-lha sobre a cabeça e cobriram-no com um manto de púrpura. 3.Aproximavam-se dele e diziam: Salve, rei dos judeus! E davam-lhe bofetadas. 4.Pilatos saiu outra vez e disse-lhes: Eis que vo-lo trago fora, para que saibais que não acho nele nenhum motivo de acusação. 5.Apareceu então Jesus, trazendo a coroa de espinhos e o manto de púrpura. Pilatos disse: Eis o homem! 6.Quando os pontífices e os guardas o viram, gritaram: Crucifica-o! Crucifica-o! Falou-lhes Pilatos: Tomai-o vós e crucificai-o, pois eu não acho nele culpa alguma. 7.Responderam-lhe os judeus: Nós temos uma lei, e segundo essa lei ele deve morrer, porque se declarou Filho de Deus. 8.Estas palavras impressionaram Pilatos. 9.Entrou novamente no pretório e perguntou a Jesus: De onde és tu? Mas Jesus não lhe respondeu. 10.Pilatos então lhe disse: Tu não me respondes? Não sabes que tenho poder para te soltar e para te crucificar? 11.Respondeu Jesus: Não terias poder algum sobre mim, se de cima não te fora dado. Por isso, quem me entregou a ti tem pecado maior. 12.Desde então Pilatos procurava soltá-lo. Mas os judeus gritavam: Se o soltares, não és amigo do imperador, porque todo o que se faz rei se declara contra o imperador. 13.Ouvindo estas palavras, Pilatos trouxe Jesus para fora e sentou-se no tribunal, no lugar chamado Lajeado, em hebraico Gábata. 14.(Era a Preparação para a Páscoa, cerca da hora sexta.) Pilatos disse aos judeus: Eis o vosso rei! 15.Mas eles clamavam: Fora com ele! Fora com ele! Crucifica-o! Pilatos perguntou-lhes: Hei de crucificar o vosso rei? Os sumos sacerdotes responderam: Não temos outro rei senão César! 16.Entregou-o então a eles para que fosse crucificado. 17.Levaram então consigo Jesus. Ele próprio carregava a sua cruz para fora da cidade, em direção ao lugar chamado Calvário, em hebraico Gólgota. 18.Ali o crucificaram, e com ele outros dois, um de cada lado, e Jesus no meio. 19.Pilatos redigiu também uma inscrição e a fixou por cima da cruz. Nela estava escrito: Jesus de Nazaré, rei dos judeus. 20.Muitos dos judeus leram essa inscrição, porque Jesus foi crucificado perto da cidade e a inscrição era redigida em hebraico, em latim e em grego. 21.Os sumos sacerdotes dos judeus disseram a Pilatos: Não escrevas: Rei dos judeus, mas sim: Este homem disse ser o rei dos judeus. 22.Respondeu Pilatos: O que escrevi, escrevi. 23.Depois de os soldados crucificarem Jesus, tomaram as suas vestes e fizeram delas quatro partes, uma para cada soldado. A túnica, porém, toda tecida de alto a baixo, não tinha costura. 24.Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas deitemos sorte sobre ela, para ver de quem será. Assim se cumpria a Escritura: Repartiram entre si as minhas vestes e deitaram sorte sobre a minha túnica (Sl 21,19). Isso fizeram os soldados. 25.Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena. 26.Quando Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à sua mãe: Mulher, eis aí teu filho. 27.Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E dessa hora em diante o discípulo a levou para a sua casa. 28.Em seguida, sabendo Jesus que tudo estava consumado, para se cumprir plenamente a Escritura, disse: Tenho sede. 29.Havia ali um vaso cheio de vinagre. Os soldados encheram de vinagre uma esponja e, fixando-a numa vara de hissopo, chegaram-lhe à boca. 30.Havendo Jesus tomado do vinagre, disse: Tudo está consumado. Inclinou a cabeça e rendeu o espírito. 31.Os judeus temeram que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque já era a Preparação e esse sábado era particularmente solene. Rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas e fossem retirados. 32.Vieram os soldados e quebraram as pernas do primeiro e do outro, que com ele foram crucificados. 33.Chegando, porém, a Jesus, como o vissem já morto, não lhe quebraram as pernas, 34.mas um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água. 35.O que foi testemunha desse fato o atesta (e o seu testemunho é digno de fé, e ele sabe que diz a verdade), a fim de que vós creiais. 36.Assim se cumpriu a Escritura: Nenhum dos seus ossos será quebrado (Ex 12,46). 37.E diz em outra parte a Escritura: Olharão para aquele que transpassaram (Zc 12,10). 38.Depois disso, José de Arimatéia, que era discípulo de Jesus, mas ocultamente, por medo dos judeus, rogou a Pilatos a autorização para tirar o corpo de Jesus. Pilatos permitiu. Foi, pois, e tirou o corpo de Jesus. 39.Acompanhou-o Nicodemos (aquele que anteriormente fora de noite ter com Jesus), levando umas cem libras de uma mistura de mirra e aloés. 40.Tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no em panos com os aromas, como os judeus costumam sepultar. 41.No lugar em que ele foi crucificado havia um jardim, e no jardim um sepulcro novo, em que ninguém ainda fora depositado. 42.Foi ali que depositaram Jesus por causa da Preparação dos judeus e da proximidade do túmulo”.

Fonte: Bíblia Ave Maria

Paixão e Morte de Jesus na Cruz

“Solidário aos pequenos e pobres, Jesus assume a cruz por fidelidade à missão que o Pai lhe confiou. Nesta tarde unimo-nos a Ele, servo sofredor, e acompanhamos seus passos rumo ao julgamento e à condenação. Despojamento e silêncio marcam esta celebração, que consta de três partes: liturgia da Palavra; adoração de Cristo na Cruz; rito da Comunhão. Celebremos em comunhão com todos os sofredores da comunidade. Hoje é dia de jejum e abstinência”. (Liturgia Diária)

Dom Raymundo Cardeal Damasceno Assis disse assim: “Na Sexta-Feira Santa, a Igreja celebra o mistério da paixão e morte de Jesus na Cruz.  A hora da  cruz, na verdade, é a hora da glória de Cristo. Não é o sofrimento que salva e sim, o amor com o qual Jesus se oferece ao Pai por nós, amor que deu a sua paixão e morte  um valor infinito. Com sua morte e ressurreição Jesus derrotou o demônio, autor do pecado, venceu o pecado e a morte e nos obteve a salvação. A cruz de Cristo é o símbolo de todos os sofrimentos da humanidade e do fardo que cada um dos seus discípulos deve carregar diariamente”.

“O Evangelho apresenta o processo de julgamento, condenação e morte de Jesus. Jesus morre na mesma hora em que os cordeiros são imolados no templo; com isso o evangelista apresenta Jesus como o verdadeiro cordeiro pascal”. (Liturgia Diária)

“O longo relato da Paixão de Jesus, segundo João, é muito detalhado. O autor descreve com pormenores o processo de julgamento, condenação e morte de Jesus. A páscoa da cruz, como pode ser chamada a sexta-feira da paixão, expressa a tristeza e o luto, pois a comunidade-noiva perde temporariamente seu noivo. O justo é julgado e condenado pelas forças do mal. A cruz, instrumento de tortura, demonstra a crueldade humana inclinada ao pecado…Por outro lado, a celebração da sexta-feira santa mostra que a páscoa foi possível através da cruz. Assim, a cruz, instrumento de tortura, torna-se sinal de vitória sobre a morte”. (Dia a Dia – 2018 – Ed. Paulus)

O Pai entrega seu Filho amado para a nossa salvação

“Ó Pai, que quisestes salvar os homens com a morte do vosso Filho na Cruz, concedei-nos que, tendo conhecido na terra o seu mistério de amor, sejamos suas testemunhas, por palavras e obras, junto de todos aqueles que nos fazeis encontrar na vida diária. Por Cristo Senhor Nosso. Amém”. (Via-Sacra do Vaticano)

“Jesus, entregou sua alma nas mãos do Pai, para que nela e por ela nós alcancemos a luminosa esperança, sentindo e crendo firmemente que, depois de termos suportado a morte na carne, estaremos nas mãos de Deus, num estado de vida infinitamente melhor do que aquele que temos enquanto vivemos na carne”. (São Cirilo de Alexandria)

Conclusão:

“O relato da Paixão de Jesus é texto para ler, ouvir, meditar e contemplar. É o coroamento da obra salvadora de Jesus, que vem a este mundo revelar-nos o Pai e ensinar-nos como viver seu plano de amor. Como bom pastor, entrega livremente sua vida em favor de toda a humanidade. Os poderes deste mundo cumprem o seu papel: apressada e covardemente condenam à morte o inocente Jesus. Ele, porém, enfrenta a paixão e a morte com coragem e soberania. Ele bem o sabe: a cruz, que susterá seu corpo, recebe novo sentido; antes objeto de maldição, torna-se instrumento de redenção universal. Pelo sangue derramado,  conquista para nós a comunhão com Deus, rompida pelo pecado: “Para que também vocês estejam onde eu estiver” (Jo 14, 3). Consciente da missão cumprida, entrega o espírito, após exclamar: “Tudo está consumado”. (Dia a Dia – 2017 – Ed. Paulus)

Oração:

“Maria, Mãe do Senhor, Vós fostes, para o vosso divino Filho, o primeiro reflexo da misericórdia do seu Pai, aquela misericórdia que Lhe pedistes para manifestar em Caná. Agora que o vosso Filho nos revela o Rosto do Pai até às extremas consequências do amor, seguis, em silêncio, os seus passos, primeira discípula da cruz. Maria, Virgem fiel, cuidai de todos os órfãos da Terra, protegei todas as mulheres, objeto de exploração e violência. Suscitai mulheres corajosas em prol do bem da Igreja. Inspirai cada mãe a educar os seus filhos na ternura do amor de Deus, e, na hora da provação, a acompanhar o seu caminho com a força silenciosa da sua fé”. (Via-Sacra de 2016 do Vaticano)

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

 

27 de março de 2018 at 5:50 Deixe um comentário

Angelus: “Maria nos ajude a viver bem a Semana Santa”

INSTAGRAM.D4W-_DSC0162aem.jpg

Francisco lembrou ainda que a JMJ diocesana (25/03) é uma etapa importante no caminho rumo ao Sínodo dos Bispos sobre a Juventudee e no percurso de preparação para a JMJ do Panamá, em janeiro de 2019.

Cidade do Vaticano
Depois de celebrar a missa do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor, o Papa Francisco rezou a oração mariana do Angelus com os fiéis na Praça São Pedro. Cumprimentando os jovens de diferentes países participantes da celebração e recordando sua recente visita ao Peru, Francisco saudou particularmente a comunidade de peruanos residente na Itália.

O Pontífice lembrou ainda que a Jornada Mundial da Juventude (25/03) é uma etapa importante no caminho rumo ao Sínodo dos Bispos sobre a Juventude, programado para outubro próximo, e também no percurso de preparação para a JMJ do Panamá, de janeiro de 2019.

“Neste itinerário, nos acompanham o exemplo e a intercessão de Maria, a jovem de Nazaré que Deus escolheu como Mãe de seu Filho”.

“ Ela caminha conosco e orienta as novas gerações em sua peregrinação de fé e de fraternidade ”

Concluindo, Francisco invocou Maria para que “nos ajude a viver bem a Semana Santa”:

“Dela, aprendemos o silêncio interior, o olhar do coração, a fé amorosa para seguir Jesus no caminho da cruz que conduz à luz gloriosa da Ressurreição”.

Depois de saudar os concelebrantes e os colaboradores presentes, no final do encontro o Papa se concedeu o tradicional momento de contato com os fiéis na Praça, em meio a fiéis e peregrinos. Tirou ‘selfies’ com os jovens e a bordo do papamóvel saudou e abençoou a todos.

27 de março de 2018 at 5:35 Deixe um comentário

Quinta-feira Santa -A Ceia do Senhor- São João 13, 1-15 – Dia 29 de março de 2018

Resultado de imagem para imagem da quinta feira santa no vaticano

“1.Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo ao Pai, como amasse os seus que estavam no mundo, até o extremo os amou. 2.Durante a ceia, – quando o demônio já tinha lançado no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, o propósito de traí-lo -, 3.sabendo Jesus que o Pai tudo lhe dera nas mãos, e que saíra de Deus e para Deus voltava, 4.levantou-se da mesa, depôs as suas vestes e, pegando duma toalha, cingiu-se com ela. 5.Em seguida, deitou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos e a enxugá-los com a toalha com que estava cingido. 6.Chegou a Simão Pedro. Mas Pedro lhe disse: Senhor, queres lavar-me os pés!… 7.Respondeu-lhe Jesus: O que faço não compreendes agora, mas compreendê-lo-ás em breve. 8.Disse-lhe Pedro: Jamais me lavarás os pés!… Respondeu-lhe Jesus: Se eu não tos lavar, não terás parte comigo. 9.Exclamou então Simão Pedro: Senhor, não somente os pés, mas também as mãos e a cabeça. 10.Disse-lhe Jesus: Aquele que tomou banho não tem necessidade de lavar-se; está inteiramente puro. Ora, vós estais puros, mas nem todos!… 11.Pois sabia quem o havia de trair; por isso, disse: Nem todos estais puros. 12.Depois de lhes lavar os pés e tomar as suas vestes, sentou-se novamente à mesa e perguntou-lhes: Sabeis o que vos fiz? 13.Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. 14.Logo, se eu, vosso Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar-vos os pés uns aos outros. 15.Dei-vos o exemplo para que, como eu vos fiz, assim façais também vós.”
Fonte: Bíblia Ave Maria

 

“A celebração da Ceia do Senhor nos insere no tríduo da sua Paixão, Morte e ressurreição, ápice do ano litúrgico. Entremos em comunhão com Jesus – que nos amou até o fim e nos deixou os dons do sacerdócio e da Eucaristia- para podermos imitá-lo na tarefa de libertar o mundo de suas escravidões”. (Liturgia Diária)

Na Quinta-Feira Santa inicia-se o Tríduo Pascal

Dom Raymundo Cardeal Damasceno Assis disse que “O tríduo pascal é o coração da Semana Santa;  começa na Quinta-Feira Santa, prolonga-se até o Domingo da Ressurreição,  e tem como ponto culminante a Vigília Pascal, celebrada à noite, no Sábado Santo”.

O Lava-Pés

“Prestes a enfrentar a morte, Jesus tem total conhecimento e domínio da situação. Ama até o fim. Durante a Ceia, Ele faz algo inédito e surpreendente: lava os pés dos Apóstolos. Causa estranheza e reação no grupo. Segundo Pedro, não cabe ao Mestre e Senhor fazer esse serviço. Jesus, porém, realiza concretamente o que sempre havia ensinado: na sua comunidade, o maior é aquele que serve a todos (Mc 9, 35). Ao terminar o Lava-Pés, Jesus veste o manto, senta-se de novo e profere memorável sentença: “Se eu lavei os pés de vocês, eu que sou o Senhor e o Mestre, vocês também devem lavar os pés uns dos outros”. O gesto renovador atravessa os séculos e chega a nós solenizado na quinta-feira santa, reafirmando que a Igreja de Cristo é a Igreja do serviço, da partilha e da fraternidade”. (Dia a Dia – Ed. Paulus)

“João não relata a Instituição da Eucaristia por parte de Jesus, mas traz a cena do lava-pés, símbolo do serviço prestado com amor aos irmãos e irmãs. O gesto de lavar os pés nos recorda que, quando comungamos o Corpo de Cristo, entramos em comunhão também com todos os que participam da mesma mesa”. (Liturgia Diária)

“Na Última Ceia com seus discípulos, Jesus anuncia que sua hora chegou. Diante da iminência de sua eliminação, realiza o gesto do lava-pés. Ao invés da Instituição da Eucaristia, João narra um gesto de serviço. O relato do Evangelho apresenta um tríplice conteúdo. O sentido do tempo: Jesus reconhece que chegou sua hora. A relação de amor pelos discípulos: amou os seus até o fim, não excluindo nem o traidor. A relação de comunhão com o Pai: Jesus sabia que o Pai lhe colocara tudo nas mãos”. (Dia a Dia – Ed. Paulus)

A Instituição da Eucaristia

O Catecismo (§1323) ensina:  “O nosso Salvador instituiu na última ceia, na noite em que foi entregue, o sacrifício eucarístico do seu corpo e sangue, para perpetuar pelo decorrer dos séculos, até voltar, o sacrifício da cruz, confiando à Igreja, sua esposa amada, o memorial da sua morte e ressurreição: sacramento de piedade, sinal de unidade, vínculo de caridade, banquete pascal em que se recebe Cristo, a alma se enche de graça e nos é dado o penhor da glória futura”.

O Papa Emérito Bento XVI disse assim: “A Eucaristia é sacramento da unidade. Ela chega até ao mistério trinitário, e assim cria, ao mesmo tempo, a unidade visível. Digamo-lo uma vez mais: a Eucaristia é o encontro pessoalíssimo com o Senhor, e no entanto não é jamais apenas um ato de devoção individual; celebramo-la necessariamente juntos. Em cada comunidade, o Senhor está presente de modo total; mas Ele é um só em todas as comunidades”. (21 de Abril de 2011)

Jesus “eleva-Se para o local de onde nos dará o Seu último ensinamento. É aí que vai consumar o sacramento da Páscoa judia, observada fielmente até então. Ele próprio vai dar a Páscoa nova aos Seus quando, saindo para o Monte das Oliveiras, for posto à prova pelos Seus inimigos e pregado na cruz no dia seguinte. Tal como o Cordeiro Pascal, ei-Lo que aborda hoje o lugar da Sua Paixão e cumpre a profecia de Isaías: «Como cordeiro levado ao matadouro, como ovelha emudecida nas mãos do tosquiador (Sl53,7)”. (São Beda)

O Papa Francisco explicou: “O Pai o enviou ao mundo como o alimento de vida eterna, e por isso Ele vai sacrificar a si mesmo, a sua carne. Na verdade, Jesus, na cruz, deu o seu corpo e derramou o seu sangue. O Filho do homem crucificado é o verdadeiro Cordeiro pascal, que nos faz sair da escravidão do pecado e nos apoia no caminho para a terra prometida”.

Conclusão:

“Na Quinta- Feira Santa, Jesus celebra a ceia pascal com seus discípulos e antecipa, sacramentalmente, a sua morte na cruz: Jesus ao tomar o pão disse: “Isto é o meu corpo, que será entregue por vós”. Depois tomou o cálice dizendo: “Este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por muitos para a remissão dos pecados”. Jesus instituiu a Eucaristia e o sacerdócio ministerial com o poder e a ordem de repetir este seu gesto até o fim dos tempos: “Fazei isto em memória  de mim”. Cada  missa é memorial  da oferta voluntária e do amor do Filho de Deus ao Pai pela salvação do mundo. Cada missa torna presente, atual, nos sinais do pão e do vinho, esta entrega do Cristo que tem um valor infinito e nos oferece os frutos da redenção”. (Dom Raymundo Cardeal Damasceno Assis)

Oração:

“Enquanto nos encaminhamos, já a passos largos, para a paixão, morte e ressurreição do Senhor, façamos nossa a oração do profeta David: Senhor, dai também a nós a alegria de sermos salvos, sustentai em todos os Vossos fiéis um espírito generoso. Renovai a firmeza do nosso espírito, a fim de podermos ensinar as Vossas vias aos nossos irmãos (Sl. 50, 13-14), para fazer com que todos retornem a Vós, e juntos gozem dos frutos da Vossa Redenção. Amém!”  (São João Paulo II)

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

26 de março de 2018 at 5:37 Deixe um comentário

Tríduo Pascal

Resultado de imagem para imagem do tríduo pascal

Quinta-Feira Santa
Nesta semana os fatos que vamos reviver começam na quinta-feira às 9h30 na Catedral com a missa da benção dos óleos do crisma, do batismo e dos enfermos. Na presença de todos os presbíteros, os quais renovam nesta missa os compromissos presbiterais, pois foi na quinta- feira que Jesus instituiu a Eucaristia e o presbiterato. Esta celebração marca o início de todos os fatos de nossa salvação. À noite, em todas as igrejas, haverá celebração da Ceia do Senhor com o lava pés.Relembrando aquele gesto e aquelas palavras de Jesus: “Se eu  Mestre e Senhor lavei-vos os pés, vos deveis lavar os pés uns dos outros”.Naquela memorável noite Jesus deixa a sua presença nas espécies de pão e vinho dizendo: “Isto é meu corpo, isto é meu sangue, fazei isto em memória de mim”.

Sexta-Feira Santa

Na Sexta-feira Santa contemplamos a Paixão de Jesus, às 15h na leitura da Paixão e nas orações por toda humanidade. Celebração que não é a missa; aliás, esse é o único dia do ano que não celebramos a missa, mas distribuímos a Eucaristia, consagrada na missa de quinta- feira santa. Sexta-feira Santa é o dia da morte do Senhor, quando derrama do alto da cruz sangue e água, num grito de salvação: “Pai em tuas mãos entrego o meu espírito”. Contemplamos a cruz, beijamos a cruz, como sinal de  nosso resgate, como reconhecimento do imenso amor de Deus em Jesus por todos e cada um de nós. Ninguém como Ele para nos amar tanto e de tal forma.

Sábado da Vigília Pascal

Sábado da Vigília Pascal, abençoamos o fogo, e acendemos a coluna de cera, simbolizando a luz de Jesus que dissipa as trevas e ilumina a noite do pecado. Abençoamos a água, vida nova, nascimento para Deus, batismo, banho de regeneração, noite do aleluia, de um grito de vitória que culminará na madrugada de domingo.

Domingo da Ressurreição
Naquela penumbra do terceiro dia, algumas mulheres e três apóstolos são as primeiras testemunhas do túmulo vazio. A notícia não parou até hoje. Continuamos nós também a proclamar que o Senhor está vivo. O ressuscitado está no meio de nós, caminha conosco, como nos diz o apóstolo Paulo: “Se Cristo não tivesse ressuscitado vazia seria nossa fé”. Essa é a nossa Páscoa, vida nova em Cristo Deus que não se cansa de perdoar.

Dom Anuar Battisti 
Arcebispo de Maringá (PR)

26 de março de 2018 at 5:35 Deixe um comentário

Reflexão Domingo de Ramos

Cruz

Jesus não temeu a derrota, mas confiou plenamente no Pai.

Padre César Augusto – Cidade do Vaticano

A paixão segundo Marcos é a mais antiga das quatro e, certamente um dos textos evangélicos mais antigos. Ela tem como ideia central o silêncio de Jesus e sua absoluta confiança no Pai.

Quando Judas o beijou, Jesus não reagiu, como também não o fez em relação às demais agressões sofridas na Paixão e nem ao aparente silêncio do Pai.

Aqueles que desejam seguir Jesus deverão abandonar tudo, até a própria vida. Tudo em favor da vontade do Pai e de seu Reino. É necessário, como o Mestre estar só, vivenciar a solidão.

Do mesmo modo que os discípulos, também nós queremos seguir Jesus, por amor. Mas como esse seguimento está sendo feito? Através do seguimento de ideias cristãs, de sua ética ou através do seguimento da pessoa de Jesus?

O batismo nos proporcionou esse seguimento, mas no transcorrer de nossa vida, de nosso dia a dia, abandonamos nossa vida, nossas primeiras opções, e nos deixamos às mãos do Pai, como Jesus e como Santa Terezinha do Menino Jesus gostava de fazer? E se somos submetidos às provações, qual é ou qual será nossa reação?

O abandono de Jesus e o sentir-se abandonado pelo Pai foi ultra forte; ele clamou: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?” E isso na hora da morte em que lutava pela justiça, pelos interesses do Pai!

Qual a reação de Jesus?

Ele chorou, pediu conforto ao Pai e que o consolasse. Marcos apresenta um Jesus fraco e que experimentou quão é exigente e difícil obedecer ao Pai.

Por que Jesus não discutiu? Ele sabia que a sentença já estava decidida. Por isso seu silêncio não demonstra covardia e sim, superioridade, não se perturbando com a calúnia, não se colocando no mesmo nível de seus acusadores, mas confiando na vitória final da verdade.

Jesus não temeu a derrota, mas confiou plenamente no Pai.

A entrega de Jesus ao Pai já começou a dar frutos no próprio ato. Um pagão, o centurião romano fez sua profissão de fé imediatamente à morte de Jesus: “Verdadeiramente este homem era Filho de Deus”. Ele respondeu às perguntas que eram feitas no início do evangelho. Somente após a morte e ressurreição é que se pode compreender quem é Jesus. O que fez o centurião crer, um pagão crer, foi a entrega de Jesus, por amor, até a morte e morte na cruz. O amor rasgou o véu do templo e, desse momento em diante, todos os homens poderão ser feitos filhos de Deus.  Tudo dependerá da fé em Jesus, da crença nele, da qual o centurião, segundo Marcos, foi o primeiro.

Jesus compartilhou conosco as experiências dramáticas da vida!

Queridos ouvintes, entramos na Semana Santa, onde aprofundaremos nosso conhecimento no amor de Cristo por nós e, consequentemente seremos agraciados com mais amor. Que possamos chegar à Páscoa da Ressurreição mais assemelhados ao Cristo obediente!

25 de março de 2018 at 8:18 Deixe um comentário

“A pureza cristã”, tema da V Pregação da Quaresma do pe. Raniero Cantalamessa

Capela Redemptoris Mater, no VaticanoCapela Redemptoris Mater, no Vaticano  (Vatican Media)

“Qual é a situação no mundo de hoje em relação à pureza? A mesma, se não pior, do que era naquele tempo! Nós vivemos em uma sociedade que, em termos de costumes, mergulhou em pleno paganismo e em plena idolatria do sexo”, é uma das passagens da pregação do padre Raniero Cantalamessa ao Papa e à Cúria.

Cidade do Vaticano

O pregador oficial da Casa Pontifícia, frei Raniero Cantalamessa, fez na manhã desta sexta-feira (23/03) na Capela Redemptoris Mater, no Vaticano, sua quinta e última pregação da Quaresma.

Partindo do tema “Revesti-vos do Senhor Jesus Cristo”, o capuchinho refletiu sobre a “santidade cristã no discurso do apóstolo São Paulo”.

Cantalamessa dividiu sua pregação quaresmal, com base na “pureza cristã”, em quatro pontos: “pureza, beleza e amor ao próximo”, “pureza e renovação” e “puros de coração”.

Comentando o discurso de São Paulo aos Romanos, que diz: “Despojemo-nos das obras das trevas e vistamo-nos das armas da luz”, o pregador da Casa Pontifícia citou Santo Agostinho, que, nas suas nas Confissões, fala da importância desta passagem para a sua conversão pessoal. De fato, ele já havia quase alcançado a completa adesão à fé, mas tinha medo de não ser capaz de viver casto. Como sabemos, ele vivia com uma mulher sem ser casado.

Ao abrir ao acaso as páginas das Cartas de São Paulo, debateu-se precisamente com a frase que o pregador pontifício propõe para hoje “usar as armas da luz, como vontade de Deus. Assim, uma luz brilhou dentro dele e iluminou suas trevas.

Desta forma, Paulo estabelece uma ligação muito estreita entre pureza e santidade, entre pureza e Espírito Santo.

Mas, em outra Carta, Paulo fala do “fruto do Espírito que é amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, autodomínio”, mas também das “obras da carne” ou desordem sexual.

Logo, diante das duas atitudes opostas “virtude e vício”, “pureza e impureza” devemos “revestir-nos do Senhor Jesus Cristo”, pois somos templos do Espírito Santo”. O nosso corpo está destinado à ressurreição e à glorificação de Deus. Na nova luz, que emerge do mistério pascal, o ideal da pureza cristã ocupa um lugar privilegiado: é beleza, caridade, arma da luz, amor ao próximo, serviço aos irmãos.

Segundo as origens cristãs, a Igreja adotou como principais instrumentos o anúncio da Palavra e o testemunho de vida; o amor fraterno e a pureza dos costumes.

Ao concluir sua pregação quaresmal, Frei Cantalamessa fez uma comparação entre as origens cristãs e os nossos dias, em relação à pureza. Vivemos em uma sociedade que, em termos de costumes, está mergulhada no paganismo e na idolatria do sexo. Famílias inteiras são destruídas.

Diante desta situação, o que Deus quer de nós cristãos? Ele nos convida a fazer a “beleza” da vida cristã brilhar novamente diante dos olhos do mundo, a lutar pela pureza. O Espírito Santo nos chama hoje a testemunhar ao mundo a inocência original, a nostalgia da inocência e da simplicidade. Enfim, a “usar as armas da luz”. Jesus dizia: “Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus”. (Tradução de Thácio Siqueira)

25 de março de 2018 at 5:43 Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Arquivos

ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se aos outros seguidores de 373

Categorias