Archive for dezembro, 2017

Papa convida a rezar pelos idosos, em dezembro

2017-12-04 Rádio Vaticana

Cidade do Vaticano (RV) – Foi publicada, nesta segunda-feira (04/12), a mensagem de vídeo em que o Papa Francisco apresenta as intenções de oração, para o mês dezembro, ao Apostolado de Oração, Rede Mundial de Oração do Papa. Este mês, o Papa convida a rezar pelos idosos.

 

A idealização dos vídeos é da agência de comunicação “La Machi”, realizados em colaboração com o Centro Televisivo Vaticano (CTV).

“Um povo que não protege os avós e não os trata bem é um povo que não tem futuro! São os idosos que oferecem a sabedoria da vida”, afirma o Papa no vídeo.

“Eles foram encarregados de transmitir a experiência da vida, a história de uma família, de uma comunidade, de um povo.”

“Tenhamos presente os nossos idosos, para que, sustentados pelas famílias e instituições, colaborem com a sua sabedoria e experiência na educação das novas gerações”, conclui Francisco.

Segundo o Apostolado de Oração, os desafios para este mês de dezembro são: visitar familiares ou conhecidos idosos neste tempo de Natal e levar-lhes a alegria do nascimento de Jesus; promover na própria comunidade algum momento de partilha de histórias de vida da parte de alguns idosos, orientado para os mais jovens, estar atentos a situações de abandono ou fragilidade de pessoas idosas e ajudar a resolvê-las.

28 de dezembro de 2017 at 5:49 Deixe um comentário

Frases sobre a Sagrada Família

Imagem feita de sal de Jesus, Maria e José, em Cracóvia (Polônia).

1- Papa Francisco: “Sagrada Família de Nazaré, tornai também as nossas famílias lugares de comunhão e cenáculos de oração, escolas autênticas do Evangelho e pequenas Igrejas domésticas”.

2-Papa Emérito Bento XVI: “Na sua narração da infância de Jesus, são Lucas ressalta o modo como Maria e José eram fiéis à Lei do Senhor. Cumprem com profunda devoção tudo aquilo que é prescrito depois do parto de um primogênito varão”.

3-São João Crisóstomo: “Eis o Bebê envolto em panos, deitado numa manjedoura; e Maria, Virgem e Mãe; e também José, a quem chamamos seu pai”.

4-Liturgia das Horas: “Na arte humilde de José, jovem Jesus já se inicia e ao trabalho do operário de boa mente se associa. Junto do filho está a mãe, junto ao esposo a santa esposa. Lá se compensam os cansaços por amizade afetuosa”.

5-Papa Francisco: “A aliança de amor e fidelidade, vivida pela Sagrada Família de Nazaré, ilumina o princípio que dá forma a cada família e a torna capaz de enfrentar melhor as vicissitudes da vida e da história.

6-São João XXIII: “São José, guardião de Jesus, esposo castíssimo de Maria, que passaste a tua vida a cumprir o teu dever na perfeição, sustentando a Sagrada Família de Nazaré com o trabalho das tuas mãos, digna-te proteger aqueles que se voltam confiadamente para ti”.

7-Felipe Aquino: “A Família de Nazaré sempre foi e sempre será o modelo para todas as famílias cristãs. Acima de tudo, vemos uma família que vive por Deus e para Deus; o seu projeto é fazer a vontade de Deus”.

8-Papa Francisco: “Recitando o Ave-Maria, somos levados a contemplar os mistérios de Jesus, ou seja, a meditar sobre os momentos centrais da sua vida a fim de que, como para Maria e são José, Ele seja o cerne dos nossos pensamentos, das nossas atenções e das nossas obras”.

9-São João Crisóstomo: “Que posso eu dizer sobre este mistério? Vejo um operário, uma manjedoura, um Menino, uns paninhos, uma Virgem que dá à luz privada do necessário; vejo as marcas de indigência, o fardo da pobreza. Alguma vez vistes a riqueza em tal penúria?”

10-Papa Emérito Bento XVI: “Quarenta dias depois do seu nascimento, apresenta diante dos nossos olhos um momento particular da vida da Sagrada Família: segundo a lei moisaica, o menino Jesus é levado por Maria e José ao templo de Jerusalém para ser oferecido ao Senhor”.

11-Papa Francisco: “Sagrada Família de Nazaré, fazei que todos nos tornemos conscientes do caráter sagrado e inviolável da família, da sua beleza no projeto de Deus”.

12-Felipe Aquino: “A Sagrada Família é a escola das virtudes por meio da qual toda pessoa deve aprender e viver desde o lar”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

28 de dezembro de 2017 at 5:48 Deixe um comentário

Santa Maria, Mãe de Deus – Encontraram Maria, José e o recém-nascido deitado na manjedoura – São Lucas 2, 16-21 – Dia 1º de Janeiro de 2018

“16.Foram com grande pressa e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura. 17.Vendo-o, contaram o que se lhes havia dito a respeito deste menino. 18.Todos os que os ouviam admiravam-se das coisas que lhes contavam os pastores. 19.Maria conservava todas estas palavras, meditando-as no seu coração. 20.Voltaram os pastores, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, e que estava de acordo com o que lhes fora dito. 21.Completados que foram os oito dias para ser circuncidado o menino, foi-lhe posto o nome de Jesus, como lhe tinha chamado o anjo, antes de ser concebido no seio materno. 22.Concluídos os dias da sua purificação segundo a Lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para o apresentar ao Senhor,”

Fonte: Bíblia Ave Maria

O Evangelho

O Papa Emérito Bento XVI explicou: “Contemplamos hoje Maria, mãe sempre virgem do Filho unigênito do Pai; aprendemos dela a receber o Menino que nasceu para nós em Belém. Se no menino que ela deu à luz reconhecemos o Filho eterno de Deus e o acolhemos como o nosso único Salvador, podemos ser chamados e somo-lo realmente filhos de Deus: filhos no Filho. Escreve o Apóstolo: “Deus enviou o Seu Filho, nascido de mulher, nascido sujeito à Lei, para resgatar os que se encontravam sob o jugo da Lei e para que recebêssemos a adoção de filhos” (Gl 4, 4). (1° de Janeiro de 2008)

O Papa Francisco disse que “Maria deu-nos o calor materno, que nos envolve no meio das dificuldades; o calor materno que não deixa, nada e ninguém, apagar no seio da Igreja a revolução da ternura inaugurada pelo seu Filho. Onde há uma mãe, há ternura. E Maria, com a sua maternidade, mostra-nos que a humildade e a ternura não são virtudes dos fracos, mas dos fortes; ensina-nos que não há necessidade de maltratar os outros para sentir-se importante”. (01\01\17)

Santa Maria, Mãe de Deus

O Papa Francisco explicou: “Quanto a Maria, conservava todas estas coisas, ponderando-as no seu coração» (Lc 2, 19). Assim descreve Lucas a atitude com que Maria acolhe tudo aquilo que estava a viver naqueles dias. Longe de querer compreender ou dominar a situação, Maria é a mulher que sabe conservar, isto é, proteger, guardar no seu coração a passagem de Deus na vida do seu povo. Aprendeu a sentir a pulsação do coração do seu Filho, ainda Ele estava no seu ventre, ensinando-Lhe a descobrir, durante toda a vida, o palpitar de Deus na história”. (01\01\17)

“Na primeira comunidade cristã, enquanto cresce entre os discípulos a consciência de que Jesus é o Filho de Deus, resulta bem mais claro que Maria é a Theotokos, a Mãe de Deus. Trata-se de um título que não aparece explicitamente nos textos evangélicos, embora eles recordem “a Mãe de Jesus” e afirmem que Ele é Deus (Jo. 20,28;  05,18; 10,30.33). Em todo o caso, Maria é apresentada como Mãe do Emanuel, que significa Deus conosco (mt. 01,22-23)”. (São João Paulo II)

O Papa Emérito Bento XVI disse que “o próprio Deus, através de seu mensageiro, dissera a Maria – e também a José – que o nome a ser dado para a criança era “Jesus” (Mt 1, 21; Lc 1, 31), e assim aconteceu. Aquele nome que Deus já tinha estabelecido antes mesmo que o Menino fosse concebido, lhe é dado oficialmente no momento da circuncisão. E isto marca definitivamente a identidade de Maria: ela é “a mãe de Jesus”, ou seja a mãe do Salvador, do Cristo, do Senhor. Jesus não é um homem como qualquer outro, mas é o Verbo de Deus, uma das Pessoas divinas, o Filho de Deus: por isso a Igreja deu a Maria o título de Theotokos, ou seja, “Mãe de Deus”. (01\01\13)

Ano Novo Civil

“Com alegria nos encontramos aqui para a primeira Eucaristia do ano civil. Maria acolhe com amor materno a todos nós, que nos reunimos para celebrar a sublime graça que recebeu de ser a Mãe de Deus e nossa. Neste dia mundial da paz, peçamos a ela que nos acompanhe ao longo de todo o ano e nos ajude em nosso compromisso com um mundo pacífico, livre de toda escravidão e aberto às bênçãos divinas”. (Liturgia Diária)

“Iniciamos novo ano civil, celebrando a Solenidade de Maria, Mãe de Deus e nossa. O evangelho está mais enfocado na pessoa de Jesus do que em Maria. Temos também a presença marcante dos pastores, pessoas simples, pobres e até desprezadas, mas são eles os primeiros a tomar conhecimento do recém-nascido. Partem em busca dele e, após o encontro, tornam-se os primeiros anunciadores da chegada do Salvador da humanidade. Essa é a boa notícia que traz muita alegria e esperança ao povo que aguarda a realização das profecias”. (Dia a Dia – Ed. Paulus)

Dia Mundial da Paz

“O amor é a forma mais alta e mais nobre de relação dos seres humanos” . Foi esta consciência que me orientou, ao redigir a Mensagem para este Dia Mundial da Paz. Deus nos ajude a construir todos juntos a “civilização do amor”. Somente uma humanidade em que prevalecer o amor será capaz de fruir de uma paz genuína e duradoura”. (São João Paulo II)

O Papa Francisco disse: “Paz a todas as pessoas e a todas as nações da terra! A paz, que os anjos anunciam aos pastores na noite de Natal, é uma aspiração profunda de todas as pessoas e de todos os povos, sobretudo de quantos padecem mais duramente pela sua falta. Dentre estes, que trago presente nos meus pensamentos e na minha oração, quero recordar de novo os mais de 250 milhões de migrantes no mundo, dos quais 22 milhões e meio são refugiados. Estes últimos, como afirmou o meu amado predecessor Bento XVI, «são homens e mulheres, crianças, jovens e idosos que procuram um lugar onde viver em paz». (Mensagem para 1º de Janeiro de 2018)

Conclusão:

“Iniciar ano novo sob a proteção de Maria é sempre motivo de muita alegria. Ao longo do ano,  procuremos, a exemplo dos pastores, ser pessoas que apontam caminhos de esperança e otimismo ao povo, frente aos desafios e dificuldades. Aprendamos de Maria a observar e a meditar sobre os fatos e as notícias que nos chegam diariamente para descobrirmos os caminhos de Deus, que se revelam também no meio de caminhos tortuosos. Deus age através das pessoas e dos acontecimentos. Saibamos discernir a mão de Deus presente nos altos e baixos da vida”. (Dia a Dia – Ed. Paulus)

Oração:

“Dá-me, Senhora Mãe de Deus um pouco da tua força… para a minha fraqueza. Um pouco de tua coragem… para o meu desalento. Um pouco da tua compreensão… para o meu problema.Um pouco da tua plenitude… para o meu vazio. Um pouco da tua rosa… para o meu espinho. Um pouco da tua certeza… para minha dúvida. Um pouco do teu sol… para o meu inverno. Um pouco da tua disponibilidade… para o meu cansaço. Um pouco do teu rumo infinito… para o meu extravio. Um pouco da tua neve… para o meu barro. Um pouco da tua serenidade… para minha inquietude. Um pouco da tua chama… para meu gelo. Um pouco da tua luminosidade… para a minha noite. Um pouco da tua alegria… para minha tristeza. Um pouco da tua sabedoria… para minha ignorância. Um pouco do teu amor… para meu rancor. Um pouco da tua pureza… para meu pecado. Um pouco da tua vida… para minha morte. Um pouco da tua transparência… para o meu escuro. Um pouco do Teu Filho de Deus… para meu filho pecador. Com todos esses “poucos”, Senhora, eu terei tudo. E assim seja, eternamente, com Cristo na glória, Aleluia!” (Com. Canção Nova)

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

27 de dezembro de 2017 at 5:58 Deixe um comentário

Angelus Papa Francisco 26 de dezembro de 2017

O Santo Padre rezou ao meio-dia desta terça-feira, 26 de dezembro, a oração mariana do Angelus com os fiéis reunidos na Praça São Pedro.

O Papa Francisco convida os cristãos a “acolherem Jesus como Senhor da nossa vida e a nos tornarmos suas corajosas testemunhas, prontas a pagar pessoalmente o preço da fidelidade ao Evangelho”.

O Santo Padre rezou ao meio-dia desta terça-feira, 26 de dezembro a oração mariana do Angelus com os fiéis reunidos na Praça São Pedro. Depois de ter celebrado o nascimento de Jesus sobre a terra, hoje – recordou o Santo Padre – celebramos o nascimento ao céu de Santo Estêvão, o primeiro mártir.

O Pontífice destacou no início da sua alocução proferida da janela dos aposentos Pontifícios que a primeira vista poderia parecer que entre as duas recorrências não exista uma ligação, na realidade existe, e é muito forte.

Recordando que na liturgia de Natal ouvimos a proclamação “O Verbo se fez carne e veio habitar entre nós”, Santo Estêvão – continuou o Papa –, colocou os líderes do seu povo em crise, porque “cheio de fé e do Espírito Santo”, ele firmemente acreditava e professava a presença nova de Deus entre os homens; ele sabia que o verdadeiro templo de Deus é agora Jesus, Verbo eterno que veio morar entre nós, que se fez em tudo como nós, exceto no pecado. Mas Estêvão é acusado de pregar a destruição do templo de Jerusalém. A acusação que fazem contra ele é de ter afirmado que “Jesus, este Nazareno, destruirá este lugar e mudar os costumes que Moisés nos transmitiu”.

“ Na verdade, a mensagem de Jesus é desconfortável e nos incomoda, porque desafia o poder religioso mundano e provoca as consciências. ”

“Após a sua vinda, é necessário converter-se, mudar a mentalidade, renunciar a pensar como antes”.

Estevão – disse o Papa – esteve ancorado à mensagem de Jesus até sua morte. Suas últimas palavras: “Senhor Jesus, acolhe o meu espírito” e “Senhor, não lhes atribua esse pecado”, são o eco fiel daquelas pronunciadas por Jesus na cruz: “Pai, nas Tuas mãos entrego o meu espírito” e “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”. As palavras de Estêvão só foram possíveis porque o Filho de Deus veio sobre a terra, morreu e ressuscitou por nós; antes desses eventos eram expressões humanamente impensáveis.

Estevão pede a Jesus que acolha seu espírito.

“ Cristo ressuscitado, de fato, é o Senhor, e é o único mediador entre Deus e os homens, não só na hora da nossa morte, mas também em cada momento da vida: sem Ele não podemos fazer nada. ”

Portanto, – continuou o Papa – nós também, diante do Menino Jesus no presépio, podemos rezar a ele assim: “Senhor Jesus, a Ti confiamos nosso espírito, acolha-o, para que a nossa existência seja, de fato, uma vida boa de acordo com o Evangelho”.  

Jesus é nosso mediador e reconcilia-nos não só com o Pai, mas também entre nós. Ele é a fonte do amor, que nos abre à comunhão com nossos irmãos, eliminando todo conflito e ressentimento.

Peçamos a Jesus, – acrescentou o Pontífice, nascido por nós, que nos ajude a assumir essa dupla atitude de confiança no Pai e de amor pelo próximo; é uma atitude que transforma a vida e a torna mais bonita e frutífera.

Na conclusão de suas palavras uma súplica a Nossa Senhora:

“ A Maria, Mãe do Redentor e Rainha dos mártires, elevamos com confiança a nossa oração, para que nos ajude a acolher Jesus como o Senhor da nossa vida e a nos tornarmos suas corajosas testemunhas, prontas a pagar pessoalmente o preço da fidelidade ao Evangelho. ”

Após o Angelus o Papa – no clima de alegria cristã, que emana do Nata de Jesus – saudou os fiéis agradecendo a presença deles.

“A todos vocês, que vieram da Itália e de diversos países, renovo o meu desejo de paz e serenidade: sejam estes, para vocês e suas famílias, dias em que vocês possam desfrutar da beleza de estarem juntos sentindo que Jesus está no meio de nós”.

Uma saudação especial ainda aos fiéis da Peregrinação nacional ucraniana: abençoo todos vocês e seu país, disse o Papa.

Francisco recordou que nas últimas semanas recebeu muitas mensagens de felicitações. Não sedo possível responder a cada uma, expresso hoje meus sinceros agradecimentos a todos, especialmente pelo presente da oração. Muito obrigado! Que o Senhor os recompense com sua generosidade!

Boas festas, finalizou o Papa, pedindo para que não se esqueçam de rezar por ele, acrescentando o tradicional, bom almoço.

Silvonei José – Cidade do Vaticano

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

27 de dezembro de 2017 at 5:33 Deixe um comentário

Oração a Santo Estêvão

Resultado de imagem para imagem de santo estevão

Deus eterno e todo-poderoso, que destes a Santo Estevão a graça de lutar pela justiça até a morte, concedei-nos, por sua intercessão, suportar por vosso amor as adversidades, e correr ao encontro de vós que sois a nossa vida. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

Santo Estevão, Rogai por Nós!!

 

26 de dezembro de 2017 at 5:42 Deixe um comentário

Sagrada Família de Jesus, Maria e José – Apresentação do Menino Jesus no Templo – São Lucas 2, 22-40 – Dia 31 de dezembro de 2017

Igreja da Sagrada Família em Barcelona (Espanha)

“22.Concluídos os dias da sua purificação segundo a Lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para o apresentar ao Senhor, 23.conforme o que está escrito na lei do Senhor: Todo primogênito do sexo masculino será consagrado ao Senhor (Ex 13,2); 24.e para oferecerem o sacrifício prescrito pela lei do Senhor, um par de rolas ou dois pombinhos. 25.Ora, havia em Jerusalém um homem chamado Simeão. Este homem, justo e piedoso, esperava a consolação de Israel, e o Espírito Santo estava nele. 26.Fora-lhe revelado pelo Espírito Santo que não morreria sem primeiro ver o Cristo do Senhor. 27.Impelido pelo Espírito Santo, foi ao templo. E tendo os pais apresentado o menino Jesus, para cumprirem a respeito dele os preceitos da lei, 28.tomou-o em seus braços e louvou a Deus nestes termos: 29.Agora, Senhor, deixai o vosso servo ir em paz, segundo a vossa palavra. 30.Porque os meus olhos viram a vossa salvação 31.que preparastes diante de todos os povos, 32.como luz para iluminar as nações, e para a glória de vosso povo de Israel. 33.Seu pai e sua mãe estavam admirados das coisas que dele se diziam. 34.Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua mãe: Eis que este menino está destinado a ser uma causa de queda e de soerguimento para muitos homens em Israel, e a ser um sinal que provocará contradições, 35.a fim de serem revelados os pensamentos de muitos corações. E uma espada transpassará a tua alma. 36.Havia também uma profetisa chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser; era de idade avançada. 37.Depois de ter vivido sete anos com seu marido desde a sua virgindade, ficara viúva, e agora com oitenta e quatro anos não se apartava do templo, servindo a Deus noite e dia em jejuns e orações. 38.Chegando ela à mesma hora, louvava a Deus e falava de Jesus a todos aqueles que em Jerusalém esperavam a libertação. 39.Após terem observado tudo segundo a lei do Senhor, voltaram para a Galiléia, à sua cidade de Nazaré. 40.O menino ia crescendo e se fortificava: estava cheio de sabedoria, e a graça de Deus repousava nele.”

Fonte: Bíblia Ave Maria

A Apresentação do Senhor

“Quarenta dias depois do Natal, a Igreja celebra este sugestivo mistério gozoso que, de certa forma, antecipa o sofrimento da Sexta-Feira Santa e a alegria da Páscoa. A tradição oriental denomina esta solenidade como a «festa do encontro» porque, no espaço sagrado do Templo de Jerusalém, tem lugar o abraço entre a bondade de Deus e a expectativa do povo eleito. E tudo isto adquire significado e valor escatológico em Cristo: Ele é o Esposo que vem cumprir a aliança nupcial com Israel”.  (São João Paulo II)

O Papa Emérito Bento XVI disse que “na festa hodierna contemplamos o Senhor Jesus que Maria e José apresentam no templo «para O oferecer ao Senhor» (Lc 2, 22). Nesta cena evangélica revela-se o mistério do Filho da Virgem, o consagrado do Pai, que veio ao mundo para cumprir fielmente a sua vontade (Hb 10, 5-7). Simeão indica-o como «luz para iluminar as nações» (Lc 2, 32) e anuncia com palavra profética a sua oferta suprema a Deus e a sua vitória final (Lc 2, 32-35)”. (02\02\11)

“Aquele recém-nascido, aparentemente em tudo semelhante aos outros, não passa despercebido: o Espírito Santo abre os olhos da fé ao velho Simeão, que se aproxima e, tomando o Menino nos braços, reconhece nele o Messias e louva a Deus (Lc 2, 25-32). Este Menino, profetiza ele, será luz das gentes e glória de Israel (v. 32), mas também «sinal de contradição» (v. 34) porque, segundo as Escrituras, realizará o juízo de Deus. E à Mãe admirada, o piedoso ancião prediz que isto acontecerá através de um sofrimento, em que também Ela há-de participar (v. 35)”. (São João Paulo II)

A Sagrada Família de Nazaré

O Papa Francisco disse que “a família de Nazaré é uma família real, uma família normal – contemplando-a, descobrimos a vocação e a missão da família, de cada família. Como aconteceu naqueles trinta anos de vida oculta de Jesus em Nazaré, assim pode suceder conosco: fazer com que se torne normal o amor e não o ódio, fazer com que se torne comum a ajuda recíproca e não a indiferença nem a inimizade. Não é por acaso que a palavra “Nazaré” significa “Aquela que guarda”; e o mesmo se diz de Maria: “Ela guardava todas estas coisas no seu coração”. (17\12\14)

“A liturgia desta festa propõe-nos a família de Jesus como exemplo e modelo das nossas comunidades familiares… Como a família de Jesus – diz-nos a liturgia deste dia – as nossas famílias devem viver numa atenção constante aos desafios de Deus e às necessidades dos irmãos”. (Liturgia Diária)

“O Evangelho põe-nos diante da Sagrada Família de Nazaré apresentando Jesus no Templo de Jerusalém. A cena mostra uma família que escuta a Palavra de Deus, que procura concretizá-la na vida e que consagra a Deus a vida dos seus membros. Nas figuras de Ana e Simeão, Lucas propõe-nos também o exemplo de dois anciãos de olhos postos no futuro, capazes de perceber os sinais de Deus e de testemunhar a presença libertadora de Deus no meio dos homens”. (Site Ecclesia)

Conclusão:

” A Sagrada Família vai ao Templo de Jerusalém para cumprir dois aspectos da Lei: a purificação de Maria e a apresentação do Filho primogênito, Jesus. “Javé falou a Moisés: ‘Consagre a mim todo primogênito dos filhos de Israel, os que por primeiro saem do ventre materno'” (Ex 13,2). A oferta de dois pombinhos revela que a Sagrada Família era pobre. Do contrário, ela teria entregue um cordeiro e um pombinho, conforme a Lei. Jesus é descrito como  “o Messias do Senhor”, isto é, ungido por excelência, destinado a uma obra de salvação. E Maria aparece estreitamente unida na dor ao destino do Filho: “uma espada vai atravessar a  sua alma”. Diante de Jesus, “luz para iluminar as nações”, as pessoas precisam tomar decisão, já que “este Menino será causa de queda e reerguimento de muitos em Israel”. (Dia a Dia – Ed. Paulus)

Oração:

“Jesus, Maria e José, em Vós contemplamos o esplendor do verdadeiro amor e, confiantes, a Vós nos consagramos. Sagrada Família de Nazaré, tornai também as nossas famílias lugares de comunhão e cenáculos de oração, autênticas escolas do Evangelho e pequenas igrejas domésticas. Sagrada Família de Nazaré, que nunca mais haja nas famílias episódios de violência, de fechamento e divisão; e quem tiver sido ferido ou escandalizado, seja rapidamente consolado e curado. Sagrada Família de Nazaré, fazei que todos nos tornemos conscientes do carácter sagrado e inviolável da família e da sua beleza no projeto de Deus. Jesus, Maria e José, ouvi-nos e acolhei a nossa súplica. Amém”. (Papa Francisco)

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

26 de dezembro de 2017 at 5:35 Deixe um comentário

Assista a “Papa Francisco Oracão do Angelus” no YouTube

25 de dezembro de 2017 at 14:41 Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 319 outros seguidores

Categorias