Décimo Nono Domingo do Tempo Comum – Não tenhais medo! – São Mateus 14, 22-33 – Dia 13 de agosto de 2017

7 de agosto de 2017 at 5:18 Deixe um comentário

Resultado de imagem para imagem da tempestade acalmada - no evangelho quotidiano

“22.Logo depois, Jesus obrigou seus discípulos a entrar na barca e a passar antes dele para a outra margem, enquanto ele despedia a multidão. 23.Feito isso, subiu à montanha para orar na solidão. E, chegando a noite, estava lá sozinho. 24.Entretanto, já a boa distância da margem, a barca era agitada pelas ondas, pois o vento era contrário. 25.Pela quarta vigília da noite, Jesus veio a eles, caminhando sobre o mar. 26.Quando os discípulos o perceberam caminhando sobre as águas, ficaram com medo: É um fantasma! disseram eles, soltando gritos de terror. 27.Mas Jesus logo lhes disse: Tranquilizai-vos, sou eu. Não tenhais medo! 28.Pedro tomou a palavra e falou: Senhor, se és tu, manda-me ir sobre as águas até junto de ti! 29.Ele disse-lhe: Vem! Pedro saiu da barca e caminhava sobre as águas ao encontro de Jesus. 30.Mas, redobrando a violência do vento, teve medo e, começando a afundar, gritou: Senhor, salva-me! 31.No mesmo instante, Jesus estendeu-lhe a mão, segurou-o e lhe disse: Homem de pouca fé, por que duvidaste? 32.Apenas tinham subido para a barca, o vento cessou. 33.Então aqueles que estavam na barca prostraram-se diante dele e disseram: Tu és verdadeiramente o Filho de Deus.”

 

“Com alegria nos reunimos para celebrar a páscoa dominical e fazer experiência da brandura e da bondade do Pai celeste. Presente na Palavra e na Eucaristia, Jesus deseja fortalecer nossa fé e ser nossa segurança nas tempestades que enfrentamos na vida. Saudemos os vocacionados à vida em família, com atenção especial aos pais, neste dia dedicado a eles”. (Liturgia Diária)

Pela quarta vigília da noite, Jesus veio a eles, caminhando sobre o mar.Quando os discípulos o perceberam caminhando sobre as águas, ficaram com medo: É um fantasma!

O Papa Francisco disse que “O Evangelho de hoje nos apresenta o episódio de Jesus que caminha sobre as águas do mar (Mt 14, 22-33). Depois da multiplicação dos pães e dos peixes, Ele convida os discípulos a entrarem no barco e O seguirem para o outro lado, enquanto Ele se despedia da multidão e depois se retira sozinho para rezar no monte até tarde da noite. Enquanto isso, no mar há uma forte tempestade e justamente no meio da tempestade Jesus chega ao barco dos discípulos, caminhando sobre as águas do mar. Quando O veem, os discípulos se assustam, pensam em um fantasma, mas Ele os tranquiliza: “Coragem, sou eu, não tenhais medo!”(10 de agosto de 2014)

“Os discípulos são de novo joguetes das vagas e uma tempestade semelhante à primeira (Mt 8,24) desencadeia-se sobre eles; mas anteriormente tinham Jesus com eles, enquanto desta vez estão sozinhos e entregues a si mesmos. Penso que o Salvador queria assim reanimar-lhes os corações adormecidos; precipitando-os na angústia, inspirou-lhes um desejo mais vivo da Sua presença e tornou a Sua lembrança constantemente presente no pensamento deles. Por isso não foi imediatamente em auxílio deles. Em vez disso: «de madrugada, Jesus foi ter com eles, caminhando sobre o mar». (São João Crisóstomo)

“O trecho do Evangelho de Mateus, que acabamos de ler, leva-nos ao lago de Genesaré. Os apóstolos tinham entrado na barca, para preceder Cristo na outra margem. E eis que, remando na direção escolhida, viram precisamente a Ele, enquanto caminhava no lago. Cristo caminhava sobre a água como se fosse sobre a terra firme. Os Apóstolos assustaram-se, julgando que fosse um fantasma. Jesus, ouvindo o grito, disse: «Coragem! Sou Eu. Não tenhais medo!» (Mt 14, 27). (São João Paulo II)

Ele disse-lhe: Vem! Pedro saiu da barca e caminhava sobre as águas ao encontro de Jesus.

“Este evento evangélico está repleto de um profundo conteúdo. Concerne ao mais importante problema da vida humana, a fé em Jesus Cristo. Pedro certamente tinha fé, como haveria de demonstrar mais tarde de maneira magnífica nos arredores de Cesareia de Filipe, mas naquele momento a sua fé ainda não era sólida. Quando começou a ventar com maior impetuosidade, Pedro iniciou a afundar, porque tinha duvidado”. (São João Paulo II)

O Papa Francisco explicou: “Pedro, com seu típico entusiasmo, pede-lhe quase uma prova: “Senhor, se és tu, manda-me ir ao teu encontro, caminhando sobre a água”; e Jesus lhe diz “Vem”!” (vv. 28-29). Pedro desce do barco e se coloca a caminhar sobre as águas; mas o vento forte o investe e ele começa a afundar. Então grita: “Senhor, salva-me!” (v. 30), e Jesus lhe estende a mão e o levanta”. (10 de agosto de 2014)

«Homem de pouca fé, porque duvidaste?» Se, pois, a fé de Pedro não tivesse enfraquecido, teria resistido ao vento sem dificuldade. E a prova foi que Jesus segurou Pedro, deixando soprar o vento. Da mesma forma que a mãe sustenta, com as suas asas, o passarinho que saiu do ninho antes do tempo, quando ele vai a cair no chão, e o volta a pôr no ninho, assim fez Cristo a Pedro”. (São João Crisóstomo)

Conclusão:

“Ao caminhar sobre o mar, Jesus manifesta a presença e o domínio de Deus sobre as forças contrárias. Diante dos discípulos assustados, Jesus se apresenta com palavras familiares: “Coragem! Sou eu. Não tenham medo!” Dizendo “sou eu”, Jesus revela a presença salvadora de Deus. Pedro toma a iniciativa  e pede permissão para caminhar até Jesus. Permissão concedida. Insuficiente, porém, para que Pedro tenha sucesso. Em vez de se concentrar no poder de Jesus, o líder dos discípulos se distrai com o “vento forte”. E começa a afundar. No aperto grita por socorro. “Jesus estendeu a mão e o segurou”. Quando Pedro e Jesus entram na barca, figura da Igreja, o vento cessa. Serenar tempestades é também obra de Deus, reconhecida pelos discípulos: “Tu é verdadeiramente Filho de Deus”. (Dia a Dia – Ed. Paulus)

Oração:

“Senhor, não me deixe perecer nas tempestades da vida, afundar nos momentos de dificuldades. Tudo fica tão escuro e confuso, que eu posso até confundi-Lo. Por isso, quero manter os meus olhos fixos em Ti e não Te perder de vista, estender minhas mãos e tocar as Tuas, ouvindo sempre as santas Palavras: ‘Não tenhais medo, sou eu!’. Senhor, aumenta a minha fé e, nos momentos de grande tribulação, quero perceber sempre a Tua presença junto de mim a me salvar. Guarda a minha vida de todo mal e perigo e, principalmente, desejo sempre ser orientado pela Tua Palavra, que é fonte de cura e libertação para mim. Amém” (Comunidade Canção Nova)

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Entry filed under: Reflexão da Palavra. Tags: .

Papa Francisco no Twitter Terço das Mãos Ensanguentadas de Jesus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 202 outros seguidores

Categorias


%d blogueiros gostam disto: