Papa: Eucaristia memória viva do amor de Deus e sacramento de unidade

28 de junho de 2017 at 5:47 Deixe um comentário

2017-06-19 Rádio Vaticana

Na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, o Papa sublinha que a Eucaristia é a memória viva e reconfortante, não abstracta e fria do amor de Deus por nós, que nos restaura sempre que vamos a Ele. Mas a Eucaristia é também o sacramento de unidade da qual nos faz artífices

A Eucaristia é o “humilde alimento” com o qual o Senhor imprime no nosso coração a certeza de sermos amados, é memorial vivo e não abstracto do Seu amor, e é o sacramento que regista no nosso “DNA espiritual”, a aspiração pela unidade. Esta em síntese a reflexão do Papa na Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo. Francisco pronunciou a sua homilia na tarde deste domingo (18/06) do átrio da Basílica de São João de Latrão perante milhares de fiéis. No fim da Missa teve lugar a tradicional Procissão Eucarística que, percorrendo a via Merulana, chegou à Basílica de Santa Maria Maggiore, onde o Papa deu a bênção com o Santíssimo Sacramento.

Na sua homilia, durante a Santa Missa, o Papa Francisco recordou que a Eucaristia é o sacramento da memória que nos recorda, de forma real e tangível, a história de amor de Deus para nós.

Recordação das façanhas do Senhor

Recorda-te: diz, hoje, a Palavra divina a cada um de nós, salientou o Papa. “A partir da recordação das façanhas do Senhor, ganhou força o caminho do povo no deserto; é na recordação daquilo que o Senhor fez por nós que se fundamenta a nossa história pessoal de salvação. Recordar é essencial para a fé, como a água para uma planta”.

A memória é importante, – continuou Francisco – porque nos permite permanecer no amor, permite re-cordar, isto é, trazer no coração, não esquecer quem nos ama e a quem somos chamados a amar. Mas esta faculdade excepcional, que o Senhor nos deu, encontra-se hoje bastante debilitada.

Depressa viramos página, ávidos de novidades

No frenesim em que estamos imersos, – destacou o Santo Padre – muitas pessoas e tantos acontecimentos parecem passar-nos por cima, sem nos darmos conta. Depressa viramos página, ávidos de novidades, mas pobres de recordações. Deste modo, mandando em fumo as recordações e vivendo cingidos ao instante presente, corre-se o risco de ficar à superfície, vendo o fluir das coisas que acontecem sem descer em profundidade, sem aquela espessura que nos recorda quem somos e para onde vamos. Então a vida exterior acaba fragmentada, e a interior inerte.

O Senhor vem ao nosso encontro

A solenidade de hoje – disse Francisco na sua homilia – recorda-nos que, na fragmentação da vida, o Senhor vem ao nosso encontro nos panos duma amorosa fragilidade, que é a Eucaristia. No Pão de vida, o Senhor vem visitar-nos fazendo-Se humilde alimento que amorosamente cura a nossa memória adoentada de frenesim. Porque a Eucaristia é o memorial do amor de Deus. Nela, “se comemora a sua paixão”, o amor de Deus por nós, que é a nossa força, o sustentáculo do nosso caminhar.

É por isso – disse o Papa – que nos faz tão bem o memorial eucarístico: não é uma memória abstracta, fria e conceptualista, mas a memória viva e consoladora do amor de Deus.

Eucaristia, memória agradecida

A Eucaristia forma em nós uma memória agradecida, porque nos reconhecemos como filhos amados e alimentados pelo Pai. A Eucaristia encoraja-nos: mesmo no caminho mais acidentado, não estamos sozinhos, o Senhor não Se esquece de nós e, sempre que vamos até Ele, alenta-nos com amor.

A Eucaristia recorda-nos também que não somos indivíduos, mas um corpo. Tal como o povo no deserto recolhia o maná caído do céu e o partilhava em família, assim também Jesus, Pão do céu, nos convoca para o recebermos juntos e o partilharmos entre nós. A Eucaristia não é um sacramento “para mim”, é o sacramento de muitos que formam um só corpo.

“DNA espiritual”

Francisco salientou que quem a recebe não pode deixar de ser artífice de unidade, porque nasce nele, no seu “DNA espiritual”, a construção da unidade. Que este Pão de unidade – finalizou Francisco – nos cure da ambição de prevalecer sobre os outros, da ganância de entesourar para nós mesmos, de fomentar discórdias e disseminar críticas; que desperte a alegria de nos amarmos sem rivalidades, nem invejas, nem murmurações maldizentes. (BS/SP)

 

Anúncios

Entry filed under: Santo Padre. Tags: .

O mais antigo testemunho do martírio de Pedro e Paulo – comentário de São Clemente de Roma Solenidade de São Pedro e S. Paulo (ofício próprio)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 199 outros seguidores

Categorias


%d blogueiros gostam disto: