Décimo Primeiro Domingo do Tempo Comum – A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos – São Mateus 9, 36-38.10,1-8 – Dia 18 de junho de 2017

12 de junho de 2017 at 5:27 Deixe um comentário

Resultado de imagem para imagem de a messe é grande mas os operários são poucos - canção nova

São Mateus 9, 36-38

36 Ao ver as multidões, teve compaixão delas, porque estavam aflitas e desamparadas, como ovelhas sem pastor.“37.Disse, então, aos seus discípulos: A messe é grande, mas os operários são poucos. 38.Pedi, pois, ao Senhor da messe que envie operários para sua messe.”


São Mateus 10, 1-8
“1.Jesus reuniu seus doze discípulos. Conferiu-lhes o poder de expulsar os espíritos imundos e de curar todo mal e toda enfermidade. 2.Eis os nomes dos doze apóstolos: o primeiro, Simão, chamado Pedro; depois André, seu irmão. Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão. 3.Filipe e Bartolomeu. Tomé e Mateus, o publicano. Tiago, filho de Alfeu, e Tadeu. 4.Simão, o cananeu, e Judas Iscariotes, que foi o traidor. 5.Estes são os Doze que Jesus enviou em missão, após lhes ter dado as seguintes instruções: Não ireis ao meio dos gentios nem entrareis em Samaria; 6.ide antes às ovelhas que se perderam da casa de Israel. 7.Por onde andardes, anunciai que o Reino dos céus está próximo. 8.Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. Recebestes de graça, de graça dai!”

 

“Jesus nos convida a segui-lo e nos envia para anunciar a chegada do seu reino. A messe é grande, mas poucos são os operários. Como povo disposto a encontrar o Senhor e guardar a aliança feita com Ele, celebremos nosso compromisso com o projeto de Jesus, que deseja uma sociedade reconciliada e saudável, purificada dos males que degradam a vida humana”. (Liturgia Diária)

Ao ver as multidões, teve compaixão delas, porque estavam aflitas e desamparadas, como ovelhas sem pastor.Disse, então, aos seus discípulos: A messe é grande, mas os operários são poucos.Pedi, pois, ao Senhor da messe que envie operários para sua messe.”

O Papa Francisco disse que ” o amor de Deus pelo homem, é a misericórdia, ou seja, a atitude de Deus em contato com a miséria humana, com a nossa indigência, o nosso sofrimento, a nossa angústia. O termo bíblico <<compaixão>> evoca as vísceras maternas: de fato, a mãe tem uma reação totalmente sua diante da dor dos filhos. Deus nos ama desse modo, diz a Escritura. E qual é o fruto deste amor, desta misericórdia? É a vida!” (Angelus, 9 de junho de 2013).

São Gregório Magno comenta: “A messe é muita, mas os operários poucos… Ao escutarmos isto, não podemos deixar de sentir uma grande tristeza, porque é preciso reconhecer que há pessoas que desejam escutar coisas boas; falta, no entanto, quem se dedique a anunciá-las”

O Papa Emérito Bento XVI disse que “é nisto que consiste o trabalho para a messe, no campo de Deus, no campo da história humana: levar aos homens a luz da verdade, libertá-los da pobreza de verdade, que é a verdadeira tristeza e a verdadeira pobreza do homem. Levar-lhes o feliz anúncio que não é apenas uma palavra, mas um acontecimento: Deus, Ele mesmo, veio entre nós. Ele toma-nos pela mão, eleva-nos rumo a Si próprio, e assim o coração ferido é curado. Demos graças ao Senhor, porque Ele envia trabalhadores para a messe da história do mundo. Demos-lhe graças, porque Ele vos envia a vós, porque dissestes sim e porque neste momento pronunciareis novamente o vosso «sim» e sereis os trabalhadores do Senhor para os homens”. (05\02\2011)

Jesus reuniu seus doze discípulos. Conferiu-lhes o poder de expulsar os espíritos imundos e de curar todo mal.

Jesus “não só lhes (aos  discípulos) inspira confiança chamando a seu ministério para a messe, mas também dando-lhes poder para o desempenho deste ministério, segundo as palavras: ‘Lhes deu poder sobre os espíritos imundos para que os expulsassem e para que curassem todo cansaço e toda enfermidade”. (São João Crisóstomo)
 Os discípulos  “são enviados! Não vivem apenas para defender suas próprias ideias, mas abraçaram com liberdade e coragem a tarefa de ser portadores de uma vida nova, descoberta no próprio Senhor. Não vivem para os próprios sentimentos ou segundo as emoções e humores de cada momento, mas se transformam em verdadeiros embaixadores”.  (Com. Canção Nova)

ide antes às ovelhas que se perderam da casa de Israel

O Padre Queiroz explicou: “Este Evangelho narra Jesus chamando os doze Apóstolos. “Ide, antes, às ovelhas perdidas da casa de Israel”. Nessa recomendação, é importante o advérbio “antes”. O povo de Israel é o povo eleito por Deus que teve a missão de preparar a vinda do Messias, por isso deve receber em primeiro lugar a Boa Nova de Jesus. Mas depois será esclarecido que essa Boa Nova é para todos, sem distinção: “Ide fazer discípulos entre todas as nações, e batizai-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28,19).Quando Deus faz aliança, ele a cumpre, mesmo que a outra parte não a cumpra”.

“Jesus tem por nós um amor de tal maneira incompreensível, que pretende que participemos com Ele na salvação das almas. Nada quer fazer sem nós. O Criador do universo espera pela oração de uma pobre alma, de uma alma insignificante, para salvar as outras almas, como ela resgatadas pelo preço de todo o Seu sangue”. (Santa Teresinha do Menino Jesus)

Conclusão:

“Jesus tem diante de si um panorama pesado: uma multidão de pessoas tristes, abatidas, famintas, como ovelhas abandonadas. Relembra para eles a passagem do profeta Ezequiel (Ez 34): Deus, indignado com o descaso das autoridades, cuidará pessoalmente das ovelhas. Deus as livrará das nações (poder estrangeiro) e proverá alimento, justiça, segurança, força e um pastor, o próprio Deus, descendente de Davi. E jesus sabe que a tarefa é enorme e os trabalhadores do Reino são poucos. A solução está na oração. Lança por isso um apelo válido para todos os tempos: “Peçam ao Senhor da colheita que enviem trabalhadores…”. Jesus chama os doze apóstolos e os dota de sua própria autoridade: deverão percorrer o mundo, transformando as relações humanas, estabelecendo o reinado do Deus libertador”. (Dia a Dia- Ed. Paulus)

Oração:

Com as palavras do Papa Francisco: “Pensemos hoje em Jesus, que sempre quer que todos se aproximem d’Ele; pensemos no Santo Povo de Deus, um povo simples, que quer aproximar-se de Jesus; e pensemos em tantos cristãos de boa vontade que erram e que, ao invés de abrir uma porta, fecham-na… E peçamos ao Senhor que todos aqueles que se aproximarem da Igreja encontrem as portas abertas, encontrem as portas abertas, abertas para encontrar este amor de Jesus. Peçamos essa graça”.  (Missa na Casa Santa Marta, no Vaticano, 25 de maio de 2013)

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

Anúncios

Entry filed under: Reflexão da Palavra. Tags: .

Na audiência geral o Papa indicou a missão da Igreja no encontro de Emaús – O caminho cenário evangélico Papa: vejo nos sacerdotes jovens a juventude da Igreja

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 199 outros seguidores

Categorias


%d blogueiros gostam disto: