Segundo Domingo da Páscoa – Domingo da Divina Misericórdia – São João 20, 19-31 – Dia 03 de abril de 2016

28 de março de 2016 at 5:52 Deixe um comentário

19.Na tarde do mesmo dia, que era o primeiro da semana, os discípulos tinham fechado as portas do lugar onde se achavam, por medo dos judeus. Jesus veio e pôs-se no meio deles. Disse-lhes ele: A paz esteja convosco!

20.Dito isso, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos alegraram-se ao ver o Senhor.

21.Disse-lhes outra vez: A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio a vós.

22.Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo.

23.Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos.

24.Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus.

25.Os outros discípulos disseram-lhe: Vimos o Senhor. Mas ele replicou-lhes: Se não vir nas suas mãos o sinal dos pregos, e não puser o meu dedo no lugar dos pregos, e não introduzir a minha mão no seu lado, não acreditarei!

26.Oito dias depois, estavam os seus discípulos outra vez no mesmo lugar e Tomé com eles. Estando trancadas as portas, veio Jesus, pôs-se no meio deles e disse: A paz esteja convosco!

27.Depois disse a Tomé: Introduz aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos. Põe a tua mão no meu lado. Não sejas incrédulo, mas homem de fé.

28.Respondeu-lhe Tomé: Meu Senhor e meu Deus!

29.Disse-lhe Jesus: Creste, porque me viste. Felizes aqueles que creem sem ter visto!

30.Fez Jesus, na presença dos seus discípulos, ainda muitos outros milagres que não estão escritos neste livro.

31.Mas estes foram escritos, para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.

“Neste domingo da eterna misericórdia divina, reunimo-nos para celebrar a Páscoa de Cristo, a qual se manifesta em todas as pessoas e comunidades que vivem e promovem a solidariedade e o perdão. Jesus, o Primeiro e o Último, passou da morte para a vida para nunca mais se afastar de nós. Acolhamos o dom da paz e da reconciliação que Ele nos oferece”. (Liturgia Diária)

“Hoje, Domingo in Albis, celebramos o Domingo da Misericórdia Divina. O Senhor envia-nos também a nós para levar a todos a sua paz, fundada no perdão e na remissão dos pecados. Trata-se de um dom extraordinário, que Ele quis unir com o Sacramento da penitência e da reconciliação”.  (S. João Paulo II)

“Qualquer pessoa sensata considerará que é uma prova da ressurreição o facto de o Senhor ter entrado no Cenáculo com todas as portas fechadas. Ele saúda os seus discípulos com estas palavras: «A paz esteja convosco», mostrando que Ele próprio é a paz. Pois aqueles a quem Se apresenta recebem um espírito perfeitamente pacificado e tranquilo”. (São Cirilo de Alexandria)

“O Senhor querendo provar que a morte foi vencida e que sua natureza humana já havia deixado a corrupção, lhes mostra em primeiro lugar as mãos e os pés e os furos dos cravos. Prossegue: ‘Veja minhas mãos e meus pés, sou eu mesmo” (São Cirilo).

“Ele mostra-nos as mãos e os pés: «Eis as mãos que vos formaram», diz-nos (Sl 118, 73): vede os cravos que as trespassaram. Eis o Meu coração, onde nascestes, vós, os fiéis, vós, a Minha Igreja, como Eva nasceu do lado de Adão: vede a lança que o abriu, a fim de que vos fosse aberta a porta do Paraíso, que o Querubim de fogo mantinha encerrada. O sangue que correu do Meu lado afastou este anjo, embotou-lhe a espada: a água extinguiu o fogo (Jo 19, 34). Escutai com atenção, ouvi estas palavras, e tereis paz em vós”. (Santo Antônio)

“Os Apóstolos foram as testemunhas diretas, oculares. Eles «ouviram» e «viram com os próprios olhos», «contemplaram», e até mesmo «tocaram com as próprias mãos» Cristo, como se exprime numa outra passagem o mesmo evangelista São João[21]. Este seu testemunho humano, ocular e «histórico» a respeito de Cristo andará ligado ao testemunho do Espírito Santo: «Ele dará testemunho de mim». (S. João Paulo II)

“Quando Jesus apareceu aos apóstolos, estando fechadas as portas, e veio pôr-Se ao meio deles, eles ficaram dominados pelo espanto e cheios de medo, julgando ver um espírito (Jo 20, 19; Lc 24, 37). Mas, quando soprou sobre eles dizendo: «Recebei o Espírito Santo» (Jo 20, 22), e mais tarde, quando lhes enviou do céu esse mesmo Espírito como novo dom, esse dom foi uma prova indubitável da sua ressurreição e da sua nova vida”.( Beato Guerric de Igny)

“No dia da ressurreição o Senhor, aparecendo aos discípulos, saudou-os com estas palavras:  “A paz esteja convosco!”, e mostrou-lhes as mãos e o lado com os sinais da paixão. Oito dias mais tarde, como lemos na página evangélica de hoje, voltou a encontrar-se com eles no cenáculo e disse-lhes de novo:  “A paz esteja convosco!” ( Jo 20, 19-26)”. (S. João Paulo II)

A Divina Misericórdia

A Palavra diz: “Aleluia. Louvai ao Senhor, porque ele é bom; porque eterna é a sua misericórdia. Diga a casa de Israel: Eterna é sua misericórdia. Proclame a casa de Aarão: Eterna é sua misericórdia. E vós, que temeis o Senhor, repeti: Eterna é sua misericórdia”. (Sl 117, 1-4)

São João Paulo   II   disse   que   Jesus   “indicou-nos   as   múltiplas   vias   da misericórdia, que não só perdoa os pecados, mas vai também ao encontro de todas as necessidades dos homens. Jesus inclinou-se sobre toda a miséria humana, material e espiritual”. (Abril de 2000)

“A justiça, aplicada sem misericórdia…é mais injustiça do que justiça”. (Santa Catarina de Sena)

“Quanto mais   nos   sentimos   miseráveis,   tanto   mais   devemos   confiar   na  misericórdia de Deus. Porque, entre a misericórdia e a miséria, há uma ligação tão grande que uma não pode se exercer sem a outra”. (São Francisco de Sales)

São João Paulo II explicou: “Aos discípulos, no cenáculo, Jesus mostra as mãos e o lado. Isto é,  indica as feridas  da  Paixão,  sobretudo a chaga do Coração,   fonte   onde   nasce   a   grande   onda   de   misericórdia   que   inunda   a humanidade. Daquele coração,  a Santa Faustina Kowalska verá partir dois fachos de luz que iluminam o mundo: “Os dois raios, explicou-lhe certa vez o próprio Jesus representam o sangue e a água”. (Abril de 2000)

“A misericórdia é a compaixão que o nosso coração experimenta pela miséria alheia, que nos leva a socorrê-la, se o pudermos” (Santo Agostinho).

Ano Santo da Misericórdia

O Papa Francisco disse que este ano “será, portanto, um Ano Santo extraordinário para viver, na existência de cada dia, a misericórdia que o Pai, desde sempre, estende sobre nós. Neste Jubileu, deixemo-nos surpreender por Deus. Ele nunca Se cansa de escancarar a porta do seu coração, para repetir que nos ama e deseja partilhar conosco a sua vida. A Igreja sente, fortemente, a urgência de anunciar a misericórdia de Deus”. (11\04\15)

As Indulgências do Ano Santo da Misericórdia

O Papa Francisco disse que “viver a indulgência no Ano Santo significa aproximar-se da misericórdia do Pai, com a certeza de que o seu perdão cobre toda a vida do crente. A indulgência é experimentar a santidade da Igreja que participa em todos os benefícios da redenção de Cristo, para que o perdão se estenda até às últimas consequências aonde chega o amor de Deus. Vivamos intensamente o Jubileu, pedindo ao Pai o perdão dos pecados e a indulgência misericordiosa em toda a sua extensão”. (11\04\15)

Conclusão

São João Paulo II disse que “Cristo ensinou-nos que “o homem não só recebe e   experimenta   a   misericórdia   de   Deus,   mas   é   também   chamado   a   “ter misericórdia”   para   com   os   demais.   “Bem-aventurados   os   misericordiosos, porque alcançarão misericórdia” (Mt 5, 7)”. (Abril de 2000)

 

Oração

Do Papa Francisco: “Neste Ano Jubilar, que a Igreja se faça eco da Palavra de Deus que ressoa, forte e convincente, como uma palavra e um gesto de perdão, apoio, ajuda, amor. Que ela nunca se canse de oferecer misericórdia e seja sempre paciente a confortar e perdoar. Que a Igreja se faça voz de cada homem e mulher e repita com confiança e sem cessar: « Lembra-te, Senhor, da tua misericórdia e do teu amor, pois eles existem desde sempre » (Sl 25/24, 6)”.

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

 

Anúncios

Entry filed under: Reflexão da Palavra. Tags: .

Programação da Festa da Penha – E. S. Frases sobre a Misericórdia de Deus – do Papa Francisco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 202 outros seguidores

Categorias


%d blogueiros gostam disto: