Segundo Domingo do Tempo Comum – Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo – São João 1, 29-34 – 19 \ 01 \ 14

13 de janeiro de 2014 at 10:45 Deixe um comentário

 

 

29. No dia seguinte, João viu Jesus que vinha a ele e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.

30. É este de quem eu disse: Depois de mim virá um homem, que me é superior, porque existe antes de mim.

31. Eu não o conhecia, mas, se vim batizar em água, é para que ele se torne conhecido em Israel.

32. (João havia declarado: Vi o Espírito descer do céu em forma de uma pomba e repousar sobre ele.)

33. Eu não o conhecia, mas aquele que me mandou batizar em água disse-me: Sobre quem vires descer e repousar o Espírito, este é quem batiza no Espírito Santo.

34. Eu o vi e dou testemunho de que ele é o Filho de Deus.

 

 “Em cada missa proclamamos, como São João Batista, que Jesus tira, de fato, o pecado do mundo. Aceitando Jesus e adotando um plano de purificação interior, viveremos cada vez mais numa relação com Deus de Pai para filho e seremos parceiros de Jesus no combate ao pecado pessoal, social e institucional. Ele vai se manifestando de vários modos; vamos conhecendo mais e mais o seu jeito, tal como Ele é, aprendendo a viver como verdadeiros filhos e irmãos. Essa fraternidade efetiva, alimentada na Eucaristia, é que afasta o pecado do mundo”. (Deus Conosco)

 

Jesus Cristo, nosso Salvador, é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

O Beato João Paulo II disse que “na liturgia eucarística é reproposto o grande anúncio do Batista. Antes da Comunhão, o Celebrante apresenta à adoração dos fiéis a Hóstia consagrada, dizendo: «Felizes os convidados para a Ceia do Senhor. Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo». Daqui a pouco também nós, ao participar no Banquete eucarístico, receberemos o verdadeiro Cordeiro pascal sacrificado para a salvação da humanidade inteira”.

O Padre Bantu explicou que “grande significado tem para nós, hoje, o dedo indicador de João: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Cordeiro de Deus – em latim – é “Agnus Dei”, uma expressão utilizada pela religião cristã para se referir a Jesus Cristo, identificado como o Salvador da humanidade, ao ter sido sacrificado em resgate pelo pecado original. Na arte e na simbologia icônica cristã, é frequentemente representado por um cordeiro com uma cruz”.

São Gregório de Nazianzo disse assim: “João batiza e Jesus se aproxima, talvez para santificar igualmente aquele que O batiza e, sem dúvida, para sepultar nas águas o velho Adão. Antes de nós, e por nossa causa, Ele, que é Espírito e Carne, santificou as águas do Jordão, para assim nos iniciar nos Sacramentos mediante o Espírito e a água”.

“João Batista reconhece a presença de Deus na história e diz: “Eis o Cordeiro de Deus!” Ele é o Deus de misericórdia, que nos acolhe sempre em seu amor, mesmo com nossa  inumeráveis fraquezas. Contemplemos, pois, o amor redentor de Cristo por nós”. (Deus Conosco)

 

“Sobre quem vires descer e repousar o Espírito, este é quem batiza no Espírito Santo”

O Papa Emérito Bento XVI disse: “Este Jesus é o Filho de Deus, totalmente imerso na vontade de amor do Pai. Este Jesus é Aquele que morrerá na cruz e ressuscitará pelo poder do mesmo Espírito que agora desce sobre Ele e O consagra. Este Jesus é o homem novo que quer viver como Filho de Deus, ou seja, no amor; o homem que, diante do mal do mundo, escolhe o caminho da humildade e da responsabilidade, não prefere salvar-se a si mesmo, mas oferecer a própria vida pela verdade e pela justiça”.

O Catecismo (§720) ensina: “Finalmente, com João Batista, o Espírito Santo inaugura, em prefiguração, aquilo que vai realizar com e em Cristo: restituir ao homem «a semelhança» divina. O batismo de João era para o arrependimento: o Batismo na água e no Espírito será um novo nascimento”.

A Palavra diz: “Jesus respondeu: “Eu garanto a você: se alguém não nasce do alto, não poderá ver o Reino de Deus.” Nicodemos disse:  “Como é que um homem pode nascer de novo, se já é velho? Poderá entrar outra vez no ventre de sua mãe e nascer?” Jesus respondeu: “Eu garanto a você: ninguém pode entrar no Reino de Deus, se não nasce da água e do Espírito. Quem nasce da carne é carne, quem nasce do Espírito é espírito”.  (Jo 3, 3-6)

 

O Profeta João Batista

 “João Batista é um desses homens que só aparecem uma vez. Por mais justos que os outros possam ser, ninguém se iguala à sua determinação e voz profética. Ele fez uma aliança com Deus e a cumpriu até o fim, oferecendo a sua vida em sacrifício. Seu compromisso com a verdade e com a autenticidade o destacou dos outros profetas. Na sociedade de hoje, onde o ter tem muita influência e encobre a verdade e a justiça, que papel temos ocupado em tudo isso? Somos profetas?” (Padre Air José de Mendonça)

O Catecismo (§719) ensina: “A respeito de João, o Espírito cumpre assim as «indagações dos profetas» e o «desejo» dos anjos (88): «Aquele sobre Quem vires o Espírito Santo descer e permanecer, é Ele que batiza no Espírito Santo. Ora, eu vi e dou testemunho de que Ele é o Filho de Deus […] Eis o Cordeiro de Deus!” (Jo 1, 33-36).

 

Pelo sacramento do Batismo uma nova vida começa em nós

O Papa Emérito Bento XVI explicou: “A novidade impressionante da mensagem cristã, do Evangelho de Jesus Cristo era, e ainda é, dizer-nos isto: sim, esta erva medicinal contra a morte, este autêntico remédio da imortalidade existe. Foi encontrado. É acessível. No Batismo, este medicamento nos é dado. Uma vida nova começa em nós, uma vida nova que amadurece na fé e não é cancelada pela morte da vida velha, mas só então se tornará plenamente visível”.

A Palavra diz: “Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo”. (Mt 28, 19-20)

O Papa Emérito Bento XVI disse que “ser cristão significa viver assim (Como Cristo), mas este gênero de vida comporta um renascimento: renascer do alto, de Deus, da Graça. Este renascimento é o Batismo, que Cristo concedeu à Igreja a fim de regenerar os homens para uma vida nova”.

A Palavra diz: “Ou ignorais que todos os que fomos batizados em Jesus Cristo, fomos batizados na sua morte?  Fomos, pois, sepultados com ele na sua morte pelo batismo para que, como Cristo ressurgiu dos mortos pela glória do Pai, assim nós também vivamos uma vida nova. Se fomos feitos o mesmo ser com ele por uma morte semelhante à sua, sê-lo-emos igualmente por uma comum ressurreição”. (Rm 6, 3-5)

 

“Eu o vi e dou testemunho de que ele é o Filho de Deus”

O Papa Francisco disse que “O Pai celeste enviou-o (Cristo) precisamente para que partilhasse a nossa condição, a nossa pobreza. Partilhar é o verdadeiro modo de amar. Jesus não se dissocia de nós, considera-nos irmãos e partilha conosco. E é assim que nos torna filhos, juntamente com Ele, de Deus Pai. É esta a revelação e a fonte do verdadeiro amor. E este é tempo da misericórdia”.

A Palavra diz: “A prova de que sois filhos é que Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai! Portanto já não és escravo, mas filho. E, se és filho, então também herdeiro por Deus”.(Gl 4, 6-7)

Santo Hipólito disse: “Quem desce com fé neste lavacro de regeneração, renuncia ao demônio e põe-se ao lado de Cristo, renega o inimigo e reconhece que Cristo é Deus, despoja-se da escravidão e reveste-se da adoção filial”.

 

Conclusão

Concluímos essa reflexão com as palavras do documento da Igreja “Sacramentum  Caritatis”: “Jesus é o verdadeiro cordeiro pascal, que Se ofereceu espontaneamente a Si mesmo em sacrifício por nós, realizando assim a nova e eterna aliança”.

 

Oração

1- Do Papa Emérito Bento XVI: Pedimos que “a Virgem Maria, Mãe de Jesus, o Filho amado de Deus, vele sobre eles e sobre as suas famílias, acompanhando-os sempre, para que possam realizar até ao fundo o projeto de salvação que, com o Batismo, se concretiza nas suas vidas”.

 

2- “Ó Cordeiro de Deus, pelo Teu Sangue derramado na cruz, livrai-nos:

Das situações de perigo,

Das tragédias,

Das perdas dolorosas,

Das infidelidades,

Dos desentendimentos,

Das tentações,

Das inimizades,

Das divisões,

Das impurezas,

Das muitas fraquezas.

Amém”.  (Do livro “Eucaristia: Fonte de Vida” )

 

Há no Blog uma reflexão do Evangelho de São João 1, 35-42 cujo título é: “Jesus é o Cordeiro de Deus”, postada em 11 de janeiro de 2012.

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

 

 

 

 

 

Entry filed under: Reflexão da Palavra. Tags: .

Dom Orani criado Cardeal Santo Amaro – 15 de Janeiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Arquivos

ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 323 outros seguidores

Categorias


%d blogueiros gostam disto: