Trigésimo Terceiro Domingo do Tempo Comum – É permanecendo firmes que ireis ganhar a vida – São Lucas 21, 5 – 19 – 17 \ 11 \ 13

11 de novembro de 2013 at 15:04 Deixe um comentário

 

 

5. Como lhe chamassem a atenção para a construção do templo feito de belas pedras e recamado de ricos donativos, Jesus disse:

6. Dias virão em que destas coisas que vedes não ficará pedra sobre pedra: tudo será destruído.

7. Então o interrogaram: Mestre, quando acontecerá isso? E que sinal haverá para saber-se que isso se vai cumprir?

8. Jesus respondeu: Vede que não sejais enganados. Muitos virão em meu nome, dizendo: Sou eu; e ainda: O tempo está próximo. Não sigais após eles.

9. Quando ouvirdes falar de guerras e de tumultos, não vos assusteis; porque é necessário que isso aconteça primeiro, mas não virá logo o fim.

10. Disse-lhes também: Levantar-se-ão nação contra nação e reino contra reino.

11. Haverá grandes terremotos por várias partes, fomes e pestes, e aparecerão fenômenos espantosos no céu.

12. Mas, antes de tudo isso, vos lançarão as mãos e vos perseguirão, entregando-vos às sinagogas e aos cárceres, levando-vos à presença dos reis e dos governadores, por causa de mim.

13. Isto vos acontecerá para que vos sirva de testemunho.

14. Gravai bem no vosso espírito de não preparar vossa defesa,

15. porque eu vos darei uma palavra cheia de sabedoria, à qual não poderão resistir nem contradizer os vossos adversários.

16. Sereis entregues até por vossos pais, vossos irmãos, vossos parentes e vossos amigos, e matarão muitos de vós.

17. Sereis odiados por todos por causa do meu nome.

18. Entretanto, não se perderá um só cabelo da vossa cabeça.

19. É pela vossa constância que alcançareis a vossa salvação.

 

Iniciemos essa reflexão com as palavras do comentário da liturgia:  “O Testemunho dos que seguem Jesus, incomoda. Por isso são perseguidos e até chegam a ser assassinados. Diante da adversidade, Jesus os conforta: “Eu lhes darei palavras de sabedoria e nenhum dos inimigos poderá resistir a vocês”. (Deus Conosco)

Dos versículos 5 a 11: “Como lhe chamassem a atenção para a construção do templo feito de belas pedras e recamado de ricos donativos, Jesus disse: Dias virão em que destas coisas que vedes não ficará pedra sobre pedra: tudo será destruído. Então o interrogaram: Mestre, quando acontecerá isso? E que sinal haverá para saber-se que isso se vai cumprir? Jesus respondeu: Vede que não sejais enganados. Muitos virão em meu nome, dizendo: Sou eu; e ainda: O tempo está próximo. Não sigais após eles. Quando ouvirdes falar de guerras e de tumultos, não vos assusteis; porque é necessário que isso aconteça primeiro, mas não virá logo o fim. Disse-lhes também: Levantar-se-ão nação contra nação e reino contra reino. Haverá grandes terremotos por várias partes, fomes e pestes, e aparecerão fenômenos espantosos no céu”.

O Padre Bantu disse que “após a fala de Jesus sobre a destruição do templo de Jerusalém, os discípulos perguntam sobre quando isto ocorreria e qual seria o sinal. Estes discípulos tinham ainda a expectativa da restauração política da Judéia, tendo Jerusalém como o centro de poder, com seus critérios próprios de justiça e direito, que julgaria os demais povos. Jesus apresentara, na terra, os sinais de guerras, terremotos, pestes e fomes. Com maiores e mais concretos detalhes…”

A vitória de Deus sobre o mal –  O Youcat  (§111) ensina: “As dramáticas convulsões que são anunciadas na Sagrada Escritura (a maldade que se revelará sem dissimulação, as provações e perseguições que testarão a fé de muitos) são apenas o Lado escuro da nova realidade: a vitória definitiva de Deus sobre o mal será visível. A glória, a Verdade e a justiça de Deus ressaltarão radiosas”.

Quando ouvirdes falar de guerras e de tumultos, não vos assusteis – “Hoje o Senhor nos convida a permanecer firmes na fé em meio aos desafios da realidade. Somos animados por esta liturgia a levantar a cabeça e não nos deixar vencer pelo medo, mas trabalhar com confiança pela justiça e pelo bem num mundo imerso em conflitos”. ( Liturgia Diária)

A Palavra diz:  “Naquele dia os céus passarão com ruído, os elementos abrasados se dissolverão, e será consumida a terra com todas as obras que ela contém. Uma vez que todas estas coisas se hão de desagregar, considerai qual deve ser a santidade de vossa vida e de vossa piedade, enquanto esperais e apressais o dia de Deus, esse dia em que se hão de dissolver os céus inflamados e se hão de fundir os elementos abrasados! Nós, porém, segundo sua promessa, esperamos novos céus e uma nova terra, nos quais habitará a justiça”.(2  Pd  3, 10b-13)

Enfim, a vinda gloriosa de Cristo – O Catecismo (675-677 -680) ensina: “Após o último abalo cósmico deste mundo que passa, a vinda gloriosa de Cristo acontecerá com o triunfo definitivo de Deus na Parusia de Cristo e com o Juízo final. Assim se cumprirá o Reino de Deus”.

Dos versículos 12 a 19: “Mas, antes de tudo isso, vos lançarão as mãos e vos perseguirão, entregando-vos às sinagogas e aos cárceres, levando-vos à presença dos reis e dos governadores, por causa de mim. Isto vos acontecerá para que vos sirva de testemunho. Gravai bem no vosso espírito de não preparar vossa defesa, porque eu vos darei uma palavra cheia de sabedoria, à qual não poderão resistir nem contradizer os vossos adversários. Sereis entregues até por vossos pais, vossos irmãos, vossos parentes e vossos amigos, e matarão muitos de vós. Sereis odiados por todos por causa do meu nome. Entretanto, não se perderá um só cabelo da vossa cabeça. É pela vossa constância que alcançareis a vossa salvação”.

Porque eu vos darei uma palavra cheia de sabedoria – O Beato João Paulo II disse que Jesus “não esconde aos seus discípulos e àqueles que o seguirão a perspectiva de um tal sofrimento; pelo contrário, apresenta-o com toda a franqueza, indicando-lhes ao mesmo tempo as forças sobrenaturais que os acompanharão no meio das perseguições e tribulações sofridas « pelo seu nome ». Estas serão, ao mesmo tempo, como que um meio especial de verificar a semelhança a Cristo e a união com ele. « Se o mundo vos odeia, ficai sabendo que, primeiro do que a vós, me odiou a mim…”

“Quem dá testemunho da Palavra, sofre as perseguições do mundo, mas não fica desamparado. O profeta nos garante que o justo brilha como o sol, mas o soberbo é como fogo de palha”. (Ml  3, 19-20a) (Deus Conosco)

“É pela vossa constância que alcançareis a vossa salvação” – O Beato João Paulo II disse que o Evangelho fala “das perseguições, isto é, das tribulações por causa de Cristo, contém em si um chamamento especial à coragem e à fortaleza, apoiado pela eloquência da Ressurreição. Cristo venceu definitivamente o mundo com a sua ressurreição”.

 

Não desviar do caminho de Jesus

A Igreja coloca à nossa disposição a força dos sacramentos para permanecermos de pé até o fim – “Restaurai nossas forças e coragem e infundi em nosso coração a paz do vosso Espírito, para não sermos enganados por propostas que nos desviam do caminho de vosso Filho Jesus, que vive e reina para sempre”. (Liturgia Diária)

A oração e a vivência do amor são recursos poderosos para vencermos com o Senhor essa batalha – O Padre Bantu disse que “a união com Deus na oração fortalece os discípulos a perseverarem em sua caminhada e luta”.

A Palavra diz: “O fim de todas as coisas está próximo. Sede, portanto, prudentes e vigiai na oração. Antes de tudo, mantende entre vós uma ardente caridade, porque a caridade cobre a multidão dos pecados” (1 Pd 4,7-8).

Os Santos Mártires – Supremo Testemunho da Verdade da Fé

O Catecismo (§2473) ensina: “O martírio é o supremo testemunho dado em favor da verdade da fé; designa um testemunho que vai até à morte. O mártir dá testemunho de Cristo, morto e ressuscitado, ao qual está unido pela caridade. Dá testemunho da verdade da fé e da doutrina cristã”.

Conclusão

Concluímos essa reflexão com as palavras do Papa Emérito Bento XVI: “A expectativa da parusia de Jesus não dispensa do compromisso neste mundo, mas ao contrário cria responsabilidade face ao Juiz divino acerca do nosso agir neste mundo. Precisamente assim cresce a nossa responsabilidade de trabalhar em e para este mundo”.

Oração

Oremos com o Salmo 97

1. Cantai ao Senhor um cântico novo, porque ele operou maravilhas. Sua mão e seu santo braço lhe deram a vitória.

2. O Senhor fez conhecer a sua salvação. Manifestou sua justiça à face dos povos.

3. Lembrou-se de sua bondade e de sua fidelidade em favor da casa de Israel. Os confins da terra puderam ver a salvação de nosso Deus.

4. Aclamai o Senhor, povos todos da terra; regozijai-vos, alegrai-vos e cantai.

5. Salmodiai ao Senhor com a cítara, ao som do saltério e com a lira.

6. Com a tuba e a trombeta elevai aclamações na presença do Senhor rei.

7. Estruja o mar e tudo o que contém, o globo inteiro e os que nele habitam.

 8. Que os rios aplaudam, que as montanhas exultem em brados de alegria

9. diante do Senhor que chega, porque ele vem para governar a terra. Ele governará a terra com justiça, e os povos com eqüidade.

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

 

Entry filed under: Reflexão da Palavra. Tags: .

Frases do Papa Emérito Bento XVI no Youcat Novena de Nossa Senhora das Graças e da Medalha Milagrosa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Arquivos

ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se aos outros seguidores de 373

Categorias


%d blogueiros gostam disto: