Ceia do Senhor – Marcos 14, 12-25 – Quinta-Feira Santa

2 de abril de 2012 at 20:51 Deixe um comentário


12. No primeiro dia dos Ázimos, em que se imolava a Páscoa, perguntaram-lhe os discípulos: Onde queres que preparemos a refeição da Páscoa? 13. Ele enviou dois dos seus discípulos, dizendo: Ide à cidade, e sair-vos-á ao encontro um homem, carregando um cântaro de água. 14. Segui-o e, onde ele entrar, dizei ao dono da casa: O Mestre pergunta: Onde está a sala em que devo comer a Páscoa com os meus discípulos? 15. E ele vos mostrará uma grande sala no andar superior, mobiliada e pronta. Fazei ali os preparativos. 16. Partiram os discípulos para a cidade e acharam tudo como Jesus lhes havia dito, e prepararam a Páscoa. 17. Chegando a tarde, dirigiu-se ele para lá com os Doze. 18. E enquanto estavam sentados à mesa e comiam, Jesus disse: Em verdade vos digo: um de vós que come comigo me há de entregar. 19. Começaram a entristecer-se e a perguntar-lhe, um após outro: Porventura sou eu? 20. Respondeu-lhes ele: É um dos Doze, que se serve comigo do mesmo prato. 21. O Filho do homem vai, segundo o que dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem for traído! Melhor lhe seria que nunca tivesse nascido… 22. Durante a refeição, Jesus tomou o pão e, depois de o benzer, partiu-o e deu-lho, dizendo: Tomai, isto é o meu corpo. 23. Em seguida, tomou o cálice, deu graças e apresentou-lho, e todos dele beberam. 24. E disse-lhes: Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado por muitos. 25. Em verdade vos digo: já não beberei do fruto da videira, até aquele dia em que o beberei de novo no Reino de Deus.

Queridos amigos, com a Santa Missa da Ceia do Senhor, entraremos no Tríduo Pascal, cume de todo o Ano Litúrgico, para celebrar o Mistério Central da fé: a paixão, morte e ressurreição de Cristo, explica o Papa Bento XVI, em 04 de Abril de 2012.

Versículos 12-16: “No primeiro dia dos Ázimos, em que se imolava a Páscoa, perguntaram-lhe os discípulos: Onde queres que preparemos a refeição da Páscoa?  Ele enviou dois dos seus discípulos, dizendo: Ide à cidade, e sair-vos-á ao encontro um homem, carregando um cântaro de água. Segui-o e, onde ele entrar, dizei ao dono da casa: O Mestre pergunta: Onde está a sala em que devo comer a Páscoa com os meus discípulos? E ele vos mostrará uma grande sala no andar superior, mobiliada e pronta. Fazei ali os preparativos.  Partiram os discípulos para a cidade e acharam tudo como Jesus lhes havia dito, e prepararam a Páscoa”.

Resumo: Jesus Cristo pediu a dois de seus discípulos que chegando à cidade procurassem um homem carregando um cântaro de água e, que eles o seguissem; e que na casa que esse homem entrasse, os discípulos deveriam perguntar: “O Mestre pergunta: Onde está a sala em que devo comer a Páscoa com os meus discípulos?” (V. 14b) Jesus continua instruindo os discípulos: “E ele vos mostrará uma grande sala no andar superior, mobiliada e pronta. Fazei ali os preparativos”. (V.15b)  Os discípulos encontraram tudo o que Jesus havia dito e prepararam a Páscoa ali.
Jesus Cristo foi celebrar junto com seus discípulos a Páscoa dos Judeus, recordando a libertação da escravidão do povo no Egito. Na Páscoa judaica faz-se um banquete e come-se “o cordeiro que será sem defeito, macho, de um ano”; o pão ázimo, isto é, sem fermento; e as ervas amargas, que simboliza a amargura da escravidão e o sofrimento no Egito. (Ex. 12,1-8.11-14)

O Catecismo (1335) ensina: “Os pães ázimos, que Israel come todos os anos na Páscoa, comemoram a pressa da partida libertadora do Egito; a lembrança do maná do deserto recordará sempre a Israel que é do pão da Palavra de Deus que ele vive. Finalmente, o pão de todos os dias é o fruto da terra prometida, penhor da fidelidade de Deus às suas promessas. O «cálice de bênção» (1Co 10, 16), no fim da ceia pascal dos judeus, acrescenta à alegria festiva do vinho uma dimensão escatológica – a da expectativa messiânica do restabelecimento de Jerusalém”.

Versículos 17-21: “Chegando a tarde, dirigiu-se ele para lá com os Doze. E enquanto estavam sentados à mesa e comiam, Jesus disse: Em verdade vos digo: um de vós que come comigo me há de entregar. Começaram a entristecer-se e a perguntar-lhe, um após outro: Porventura sou eu?  Respondeu-lhes ele: É um dos Doze, que se serve comigo do mesmo prato. O Filho do homem vai, segundo o que dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem for traído! Melhor lhe seria que nunca tivesse nascido…”

Resumo: Jesus Cristo e seus discípulos foram até à casa onde fora arrumada a Ceia e sentaram-se à mesa. Enquanto comia com seus discípulos Jesus disse: “Em verdade vos digo: um de vós que come comigo me há de entregar”. (V.18) Os discípulos ficaram tristes com o que o Senhor disse. Jesus continuou: “É um dos Doze, que se serve comigo do mesmo prato. O Filho do homem vai, segundo o que dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem for traído! Melhor lhe seria que nunca tivesse nascido…” (V. 20-21)

A Traição de Judas

Jesus na Ceia anunciou que um de seus discípulos O trairia e posteriormente foi isso mesmo que aconteceu. O Evangelho narra esse momento tão duro para o Senhor: chegando a hora de sua Paixão Jesus disse aos seus discípulos: “Levantai-vos, vamos! Aquele que me trai está perto daqui. Jesus ainda falava, quando veio Judas, um dos Doze, e com ele uma multidão de gente armada de espadas e cacetes, enviada pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos do povo. O traidor combinara com eles este sinal: aquele que eu beijar, é ele. Prendei-o!” (Mt 26, 46-48) Jesus foi preso porque Judas deu  informação sobre o local onde Ele se encontrava, por trinta moedas de prata (Mt 27,3).

O porquê da traição de Judas é algo que instiga os estudiosos no mundo, já que ele foi escolhido como Apóstolo pelo Senhor e era seu amigo. Mas a  explicação é clara no Evangelho: Judas foi tentado por Satanás e acabou cedendo à tentação. A Palavra diz: “Entrou satanás em Judas, chamado Iscariotes que era do número dos Doze” (Lc 22, 3).

O Papa Bento XVI disse: “Porque Judas traiu Jesus? João diz expressamente que “tendo já o diabo metido no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que O entregasse” (Jo 13, 2). No seu misterioso projeto salvífico, Deus assume o gesto imperdoável de Judas como ocasião da doação total do Filho para a redenção do mundo”.

A narração da traição de Judas termina com essas palavras: “E era noite” (Jo 13, 30) O Papa Bento XVI explicou: “É o confronto supremo entre a Luz e as Trevas, entre a Vida e a Morte. Também nós nos devemos enquadrar neste contexto, conscientes da nossa “noite”, das nossas culpas e das nossas responsabilidades, se desejamos reviver com proveito espiritual o Mistério pascal, se desejamos chegar à luz do coração mediante este Mistério, que constitui o ponto central da nossa fé”. Que a dor da traição de Judas, sofrida por nosso Senhor Jesus, liberte-nos das dores e das mágoas de todas às vezes que fomos traídos por aqueles que amamos ou que nos são próximos.

Versículos 22 – 25: “Durante a refeição, Jesus tomou o pão e, depois de o benzer, partiu-o e deu-lho, dizendo: Tomai, isto é o meu corpo. Em seguida, tomou o cálice, deu graças e apresentou-lho, e todos dele beberam.  E disse-lhes: Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado por muitos. Em verdade vos digo: já não beberei do fruto da videira, até aquele dia em que o beberei de novo no Reino de Deus”.

Resumo: Jesus sentado à mesa com seus discípulos tomou o pão, benzeu, e partiu-o e deu a cada um dizendo: “Tomai, isto é o meu corpo”. (V. 22) Tomou o cálice em seguida, deu graças e deu para que seus discípulos bebessem e disse: “Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado por muitos. Em verdade vos digo: já não beberei do fruto da videira, até aquele dia em que o beberei de novo no Reino de Deus”.(V. 24-25)

Eis o mistério da fé:

“Tomai, isto é o meu corpo…”- O Pão Eucarístico é o Corpo de Cristo flagelado, sofrido e pregado na cruz pela expiação de nossos pecados.  O Beato João Paulo II disse:  “Cristo diz: “Tomai, isto é o meu corpo…”, dando-lhes a comer o Pão. Este Pão converte-se no Seu Corpo, Corpo que no dia seguinte será entregue no sacrifício da cruz. Corpo martirizado que destilará Sangue”.

“ O sacerdote eleva a Hóstia consagrada como o Corpo de Cristo foi erguido na cruz, dizendo na Liturgia Latina: “Felizes os convidados para a Ceia do Senhor.  Eis o Cordeiro de Deus, que tira os pecados do mundo”. (Vaticano)

A Palavra diz: “Por esse motivo, irmãos, temos ampla confiança de poder entrar no santuário eterno, em virtude do sangue de Jesus, pelo caminho novo e vivo que nos abriu através do véu, isto é, o caminho de seu próprio corpo”.(Hb 10, 19-20)

“A Eucaristia é a presença viva de Cristo na Igreja. A humilhação do Senhor, levou-O a transformar-Se em alimento para o homem” ( 1 Cor 10, 16; 11, 23s).(Vaticano)

“Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado por muitos“ (V. 24)
O sangue de Jesus derramado na cruz por nossos pecados é o mesmo sangue do cálice da Santa Eucaristia.Vimos que na páscoa judaica imolava-se um cordeiro como sinal da antiga aliança de Deus com o povo da promessa; agora a nova aliança é selada com o sangue do “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”(Jo 1, 29), Jesus Cristo.

A Palavra diz que Jesus “sem levar consigo o sangue de carneiros ou novilhos, mas com seu próprio sangue, entrou de uma vez por todas no santuário, adquirindo-nos uma redenção eterna”. (Hb 9, 12)

O Beato João Paulo II disse:  “Dando aos apóstolos o seu Corpo como alimento e o seu Sangue como bebida, Jesus exprimiu a verdade mais profunda do gesto que dali a pouco iria realizar no Gólgota. No Pão eucarístico, está realmente o mesmo Corpo nascido de Maria e oferecido na Cruz”.

Eucaristia – vida para a Igreja

A Palavra diz: “Jesus respondeu-lhes: Em verdade, em verdade vos digo: Moisés não vos deu o pão do céu, mas o meu Pai é quem vos dá o verdadeiro pão do céu;  porque o pão de Deus é o pão que desce do céu e dá vida ao mundo”.(Jo 6, 32-33)

A Eucaristia é  Jesus Cristo, o alimento que vem do céu para sustentar os fiéis nas suas dores, angústias e tribulações. A Eucaristia é o alimento que dá força e consolação à Sua Igreja. A Eucaristia é  sustento e remédio para nossa vida.

Eucaristia é vida nesse mundo e vida na eternidade. A Palavra diz: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão, que eu hei de dar, é a minha carne para a salvação do mundo”.(Jo 6, 51)

“Todas as vezes que o beberdes, fazei-o em memória de mim”
São Paulo acrescenta à narração da Última Ceia essas palavras ditas por Jesus:  “Este cálice é a Nova Aliança no meu sangue; todas as vezes que o beberdes, fazei-o em memória de mim. Assim, todas as vezes que comeis desse pão e bebeis desse cálice lembrais a morte do Senhor, até que venha”. (1 Cor 11, 25-26)

O Beato João Paulo II explicou assim:  “O constante multiplicar-se na Igreja do Pão da vida nova para os homens de toda a raça e cultura. Este ministério sacramental foi confiado aos Apóstolos e aos seus sucessores. E eles, fiéis à recomendação do divino Mestre, não cessam de partir e de distribuir o Pão eucarístico de geração em geração. O Povo de Deus recebe-o com devota participação”.

Também o Papa Bento XVI disse: “Tal ação deverá ser realizada « em sua memória »: a indicação é importante. O ato eucarístico celebrado pelos sacerdotes tornará presente em cada geração cristã e em cada ângulo da terra, a obra realizada por Cristo. Onde quer que for celebrada a Eucaristia, nesse lugar, de forma incruenta, tornar-se-á presente o sacrifício cruento do Calvário; lá estará presente o próprio Cristo, Redentor do mundo.« Fazei isto em memória de Mim”.

O Milagre da Transubstanciação

Durante a Oração Eucarística o sacerdote reza, impõe as mãos, traça o sinal da cruz sobre as oferendas do pão e do vinho e diz “Na verdade, ó Pai, vós sois santo e fonte de toda santidade. Santificai, pois, estas oferendas, derramando sobre elas o vosso Espírito, a fim de que se tornem para nós o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso”. Nesse momento acontece o Milagre da Transubstanciação, onde as ofertas do pão e do vinho tornam-se Corpo e Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo.

Santo Ambrósio disse assim sobre a Transubstanciação:  “Persuadamo-nos que já não temos o que a natureza formou, mas o que a bênção consagrou; e que a força da bênção é maior que a força da natureza, porque a bênção, muda até a natureza”.

O Catecismo ( 1374) ensina: “O modo da presença de Cristo sob as espécies eucarísticas é único. Ele eleva a Eucaristia acima de todos os sacramentos e faz dela como que a perfeição da vida espiritual e o fim para que tendem todos os sacramentos. No santíssimo sacramento da Eucaristia estão contidos, verdadeira, real e substancialmente, o corpo e o sangue, conjuntamente com a alma e a divindade de nosso Senhor Jesus Cristo e, por conseguinte, Cristo completo. Esta presença chama-se real, não a título exclusivo como se as outras presenças não fossem reais, mas por excelência, porque é substancial, e porque por ela se torna presente Cristo completo, Deus e homem”.

A Eucaristia é Comunhão

“Por conseguinte, a Sagrada Comunhão produz todos os seus frutos: aumenta a nossa união com Cristo, separa-nos do pecado, consolida a comunhão eclesial, empenha-nos em favor dos pobres, aumenta a graça e dá o penhor da vida eterna”.(Vaticano)

Ao tomarmos a Santa Eucaristia recebemos a graça da comunhão com Cristo e da comunhão com os fiéis, pois a Eucaristia torna os fiéis um só corpo em Cristo Jesus. O Catecismo (1331) diz que a Eucaristia é  “comunhão, porque é por este sacramento que nos unimos a Cristo, que nos toma participantes de seu Corpo e de seu Sangue para formarmos um só corpo”.

“A unidade com Cristo, cabeça do corpo místico, que é a Igreja, é o fruto principal da Eucaristia, que assim exprime o seu significado”. (Vaticano)

A Eucaristia e a missão do cristão

“ Alimentando-se da Eucaristia, os cristãos nutrem a sua alma e tornam-se alma que sustém o mundo, dando assim sentido cristão à vida, que é sentido sacramental. É deste sacramento que provém o dom da caridade e da solidariedade, pois o Sacramento do altar não pode separar-se do mandamento novo do amor recíproco”.(Vaticano)

A Ceia no Céu

A Eucaristia nos dá a esperança de um dia podermos participar do banquete do Cordeiro na eternidade. A Palavra diz: “Felizes os que foram convidados para o banquete de núpcias do Cordeiro”. (Ap 19, 9) – O Beato João Paulo II ensinou: “Não podemos esquecer que a nossa vida encontra naquele banquete – antecipado no sacramento da Eucaristia – a sua meta final. Cristo adquiriu-nos não apenas uma nova dignidade na nossa vida terrena, mas sobretudo a dignidade nova de filhos de Deus, chamados a participar com Ele na vida eterna”.

Frases dos santos sobre a Eucaristia:

S. Tomás de Aquino: “O efeito deste Sacramento deve, ademais, ser considerado também pelo que ele representa, que é a Paixão de Cristo. Por isto, o efeito que a Paixão de Cristo realizou no mundo, este Sacramento também realiza no homem”.

Santo Agostinho, doutor da Igreja, nos fala: “A Eucaristia é o pão de cada dia, que se toma como remédio para a nossa fraqueza de cada dia”.

São Francisco de Sales: “Só por amor se deve receber Nosso Senhor Jesus Cristo na Eucaristia, já que só por amor Ele se dá a nós”.

O quadro representativo da Santa Ceia

O Beato João Paulo II disse:  “A imagem de Cristo circundado pelos seus na Última Ceia gere em cada um de nós sentimentos de fraternidade e de comunhão. Grandes pintores prodigalizaram-se por delinear a figura de Cristo entre os seus Apóstolos no cenário da Última Ceia: como esquecer a obra-prima de Leonardo da Vinci? Mas só os santos, com a intensidade do seu amor, podem penetrar na profundidade deste mistério, apoiando de algum modo, como João, a cabeça no peito do Senhor “.( Jo 13, 25)

A Eucaristia e Nossa Senhora

O Beato João Paulo II ensinou“No Sacrifício do altar, sob as espécies do pão e do vinho, Cristo dá-nos como alimento o Corpo e o Sangue que, por obra do Espírito Santo, Lhe deu sua Mãe, Maria. Deus Pai, escolhendo Maria como Mãe do seu Filho unigênito, uniu-a de maneira especial à Eucaristia. Maria, ensina-nos a compreender cada vez mais plenamente este grande mistério da fé a fim de acolhermos sempre, com alegria e gratidão, o convite do teu Filho: «Tomai e comei, este é o meu Corpo. Tomai e bebei, este é o meu Sangue”.

Concluímos essa reflexão com as palavras do Beato João Paulo II:
“É surpreendente como a Igreja, ao desenvolver-se no tempo e no espaço, permanece ela mesma graças ao Evangelho e à Eucaristia”.

Oremos com:

O Beato João Paulo II: “Maria, ensina-nos a compreender cada vez mais plenamente este grande mistério da fé a fim de acolhermos sempre, com alegria e gratidão, o convite do teu Filho: “Tomai e comei, este é o meu Corpo. Tomai e bebei, este é o meu Sangue”.

O Canto Litúrgico: Eu quis comer esta ceia agora, Pois vou morrer já chegou minha hora. Tomai, comei é meu corpo e meu sangue que dou. Vivei no amor! Eu vou preparar a ceia na casa do Pai. Comei o pão; é meu corpo imolado. Por vós, perdão para todo pecado. E vai nascer do meu sangue a esperança, O amor, a paz; uma nova aliança. Eu vou partir; deixo o meu testamento.  Vivei no amor! Eis o meu mandamento. Irei ao Pai; sinto a vossa tristeza;  Porém, no céu, vos preparo outra mesa. De Deus virá o Espírito Santo,  Que vou mandar p’ra enxugar vosso pranto. Eu vou, mas vós me vereis novamente;  Estais em mim e eu em vós estou presente. Crerá em mim e estará na verdade, Quem vir cristãos, na perfeita unidade.

Jane Amábile – Com. Divino Espírito Santo

About these ads

Entry filed under: Reflexão da Palavra. Tags: .

Quinta-Feira Santa – Lava-pés – João 13, 1-15 Sábado Santo – Vigília Pascal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


ADMINISTRADORA DO BLOG:

Jane Amábile

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 104 outros seguidores

Categorias


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 104 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: